conecte-se conosco


Agronegócio

Demanda por suínos aumenta no Brasil

Publicado

Demanda por suínos aumenta no Brasil

A demanda por suínos no mercado brasileiro aumentou consideravelmente, segundo informações divulgadas pela Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS). De acordo com a instituição, apesar de as exportações para a China ainda não terem aumentado, esse crescimento elevou os preços pagos ao produtor a patamares que não eram atingidos desde o segundo semestre de 2017.

A expectativa é de que o interesse da China aumente, já que a incidência da peste suína africana no país tem feito com que os asiáticos sacrifiquem muitos dos seus animais, gerando um prejuízo considerável e também uma falta do produto. Com isso, é provável que o produtor brasileiro finalmente tenha alguma recompensa por sua criação.

Com a perspectiva de aumento das exportações ao longo do ano, especialmente para a China, parece que, finalmente, depois de muitos meses de dificuldades, o suinocultor voltará a trabalhar com margens positivas. Resta saber até que ponto os indicadores socioeconômicos negativos do país, como alto desemprego e redução de renda, vão limitar esta subida dos preços”, disse o presidente da ABCS, Marcelo Lopes, no Boletim ABCS Mercado em Foco divulgado na segunda-feira (29).

Veja Também:  O Boletim do Leite do Cepea de fevereiro está disponível em nosso site!

No entanto, dados compilados pela ABCS dão conta de que o volume de de carne suína in natura brasileira para a China caiu 18% no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. “Porém, é preciso ficar atento às condições climáticas aqui e nos EUA e às negociações tarifárias da soja e da carne suína entre China e EUA. Além disso, com o crescimento das exportações de carne bovina e de frango, é esperada uma pressão para o aumento dos preços pagos ao suinocultor brasileiro”, finaliza a entidade.Agrolink

Comentários Facebook
publicidade

Agronegócio

Bolsa de Chicago atinge valores mais altos dos últimos meses para o milho nessa segunda-feira

Publicado

As principais cotações registravam valorizações entre 5,25 e 6,75 pontos por volta das 09h40 (horário de Brasília)

Portal do Agronegócio

Semana começa com preços internacionais do milho futuro em alta na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registravam valorizações entre 5,25 e 6,75 pontos por volta das 09h40 (horário de Brasília). O vencimento julho/19 valia US$ 3,90, o setembro/19 valeu US$ 3,96 e o dezembro/19 foi negociado por US$ 4,03 nessa segunda-feira (20).

Segundo análise de Bryce Knorr da Farm Futures, os futuros de milho miraram as altas de dois meses durante a noite. Dezembro ficou acima de US $ 4, enquanto julho atravessou a média móvel de 200 dias.

O mercado segue apreensivo quanto ao plantio do milho americano, “o relatório do Progresso das Colheitas desta tarde será acompanhado de perto pelos comerciantes. O lento progresso do plantio poderia estar tirando mais de um bilhão de bushels do potencial de rendimento devido a menores rendimentos e área plantada e maior abandono”, diz Knorr.

Veja Também:  AÇÚCAR/CEPEA: Após duas semanas em alta, preço do cristal volta a cair no spot paulista

Milho: Em Chicago, mercado encerra sessão desta 6ª com valorizações

A sessão desta sexta-feira (17) foi marcada por ganhos nos preços do milho praticados na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais posições da commodity enceraram o dia do lado positivo da tabela com valorizações entre 4,25 a 3,50 pontos. O vencimento julho/19 era cotado a US$ 3,83 por bushel, enquanto o setembro/19 operava a US$ 3,90 por bushel.

Segundo análise de Bryce Knorr da Farm Futures, com uma safra de milho nos Estados Unidos plantada tardiamente e um clima mais úmido. O cereal encontrou base para subir mais 1% nesta na sexta-feira, atingindo os níveis mais altos desde janeiro.

“Está prevista para a região central dos EUA mais precipitações pela frente, na qual os os maiores volumes de chuvas vão ser nas grandes áreas do Kansas, Missouri, Dakota do Sul, Iowa, Minnesota e Wisconsin”, disse Knorr.

Mercado Interno

No mercado doméstico, a sexta-feira também foi de valorizações pontuais movimentações nos preços do cereal. Conforme levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, em Porto Paranaguá (PR), a saca futura do milho subiu 6,45% e fechou o dia a R$ 33,00.

Veja Também:  O Boletim do Leite do Cepea de fevereiro está disponível em nosso site!

Em Ubiratã (PR), a valorização foi de 4,08%, com a saca de milho a R$ 25,50. Na região de Londrina (PR), o ganho foi de 2,00%, com a saca a R$ 25,50. Em Castro (PR), a alta foi de 3,13% com a saca a R$ 33,00.

Já na região de São Gabriel do Oeste (MS), a saca terminou o dia cotada a R$ 22,00 com uma alta de 2,33%. Na região de Palma Sola (PR), o ganho foi de 1,75% e a saca está ao redor de R$ 29,00. Em Assis (SP), a saca fechou o dia ao redor de R$ 28,50 com uma valorização de 1,79%.

De acordo com a Agrifatto Consultoria, o clima também preocupa por aqui, com um outono mais úmido do que a média dos últimos anos, a ocorrência de chuvas neste momento pode diminuir a qualidade do cereal, além de interferir nas operações de colheita.

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Etanol: hidratado valoriza 4,41% e anidro sobe 0,23% na semana

Publicado

No período de 13 a 17 de maio, o etanol hidratado se valorizou, pelos índices do Cepea/Esalq, da USP, em São Paulo

Portal do Agronegócio

Na última semana, o litro do biocombustível foi cotado em R$ 1,6820, valorização de 4,41% quando comparado aos preços praticados na semana anterior (6 a 10 de maio), quando foi cotado a R$ 1,6109/litro.

O anidro, usado na mistura com a gasolina, também fechou em alta no mesmo período. O litro foi comercializado a R$ 1,9460, alta de 0,23% em relação à semana anterior, quando o mesmo litro foi vendido a R$ 1,9416, também pelo índice Cepea/Esalq, da USP, em São Paulo.

Etanol diário

Pelo índice Esalq/BM&F o etanol hidratado fechou em queda na sexta-feira (17), interrompendo uma série de cinco dias de valorização. O metro cúbico do biocombustível foi vendido a R$ 1.778,50, queda de 0,36% no comparativo com o dia anterior.

Comentários Facebook
Veja Também:  Para Aprosoja, estudo da Anvisa sobre Glifosato reforça compromisso com produção sustentável
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana