conecte-se conosco


Mulher

Educação sexual das meninas deve começar em casa com vibrador, diz especialista

Publicado

Falar sobre educação sexual é um assunto que divide opiniões. A especialista em sexo Nadia Bokody, que já chegou a  “quebrar sua vagina” por usar vibrador
seis vezes por dia, por sua vez, defende que mulheres jovens não são ensinadas o suficiente sobre seus próprios corpos e prazer sexual nas escolas. 


Especialista em sexo defende que a educação sexual das meninas deve começar em casa – e com o uso de um vibrador
Reprodução/Instagram/nadiabokody

Especialista em sexo defende que a educação sexual das meninas deve começar em casa – e com o uso de um vibrador

Nadia, que vive na Austrália, explica, conforme relata ao Mirror Online
, que, em vez de deixar à escola ensinar a próxima geração sobre educação sexual
, cabe aos pais resolver essa questão. Ela acredita que a melhor forma de fazer isso é entregar à filha adolescente um vibrador
e deixá-la experimentar os estímulos sexuais.

Para a especialista, o currículo apresentado das escolas deixa os jovens para baixo, principalmente as mulheres, uma vez que não fornece nenhum entendimento sobre o prazer sexual feminino. “Já os meninos aprendem sobre ejaculação involuntária. O foco das meninas é sempre menstruação e prevenção de gravidez indesejada”, diz.

Ela ressalta que esses são os motivos pelos quais os pais não podem deixar os colégios preparem suas filhas para as “complexidades do sexo”. “Até que o sistema escolar seja eficiente, os adultos realmente precisam falar disso em casa e isso começa com a normalização e o encorajamento da mastubação”, afima.

Veja Também:  Ácaros no colchão? Truques caseiros ajudam a acabar com esses inimigos

Nadia acredita que a sociedade cria muito “mistério” e “vergonha” em torno do corpo feminino. “Cerca de 30% das meninas relatam estar com dor quando fazem sexo. Por que isso acontece? Porque elas não sabem como é o prazer sexual. Não podemos dizer ‘vagina’ em voz alta. No lugar, temos que dizer ‘sua área especial’”, alega.

Educação sexual com vibrador?


Para a especialista, a educação sexual ensinada nas escolas às meninas não é suficiente para conhecer o próprio corpo
Reprodução/Instagram/nadiabokody

Para a especialista, a educação sexual ensinada nas escolas às meninas não é suficiente para conhecer o próprio corpo

Por outro lado, a especialista diz que entende o fato das pessoas não gostarem de ver os mais jovens fazendo sexo. “Eu também não. Não acho que aos 14 anos a garota esteja realmente preparada para as complexidades emocionais do sexo e nem tem uma boa compreensão sobre contracepção e consentimento”, ressalta.

No entanto, a realidade, conforme alerta, é que esse público está fazendo sexo – e não dá para simplesmente “enterrar a cabeça na areia” e fingir que nada está acontecendo. “A melhor coisa que os pais podem fazer é armar seus filhos com informações e criar um ambiente positivo para o sexo, livre de vergonha”, orienta.

Veja Também:  4 dicas para garantir o toque glam no look de festival

Nadia defende que a melhor forma de criar esse local com as filhas adolescentes é entregando a elas um vibrador
.  Ela acredita que esse ato dirá à menina que você não está “policiando” o corpo dela e que sua casa é um lugar seguro para conversar sobre você e que, além disso, ela poderá vir até os pais com perguntas e conselhos.

“Ao permitir que suas filhas entendam o que é o prazer sexual
, você está capacitando-as a saber a diferença quando estão em uma situação em que um menino pode estar sendo muito áspero ou desconfortável, e realmente falar”, expõe.

Ela ainda ressalta que conversa com mulheres na faixa dos 40 anos que ainda não sabem como é um orgasmo. “Algumas estão em casamentos de mais de 10 anos que fingem atingir o clímax porque têm vergonha de se comunicar com seus maridos sobre isso. Essa vergonha começa na infância quando masturbação e sexo são vistos com mistério e estigma”, afirma.

Por fim, ela fala da importância de ter uma boa
educação sexual

. “A masturbação é uma maneira muito mais segura e gentil de uma jovem se envolver em sexo do que sair e ter relações com outra pessoa antes de estar emocionalmente e mentalmente pronta. Dada a escolha, você não preferiria que sua filha tocasse o próprio corpo antes de deixar outro tocá-la?”, questiona.

Comentários Facebook
publicidade

Mulher

Deputados de MT apresentam moção de repúdio e protesto contra ‘Lei Neymar da Penha’

Publicado

Por encaminhamento da Câmara Setorial Temática de Combate à Violência Contra a Mulher da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, os deputados Janaina Riva (MDB) e Wilson Santos (PSBD) apresentaram moção de repudio e protesto contra o teor do Projeto de Lei 3369/2019, proposto pelo deputado Federal Carlos Jordy (Vice-líder do Governo) batizado de “Lei Neymar da Penha”.

“É importante frisar que essa moção atinge tão somente o teor do projeto, não alcançando suas características constitucionais, uma vez que o deputado federal, que foi legitimamente eleito, possui a prerrogativa de propor ações legislativas, as quais eu a Câmara Temática defendemos. O repúdio se dá na ação midiática que, sem contextualizar e fazer o devido resgate histórico, modifica sem critérios técnicos, um dispositivo criminalizador e, no caso específico, afeta muito o tema”, explica a deputada.

Segundo Janaina, o PL ‘Neymar da Penha’ visa aumentar a penalidade para quem faz falsas acusações de crimes contra a dignidade sexual, porém, vale ressaltar que, em regra, os delitos contra a dignidade sexual e agressões não costumam possuir testemunhas já que geralmente praticados pelo agressor contra a vítima a sós. Para ela o projeto dificulta e desencoraja ainda mais as mulheres vítimas a denunciarem os agressores.

Veja Também:  Pênis, ânus e outras tatuagens inusitadas que são sucesso nas redes sociais

“A mulher que é vítima de qualquer agressão, seja ela moral, física ou sexual geralmente tem muita dificuldade em denunciar o agressor justamente pelo julgamento e pela dificuldade de provar. E é por isso que palavra da vítima possui grande valor, quando analisada com o conjunto probatório. A mulher vítima de violência percorre um difícil caminho, até chegar à penalização do autor. Algumas acabam sendo revitimizadas, com os julgamentos sociais, com a mídia e, também, com o sistema de justiça. Não é possível permitir a inversão dos papéis, pois a legislação deve ser o principal canal a evidenciar a real vítima e o verdadeiro agressor. A cultura do estupro é percebida sempre na culpabilização e objetificação da vítima e neste sentido esse projeto de lei contraria ao que o país vive na atualidade, no que diz respeito ao enfrentamento e combate à violência contra as mulheres, máxime, a sexual”, afirma.

A deputada lembra ainda que a Lei Maria da Penha é o instrumento mais importante do País no enfrentamento à violência no âmbito doméstico e familiar, merecendo ser reconhecida nacionalmente, como é fora do Brasil. Segundo ela, a moção de repúdio e protesto se dá também ao desrespeito à Maria da Penha, mulher que dá nome à Lei e precisou recorrer às cortes internacionais para que o autor das sucessivas agressões que sofreu fosse punido, justamente por não encontrar amparo da legislação brasileira.

Veja Também:  Mulheres inspiradoras: fotógrafa e mãe de três mostra a maternidade “sem filtro”

“É de grande preocupação da Câmara Temática de Combate à Violência Contra a Mulher a forma desrespeitosa com que Maria da Penha Fernandes, que deu nome à Lei Maria da Penha, está sendo tratada no momento, passando, também, pela revitimação. O Brasil recebeu como recomendação internacional que a Lei 11.340\2006 fosse conhecida como Lei Maria da Penha, justamente para homenagear essa mulher vítima de violência doméstica que o País não havia dado o merecido tratamento quando sofreu as agressões. Apelidar o PL 3369\2019, de “Lei Neymar da Penha” é ofender à todas as mulheres brasileiras indistintamente. Esse projeto oferece ameaça às mulheres vítimas de estupro, que por anos a fio sofreram invisibilidade e julgamento com as discriminações e preconceitos vivenciados”, finaliza.

Assessoria de Imprensa

Jornalista Laura Petraglia – Audiovisual Jardel Silva

Comentários Facebook
Continue lendo

Mulher

Convidados querem levar 8 pessoas à casamento e web reage: “Não é um churrasco”

Publicado

Imagina só você convidar um casal para seu casamento e depois eles “informarem” que vão levar mais oito pessoas com eles? Esses noivos passaram por isso, e a situação viralizou nas redes sociais.

Leia também: Noiva sugere que madrinha grávida faça aborto para não “estragar casamento”


casamento
Reprodução/The Sun

Casal convidado para um casamento decide levar mais 8 pessoas com eles e internautas reagem: “Não é um churrasco”


O caso foi compartilhado no Facebook e chamou a atenção dos internautas. “Um casal foi convidado para o casamento
e eles decidiram chamar outras 8 pessoas!”, diz a postagem.

Os noivos
entregaram o convite e pediram para o casal em questão responder “gentilmente até 15 de abril de 2019” quantas pessoas da família iriam à cerimônia, e eles apontaram que “10 pessoas vão comparecer”.

Leia também: Mulher planeja cerimônia e envia convites antes mesmo do pedido de casamento

Na parte em branco, a dupla ainda especifica: “Seis adultos, quatro crianças”. Além disso, eles levantaram a hipótese de uma 11ª pessoa também ir ao evento.

Veja Também:  Ácaros no colchão? Truques caseiros ajudam a acabar com esses inimigos

Na web, a publicação gerou diversos comentários. “É um casamento, não é churrasco”, escreve um internauta. “Eu ligaria para eles e diria ‘não’. Se as outras pessoas fossem convidadas, elas teriam recebido um convite
”, opina outro.

Leia também: Noiva “surfa” na multidão depois de casamento e cena viraliza nas redes sociais

Uma usuária da rede social compartilhou história semelhante que ela viveu ao ter convidados surpresas na festa de casamento
. “Tiveram a coragem de reclamar do bolo (nós tínhamos feito um muito pequeno, só para nós)”, conta.

Comentários Facebook
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana