conecte-se conosco


Educação

Escolas estaduais têm ótimo desempenho no Enem 2020

Publicado

As escolas estaduais Liceu Cuiabano, Presidente Médici e André Avelino, de Cuiabá, estão entre as melhores colocadas no estado, com a aprovação de cerca de 40 alunos cada uma em instituições públicas.

Rosane Brandão | Seduc-MT

A escola Liceu Cuiabano está entre as que mais aprovaram alunos no Enem. – Foto por: Divulgação

A escola Liceu Cuiabano está entre as que mais aprovaram alunos no Enem.

Alunos de escolas da rede estadual de Mato Grosso tiveram ótimo desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020, conquistando vagas em cursos para universidades públicas de todo o país. É o caso, por exemplo, das Escolas Estaduais Liceu Cuiabano Maria de Arruda Muller, Presidente Médici e André Avelino, de Cuiabá, que aprovaram uma média de 40 alunos cada uma.

Ainda entre as escolas estaduais que se destacaram com aprovações em universidades públicas estão a Pascoal Moreira Cabral, EE da Polícia Militar Tiradentes, Raimundo Pinheiro e Dione Augusta, de Cuiabá; Adalgisa de Barros, de Várzea Grande; Adolfo Augusto e Daniel Martins Moura, ambas de Rondonópolis; e 13 de Maio, de Tangará da Serra. A média de aprovação de cada uma dessas escolas foi de 20 alunos.

A maioria dos alunos conquistou vagas para a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) e o Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT). No entanto, vagas foram conquistadas também na Universidade Federal de Rondonópolis (UFR), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS), Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Universidade Federal da Bahia (UFBA), Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), na Bahia, Universidade Federal Fluminense (UFF), de Nova Friburgo, entre outras.

Segundo a secretária de Estado de Educação, Marioneide Kliemaschewsk, é muito gratificante ver um resultado tão positivo como esse e saber que tantos jovens estão conquistando e realizando sonhos. “Isso é resultado do excelente trabalho que nossas escolas e os profissionais da educação vêm realizando e dos próprios alunos, que se esforçaram e se dedicaram para chegar aonde chegaram”, ressalta.

Para a professora de geografia Edenilzes Vaillant, da escola Liceu Cuiabano, esse quantitativo de alunos de escolas públicas aprovados no Enem valoriza o ensino público, não só de Mato Grosso, mas de todo o país. “Acredito que esta é a maior contribuição que um professor da escola pública pode ofertar aos alunos, na qualidade do ensino, na formação e preparação, não só para o Enem, mas também para outros voos mais altos”.

Veja Também:  Setasc pede que instituições do terceiro setor atualizem cadastros

O aluno da escola Liceu Cuiabano, João Vítor da Silva, aprovado no curso de Engenharia Elétrica da UFMT, atribui a sua aprovação aos seus professores que lhe deram muita força e a base de todo o conhecimento, em especial, ao professor de matemática Julio Cesar. “Ele me inspirou a seguir na área de exatas, que hoje é a minha área predileta. Acredito que meu futuro será próspero e quero retribuir de alguma forma ao Liceu Cuiabano daqui alguns anos quando estiver formado”, disse.

“Sou muito grata a essa escola por todos os ensinamentos, conhecimentos e experiências adquiridos aqui”, completa a aluna Irany de Oliveira, que conquistou uma vaga para o curso Filosofia na UFMT.

Segundo a diretora da Escola Estadual Presidente Médici, Elina Padilha Fernandes, a unidade busca melhorar a qualidade do seu ensino, por meio de políticas públicas, mesmo diante de desafios, como questões sociais e econômicas que interferem diretamente no processo ensino-aprendizagem.

“Reconhecemos o empenho de todos os alunos e a efetiva atuação dos professores na formação nas áreas do conhecimento de linguagens, humanas e exatas. A capacitação dos nossos professores reflete nos resultados obtidos até o momento. Mas ainda estamos ansiosos pelos resultados de outros índices que podem comprovar que a escola está no caminho correto para atingir a qualidade ideal na educação pública”, ressaltou a diretora.

A aluna Ariani Aguiar, que cursou o ensino médio técnico na escola Presidente Médici, conta que no 3º ano ainda estava indecisa e preocupada sobre qual curso escolher e seguir como profissão, mas teve o suporte da escola nesse momento tão importante da sua vida.

“Foram três anos de muito aprendizado e a gestão do Médici sempre nos apoiou e nos incentivou nas nossas escolhas. Os professores sempre procuravam nos deixar atentos aos assuntos da atualidade. Hoje, quero seguir firme nessa nova jornada e fazer a diferença na vida de muitas pessoas, assim como fizeram na minha”, destaca a aluna, que passou para o curso de Engenharia Florestal na UFMT.

Para o aluno Mário Toda, que conquistou uma vaga para o curso de Engenharia de Computação, também na UFMT, a escola Presidente Médici sempre será sua segunda casa, pois durante três anos esteve em constante crescimento, não somente como estudante, mas também como cidadão e ser humano.

Veja Também:  Saúde abre vagas para residência médica no Hospital Regional de Cáceres

“Nessa escola tive diversas experiências e ensinamentos que levarei para vida toda. Tenho orgulho de dizer que me formei nessa escola, instruído por professores extremamente competentes, por técnicos administrativos e de apoio sempre dedicados com nossa estadia na escola, fazendo o que podiam para ela ser o melhor possível”.

Outro aluno da escola Presidente Médici, Víctor Hugo Moraes Santana, 17 anos, que passou em 6º lugar para o curso de Publicidade e Propaganda na UFMT, acredita que sua aprovação se dá a uma série de fatores, mas, principalmente, pelo trabalho da unidade de ensino em que estudou.

Para ele, ter estudado no Médici e estar inserido em um ambiente que não é somente educacional, mas também familiar, o ajudou a chegar onde chegou. “Acho que isso é o diferencial dessa escola e espero que outras pessoas sejam beneficiadas e tenham as mesmas oportunidades que eu tive, pois essa instituição muda vidas e mudou a minha. Estou com muita expectativa com o curso que escolhi e espero conseguir êxito nesse caminho”.

A assessora pedagógica de Rondonópolis, Isabel Gonçalves, também concorda que os resultados significativos como estes atestam o empenho e a dedicação dos profissionais da educação. “Não somente na busca por melhores resultados, mas também na formação integral dos estudantes, objetivando a resiliência, qualificação profissional e consciência cidadã”, enfatiza.

“Essas aprovações revelam claramente que a escola pública tem muitos resultados positivos para mostrar, tanto pelo trabalho dos professores quanto pelos investimentos da Secretaria de Estado de Educação”, avalia o assessor pedagógico de Cuiabá, Alex Rufino.

Outras escolas que também estão na lista das que mais aprovaram alunos em instituições públicas: Plena Silvestre Gomes Jardim, La Sale e Francisca Barros de Carvalho, em Rondonópolis; Rafael de Siqueira, em Chapada dos Guimarães; Honório Rodrigues Amorim, Júlio Muller, José Leite de Moraes e Fernando Leite de Campos, em Várzea Grande; Governador José Fragelli, Antônio Epaminondas e Padre Firmo, em Cuiabá; Pio Machado, de Acorizal.

Fonte: Rosane Brandão | Seduc-MT

 

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT.

Comentários Facebook
publicidade

Educação

Professores da Unemat auxiliam no combate ao coronavírus

Publicado

Professores integram e assessoram o Comitê de Crise para o enfrentamento ao coronavírus com informações técnicas e científicas. A ideia é ajudar nas tomadas de decisões e medidas sanitárias para o enfrentamento da pandemia

Lygia Lima | Assessoria Unemat

Em Tangará da Serra, professores da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) integram e assessoram o Comitê de Crise para o enfrentamento ao coronavírus com informações técnicas e científicas. A ideia é ajudar nas tomadas de decisões e medidas sanitárias para o enfrentamento da pandemia.

A professora Ana Cláudia Pereira Terças Trettel, doutora em Medicina Tropical, com ênfase em virologia pela Fundação Osvaldo Cruz, atua diretamente no enfrentamento ao coronavírus no âmbito do município e também da Unemat.

Além da professora do curso de enfermagem, outros 16 professores também se colocaram à disposição para ajudar nesse momento de forma voluntária ao município, sendo 12 do curso de enfermagem e cinco do curso de Biologia.

Os professores da Unemat devem atuar em treinamento para equipes e profissionais de saúde, orientação sobre medidas a serem adotadas, em laboratórios e no atendimento direto a população.

Veja Também:  Operação conjunta apreende 432 kg de drogas e prende traficante procurado pela PF

Além disso, os professores estão estudando o comportamento dos profissionais de saúde no enfrentamento ao coronavírus e no tratamento dos pacientes que acabam contraindo a COVID-19. Um artigo científico sobre essa relação está em fase de finalização e deve ser encaminhado para publicação nos próximos dias.

Comentários Facebook
Continue lendo

Educação

Unemat tem meta de produzir 800 protetores faciais para trabalhadores da saúde

Publicado

Os protetores faciais vão ser entregues gratuitamente a unidades de saúde em Sinop, Colíder, Barra do Bugres e Cáceres

Danielle Tavares | Assessoria/Unemat

Diferentes equipes da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) estão empenhadas na produção de equipamentos individuais de proteção para trabalhadores da saúde, que atuam na linha de frente do combate ao Coronavírus. Nos câmpus de Sinop e Barra do Bugres estão em atividade duas dessas iniciativas.

Em Sinop (a 480 km de Cuiabá), uma equipe de pesquisadores vem trabalhando para produzir, em impressora 3D, os protetores faciais, também chamados “face shield”. A meta inicial era de 200 equipamentos para serem entregues para o setor de saúde da cidade e região. Com o início da divulgação e a arrecadação de doações para a aquisição de materiais, a iniciativa foi somando parceiros.

Por meio da Fundação de Apoio ao Ensino Superior Estadual (Faespe), foi viabilizada a aquisição de material acetato suficiente para a confecção de 800 viseiras que compõem as máscaras. “A nossa ideia, enquanto fundação, foi apoiar essas primeiras unidades como teste e, enquanto isso, buscar mais recursos e parceiros para produzir um número maior”, afirmou o Diretor Geral da Faespe, Valter Danzer.

Veja Também:  Mato-grossense de 8 anos desfila com traje representando grãos de soja e vence concurso no Peru

“Unimos forças e hoje temos um grupo, composto por professores da Unemat, em conjunto IFMT, UFMT, membros da sociedade civil e empresas, que busca soluções rápidas para atender às demandas das unidades de saúde”, explicou o coordenador do projeto da Unemat em Sinop, professor Tales Nereu Bogoni, doutor Ciência da Computação. Nessa frente, também fazem parte os professores Benevid Félix da Silva (Sinop) e Marcelo Leandro Holzschuh (Colíder).

O maior limitador, segundo o professor Tales, é o tempo de produção na impressora 3D. Cada modelo demora em torno de uma hora para ficar pronto. Com isso, cada máquina consegue fazer entre 12 e 15 unidades por dia.

Para superar esse limite, o grupo está elaborando um molde para injeção de polímeros de plástico, que seria produzido em grande escala por uma empresa da região. “Isso agilizará o processo de fabricação das estruturas das face shields. Com a injeção de plástico, poderão ser feitas centenas de unidades em apenas um dia”, afirmou Tales.

Entenda como é feita uma máscara de proteção individual em impressora 3D

A máscara é composta de duas partes: uma estrutura de suporte feita na impressora 3D e uma viseira em folha de acetato ou um tipo de resina denominada Poliestireno Cristal (PSCR), que foi a opção da Faespe/Unemat, por ser mais transparente do que o acetato. O processo se inicia com a modelagem dos suportes no computador. É feito um projeto, utilizando o sistema Blender, um software para a criação em 3D.

Veja Também:  Saúde abre vagas para residência médica no Hospital Regional de Cáceres

O processo de impressão utiliza um filamento plástico específico, em PLA ou ABS. Enquanto isso, a viseira em PS Cristal é cortada em impressora a laser. Depois da impressão, é feito o encaixe das peças.

Após a confecção do protótipo inicial, ele foi encaminhado para os profissionais de saúde de Sinop, que avaliaram, deram sugestões e validaram os equipamentos. “É uma máscara reutilizável e de fácil higienização. Ela tem uma proteção de 22 centímetros, protegendo toda a face dos profissionais de eventuais contatos com fluidos”.

Em Barra do Bugres, também há uma frente de produção de máscaras protetoras. Conheça essa iniciativa. Os protetores faciais produzidos pela Unemat vão ser entregues gratuitamente a hospitais e unidades de saúde em Sinop, Colíder, Barra do Bugres e Cáceres.

Fonte: assessoria

 

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

O QUE VOCÊ ESTÁ ACHANDO DA GESTÃO DO GOVERNADOR MAURO MENDES ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana