conecte-se conosco


Policial

Comando Vermelho de MT tem seis mil membros e independência de facção no RJ

Publicado

Comando Vermelho de MT tem seis mil membros e independência de facção no RJ

A denúncia oferecida pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) contra os alvos da ‘Operação Assepsia’, que prendeu policiais militares, agentes penitenciários e outros por facilitar a entrada de celulares na Penitenciária Central do Estado (PCE) também expõe os detalhes da atuação do Comando Vermelho em Mato Grosso. A facção criminosa conta com mais de seis mil criminosos batizados e tem independência da do Rio de Janeiro, apesar de manter a aliança.

Segundo os setores de Inteligência ligados à Secretaria de Segurança Pública e também ao Sistema Prisional, a estimativa é de que o número de faccionados devidamente “batizados” já supere os seis mil membros.

Paulo Cesar dos Santos (Petróleo) e Luciano Marino dos Santos (Marreta), presos pelo envolvimento na entrada do freezer com 86 celulares na Penitenciária Central do Estado (PCE), são apontados como detentores de função de liderança na facção criminosa, exercendo essa liderança do interior da PCE, onde se encontram cumprindo longo período de prisão, em virtude de crimes de homicídio, tráfico de drogas, roubos, organização criminosa, dentre outros.

As investigações da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) referentes à ‘Operação Assepsia’ apontam que a tentativa de entrar com 86 celulares dentro de um freezer na Penitenciária Central do Estado (PCE) pode ter relação com a volta de Sandro da Silva Rabelo, conhecido como ‘Sandro Louco’, a Cuiabá.

Coincidências à parte, segundo destacou o Gaeco, a entrada dos celulares ocorreu poucos dias antes do líder máximo do Comando Vermelho em Mato Grosso, Sandro da Silva Rabelo, o “Sandro Louco”, ter sido trazido de volta do presídio federal onde se encontrava cumprindo pena.

“Interessante essa coincidência entre a chegada do chefe supremo da facção e a entrada do freezer recheado com 86 celulares, apurada nestes autos. Isso demonstra que os três policiais militares, juntamente com os dois diretores da PCE, aliaram-se a esses líderes e entabularam a entrada dos celulares, para o bom proveito da facção, oportunizando a sua expansão e boa administração da atividade criminosa”, diz trecho da denúncia.

Veja Também:  Operação da Polícia Civil desmonta célula de facção criminosa em Campo Verde

Com a vinda do líder máximo [Sandro Louco], a intensificação das atividades se faria necessária. “Os também líderes Petróleo e Marreta viram esse momento como o ideal para ampliação das atividades, lançando mão do vínculo que mantinha com os demais denunciados para obter aquela imensa quantia de celulares”.

Histórico do CV em Mato Grosso

Consta na denúncia que, em Mato Grosso, impelidos pela vontade deliberada de arregimentar grande número de criminosos para a prática contínua e ininterrupta de crimes, o Comando Vermelho foi idealizado pelos líderes Sandro da Silva Rabelo, conhecido como ‘Sandro Louco’; Renato Sigarini, o “Vermelhão”; Miro Arcângelo Gonçalves de Jesus, o “Miro Louco” ou “Gentil” e Renildo Silva Rios, vulgo “Negão” ou “Liberdade”.

O que se sabe é que o Comando Vermelho de Mato Grosso nasceu dentro da Penitenciária Central do Estado – Presídio Pascoal Ramos. Logo após sua criação, foi criado um conselho (Conselho Final ou Final do Estado). O segundo passo foi se organizar de forma independente da facção do Rio de Janeiro, sem a necessidade de prestação de contas, embora mantida aliança entre as organizações.

O desrespeito às regras do Comando Vermelho leva a punições, que vão desde a ‘advertência verbal’ até a ‘pena de morte’. Além dos líderes e daqueles que exercem papéis de comando na organização, há outros que participam apenas como “integrantes”, estando estes obrigados ao pagamento de mensalidades, bem como estão sempre à disposição para a prática de crimes, considerados soldados do crime.
Retorno de Sandro Louco

Sandro da Silva Rabelo, conhecido como ‘Sandro Louco’, chegou a Cuiabá na madrugada do dia 31 de maio. Ele, que estava em uma prisão de segurança máxima no Paraná desde 2016, foi recambiado para a capital mato-grossense após um pedido da defesa. O criminoso chegou no Aeroporto Marechal Rondon em uma aeronave comercial.

O detento é considerado de alta periculosidade e ficará preso na Penitenciária Central do Estado (PCE). Uma das alegações da defesa é a de que Mato Grosso já abriga diversos presos do mesmo nível de Sandro e também a proximidade da família.

Veja Também:  Autor de vários roubos é preso pela Polícia Civil em Várzea Grande

Sandro Louco possui diversas condenações e a soma das penas ultrapassa 200 anos de reclusão. Antes de ser recambiado para Cuiabá, ele cumpria pena na Penitenciária Federal de Segurança Máxima de Catanduvas (PR) e é apontado como um dos integrantes da organização criminosa ‘Comando Vermelho’.

A primeira prisão de Sandro Louco ocorreu em 2000, após assaltar um banco em Várzea Grande. Enquanto preso, ele conseguiu fugir pelo menos quatro vezes e ainda liderou uma rebelião em Água Boa.

Dentre os crimes cometidos por Sandro Louco estão: latrocínio, roubo a banco, homicídio, sequestro e formação de quadrilha. As penas, somadas, ultrapassam os 200 anos de reclusão. Em 2017, ele foi o primeiro réu a participar de um júri popular por videoconferência em Mato Grosso.

Denúncia

O Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) ofereceu denúncia, na última quarta-feira (03), contra dois líderes do Comando Vermelho, três policiais militares e dois agentes penitenciários que ocupavam os cargos de vice e de diretor da Penitenciária Central do Estado. O grupo foi alvo da ‘Operação Assepia’, que apurou facilitações para entrada de aparelhos celulares na unidade prisional.

Foram denunciados: Paulo Cesar dos Santos, vulgo “Petróleo”, e Luciano Mariano da Silva, conhecido como “Marreta”, ambos pertencentes ao Comando Vermelho; o então diretor da Penitenciária Central, Revétrio Francisco da Costa; o vice-diretor, Reginaldo Alves dos Santos e os militares Cleber de Souza Ferreira, Ricardo de Souza Carvalhaes de Oliveira e Denizel Moreira dos Santos Júnior.

Ao grupo, foram imputados quatro atos criminosos. Os sete denunciados vão responder por integrar, financiar e promover organização criminosa e também por introdução de celulares em presídios; cinco deles pelo crime de corrupção ativa; e dois por corrupção passiva.

 Olhar Direto – Da Redação – Wesley Santiago

Comentários Facebook
publicidade

Policial

Sesp apreende quase 2.000kg de drogas em nove meses

Publicado

Resultado de imagem para Sesp apreende quase duas toneladas de drogas em nove mesesTambém foram apreendidas 118 armas de fogo, 551 veículos e efetuadas 725 prisões em 193 municípios de Mato Grosso. Os dados são da Coordenadoria de Planejamento e Monitoramento (Coplam).

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT) apreendeu quase duas toneladas de drogas no período de janeiro a setembro de 2019. Também foram apreendidas 118 armas de fogo, 551 veículos e efetuadas 725 prisões. Os dados são da Coordenadoria de Planejamento e Monitoramento (Coplam).

Nesse período foram executados 359 mandados de busca e apreensões, 212 mandados de prisões, internação cautelar e busca temporária e 586 flagrantes delitos. Foram lavrados 378 termos circunstanciados. Ao todo, foram abordados mais de 24 mil pessoas e 11 mil veículos.

As ações fazem parte das operações integradas entre as forças de Segurança Pública compostas pela Polícia Militar (PM-MT), Polícia Judiciária Civil (PJC-MT), Corpo de Bombeiros Militar (CBM-MT), Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) e Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT).

Segundo o Secretário adjunto de Integração Operacional da Sesp, coronel PM Victor Paulo Fortes, a avaliação é positiva. “Esse apoio que intensifica as ações nas regiões fortalece o sistema de Segurança Pública, traz uma imagem positiva para a sociedade, mostrando que as forças realmente estão se unindo para combater a criminalidade e enfrentar a violência”.

Veja Também:  Polícia Civil deflagra operação para prisão de 128 envolvidos em fraude ambiental em MT

O secretário afirma que é nítida a percepção deste trabalho conjunto, no qual uma força complementa o serviço da outra. “Em alguns locais, principalmente no interior do estado, nós temos menos recursos, menos efetivo, as forças realmente estão se unindo porque têm a percepção de que sozinhas não vão conseguir dar a resposta necessária. Isso é demonstrado exatamente nos resultados das operações”.

As Operações Integradas hoje não se limitam apenas às forças que compõem a Segurança Pública. Em algumas operações, a Sesp contou com a participação do efetivo de fiscalização da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), do Instituto de Defesa Agropecuária (Indea-MT), de órgãos federais como a Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Exército Brasileiro. Em algumas ações contou também com a participação do Ministério Público e do Juizado Volante Ambiental (Juvam).

“A gente observa que há realmente o interesse de vários atores que integram o sistema de Estado, não só do Executivo, para fomentar essa integração. Essa soma de esforços é para prestar um serviço melhor para a sociedade”, conclui o coronel Fortes.

Veja Também:  Autor de vários roubos é preso pela Polícia Civil em Várzea Grande

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Homem é preso acusado de abusar sexualmente de cinco crianças em Nova Olímpia

Publicado

Acusado abusada das sobrinhas

Um homem de 49 anos de idade foi preso na última sexta-feira, 27, acusado de pedofilia em Nova Olímpia. Investigações da Polícia Judiciária Civil apontaram que J.R.T.S, teria estuprado cinco vítimas, fato que fez com que o juiz da comarca de Barra do Bugres acatar o pedido de sua prisão.
De acordo com o delegado Adil Pinheiro de Paula, a PJC estava debruçada nas investigações desde o fim do mês de agosto.

“Esse suspeito, no mês de fevereiro desse ano tinha abusado de uma criança de apenas 3 anos de idade. Essa criança é sobrinha dele, sobrinha de sangue da mulher dele. Essa criança demorou todo esse tempo [de fevereiro a agosto] para noticiar o fato à mãe. Quando a mãe ficou sabendo dessa situação, levou a criança na Delegacia de Polícia. As investigações começaram com essa vítima e rapidamente, dentro de um mês, a Polícia Civil conseguiu identificar outras quatro vítimas, num total de cinco vítimas desse suspeito preso na data de hoje”, disse.

Veja Também:  Autor de vários roubos é preso pela Polícia Civil em Várzea Grande

Ainda conforme o delegado, quatro das cinco vítimas eram sobrinhas do homem preso. Graças às investigações a polícia apurou que além do caso de fevereiro deste ano, alguns casos aconteceram há mais de 10 anos. Os investigadores descobriram que o homem agia oferecendo balas e doces para persuadir as crianças. O homem foi interrogado e negou os cinco casos. Segundo o delegado, ele se disse surpreso com as acusações.

Redação DS

Comentários Facebook
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana