conecte-se conosco


Agronegócio

CAFÉ/CEPEA: Negócios seguem lentos no Brasil, mas embarques têm bom ritmo

Publicado

Cepea, 20/03/2019 – Apesar de o mercado interno continuar lento, as exportações brasileiras de café estão intensas. De acordo com pesquisadores do Cepea, os recuos dos valores externos e do dólar pressionaram as cotações dos cafés arábica e robusta, o que tem mantido a liquidez baixa no mercado doméstico. Quanto aos embarques, em fevereiro, especificamente, o volume somou 3,4 milhões de sacas de 60 kg, segundo dados do Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café). Apesar de ser 0,9% inferior à quantidade total embarcada em janeiro, foi um recorde considerando-se os meses de fevereiro. Caso o atual ritmo se mantenha firme nos próximos meses, o Brasil pode se aproximar de 40 milhões de sacas exportadas na safra 2018/19, o que seria um novo recorde – acima do verificado em 2014/15, quando 36,6 milhões de sacas foram embarcadas. Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br

Comentários Facebook
Veja Também:  União Europeia: tendências de suprimento dos três principais fornecedores de carne de frango
publicidade

Agronegócio

Serpro lança plataforma de concessão de créditos de carbono

Publicado

Serpro lança plataforma de concessão de créditos de carbonoTrata-se de uma plataforma de validação de notas fiscais eletrônicas dos produtores e importadores de biocombustíveis. A validação possibilita a emissão de créditos de descarbonização para produtores e importadores.

O CBio é um certificado eletrônico emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito estufa, gerador do aquecimento global. Um crédito de carbono equivale a uma tonelada de CO2 (dióxido de carbono) que deixou de ser emitido para a atmosfera. A criação desse crédito é uma estratégia do governo federal para reduzir as emissões de poluentes.

A obtenção e validação de tais créditos são usadas para cumprimento das metas de redução de emissões definidas pela RenovaBio, a Política Nacional de Biocombustíveis. Os créditos podem ser vendidos pelos produtores e importadores na Bolsa de Valores. As distribuidoras de combustíveis fósseis, mais poluentes, são obrigadas a comprar uma determinada quantidade de CBio por ano.

Veja Também:  Campanha  Sou de Algodão ganha novo impulso

Assim, para bater a meta definida pela RenovaBio, essas distribuidoras devem ir ao mercado, como a Bolsa de Valores, por exemplo, comprar os créditos. As aquisições estimulam as empresas de biocombustíveis a produzir mais para vender mais CBio e, consequentemente, reduzir as emissões.

A plataforma lançada pelo Serpro apenas valida as notas fiscais e calcula quantos créditos a empresa produtora deve receber. A negociação dos créditos no mercado é feito pela empresa fora da plataforma.

Quando se usam biocombustíveis também se libera carbono, mas em volume incomparavelmente menor do que quando se utiliza óleo diesel, por exemplo. Produtores e importadores de biocombustíveis, como etanol e biodiesel, estão contribuindo para evitar o aumento de emissão de CO2 e, por isso, podem quantificar a contribuição e vender essa “quantidade de redução de CO2” no chamado mercado de carbono.

Antes de contratar a plataforma, os produtores de biocombustíveis precisam obter um certificado aprovado pela Agência Nacional de Petróleo (ANP). Em seguida, podem contratar a plataforma utilizando o link.

Veja Também:  Aprosoja homenageia os 300 anos de Cuiabá
Fonte: Agência Brasil

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Mesmo com redução na venda da soja, exportações mato-grossenses crescem 3,5%

Publicado

Mesmo com redução na venda da soja, exportações mato-grossenses crescem 3,5%Dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços mostram que as vendas mato-grossenses chegaram a U$ 17 bilhões e colocaram o estado na 6ª colocação do ranking nacional de exportadores, com 7,6% das vendas externas brasileiras. As importações também aumentaram em 25,8% e quase bateram a casa dos U$ 2 bilhões. Mesmo assim, o superávit da balança comercial também foi maior do que 2018: U$15 bilhões contra U$ 14,7 bilhões.

Apesar da redução no volume, a soja continua sendo, de longe, o principal produto de exportação mato-grossense, com 53% das vendas. A soja triturada teve redução de valor em 11%, em farelo de 21% e o óleo teve 16% a menos de vendas.

Por outro lado, o milho, o algodão e a carne tiveram aumentos significativos, o que segurou o saldo positivo da balança comercial. O milho cresceu 36% e representou 24% das vendas, sendo o segundo produto mais exportado. Na sequência aparecem o algodão com 9,4% (crescimento de 61%) e a carne, com 8,1% (aumento de 23%).

Veja Também:  União Europeia: tendências de suprimento dos três principais fornecedores de carne de frango

O mapa dos países compradores sofreu pouca modificação. As compras da China voltaram a cair, desta vez 4,8%, mas o país continua como principal destino dos produtos mato-grossenses, com 31% das compras.

O Vietnã, outro país comunista, aumentou as compras em 2,1% e assumiu a segunda colocação, com 5% da participação. O país do sudeste asiático passou o Irã, que reduziu as compras em 36% e caiu para o terceiro lugar, com 4,5% das compras. A Espanha (4,5%) e a Holanda (4,4%) fecham o top 5 dos clientes mato-grossenses.

Fonte: Só Notícias

Comentários Facebook
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana