conecte-se conosco


Mato Grosso

Casos de dengue dobram no interior de MT e caem 80% em Cuiabá e VG

Publicado

RD News

Os casos de dengue mais que dobraram em diversos municípios de Mato Grosso nos primeiros quatro meses deste ano, em comparativo à mesma época de 2018. Em contrapartida, em Cuiabá e Várzea Grande, também no primeiro quadrimestre, houve redução de registros, segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES): nos dois municípios, somados de janeiro ao fim de abril, foram 2,7 mil casos no ano passado, enquanto em 2019 foram 222.

A soma dos casos no Estado demonstra que os registros reduziram neste ano. Em 2018 foram 6.281 casos de janeiro até o fim de abril. Já em 2019, também no primeiro quadrimestre, foram 5.394.

Nas duas maiores cidades do Estado houve redução de mais de 80% dos casos no primeiro quadrimestre. Em Cuiabá foram 1.240 casos nos primeiros quatro meses de 2018, enquanto neste ano foram 198. Já em Várzea Grande foram 1.465 registros no ano passado, enquanto em 2019 foram somente 24 casos.

A SES atribui a redução dos casos, principalmente em Cuiabá e Várzea Grande, a campanhas de conscientização feitas no Estado. “Houve mais capacitação de técnicos e os agentes de saúde estão mais preocupados com isso. Um trabalho de vigilância fez com que os casos diminuíssem”, alegou a gerente de agravos endêmicos, Alba Valeria Gomes de Melo.

“Outro ponto é que muitas pessoas podem estar imunes ao vírus que está circulando, porque já o contraíram anteriormente. Provavelmente, diminuiu números de pessoas suscetíveis. Muitas pessoas que já ficaram doentes podem estar imunes ao vírus da dengue”, acrescentou.

Em direção oposta ao que acontece em Cuiabá e Várzea Grande, diversos municípios do interior viram seus casos aumentarem. Em Rondonópolis, por exemplo, no primeiro quadrimestre de 2018 foram registrados 80 casos, enquanto neste ano, no mesmo período, foram 120. Em Sinop, também de janeiro a abril, foram 298 registros no ano passado, enquanto em 2019 foram 589.

Os aumentos de casos no primeiro quadrimestre deste ano, no comparativo com 2018, que mais chamam a atenção no Estado são em Água Boa, que cresceu de quatro para 165; Querência, de 21 para 214; Canabrava do Norte, de zero para 81; Confresa, de 69 para 472; Porto Alegre do Norte, de cinco para 87; Alto Araguaia, de 32 para 349 e Alto Taquari, de cinco para 124 (veja dados completos no gráfico desta reportagem).

Veja Também:  Homem é preso por agredir a esposa em Rondonópolis

Para Alba, os aumentos de casos estão concentrados na região do Médio Araguaia. Segundo ela, a explicação para o fato é que se trata de uma área próxima a Goiás. “Suspeitamos que esse aumento pode ser motivado porque são cidades na entrada de Goiás. Mas isso é uma hipótese”, pontuou.

Ela ressalta também que outra hipótese é que as campanhas de prevenção ao mosquito não tenham sido tão eficazes nas cidades em que os casos aumentaram. “Isso varia em cada município. Alguns fazem a tarefa de casa, controlam os criadouros e orientam a população. Nos municípios em que aumentaram os casos, eles podem não ter se empenhado e os criadouros podem ter aumentado em consequência disso”.

O período epidêmico, conforme a SES, é de novembro a março. No entanto, a pasta afirma que as incidências também podem ter sido maiores em algumas cidades durante o primeiro quadrimestre de 2019, porque o período chuvoso neste ano foi superior ao de épocas anteriores.

A pasta planeja fazer ações específicas de conscientização nas cidades em que houve aumento dos casos.

Tipo mais grave do vírus

Apesar da redução de casos em diversas regiões e aumento em outras, um fato tem preocupado em todas os municípios: o aumento dos casos do tipo mais grave da dengue. O crescimento de tais registros está sendo notado no interior do Estado – ainda não há levantamentos oficiais. Não é descartada a possibilidade de que também sejam registrados casos na Capital.

De acordo com a gerente de agravos endêmicos da SES, em diversos municípios do interior estão sendo registrados casos do vírus DENV-2, o mais virulento e agressivo tipo de dengue. Ele evolui rápido e pode levar a óbito. Esse vírus circulou no Estado em 2011, quando houve o bloqueio epidemiológico que evitou uma epidemia.

“Esse vírus está circulando na maioria dos Estados e também nas cidades do interior de Mato Grosso, porque nosso estado é muito grande e tem fronteiras com Mato Grosso do Sul e Goiás. A suspeita é de que esse vírus esteja chegando a Mato Grosso pela fronteira”, disse.

Veja Também:  Gabinete integrado de segurança pública é reativado em Alta Floresta

Para detectar o tipo de vírus, é preciso que o paciente com suspeita de dengue passe por um exame que aponta a origem da dengue. “Para que haja a desconfiança de que a pessoa tenha o tipo dois da dengue, ela precisa estar com os sintomas durante cinco dias”, explicou.

Em caso de desconfiança da doença, Alba frisou que é fundamental procurar atendimento médico o quanto antes. “Uma das dificuldades é que os pacientes estão procurando as unidades para coletar mostra de modo tardio. Isso dificulta o tratamento”, pontuou.

“Orientamos aos profissionais de saúde dos municípios que notifiquem todos os casos suspeitos das arboviroses dengue, chikungunya e zika, considerando o cenário epidemiológico dessas doenças. Ao observar os sintomas, é preciso que os profissionais redobrem a atenção”, recomenda a coordenadora da Vigilância Epidemiológica da SES-MT, Alessandra Moraes.

Conforme a Secretaria Estadual de Saúde, os casos considerados suspeitos apresentam febre de duração máxima de sete dias, acompanhada de pelo menos dois dos seguintes sintomas: febre, cefaleia, mialgia, artralgia, dor retro-orbitária, prostração, exantema e com exposição à área com transmissão de dengue ou com presença de Aedes Aegypti nos últimos quinze dias.

Mortes no Estado

Dois casos recentes de mortes por suspeita de dengue grave chamaram a atenção neste mês.

No dia 4, uma garota de 10 anos, identificada como J.B.G., morreu com suspeita de ter contraído o tipo mais grave da doença. Ela morava em Primavera do Leste e foi encaminhada ao Hospital Regional de Rondonópolis, onde não resistiu e faleceu.

No último dia 6, uma estudante de 15 anos, identificada como Cailane Rodrigues Machado, também morreu com suspeita do estágio grave de dengue, em Confresa (a 1.160km de Cuiabá).

As duas mortes, assim como outros casos de suspeita de dengue grave, são apuradas pelo O Laboratório Central de Saúde Pública de Mato Grosso (Lacen-MT).

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Justiça decreta indisponibilidade de bens de prefeito de Comodoro

Publicado

A 2ª Vara Cível de Comodoro (a 644km de Cuiabá) deferiu liminar e decretou a indisponibilidade dos bens do prefeito Jeferson Ferreira Gomes e dos demais réus de uma ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso para a apuração da prática de supostos atos de improbidade administrativa, relativos a fraudes em licitações. Conforme a decisão, foi decretada a indisponibilidade de bens dos requeridos até o limite do valor atribuído à causa, que é de R$ 403 mil. Já o pleito para afastamento cautelar do requerido agente público envolvido do exercício do cargo, sem prejuízo da remuneração, foi indeferido.

A ação de improbidade administrativa com pedido de liminar tem como requeridos, além do prefeito, a empresa M. Gisselda Spader Eireli ME e seus sócios Maria Gisselda Spader e Luccas Spader. Segundo a inicial, Jeferson Ferreira Gomes “causou, dolosamente, danos ao erário, ferindo de morte os princípios que regem a administração pública, notadamente os da moralidade e da legalidade, tudo isso em prol da empresa e seus respectivos sócios, que se enriqueceram ilicitamente”.

A empresa requerida foi vencedora de quatro licitações durante a gestão do alcaide, todas fraudadas, pois “montadas” e direcionadas, tendo como objeto a realização de serviços desnecessários e superfaturados, que deveriam ser prestados pelo próprio Município, pois “se tratam de práticas rotineiras e de natureza acessória, sem maiores conhecimentos técnicos ou de expertise acentuada/complexa”. Assim, pediu a procedência da ação, para condenar os requeridos pela prática de atos de improbidade administrativa.

REINCIDÊNCIA – Conforme apurado em outras ações judiciais e em procedimentos administrativos do MPMT, o atual prefeito de Comodoro, Jeferson Ferreira Gomes, é recorrente em atos de improbidade administrativa. “São diversas as práticas levadas a efeito pelo gestor no intuito de malversar o dinheiro público em prol de seus interesses particulares, inclusive através de procedimentos licitatórios fraudulentos, devidamente ‘montados’ e direcionados com o escopo de desviar recursos do erário”, consta na inicial.

De acordo com os promotores de Justiça Felipe Augusto Ribeiro de Oliveira e Luiz Eduardo Martins Jacob Filho, há três cenários ímprobos que foram descobertos e judicializados recentemente, fora as demais investigações ainda em andamento. Em uma das ações se “denuncia a reiterada e nefasta prática de nepotismo no âmbito da administração pública municipal, cuja sentença condenatória já fora proferida em data recente”.

Outra se refere à “prática de atos de improbidade administrativa que ocasionaram enriquecimento ilícito, prejuízo ao erário e malferimento aos princípios da administração pública, consistente na deflagração e conclusão de procedimento de inexigibilidade de licitação para contratação de assessoria jurídica em evidente desvio de finalidade”. Essa causa também já foi julgada procedente e o requerido condenado à perda do cargo público, dentre outras sanções.

E a terceira se trata de “publicação anormal e deficitária de edital de chamamento de candidatos aprovados em concurso público visando propósitos particulares e escusos, bem como incorrido em fato supostamente criminoso (falsidade ideológica) para tentar se safar da responsabilidade vindoura”. Nessa ação, que é recente, o prefeito chegou a ser afastado liminarmente do cargo.

Comentários Facebook
Veja Também:  Cedca capacita conselheiros municipais de Mato Grosso
Continue lendo

Mato Grosso

MT é o estado com maior número de queimadas no 1º semestre e índice é 40% superior que o mesmo período de 2018

Publicado

Queimadas aumentam no estado — Foto: Corpo de Bombeiros-MT/ DivulgaçãoMato Grosso foi o estado com o maior número de queimadas registradas entre janeiro e junho deste ano, segundo o Instituto Nacional de esquisas Espaciais (Inpe). As altas temperaturas e a baixa umidade do ar aumentam os riscos de queimadas no estado.

Conforme os dados do Inpe, foram registrados 6.450 focos de queimadas, em Mato Grosso, resultando em um aumento de 47% se comparar ao ano passado.

A grande massa de ar seco ainda domina as condições de tempo na maioria dos municípios. Nesta semana, em Cuiabá, a umidade relativa do ar oscila entre 21% e 59% até sexta-feira (5).

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o recomendado para a saúde é um nível em torno de 60%.

 Na sexta-feira, há possibilidade de chuva em algumas regiões e a chegada de uma frente fria que pode registrar mínima de 13°C na capital. Com isso, a qualidade do ar deve apresentar melhoras.

Uma forte neblina tomou conta de alguns trechos próximos a Cuiabá e Várzea Grande, na BR-364, e alguns pontos ao sul da BR-163, na manhã desta terça-feira. No entanto, o sol deve predominar no restante do dia.

Foram registrados 6.450 focos de queimadas — Foto: Corpo de Bombeiros-MT/ Divulgação

Foram registrados 6.450 focos de queimadas — Foto: Corpo de Bombeiros-MT/ Divulgação

Comentários Facebook
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana