conecte-se conosco


Mato Grosso

Casos de dengue dobram no interior de MT e caem 80% em Cuiabá e VG

Publicado

RD News

Os casos de dengue mais que dobraram em diversos municípios de Mato Grosso nos primeiros quatro meses deste ano, em comparativo à mesma época de 2018. Em contrapartida, em Cuiabá e Várzea Grande, também no primeiro quadrimestre, houve redução de registros, segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES): nos dois municípios, somados de janeiro ao fim de abril, foram 2,7 mil casos no ano passado, enquanto em 2019 foram 222.

A soma dos casos no Estado demonstra que os registros reduziram neste ano. Em 2018 foram 6.281 casos de janeiro até o fim de abril. Já em 2019, também no primeiro quadrimestre, foram 5.394.

Nas duas maiores cidades do Estado houve redução de mais de 80% dos casos no primeiro quadrimestre. Em Cuiabá foram 1.240 casos nos primeiros quatro meses de 2018, enquanto neste ano foram 198. Já em Várzea Grande foram 1.465 registros no ano passado, enquanto em 2019 foram somente 24 casos.

A SES atribui a redução dos casos, principalmente em Cuiabá e Várzea Grande, a campanhas de conscientização feitas no Estado. “Houve mais capacitação de técnicos e os agentes de saúde estão mais preocupados com isso. Um trabalho de vigilância fez com que os casos diminuíssem”, alegou a gerente de agravos endêmicos, Alba Valeria Gomes de Melo.

“Outro ponto é que muitas pessoas podem estar imunes ao vírus que está circulando, porque já o contraíram anteriormente. Provavelmente, diminuiu números de pessoas suscetíveis. Muitas pessoas que já ficaram doentes podem estar imunes ao vírus da dengue”, acrescentou.

Em direção oposta ao que acontece em Cuiabá e Várzea Grande, diversos municípios do interior viram seus casos aumentarem. Em Rondonópolis, por exemplo, no primeiro quadrimestre de 2018 foram registrados 80 casos, enquanto neste ano, no mesmo período, foram 120. Em Sinop, também de janeiro a abril, foram 298 registros no ano passado, enquanto em 2019 foram 589.

Os aumentos de casos no primeiro quadrimestre deste ano, no comparativo com 2018, que mais chamam a atenção no Estado são em Água Boa, que cresceu de quatro para 165; Querência, de 21 para 214; Canabrava do Norte, de zero para 81; Confresa, de 69 para 472; Porto Alegre do Norte, de cinco para 87; Alto Araguaia, de 32 para 349 e Alto Taquari, de cinco para 124 (veja dados completos no gráfico desta reportagem).

Veja Também:  Sesi MT lança grupo de corrida de rua neste fim de semana

Para Alba, os aumentos de casos estão concentrados na região do Médio Araguaia. Segundo ela, a explicação para o fato é que se trata de uma área próxima a Goiás. “Suspeitamos que esse aumento pode ser motivado porque são cidades na entrada de Goiás. Mas isso é uma hipótese”, pontuou.

Ela ressalta também que outra hipótese é que as campanhas de prevenção ao mosquito não tenham sido tão eficazes nas cidades em que os casos aumentaram. “Isso varia em cada município. Alguns fazem a tarefa de casa, controlam os criadouros e orientam a população. Nos municípios em que aumentaram os casos, eles podem não ter se empenhado e os criadouros podem ter aumentado em consequência disso”.

O período epidêmico, conforme a SES, é de novembro a março. No entanto, a pasta afirma que as incidências também podem ter sido maiores em algumas cidades durante o primeiro quadrimestre de 2019, porque o período chuvoso neste ano foi superior ao de épocas anteriores.

A pasta planeja fazer ações específicas de conscientização nas cidades em que houve aumento dos casos.

Tipo mais grave do vírus

Apesar da redução de casos em diversas regiões e aumento em outras, um fato tem preocupado em todas os municípios: o aumento dos casos do tipo mais grave da dengue. O crescimento de tais registros está sendo notado no interior do Estado – ainda não há levantamentos oficiais. Não é descartada a possibilidade de que também sejam registrados casos na Capital.

De acordo com a gerente de agravos endêmicos da SES, em diversos municípios do interior estão sendo registrados casos do vírus DENV-2, o mais virulento e agressivo tipo de dengue. Ele evolui rápido e pode levar a óbito. Esse vírus circulou no Estado em 2011, quando houve o bloqueio epidemiológico que evitou uma epidemia.

“Esse vírus está circulando na maioria dos Estados e também nas cidades do interior de Mato Grosso, porque nosso estado é muito grande e tem fronteiras com Mato Grosso do Sul e Goiás. A suspeita é de que esse vírus esteja chegando a Mato Grosso pela fronteira”, disse.

Veja Também:  Governo divulga datas de pagamento dos salários dos servidores; confira

Para detectar o tipo de vírus, é preciso que o paciente com suspeita de dengue passe por um exame que aponta a origem da dengue. “Para que haja a desconfiança de que a pessoa tenha o tipo dois da dengue, ela precisa estar com os sintomas durante cinco dias”, explicou.

Em caso de desconfiança da doença, Alba frisou que é fundamental procurar atendimento médico o quanto antes. “Uma das dificuldades é que os pacientes estão procurando as unidades para coletar mostra de modo tardio. Isso dificulta o tratamento”, pontuou.

“Orientamos aos profissionais de saúde dos municípios que notifiquem todos os casos suspeitos das arboviroses dengue, chikungunya e zika, considerando o cenário epidemiológico dessas doenças. Ao observar os sintomas, é preciso que os profissionais redobrem a atenção”, recomenda a coordenadora da Vigilância Epidemiológica da SES-MT, Alessandra Moraes.

Conforme a Secretaria Estadual de Saúde, os casos considerados suspeitos apresentam febre de duração máxima de sete dias, acompanhada de pelo menos dois dos seguintes sintomas: febre, cefaleia, mialgia, artralgia, dor retro-orbitária, prostração, exantema e com exposição à área com transmissão de dengue ou com presença de Aedes Aegypti nos últimos quinze dias.

Mortes no Estado

Dois casos recentes de mortes por suspeita de dengue grave chamaram a atenção neste mês.

No dia 4, uma garota de 10 anos, identificada como J.B.G., morreu com suspeita de ter contraído o tipo mais grave da doença. Ela morava em Primavera do Leste e foi encaminhada ao Hospital Regional de Rondonópolis, onde não resistiu e faleceu.

No último dia 6, uma estudante de 15 anos, identificada como Cailane Rodrigues Machado, também morreu com suspeita do estágio grave de dengue, em Confresa (a 1.160km de Cuiabá).

As duas mortes, assim como outros casos de suspeita de dengue grave, são apuradas pelo O Laboratório Central de Saúde Pública de Mato Grosso (Lacen-MT).

Comentários Facebook
publicidade

Educação

Unemat confere grau em Cáceres a 30 novos médicos

Publicado

por Hemilia Maia
Foto por: Moisés Bandeira

O reitor da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), Rodrigo Bruno Zanin, conferiu grau aos 30 alunos do curso de Medicina da turma 2020/1, nesta sexta-feira (29). A formatura antecipada foi realizada em três etapas seguidas, às 15h, 16h e 17h, nas dependências externas da reitoria, em Cáceres, com duração de 20 minutos cada uma.

Apenas os estudantes da turma 2020/1, 5ª turma do curso de Medicina da Unemat colarão grau antecipadamente, uma vez que, só podem se formar estudantes da área da saúde que estão no último semestre letivo e que já cumpriram 75% do estágio supervisionado. Na Unemat somente os acadêmicos de Medicina cumpriram os requisitos. Os alunos de Enfermagem não possuíam a carga horária do estágio supervisionado exigido.

A medida foi possível após a análise do decreto do Ministério da Educação que autorizava as universidades federais que antecipassem a formatura, realizada pelo Conselho Estadual de Educação (Ceps-CEE/MT), por ser tratar de uma universidade estadual.

Veja Também:  Prefeita de Alto Paraguai realizará a entrega de mudas de Abacaxi em Capão Verde

O paulista Élcio do Valle Pintan, juramentista do primeiro grupo, há 11 anos em Cáceres, vê a antecipação da colação como uma oportunidade. “Nós entraremos no mercado de trabalho em um momento de emergência pública com grande demanda por profissionais de saúde. Será um momento de grande ganho em experiência”, contou Élcio que também fez seus reconhecimentos. “Agradeço a Unemat por ter me dado essa oportunidade única de estudo, a Cáceres e ao Mato Grosso que me receberam muito bem, tanto que vou continuar por aqui”, declarou o novo médico.

Lívia Seraglio Souza foi a juramentista do segundo grupo e o juramento do último grupo foi proferido por Waldman Santos Davi, de Anapolis/GO, que já tem propostas de trabalho em Pronto Atendimento em Cáceres e municípios vizinhos. “Estou aguardando o CRM (Registro no Conselho Federal de Medicina) para assinar contrato. A ideia é continuar em Cáceres trabalhando e estudando para prestar prova de residência no final do ano”, contou.

Rodrigo Zanin pontuou o momento da pandemia da Covid-19 e pediu aos novos profissionais que honrem a Instituição Unemat e seus juramentos, que sejam responsáveis no dia a dia profissional, que deem a real importância à vida humana e que retribuam à sociedade a oportunidade pela formação.

Veja Também:  Policiais prendem casal suspeito de latrocínio de taxista em Vila Bela da Santíssima Trindade

A colação de gabinete ganhou novo formato em função da pandemia da Covid-19. Durante a colação, ao ar livre, cada formando pode contar com a presença de apenas dois convidados. As distâncias de segurança foram respeitadas e o uso de máscaras foi condicionante à participação.

Também participaram das solenidades a vice-reitora Nilce Maria e o diretor administrativo do Câmpus Universitário Jane Vanini, em Cáceres, Elias Fernandes Barbosa.

 

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Educação

Assistente virtual desenvolvida por alunos e professores da Unemat indica quadro de paciente e leitos disponíveis mais próximos

Publicado

Por G1 MT

Aplicativo indica leitos disponíveis mais próximos — Foto: Felipe Dalla Valle / Palácio Piratini

Aplicativo indica leitos disponíveis mais próximos — Foto: Felipe Dalla Valle / Palácio Piratini

Uma assistente virtual desenvolvida por professores e alunos da Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat) direciona ao hospital mais próximo que possui leitos disponíveis para atendimento de Covid-19, depois de indicar o quadro clínico do paciente, faz triagem e, a partir do perfil traçado, por meio de perguntas e análise de respostas.

‘Clô’, como é chamada, é um chatbot para WhatsApp e facilita a utilização e o acesso para a população. O aplicativo ficou em primeiro lugar no hackathon internacional Hancking + Help.

O hackathon foi realizado 100% online e procurava encontrar soluções para os problemas decorrentes da pandemia provocada pelo novo coronavírus e foram divididos em seis categorias: saúde, educação, assistência social, empregabilidade, cooperativismo e logística.

O desafio teve a participação de 1.500 alunos, 350 mentores e 85 jurados de 80 instituições de ensino. Oito países de idioma português estavam presentes no evento.

O aplicativo garantiu o primeiro lugar com o direito a R$ 2.500, três meses de mentoria e a possibilidade de investimento no projeto.

Além disso, a Unemat ficou em primeiro lugar como melhor instituição de ensino por número de inscritos, que também foi concorrido pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a Instituição de Ensino Superior no Rio de Janeiro (Unisuam).

Professores e técnicos da Unemat participaram do Hancking + Help como mentores voluntários.

Participaram do projeto acadêmicos da Unemat das unidades de Sinop, Alto Araguaia, Barra do Bugres, Cáceres, Nova Mutum, Nova Xavantina, Tangará da Serra e alunos do Ensino à Distância (EAD) de Vila Bela.

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

O QUE VOCÊ ESTÁ ACHANDO DA GESTÃO DO GOVERNADOR MAURO MENDES ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana