conecte-se conosco


Agronegócio

Dez defensivos agrícolas biológicos e orgânicos têm registro publicado

Publicado

Produtos biológicos oferecem novas e interessantes opções aos produtores rurais para controle de importantes pragas da agricultura

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

O Ministério da Agricultura publicou nesta quinta-feira (3) no Diário Oficial da União o ato nº 70, com o registro de 10 defensivos agrícolas biológicos e orgânicos, que podem ser usados tanto na agricultura orgânica quanto na tradicional. Com isso, chega a 24 o número de produtos biológicos e orgânicos registrados em 2019.

Dois destaques na lista publicada são os defensivos biológicos à base dos organismos Heterorhabditis bacteriophora e Hirsutella thompsonii, inéditos no Brasil. O primeiro será usado para o combate à larva-alfinete, uma praga que causa grandes prejuízos para a cultura de batata. Já o produto à base de Hirsutella thompsonii terá uso no controle do ácaro rajado, uma praga que ataca diversas culturas, como soja, feijão, milho e algodão, além de frutas como morango, maçã, pera, uva, maracujá, melancia, abacaxi e cacau.

Também estão entre os defensivos biológicos registrados dois produtos à base de uma mistura de quatro baculovirus, que são vírus que atacam o sistema digestivo de lagartas, e uma mistura de três organismos microbiológicos para controle de nematoides.

“Os produtos biológicos registrados hoje oferecem novas e interessantes opções aos produtores rurais para controle de importantes pragas da agricultura, como o ácaro-rajado e a larva-alfinete. São importantes ferramentas para um melhor controle de pragas no campo, e também para o manejo da resistência de pragas inseticidas”, diz o coordenador-geral de Agrotóxico e Afins do Ministério, Carlos Venâncio.

Estes produtos são recomendados apenas para pragas, podendo ser utilizados em qualquer cultivo agrícola, para substituir outros de origem química.

Veja Também:  Circuito Aprosoja chega à 14ª edição com novo formato e foco no produtor

Em 2018, a produção de produtos biológicos para controle de pragas e doenças agrícolas cresceu mais de 70% no Brasil.

Genéricos

Além dos defensivos biológicos e orgânicos, foram publicadas hoje as concessões de registros de 41 produtos genéricos. O objetivo da aprovação de produtos genéricos é aumentar a concorrência no mercado e diminuir o preço dos defensivos, o que faz cair o custo de produção. Do total de produtos registrados em 2019, 359 são produtos genéricos e 23 são à base de ingredientes ativos novos de origem químico ou biológica.

Pela legislação, quando o período de patente expira, outras empresas podem registrar produtos à base de uma determinada substância que antes tinha o seu fornecimento monopolizado. Os produtos equivalentes são similares a produtos de referência que foram registrados no passado, de uso seguro e comprovado não apenas pelos estudos apresentados aos órgãos envolvidos, como pela comprovação empírica de anos de utilização.

Os genéricos constituem importante política para a quebra dos monopólios e oligopólios no mercado de determinados ingredientes ativos. Uma dinâmica que beneficia a livre concorrência e a competitividade da agricultura nacional.

Registros

Outros seis defensivos que tiveram as concessões de registro publicadas hoje são produtos formulados com base em ingredientes ativos novos. Entre eles, os produtos formulados à base do ingrediente ativo Dinotefuram, que poderão ser usados nas lavouras para combate a insetos sugadores como percevejos e mosca branca. Os produtos formulados à base deste ingrediente ativo terão restrições quanto a dose máxima permitida e proibição de uso no período de floração dos cultivos, restrições estabelecidas pelo Ibama para a proteção de insetos polinizadores.

Veja Também:  SUÍNOS/CEPEA: Valor do suíno vivo registra maior média real desde dez/17

Com a publicação de hoje, chega a 382 o número de registros concedidos em 2019, sendo 214 produtos técnicos, ou seja, destinados exclusivamente para o uso industrial.

Outros 168 são produtos formulados, ou seja, aqueles que já estão prontos para serem adquiridos pelos produtores rurais mediante a recomendação de um engenheiro agrônomo. Destes, 24 são produtos biológicos e/ou orgânicos. Cerca de 48% de produtos formulados autorizados não são efetivamente comercializados, por uma decisão das empresas detentoras dos registros

Nos últimos anos, diversas medidas desburocratizantes foram adotadas para que a fila de registros de defensivos ande mais rápido no Brasil. O objetivo é aprovar novas moléculas, menos tóxicas e mais ambientalmente corretas, e assim substituir os produtos antigos, além da liberação de produtos genéricos. Pela lei, nenhum produto atual pode ser registrado com toxicidade maior do que os existentes no mercado.

Tanto no Ministério da Agricultura, como no Ibama, e na Anvisa, os setores responsáveis pela análise de registros de defensivos foram reorganizados e tiveram servidores realocados, o que ocasionou um aumento de produtividade da análise técnica.

O ato publicado hoje contém diversos produtos de origem microbiológica que também contribuíram para o aumento no número de agrotóxicos registrados nos últimos anos. Estes produtos têm um trâmite de registro priorizado, tendo demandado algumas vezes menos de um ano desde o pedido de registro até o deferimento das avaliações técnicas de eficiência.

Comentários Facebook
publicidade

Agronegócio

INDICADORES: Boi gordo registra queda no preço nesta segunda-feira (7)

Publicado

No mercado financeiro, o preço da carcaça suína especial se manteve e o produto ainda é negociado a R$ 7,34

Rádio Mais – Raphael Costa

A cotação da arroba do boi gordo começou segunda-feira (7) com queda de 0,47% no preço e o produto é negociado a R$ 159,55 em São Paulo. Em Goiânia, o produto é vendido à vista a R$ 143,50. Já em Barretos e Araçatuba, em São Paulo, a arroba é comercializada a R$ 160.

O preço do quilo do frango congelado não teve alteração no valor e o produto é vendido a R$ 4,46. O preço do frango resfriado também se manteve e a mercadoria é comercializada a R$ 4,58.

No mercado financeiro, o preço da carcaça suína especial não sofreu alteração e o produto ainda é negociado a R$ 7,34. Em Minas Gerais, o preço do suíno vivo não mudou e a mercadoria é vendida a R$ 4,99. No Paraná, o produto é comercializado à vista a R$ 4,52. Os valores são do Canal Rural e Cepea.

Comentários Facebook
Veja Também:  MERCADO DE TRABALHO/CEPEA: População ocupada no agronegócio se mantém estável em 2018
Continue lendo

Agronegócio

Carne é saúde, é meio ambiente, é economia forte!

Publicado

Marco Túlio Duarte Soares é diretor presidente da Acrimat.

Assessoria ACRIMAT

Antes, o ovo, hoje, a carne. Vítima de uma guerra midiática que no passado já mirou o ovo como grande vilão da saúde, a proteína vermelha sofre investidas, e os que dizem que seu consumo, alegando que ela traz problemas à saúde, acabam por mostrar que seus argumentos não têm fundamento. Seja no campo da saúde ou do meio ambiente, é possível comprovar que os dados apresentados para embasar tais ataques têm falhas graves.

Então vamos falar, primeiro, de saúde. Como qualquer outro alimento, a carne pode ser consumida por qualquer pessoa, salvo aqueles com alguma patologia específica que impeça a ingestão. Mesmo em planos alimentares restritivos ela sempre está presente.

É um mito dizer que a carne vermelha não faz falta ao organismo. A falta de seu consumo pode levar à carência de diferentes nutrientes. A carne é fonte de proteínas, e de vitamina B12, não encontrada em alimentos vegetais, e ferro, que possui melhor qualidade e capacidade de ser utilizado pelo organismo quando comparado ao mineral encontrado nos vegetais.

Veja Também:  SOJA/CEPEA: Estoque elevado nos EUA reduz patamar de negócios no BR

Já no campo do meio ambiente, é irresponsável dizer que a pecuária é prejudicial ao ecossistema. A pecuária em sistema de integração com lavoura e floresta, a ILPF, além de mais produtiva, possibilita uma maior taxa de lotação (de 0,99 cabeça por hectare em 2018 para 1,54 cabeça por hectare em 2019*). Assim, o mesmo rebanho produz mais carne em menos espaço, graças a melhoramentos no componente zootécnico, que envolve sanidade, nutrição e genética.

Entre as fazendas com maior produtividade, a redução no uso da área é ainda maior. Enquanto a área média daquelas que produzem mais de 18 arrobas por hectare é de 620 hectares, as com produção abaixo de 12 arrobas por hectare possuem área média de 2,43 mil hectares*.

E esclarecer estes pontos vitais da pecuária é necessário, pois o consumo de carne no mundo aumentou rapidamente nos últimos 50 anos, e sua produção hoje é quase cinco vezes maior do que no início dos anos 1960. E disso dependem a vida de muitas famílias, que geram renda e fortalecem nossa economia. E MT sabe muito bem disso: temos o maior rebanho do Brasil, com 30 milhões de cabeças.

Veja Também:  LEITE/CEPEA: Preço sobe mais de 10% em fev/19 e atinge recorde para o mês

De acordo com os últimos dados disponíveis, os Estados Unidos e a Austrália lideravam o ranking global de consumo anual de carne, seguidos de Argentina, Uruguai e Brasil, conhecidos por sua produção de carne de qualidade.

Altos níveis de consumo de carne podem ser vistos em todo o Ocidente, e, na maioria dos países da Europa Ocidental, onde o consumo é de 80 a 90 kg por pessoa*.

E apesar de pensarmos que a carne está se tornando menos popular, o consumo americano em 2018 esteve próximo de seu pico em décadas. É um quadro semelhante ao da União Europeia. Tais dados indicam que o consumo de carne per capita aumentou nos últimos anos*. Sabendo disso, é seguro dizer que comer carne é seguro, pois carne é sinônimo de saúde, de meio ambiente seguro, de economia forte!

*Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Organização Mundial do Comércio (OMC) e Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

Comentários Facebook
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana