conecte-se conosco


Agronegócio

Aprosoja-MT busca mediação e conquista padronização do georreferenciamento em Mato Grosso

Publicado

Com a medida, todos os cartórios mato-grossenses deverão seguir um único check list, que garantirá mais celeridade ao processo

Portal do Agronegócio

Com objetivo de desburocratizar e facilitar o sistema de regularização de georreferenciamento em Mato Grosso, a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Estado (Aprosoja-MT) conseguiu a padronização de documentos solicitados pelos cartórios, por meio de um Termo de Acordo de Mediação Extrajudicial firmado com Associação dos Notários e Registradores (Anoreg), Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Instituto de Terra de Mato Grosso (Intermat), Corregedoria Geral de Justiça e Assembleia Legislativa.

Com a medida, todos os cartórios mato-grossenses deverão seguir um único check list, que garantirá mais celeridade ao processo e evitará prejuízos ao setor produtivo. Conforme o acordo firmado, a Corregedoria Geral de Justiça tem o prazo de 15 dias para baixar o provimento com a relação de documentos de padronização. O acordo foi mediado pela Câmara de Mediação, Conciliação e Arbitragem e, ao longo de três sessões, as entidades participantes construíram juntas a lista de documentos a serem solicitados pelos cartórios dos 141 municípios mato-grossenses. Foram elencados 11 documentos necessários para a realização do processo, sem prejuízos aos órgãos de controle como Incra e Intemat e aos produtores rurais.

Para o presidente da Aprosoja-MT e vice-presidente da Aprosoja Brasil, Antonio Galvan, que liderou a iniciativa, a falta de um padrão para o georreferenciamento acarretou inúmeros prejuízos aos produtores rurais, que sofriam há anos com as diversas exigências existentes nos diferentes cartórios do Estado. Segundo ele, o acordo é um alívio para o produtor.

“Usamos a Câmara de Medicação pela primeira vez para se resolver um problema gravíssimo que assolava o Estado, que é o registro de georreferenciamento nos cartórios. O caminho foi a busca do diálogo, com a criação de um grupo de trabalho com as entidades interessadas para que, junto com as equipes técnicas de cada órgão, pudesse haver o acordo final. Só tenho a agradecer todos os participantes. Com certeza, resolvemos um problema que vinha se arrastando há anos e causando muitos prejuízos ao produtor rural”, destacou Galvan.

Veja Também:  Bolsonaro buscará Maia para acelerar projeto de venda direta de etanol, diz dirigente

O presidente da Anoreg, José de Arimatéia, fez parte das discussões e parabenizou a iniciativa da Aprosoja-MT em solucionar a problemática em que todos saíram ganhando com o resultado. “Foi espetacular. Acredito que sempre que pudermos deveríamos ter uma provocação, assim como aconteceu por parte da Aprosoja. Todos saímos daqui ganhando, essa é a verdade. As formalidades têm que ser cumpridas, conforme permite a legislação, mas há possibilidade de se flexibilizar alguma coisa, como foi feito”, afirmou Arimatéia.

Pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso participaram o deputado Ondanir Bortolini (Nininho), presidente da Comissão de Regularização Fundiária e Agropecuária da Casa de Leis e o deputado Dilmar Dal’Bosco, bem como a equipe técnica dos parlamentares. “Quero parabenizar o presidente da Aprosoja, Antonio Galvan, e os representantes da Anoreg, Intermat, Incra e a Câmara de Mediações. Acredito que vai ser um ganho muito grande para o Estado. Quem vai ganhar são os nossos produtores, pecuaristas, proprietários rurais, que vão ter um processo mais ágil na regularização e efetivação do georreferenciamento”, lembrou Nininho.

Presidente do Instituto de Terras de Mato Grosso, Francisco Serafim também contribuiu com as deliberações e com a construção da lista única de solicitação de documentos. Ele disse que tal acordo já era um desejo antigo do Intermat e afirma que é momento de comemoração. Serafim também parabenizou a Aprosoja-MT pela iniciativa.

Veja Também:  CITROS/PERSPEC 2019: Estoque baixo deve sustentar demanda por suco em 2019/20

“O Intermat desejava isso há muito tempo. A desburocratização do sistema de atendimento e a facilitação do relacionamento entre os interessados, como os produtores rurais, os proprietários de áreas rurais, com os cartórios e o próprio Intermat. Então hoje é motivo só de comemoração. Nós temos que agradecer a participação da Aprosoja, dos cartórios, da Corregedoria, Assembleia Legislativa. Isso foi uma união de esforços, com objetivo único, desburocratizar, facilitar, sem perder a segurança das ações desenvolvidas pelo Intemat e cartórios. Um ganha-ganha”, qualificou o presidente.

A juíza auxiliar da Corregedoria Geral de Justiça do Poder Judiciário de Mato Grosso, Edleuza Zorgetti acompanhou toda construção do acordo. Ela lembrou da angústia que havia pela padronização no georreferenciamento e avalia que a construção conjunta é garantia de sucesso. “Muito bom o resultado. Nós tínhamos uma angústia, pois não havia uma padronização o que, conforme os inúmeros relatos, gerava muitos prejuízos. Então através da Anoreg, da Aprosoja, Corregedoria e todos os órgãos envolvidos foi feita uma discussão e deliberado um padrão. Então, isso é muito positivo porque através de uma padronização construída por todos os envolvidos tem 100% de chances de dar certo”, avaliou a juíza.

Também participaram das negociações pela Aprosoja o diretor-executivo, Wellington Andrade, os técnicos Renato Olivir Basso e Maria Solidade Soares Abreu. Fizeram parte da equipe de trabalho ainda técnicos da Anoreg, Incra, Intermat e Assembleia Legislativa.

Fonte: APROSOJA

Comentários Facebook
publicidade

Agronegócio

Óleo de soja da cooperativa está mais sustentável

Publicado

COAMO: Óleo de soja da cooperativa está mais sustentávelCom o início das atividades da unidade industrial da Coamo em Dourados (MS), em novembro de 2019, a cooperativa iniciou a utilização de novas embalagens para o óleo de soja refinado da marca Coamo, nas linhas de produção das fábricas da cooperativa em Dourados e Campo Mourão (PR). Essa nova embalagem foi idealizada para reduzir a demanda de plástico – PET, mas sem prejudicar a praticidade e a segurança do seu manuseio junto ao consumidor. “Estamos sempre atentos às necessidades e oportunidades de novos projetos, com o desenvolvimento de novas soluções para otimizar nossas operações”, afirma o diretor Industrial da Coamo, Divaldo Correa.

Menos plástico – Com essa mudança, haverá uma redução de 565,1 toneladas anuais na demanda de plástico no processo produtivo das indústrias, o que representa 11,24% a menos de matéria-prima para produção de garrafas. “Trata-se de uma proposta sustentável que preconiza a redução de matéria-prima, além de garantir mais eficiência no transporte das embalagens, com a diminuição do número de viagens para a mesma quantidade de embalagens transportadas entre o fornecedor e as unidades industriais”, explica Correa.

Veja Também:  SUÍNOS/CEPEA: Demanda mantém preços elevados em SP

Primeira linha – O diretor Industrial ainda lembra que a primeira linha de produção e envase do óleo de soja Coamo iniciou em 2007, na indústria de Campo Mourão. “Na época, a garrafa utilizada pesava 20 g, com uma tampa de 3,2 g. Com o passar dos anos o peso da garrafa foi reduzido para 18g e, depois, para 16,9g, e o peso da tampa para 2,2 g. No projeto atual, o peso da garrafa foi reduzido para 15g, uma redução de 25% em relação à primeira embalagem utilizada e 11,24% em relação à embalagem anterior. Cabe ressaltar que essa nova embalagem acondiciona o mesmo peso líquido contido nas embalagens precedentes.”

Nova versão – A nova versão já está disponível nas gôndolas dos supermercados e está alinhada ao princípio dos 3R’s adotado pela Coamo: reduzir, reciclar, reutilizar. “A Coamo desde a sua origem adota práticas sustentáveis que vão desde a escolha da semente produzida nos campos dos mais de 29 mil associados até o processo de produção industrial e distribuição nos pontos de vendas”, ressalta Divaldo Correa.

Veja Também:  Cientistas desenvolvem mandioca para a indústria com 51% a mais de amido
Fonte: Imprensa Coamo

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Preço do boi e vaca gorda em Mato Grosso tem nova valorização

Publicado

Preço do boi e vaca gorda em Mato Grosso tem nova valorizaçãoOs preços da arroba do boi e da vaca gorda seguiram em valorização, na semana passada, com aumentos de 1,86% e de 2,74%, respectivamente, ante a semana anterior. O boi fechou em média a R$ 181,38 a arroba e o preço médio da arroba da vaca fechou em R$ 170,81.

Com a contínua alta da arroba do boi gordo, a relação de troca boi/bezerro novamente subiu na semana passada, em 1,67%. Sendo assim, o indicador ficou em 1,91cab./cabeça.

As escalas de abate aumentaram levemente, com variação semanal de 0,25dia, fechando em 7,30dias. Apesar de os frigoríficos estarem se abastecendo para o carnaval, a dificuldade de compra ainda pauta o mercado, principalmente de machos.

Fonte: Só Notícias

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT.

Comentários Facebook
Veja Também:  Cientistas desenvolvem mandioca para a indústria com 51% a mais de amido
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

O QUE VOCÊ ESTÁ ACHANDO DA GESTÃO DO GOVERNADOR MAURO MENDES ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana