conecte-se conosco


Agronegócio

COMÉRCIO EXTERIOR: Balança comercial tem superávit de US$ 1,160 bi na 1ª semana de fevereiro

Publicado

COMÉRCIO EXTERIOR: Balança comercial tem superávit de US$ 1,160 bi na 1ª semana de fevereiroSoma – No ano, as exportações somam US$ 19,096 bilhões e as importações, US$ 19,670 bilhões, com saldo negativo de US$ 575 milhões e corrente de comércio de 38,766 bilhões, informou a Secretaria Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia, em nota divulgada na tarde desta segunda-feira (10/02).

Exportações – Nas exportações, comparadas as médias da primeira semana de fevereiro deste ano (US$ 931,1 milhões) com a de fevereiro de 2019 (US$ 786,9 milhões), houve crescimento de 18,3%, em razão do aumento nas vendas das três categorias de produtos: semimanufaturados (+32,8%, de US$ 97,7 milhões para US$ 129,7 milhões, por conta, principalmente, de semimanufaturados de ferro/aço, ferro-ligas, ferro fundido, celulose, ouro em formas semimanufaturadas); básicos (+19,4%, de US$ 397,0 milhões para US$ 473,8 milhões, por conta, principalmente, de petróleo em bruto, carnes de frango, bovina e suína, minério de ferro, algodão em bruto) e manufaturados (+12,1%, de US$ 292,2 milhões para US$ 327,6 milhões, por conta de óleos combustíveis, tubos flexíveis de ferro ou aço, centrifugadores e aparelhos para filtrar ou depurar, gasolina, bombas, compressores e ventiladores).

Veja Também:  Balança comercial tem superávit de US$ 6,7 bi em abril, perto do teto

Janeiro – Em relação a janeiro deste ano, houve aumento de 41,9%, em virtude da expansão nas vendas de produtos básicos (+45,0%, de US$ 326,8 milhões para US$ 473,8 milhões), manufaturados (+41,6%, de US$ 231,4 milhões para US$ 327,6 milhões) e semimanufaturados (+32,1%, de US$ 98,2 milhões para US$ 129,7 milhões).

Importações – Nas importações, a média diária da 1ª semana de fevereiro de 2020, de US$ 699,1 milhões, ficou 10,8% acima da média de fevereiro de 2019 (US$ 631,1 milhões).

Gastos maiores – Nesse comparativo, cresceram os gastos, principalmente, com farmacêuticos (+39,8%), plásticos e obras (+15,8%), equipamentos mecânicos (+11,7%), combustíveis e lubrificantes (+7,0%), equipamentos eletroeletrônicos (+6,1%).

Queda – Ante janeiro de 2020, foi registrada queda de 4,9%, pelas diminuições nas compras de aeronaves e peças (-41,7%), siderúrgicos (-11,5%), equipamentos mecânicos (-11,5%), equipamentos eletroeletrônicos (-7,7%), instrumentos de ótica e precisão (-7,0%).

Fonte: Portal Paraná Cooperativo

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT.

Veja Também:  Insumos: “é tempo de oportunidade”, diz Andav

Comentários Facebook
publicidade

Agronegócio

NOTA OFICIAL – Esclarecimento sobre suposta detecção de coronavírus na China em asa de frango importada do Brasil

Publicado

Na manhã de hoje, foi publicada nota no site do município de Shenzhen, província de Guangdong, com informações da autoridade sanitária local sobre uma suposta detecção de ácido nucleico do coronavírus na superfície de uma amostra de asa de frango congelada, oriunda de um lote importado do Brasil.

Segundo a nota, outras amostras do mesmo lote foram coletadas, analisadas e os resultados foram negativos.

O Escritório de Prevenção e Controle de Epidemiologia de Shenzhen informou que todas as pessoas que manusearam ou entraram em contato com o material testaram negativo para a COVID 19.

Ainda na noite de ontem, após notícia veiculada na imprensa da província chinesa, o MAPA acionou imediatamente a Adidância Agrícola em Pequim, que consultou a Administração Geral de Aduanas da China – GACC buscando as informações oficiais que esclareçam as circunstâncias da suposta contaminação.

Até o momento, o MAPA não foi notificado oficialmente pelas autoridades chinesas sobre a ocorrência.

O MAPA ressalta que, segundo a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) e a Organização Mundial da Saúde (OMS), não há comprovação cientifica de transmissão do vírus da COVID-19 a partir de alimentos ou embalagens de alimentos congelados.

O MAPA reitera a inocuidade dos produtos produzidos nos estabelecimentos sob SIF, visto que obedecem protocolos rígidos para garantir a saúde pública.

Para mais Informações: imprensa@agricultura.gov.br

 

 

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Veja Também:  Balança comercial tem superávit de US$ 6,7 bi em abril, perto do teto
Continue lendo

Agronegócio

Agronegócio representou mais da metade das exportações brasileiras em julho

Publicado

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Agronegócio representou mais da metade das exportações brasileiras em julho
Produtos como soja em grão, açúcar, celulose, algodão, carne suína e carne bovina tiveram considerável aumento de volume comercializado. As vendas para a China aumentaram 34,3%
As vendas externas do agronegócio em julho representaram 51,2% no valor total exportado pelo país, somando US$ 10 bilhões no mês passado, alta de 11,7% em relação ao valor exportado em julho de 2019.

De acordo com o Boletim da Balança do Agronegócio, divulgado nesta quarta-feira (12) pela Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SCRI-Mapa), as importações, por outro lado, tiveram diminuição de 16,3% atingindo US$ 982 milhões em julho. O saldo da balança ficou em US$ 9 bilhões.

Produtos importantes da pauta brasileira de exportação agropecuária tiveram considerável aumento de volume comercializado: soja em grão (+39,4%), açúcar (+92,3%), celulose (+35,1%), algodão (+64,4%), carne suína (+45,0%) e carne bovina (+20,9%).

As exportações de soja em grão chegaram a 10,4 milhões de toneladas em julho deste ano e geraram US$ 3,61 bilhões em receitas para o Brasil. A China foi o principal país importador da soja em grão brasileira, registrando aquisições de 7,9 milhões de toneladas ou 75,8% da quantidade exportada pelo grão.

As vendas externas de açúcar subiram de US$ 526 milhões em julho de 2019 para US$ 964 milhões em julho de 2020. Um incremento de 83,4% no período em análise. O aumento de 92,3% na quantidade exportada, que atingiu 3,5 milhões de toneladas no mês de julho de 2020, contribuindo para o aumento das exportações.

As exportações de celulose aumentaram 35,1% em quantidade, mas a queda de 37,2% no preço médio do produto fez com que houvesse redução no valor de exportação, que ficou em US$ 480 milhões em julho de 2020 (-15,2%). Já o algodão, não cardado nem penteado, totalizou US$ 107 milhões, com vendas de 77 mil toneladas.

Entre as carnes, a suína e a bovina foram as de melhores desempenhos nas exportações. A expansão da carne bovina de 23%, subiram de US$ 631 milhões (julho de 2019) para US$ 776 milhões em julho deste ano. O aumento ocorreu principalmente em função das vendas de carne bovina in natura à China, que cresceram 143,3%, atingindo US$ 375,50 milhões.

As exportações de carne suína tiveram incremento de 34,2% em valor, atingindo a cifra de US$ 202 milhões em julho de 2020. A China também foi o país responsável pelo aumento das exportações brasileiras, tendo adquirido US$ 106,68 de carne suína in natura brasileira em julho de 2020 (+90,3%). Já as exportações de carne de frango tiveram decréscimo no período de análise, passando de US$ 673 milhões em julho de 2019 para US$ 490 milhões em julho de 2020 (-27,2%).

Países compradores

Quanto aos mercados compradores, o crescimento de quase US$ 1 bilhão nas exportações para a China explica a expansão das vendas externas em julho deste ano.

As vendas ao país asiático atingiram US$ 3,85 bilhões (aumento de 34,3%) ou uma participação de 38,4% de todo o valor exportado pelo Brasil em produtos do agronegócio.

Para mais Informações: imprensa@agricultura.gov.br

 

 

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Veja Também:  Milho em alta no mercado brasileiro
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

O QUE VOCÊ ESTÁ ACHANDO DA GESTÃO DO GOVERNADOR MAURO MENDES ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana