conecte-se conosco


Sem categoria

Mais de 600 professores de MT se afastaram para tratar depressão e síndrome do pânico em 2018

Publicado

Mais de 2 mil professores foram afastados para tratamento de saúde em MT — Foto: Rafaella Zanol - Gcom/MT

Mais de 2 mil professores foram afastados para tratamento de saúde em MT — Foto: Rafaella Zanol – Gcom/MT

Um total de 2.022 professores se licenciaram para tratamento de saúde no ano passado e, destes, 667 estavam com depressão e pânico, segundo dados da Secretaria Estadual de Planejamento e Gestão (Seplag).

Apesar de alto, o índice houve redução de 17,5% das licenças, se comparado com 2017.

Transtornos mentais e comportamentais, como depressão, ansiedade e síndrome do pânico, são os que mais afetam os professores da educação básica, que representa 33% dos laudos.

No caso dessas patologias, o número de casos aumentou de 2015 para 2018. Em 2015, 29,8% se referiam a transtornos dessa natureza.

Os dados fazem parte do relatório de Absenteísmo por Doença Professores (2015-2018), levantado pela Coordenadoria de Perícia Médica da Secretaria de Planejamento e Gestão de Mato Grosso (Seplag).

Esses dados se referem aos registros de Licença para Tratamento de Saúde (LTS) no Sistema Estadual de Administração de Pessoal (Seap). Constam licenças de mais de três dias, englobando todas as doenças.

No âmbito do ensino superior, o percentual de professores da Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat) afastados para tratamento de saúde caiu de 10,3%, em 2015 para 7,9%, em 2018.

Não passam pela perícia médica os servidores com licença de até 3 dias. Dessa forma, não são contabilizados no relatório.
Levantamento da Seplag aponte que 33% dos professores afastados tratam transtornos mentais — Foto: Junior Silgueiro/Seduc-MT

Levantamento da Seplag aponte que 33% dos professores afastados tratam transtornos mentais — Foto: Junior Silgueiro/Seduc-MT

De acordo com a psicóloga Fabiana Barbosa, uma das razões do estresse excessivo e das síndromes comuns entre professores, por exemplo, é o fato de precisar lidar com pessoas diferentes, com muitas particularidades.

“O professor precisa se remodelar para cada aluno. Absorve muita coisa. Não é uma profissão que envolve apenas a parte técnica. Ele tem que se reinventar o tempo todo e sem apoio emocional é bem desgastante”, explicou a psicóloga.

A diretora de uma escola de pública de Cuiabá, que pediu para não se identificada informou que na unidade onde ela trabalha, três professores estiveram de licença para tratamento de saúde, em especial, para tratar transtornos mentais.

Ela explicou ainda que alguns profissionais foram reabsorvidos no organograma, na modalidade “desvio de função”.

“O professor, muitas vezes, trabalha com 20 turmas diferentes, cada uma com 30 a 35 alunos. Crianças e adolescentes com perfis opostos e realidades diferentes. Muitas vezes, absorvemos os dramas dos estudantes, na tentativa de ajudá-los”, explicou ela.

Mais de 2 mil professores se afastaram da sala de aula para tratar problemas de saúde em 2018. — Foto: ALMT/Divulgação

Mais de 2 mil professores se afastaram da sala de aula para tratar problemas de saúde em 2018. — Foto: ALMT/Divulgação

Na tentativa de reverter esse quadro dentro da educação pública e promover melhorias no ambiente de trabalho do servidor, a Seplag iniciou, em 2017, a implantação do Programa de Atenção à Saúde Mental.

A princípio, o projeto-piloto foi implantado nas secretarias estaduais de Planejamento e Gestão (Seplag), Segurança Pública (Sesp), Fazenda (Sefaz), Assistência Social e Cidadania (Setac) Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Controladoria Geral do Estado (CGE) e Polícia Judiciária Civil (PJC).

O programa tem o objetivo de identificar os fatores, dentro do ambiente de trabalho, que possam provocar mal estar e sofrimento aos servidores. Assim, é possível desenvolver ações preventivas que possibilitem a redução dos casos de afastamento de funcionários.

O programa é desenvolvido por uma equipe multiprofissional composta por psicólogo, assistente social e enfermeiro.

Por G1 MT

Comentários Facebook
publicidade

Sem categoria

Prefeito acompanha ações dos Programas Saúde na Escola e Crescer Saudável

Publicado

Fonte: Assecom – João Menezes

Na manhã desta terça-feira, 12/11, o prefeito Raimundo Nonato e a primeira-dama, Irene Bernardino de Faria, acompanhados pelo Secretário de Saúde Municipal Fabio Rezende e profissionais da pasta, fizeram a entrega das primeiras balanças de pesagem de crianças, uma ação da Secretaria de Saúde em parceria com a Secretaria de Educação, através do Programa Saúde na Escola e Crescer Saudável. Através do Programa a Secretaria de Saúde fez a aquisição de 10 balanças.

Nesta ação, foram atendidas cerca de 450 crianças da Escola Municipal Infantil Silvana Daniel. Coordenada pela enfermeira Isabelle Feitosa, responsável pela Unidade de Saúde da Família São Raimundo. O programa tem acompanhamento da Pâmela Sotero, Educadora Física do NASF da Secretaria Municipal de Saúde.

Isabelle Feitosa e Pâmela Sotero disseram que as  ações são planejadas, para atender as escolas das zonas urbana e rural. Dentro do Programa algumas ações que são orientadas para identificar, através de um diagnóstico, crianças que estejam precisam de intervenção da Secretaria de Saúde, para melhorar a qualidade de vida dos alunos.

Veja Também:  Barra do Bugres e Nova Olímpia querem apoio do governador para reconstrução de ponte

Fabio Rezende ressalta que o Programa tem algumas metas a serem cumpridas com crianças de zero a 10 anos, nas escolas do município, realizando pesagem, altura, são identificadas crianças em situação de risco, como: desnutrição, sobrepeso e obesidade. Identificadas essas morbidades, as crianças serão encaminhadas as Unidades Básicas de Saúde, onde serão acompanhados por uma equipe multiprofissional médico clínico, nutricionista, enfermeira e educadora física.

O prefeito Raimundo Nonato enalteceu a parceria das Secretarias de Educação e Saúde trabalhando para melhorar o desenvolvimento da vida das nossas crianças que, muitas delas são carentes. Raimundo Nonato também ressaltou trabalho que a Secretaria de Educação, a qual vem implementando a qualidade na alimentação das crianças, onde os pequenos têm refeições de qualidade, proporcionados pelo Pode Executivo Municipal.

GALERIA DE FOTO

Comentários Facebook
Continue lendo

Sem categoria

Participação familiar é maior desafio enfrentado por gestores escolares

Publicado

O Dia do Diretor foi criado para reflexão sobre o importante papel daquele que é responsável pela administração e gestão da unidade escolar.

Rosane Brandão e Adilson Rosa | Seduc-MT

Diretora da escola Fernando Leite, Leyde Laura, com alunos – Foto por: Divulgação

Diretora da escola Fernando Leite, Leyde Laura, com alunos

O Dia do Diretor Escolar, comemorado nesta terça-feira (12.11), é uma oportunidade para refletir sobre o papel deste profissional que é responsável pela administração e gestão da unidade escolar.

Eleitos pela comunidade escolar, os diretores das escolas estaduais de Mato Grosso têm, entre seus maiores desafios, trazer os pais para para dentro da escola. Para a maior parte dos gestores, esta é uma tarefa difícil, mas compensadora e, principalmente, necessária.

Na concepção da maioria dos diretores, a participação dos pais no dia a dia da escola é fundamental para um ensino de qualidade e ter a escola como referência.

A diretora da Escola Estadual Fernando Leite de Campos, Leyde Laura de Sousa, em Várzea Grande, elencou como prioridade a participação dos pais nas atividades escolares. “Desde a elaboração de meu plano de trabalho, uma das prioridades é buscar o envolvimento da família na escola”, assegura.

Ela considera os resultados excelentes, pois os pais participam das reuniões e vão à escola não apenas para buscar os boletins escolares, eles se envolvem com todas as atividades.

Leyde Laura frisa que na maioria das vezes em que liga para os pais para falar sobre os alunos eles são atenciosos e, ao final, sempre agradecem pela preocupação que a escola tem com os seus filhos.

O maior desafio é justamente com os pais ausentes, cujos filhos encontram-se com desafazem na aprendizagem e na disciplina. “Infelizmente são pais em que ligamos duas, três vezes e não conseguimos contato. Então, acionamos o Conselho Tutelar para tomar as providências. Temos uma porcentagem de pais que não participam. Esse é o nosso alvo, porque a família na escola faz a diferença”, assinala.

Veja Também:  Hospital Regional de Barra do Bugres continua em situação alarmante, enfermeiros fazem protesto de silêncio

A escola, que está localizada na região central de Várzea Grande, atende 1.240 alunos, do 6º ao 9º ano do ensino fundamental e do 1º ao 3º ano do ensino médio.

Para Conceição Aparecida Bastos, que há dez meses está à frente da Escola Estadual Nova Chance, que atende 2.800 alunos privados de liberdade, o maior desafio nesse período em que está como gestora foi promover uma gestão participativa e democrática, pautada em uma escola transformadora e libertadora, onde o aluno é parte específica e protagonista do processo de ensino-aprendizagem.

Professora da rede estadual há 28 anos, a diretora destaca que sempre acreditou que a educação é realmente o instrumento mais eficaz de transformação social, de qualificação e inserção, tanto na estruturação de vida quanto no mercado de trabalho.

“Justamente por crer na humanidade, é que vejo o estudo para os alunos privados de liberdade como um novo caminho, uma nova chance para ressocialização, construção e reconstrução de uma nova vida ao se reintegrarem na sociedade. Uma das funções da escola, como um todo, é dar a este aluno, uma chance de mudar e ter um futuro melhor. Estou convencida de que as opções de vida nessas circunstâncias específicas só podem ser melhores por meio da educação, portanto, o papel do gestor nesse processo é imprescindível”, observa.

Veja Também:  Quadrilha que arrombou 8 estabelecimentos comerciais é alvo de operação em Cuiabá

O diretor da Escola Estadual Marcio Schabtt Souza, localizada em Lucas do Rio Verde (a 354 quilômetros de Cuiabá), Wellington José Gobi Zarelli, concorda que ser gestor não é uma tarefa fácil, mas é imprescindível para a melhoria das condições de vida das pessoas que passam pela unidade escolar.

“Para mim, o mais prazeroso em ser diretor é servir à comunidade e fazer o possível para garantir as melhorias para esse espaço educacional, ou seja, é fazer o possível para melhorar a condição de vida de quem passa pela escola, mudando tanto a questão cognitiva quanto o contexto social. Ser diretor é dedicar-se ao máximo e mostrar-se à comunidade com respeito e de maneira democrática”.

Em seu segundo ano de gestão como diretor, Wellington Zarelli, que também foi coordenador por oito anos, acredita que a escola é protagonista quando se refere à mudança do contexto social. Por isso, o gestor deve trabalhar para fazer desse espaço um ambiente mais atrativo aos alunos para que os mesmos se integrem cada vez mais à escola e não fiquem em meios vulneráveis.

“A escola é o refúgio para nossas crianças e esse refúgio além de acolher é um espaço que vai moldar esse cidadão para ter desenvoltura tanto na sua vida social quanto nas questões financeiras, ou seja, a escola é um meio para alavancar a vida de qualquer ser que passe por esse espaço”, observa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana