conecte-se conosco


Nacional

Está aberto o período para inscrições no Sisu

Publicado

Estudantes devem acessar a plataforma até as 23h59 de domingo, 26 de janeiro

Quem estiver interessado em uma vaga no ensino superior público deve ficar de olho. O período para inscrições no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) abriu nesta terça-feira, 21 de janeiro, e vai até as 23h59 de domingo, 26. Para concorrer, é preciso ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019 e não zerado a redação. Gratuito, o procedimento deve ser feito na página do Sisu na internet.

Ao se inscrever, o candidato deve escolher até duas opções de cursos ofertados pelas instituições participantes. Ao final, o sistema seleciona os mais bem classificados em cada curso, de acordo com as notas no Enem e eventuais ponderações, como pesos atribuídos às notas ou bônus. Caso o desempenho do candidato permita o ingresso nos dois cursos, prevalecerá a primeira opção, com apenas uma chamada para matrícula.

Neste semestre, são 237.128 vagas em 128 instituições de todo o país. “O Sisu é a principal forma de ingresso no ensino superior público com a nota do Enem. É uma grande oportunidade para quem se dedicou à prova”, disse o coordenador-geral de Políticas de Educação Superior do Ministério da Educação (MEC), Thiago Leitão.

Veja Também:  “Venezuela vive emergência humanitária complexa e ONU precisa agir”, diz ONG

Inicialmente, a data final de inscrições seria sexta-feira, 24. Com os problemas na correção das provas do Enem, o MEC decidiu dar mais tempo para os estudantes. Os resultados serão divulgados no dia 28 de janeiro. As outras datas são:

  • matrícula ou registro acadêmico nas instituições participantes: até 4 de fevereiro;
  • lançamento da ocupação nas vagas pelas instituições participantes: até 7 de fevereiro;
  • manifestação de interesse para constar na lista de espera: até as 23h59 de 4 de fevereiro.

cronograma foi publicado na edição de 3 de dezembro, do Diário Oficial da União (DOU). O edital completo está na página do Sisu e a retificação com a prorrogação do prazo, na edição do DOU desta terça-feira, 21 de janeiro.

Sisu – O Sisu é uma das formas de ingresso à educação superior com a nota do Enem. Trata-se do sistema informatizado do MEC por meio do qual instituições públicas de ensino superior oferecem vagas a participantes do exame.

Assessoria de Comunicação Social

Veja Também:  Deputado bolsonarista quer proibir a venda de videogames “violentos” no Brasil

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Bolsonaro deverá visitar terra onde indígenas produzem soja na região de Campo Novo e Tangará 

Publicado

Visita está agendada para março (Imagem: AP Photo /Eraldo Peres)Tangará em Foco – Alexandre Rolim

O presidente da República, Jair Bolsonaro, deverá viajar para a região de Campo Novo do Parecis e Tangará da Serra no fim do mês de março, onde os indígenas da etnia Haliti-Paresi cultivam soja, em especial uma variedade nova, a soja preta, desenvolvida pela Embrapa e produzida pela primeira vez em grande escala no Brasil, nas terras dessa etnia.

Indígenas produzem variedade de soja preta na região (Imagem: Montagem Tangará em Foco)

De acordo com o blog de política O Antogonista, o presidente pretende aproveitar a agenda para reforçar que a Funai, em seu governo, precisa “respeitar a autonomia do índio” e “não permitir que índio seja massa de manobra de ONG.”

Não foi informado o dia exato da viagem do presidente e se ele pretende visitar a Parecis SuperAgro, grande evento do agronegócio que ocorre no Parque de Exposições Odenir Ortolan, em Campo Novo do Parecis entre os dias 31 de março e 03 de abril.

Em abril de 2016, Bolsonaro, ainda deputado federal, visitou Campo Novo e a Parecis SuperAgro.

Com informações de O Antagonista

Fonte: Tangará em Foco

Veja Também:  Cidadãos da Nova Zelândia entregam voluntariamente suas armas após massacre

 

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Emissões de carbono em terras indígenas são as menores da Amazônia

Publicado

Estudo científico revela que os territórios indígenas e as áreas protegidas na Amazônia são menos suscetíveis à perda de carbono por degradação florestal do que outras regiões sem proteção

Os autores do artigo pedem maior apoio no resguardo dessas áreas que funcionam como “amortecerdores” contra as mudanças climáticas; os resultados indicam ser crucial a  defesa dos direitos dos indígenas e de populações tradicionais, bem como o cumprimento das leis ambientais – algo vital, considerando a demanda crescente por riqueza mineral, combustível fóssil e commodities.

Recente estudo para medir as emissões de carbono causadas pela degradação e pelo desmatamento – usando uma tecnologia inovadora que combina imagens de satélite com dados de campo – sugere que as terras indígenas (TIs) e as áreas naturais protegidas (ANPs) na Amazônia são menos propensas à perda de carbono por degradação do que regiões desprotegidas.

Isso ocorre porque a liberação de carbono resultantes de degradação em TIs e ANPs são, em grande parte, compensadas pelo crescimento da vegetação florestal – algo que não se verifica em terras sem proteção. Contudo, mesmo que mais estável, a degradação em territórios indígenas e em áreas protegidas não havia sido detectada anteriomente e, agora, essa perda é um fato preocupante.

No artigo publicado na segunda-feira (27) na Proceedings of the National Academy of Sciences, os pesquisadores analisaram o impacto da degradação/perturbação em quatro categorias de terras na Amazônia: TIs, ANPs, outras terras (sem proteção) e sobreposições entre TIs e APNs. Eles descobriram que a expansão das árvores ajudou os territórios indígenas a ter uma menor perda líquida de carbono, remediando as emissões recém-detectadas – 90% do total dessas perdas são provenientes de regiões fora das áreas protegidas.

Participaram desse estudo cientistas, especialistas em política e líderes indígenas do Woods Hole Research Center (WHRC), da Coordenação das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica (COICA), da Rede Amazônica de Informação Socioambiental (RAISG) e do Fundo de Defesa Ambiental (EDF) e com a participação do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM).

Veja Também:  “Venezuela vive emergência humanitária complexa e ONU precisa agir”, diz ONG

Proteção sob ameaça

Juntas, as TIs e as ANPs cobrem 52% da Amazônia e armazenam mais da metade do carbono na região (58%). O estudo afirma que essas áreas protegidas estão cada vez mais expostas a atividades ilegais e a fraquezas das leis e do Estado, colocando em risco seu papel na proteção de paisagens cada vez mais vulneráveis. Essas descobertas levaram os autores a alertarem para a importância dos direitos dos povos indígenas, cujas terras cobrem 30% da Amazônia e detêm 34% de seu carbono.

“Nosso trabalho mostra que as florestas sob a proteção de povos indígenas e comunidades locais continuam a ter melhores resultados no balanço de carbono do que as terras sem proteção. Isso significa que, o que o papel dessas populações é crítico e deve ser fortalecido para que os países da bacia amazônica consigam manter esse recurso globalmente importante, enquanto cumpre seus compromissos no Acordo de Paris”, disse Wayne Walker, cientista associado do WHRC e primeiro autor do artigo.

Quase 90% dos territórios indígenas têm alguma forma de reconhecimento legal, mas os pesquisadores observam que as concessões governamentais para a mineração e a extração de petróleo se sobrepõem a quase 25% de todas as terras territoriais reconhecidas na região, aumentando substancialmente a vulnerabilidade das TIs das ANPs a impactos adversos.

“A pesquisa revela o que os povos indígenas da Amazônia já estão relatando aos seus líderes”, afirmou Tuntiak Katan, um dos autores e vice-coordenador da COICA. “Os governos estão enfraquecendo a proteção ambiental, violando os direitos às TIs existentes e incentivando a impunidade legal. A situação está colocando em risco a existência de nossos povos e territórios, que contêm as florestas mais densas em carbono do mundo”, completou.

O artigo relata que as TIs e as ANPs continuam a ser uma resistência à amplificação do desmatamento que ocorre além de suas fronteiras. Mas, ao avaliar o impacto da degradação e da perturbação nessas terras, os autores chamam atenção para a situação de risco dos povos indígenas, cujos líderes expõem crescente impunidade por parte de garimpeiros, de fazendeiros e de madeireiros ilegais.

Veja Também:  Sargento da Polícia Militar é preso vendendo fuzil no RJ

Perdas e ganhos

O estudo aponta que, durante o período de 2003 a 2016, a região amazônica era uma fonte líquida de carbono para a atmosfera, liberando cerca de 1.290 milhões de toneladas de carbono (MtC) – quando considerados perdas e ganhos. As trajetórias de emissões de carbono durantes esses anos mostram aumentos entre 2012 e 2016 para todos os países amazônicos e categorias de terra, especialmente fora de TIs e ANPs.

Das quatro categorias de terras consideradas pelo artigo, as TIs tiveram a menor perda líquida de carbono (-0,1%). Em ANPs, essa redução foi de -0,6% e, em outras terras (sem proteção), de -3,6%. Os autores defendem que o crescimento contínuo de florestas em territórios indígenas permitiu que essas terras compensassem as emissões recém-descobertas de degradação/perturbação.

Ainda assim, 47% da perda total de carbono em áreas protegidas como um todo foi atribuída à degradação/perturbação. “Esse é um percentual preocupante, dada a importância que as florestas tropicais têm no fornecimento de serviços ecossistêmicos, além de seu papel na captura e armazenamento de carbono”, disse Carmen Josse, coautora do relatório e diretora científica da Fundação EcoCiencia, do Equador.

Terrenos fora de TIs e ANPs (ou seja, “outras terras”) foram responsáveis por cerca de 70% das perdas totais de carbono e quase 90% da variação líquida. Por outro lado, TIs e ANPs – em mais da metade da área terrestre – representaram apenas 10% da variação líquida, com 86% das perdas nessas terras compensadas por ganhos com o aumento da floresta.

Os pesquisadores analisaram perdas e ganhos de carbono no período entre 2003 e 2016, usando uma atualização dos dados originalmente publicados por Baccini et al (2017; Science). Além disso, eles separaram as perdas atribuíveis à conversão florestal (por exemplo, desmatamento) daquelas oriundas da degradação humana e distúrbios naturais (ventos, secas intensas, efeito de borda, etc).

Natália Moura – Consultora de Comunicação do IPAM

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

O QUE VOCÊ ESTÁ ACHANDO DA GESTÃO DO GOVERNADOR MAURO MENDES ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana