conecte-se conosco


Mato Grosso

Em três meses, Estado repassou quase R$ 1 milhão para Santa Casa

Publicado

Após levantamento realizado pelo setor financeiro da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT), foi constatado que, em 2019, o Governo do Estado repassou o valor de R$ 942.159,19 às unidades da Santa Casa de Cuiabá e Rondonópolis. O recurso é proveniente do Fundo Estadual de Equilíbrio Fiscal (FEEF) e transferido via Fundo Municipal de Saúde (FMS).

Conforme consta na planilha de pagamentos, o Estado transferiu, para cada uma das unidades, os seguintes valores: janeiro R$ 359.024,00, fevereiro R$ 303.075,77 e março R$ 280.059,42. Ainda de acordo com os dados informados pelo setor financeiro da SES-MT, outra instituição filantrópica que também recebeu recurso do Poder Executivo foi o Hospital do Câncer de Mato Grosso. A quantia total repassada foi de R$942.375,19.  

“Neste momento, o Governo do Estado faz um grande esforço para honrar os compromissos que assumiu – inclusive aqueles herdados da gestão anterior. A equipe da Secretaria de Estado de Saúde está empenhada em amenizar a dificuldade financeira que existe por meio da melhor gestão do dinheiro público”, pontuou o secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo.

Veja Também:  Funcionário é preso suspeito de furtar concreto de empresa e vender para outra em Cuiabá

A SES-MT confirmou que os valores já foram efetivamente pagos, sendo que o repasse de verbas relativas ao FEEF está normalizados – não havendo nenhuma parcela em atraso.

UTI’s

Para além da transferência prevista pelo FEEF, a SES-MT também efetiva pagamentos exclusivos para o funcionamento das Unidades de Terapia Intensiva (UTI) da Santa Casa de Cuiabá. Neste aspecto, a atual gestão transferiu valores equivalentes às competências de outubro a dezembro de 2018, no valor total de R$ 681.061,12. Os valores de recursos pagos garantem a prestação de serviços de saúde à população da Capital e do interior do Estado.

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Festival Braseiro: Promessa é de edições épicas em 2020, diz organizador

Publicado

Datas já foram escolhidas e já se iniciaram tratativas com atrações musicais nacionais

O Festival Braseiro se tornou referência nacional no segmento e reúne milhares de pessoas em duas edições anuais em Mato Grosso. Para 2020, as datas já foram escolhidas: em Cuiabá, será no dia 18 de abril, e em Rondonópolis, dia 22 de agosto.

Os números das edições anteriores impressionam e o lema deste ano é que “os recordes estão aí para serem batidos”, a começar pelo público esperado. Serão disponibilizados 9 mil ingressos no total. Além disso, os eventos contarão com 60 estações e, aproximadamente, 400 churrasqueiros voluntários. Ao todo, devem ser consumidas 10 toneladas de carnes nas duas edições, dos mais diversos cortes bovinos, ovinos, suínos, de aves, entre outras.

“Estamos nos empenhando para fazer o festival mais épico da história! Já temos contato com atrações musicais de peso e a carne continuará sendo a grande atração da festa. Sem falar da dedicação dos assadores voluntários em trazer novidades sobre preparo da carne e dos acompanhamentos, e a organização de primeira que marca todas as edições”, afirma o vice-presidente da Associação Braseiro, Joel Becker.

Veja Também:  Mulheres invadem mercado e atuam em negócios tidos como masculinos

Um dos principais objetivos do evento é apoiar causas sociais. Por isso, toda a renda obtida é revertida para instituições filantrópicas beneficentes. Segundo a coordenadora de eventos do Festival, Aline Pellozo, as inscrições das instituições interessadas em receber doações do Braseiro devem começar em fevereiro. As entidades deverão acessar o site do Braseiro, baixar o edital, preencher a planilha e providenciar a documentação exigida.

“É importante frisar que a entidade precisa ser regularizada. Depois de preencher todos os dados e separar a documentação, é só enviar tudo por e-mail. As instituições selecionadas ainda passarão por uma análise da Comissão Julgadora, que realizará visitas in loco para conhecer a realidade de cada entidade. Depois da avaliação de uma série de critérios é que são selecionadas aquelas que serão beneficiadas diretamente pelo Festival”, explica a coordenadora do evento.

No Festival Braseiro o público conta com um serviço ilimitado de alimentação e bebidas (cerveja, refrigerante e água) e “é sempre bom reforçar que a primeira chamada para o Festival Braseiro é realizada pelas nossas redes sociais. Então, fiquem atentos, porque o Braseiro 2020 promete!”, finaliza Aline Pellozo.

Veja Também:  Abril registra alta nos preços de 15 itens das principais hortaliças

Serviço

Instagram: @festivalbraseiro  – Facebook: /festivalbraseiro

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Economia agrícola de Mato Grosso cresce e volta a ser a maior do país

Publicado

Valor Bruto da Produção (VBP) mato-grossense foi de R$ 101,8 bilhões, enquanto São Paulo arrecadou R$ 78,1 bilhões

Thielli Bairros | Sedec-MT

A soja representa 46% da composição do VBP de Mato Grosso – Foto por: Christiano Antonucci

A soja representa 46% da composição do VBP de Mato Grosso

Mato Grosso é destaque nacional e internacional na agropecuária e, em 2019, assume novamente o primeiro lugar no Valor Bruto da Produção (VBP) superando o Estado de São Paulo.

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o Estado arrecadou 30% a mais que São Paulo – o VBP mato-grossense foi de R$ 101,8 bilhões, enquanto o segundo arrecadou R$ 78,1 bilhões.

Sedec MT

O VBP é a soma de tudo o que foi arrecadado com a produção no Estado. Em Mato Grosso, o destaque é para a soja, com 46,19% da composição do VPB, seguido do algodão (33%) e do milho (16,12%).

“Mato Grosso se destaca principalmente porque a agropecuária é a aptidão do Estado. Há anos, o setor vem se organizando e usando a tecnologia e modelos de gestão a seu favor. O Governo do Estado colabora buscando desburocratizar, modernizar e trabalhar as demandas do setor, como infraestrutura e conectividade”, afirma Walter Valverde, secretário adjunto de Investimentos e Agronegócio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec).

Veja Também:  Governo afasta fiscal flagrado ao receber R$ 300 em propina para liberar carga em aeroporto de MT

O Estado havia perdido posições nos últimos dois anos. De acordo com Sérgio Leal, coordenador do Observatório do Desenvolvimento da Sedec, os preços externos foram responsáveis por esta oscilação. “Nossos produtos são quase todos vendidos em dólar. Então, se cai o dólar, o VBP também diminui”, explica.

Comentários Facebook
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana