conecte-se conosco


Política MT

Fiscalizações e prevenções das barragens no estado são debatidas em audiência

Publicado

Foto: Ronaldo Mazza

A Assembleia Legislativa realizou na tarde dessa quinta-feira audiência pública para debater as “Barragens do Estado de Mato Grosso”. Recentemente, o governo do estado sancionou a Lei nº 10.836, de autoria do deputado estadual Wilson Santos (PSDB), que obriga a instalação de sistema de alarme e monitoramento em todas as barragens e represas existentes no estado. Com a presença maciça da sociedade civil organizada, o tema foi tratado por especialistas ambientais e em segurança pública. Com a audiência, ficou acordado que um documento será elaborado para garantir a sustentabilidade dessas construções e , a partir disso, os parlamentares farão as cobranças e fiscalizações sob a ótica técnica.

A partir de agora, todas as empresas antigas e as que tenham interesse em construir barragens ou represas devem instalar sistema de alarmes. Mato Grosso é o quarto estado brasileiro na exploração de extração de ouro, ficando atrás de Minas Gerais, Goiás e Pará, pela ordem. 

“Temos mais de 60 barragens de reservatórios no estado e não queremos que aconteça aqui o que ocorreu em Minas Gerais. Trata-se de um drama com vidas, destruição de comunidades e agressão á natureza. Se podemos prevenir, nós vamos fazer isso”, apontou Santos..

Segundo dados da Agência Nacional de Mineração, o estado tem pelo menos seis barragens com alto risco de dano. A Barragem de Ismael, que fica em Poconé, apresenta risco iminente.

“Foram realizadas fiscalizações em oito barragens e desse montante, seis delas não tinham registro do Crea. O conselho exige um profissional responsável com registro nesses locais para coordenar os trabalhos”, disse o presidente do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea), João Pedro Valente, explicando também que atualmente o órgão possui registros de 150 barragens em Mato Grosso, sendo 60 constatadas alguma irregularidades.

Veja Também:  Deputado recebe certificado de reconhecimento em ação social de Campo Novo do Parecis

Conforme dados divulgados por Valente, há ainda outras 31 barragens mapeadas, e sem detalhes exigidos pela Política Nacional de Segurança de Barragens (PNSB). Destas, 23 estão em Poconé, uma em Juína, duas em Rosário Oeste, uma em Cuiabá, duas em Nossa Senhora do Livramento e duas em Nova Santa Helena. Há também a barragem Casa de Pedra, da Maney Mineração Casa de Pedra Ltda, em Cuiabá, tem como minério principal rejeitos de ouro primário.

“Essa audiência pública é para discutir prevenções contra possíveis catástrofes em Mato Grosso. Temos que saber como estão sendo feitas as fiscalizações nessas barragens de rejeitos, pois todo cuidado é pouco”, destacou o deputado Silvio Fávero (PSL).

Na oportunidade o engenheiro-chefe de serviços de barragens em Mato Grosso, Márcio Correa do Amorim fez uma explanação de como são as barragens de rejeitos. Ele explicou que elas são um reservatório destinado a reter resíduos sólidos e água resultantes de processos de beneficiamento de minérios, e que, eventualmente é necessário ampliar a capacidade de armazenamento de uma barragem de rejeitos mediante a construção de alteamentos.

“É um debate que está em evidência no país todo. Trata-se de um tema complexo e carente de informações. Atualmente, em Mato Grosso temos um panorama crescente de construção de barragens. Entendo que, a segurança de barragens precisa ser melhor fiscalizada. Temos que fazer a coisa correta para não ter prejuízos futuros”, afirmou ele.

Veja Também:  AL analisa projeto que cria ‘Crédito Solidário’ para produtores rurais

Vale ressaltar que, em Mato Grosso, uns dos principais problemas com relação a fiscalização é o material humano. Na agência no estado são apenas oito fiscais para fiscalizar um estado quase continental de 903.357 km².

“Somos especialistas em construir barragens para hidrelétricas, mas barragem de material de minério é totalmente diferente e requer alguns cuidados especiais”, comentou o geólogo da UFMT, Serafim Carvalho Melo.

Dados da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) apontam que há ainda outras 31 barragens mapeadas, e sem detalhes exigidos pela PNSB. Destas, 23 estão em Poconé, uma em Juína, duas em Rosário Oeste, uma em Cuiabá, duas em Nossa Senhora do Livramento e duas em Nova Santa Helena. Há também a barragem Casa de Pedra, da Maney Mineração Casa de Pedra Ltda, em Cuiabá, tem como minério principal rejeitos de ouro primário.

Há a barragem EPP, da Mineração Apoena, em Pontes e Lacerda (448 km a oeste), tem como minério principal a rocha aurífera e a Dique de Finos, da Mineração Apoena, em Vila Bela (521 km a oeste), é composta por minério de ouro.  Há também a Barragem em Nova Xavantina (645 km a leste), que acumula restos de minério de ouro, e em Rio Branco está a barragem Planta, da Prometálica Mineração Ltda, especializada em restos de minério de zinco. Estão registradas pela Agência Nacional as barragens em Poconé (8), Nossa Senhora do Livramento (13), Nova Xavantina (3), Rio Branco (1), Vila Bela da Santíssima Trindade (3), Cuiabá (2), Pontes e Lacerda (1).

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Justiça determina o afastamento de vereador

Publicado

Rodrigo Lemes de Paula (Pros) foi afastado e está proibido de acessar as dependências do Legislativo e do Executivo

Política

G1 MT 

A Justiça determinou na segunda-feira (17) o afastamento do Vereador presidente da Câmara de Campos de Júlio, a 692 km de Cuiabá, Rodrigo Lemes de Paula (Pros), do cargo. Ele é acusado de improbidade administrativa por irregularidades na reforma do prédio da Câmara. A reportagem não conseguiu contato com o parlamentar.

O parlamentar também está proibido de acessar as dependências do Legislativo e do Executivo.

O afastamento foi pedido em janeiro deste ano pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MPMT), que ingressou com uma ação civil pública contra o vereador.

A medida, de acordo com o MP, é necessário porque há indícios de que Rodrigo estivesse tentando atrapalhar as investigações contra ele. O auditor nomeado para apurar os atos de improbidade administrativa denunciou perseguição, retaliação e outras formas de abuso de autoridade por parte do vereador.

No pedido de afastamento, o MP afirma que “Rodrigo Lemes de Paula promove medidas retaliatórias desta estirpe, constrangendo frontalmente e usurpando ilegalmente as atribuições do servidor público que é a principal testemunha a ser ouvida acerca da conduta irregular dele”.

Veja Também:  Deputado abre os trabalhos da Comissão de Agropecuária e destaca números da cadeia produtiva

Fonte: G1 MT

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Dilmar quer, mas sem afrontar Júlio

Publicado

Líder do governo na ALMT, deputado acha melhor não criar confusão dentro do DEM

Vinicius Bruno

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Deputado estadual, Dilmar Dal Bosco (DEM) quer disputar a eleição suplementar ao Senado, mas afirma que não quer concorrer internamente contra o ex-governador e cacique do DEM, Júlio Campos.

“Nenhuma vez tivemos disputa pelo cargo A ou B dentro do partido. Eu não vou competir com uma pessoa que admiro muito e que tenho orgulho de estar ao lado dele”, ponderou o parlamentar.

Por outro lado, Dilmar, que atua como líder do governo Mauro Mendes (DEM) na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), lembra que sua região – com 700 mil eleitores –  nunca teve um senador.

“Essa seria uma oportunidade”, defendeu o deputado que tem base eleitora em Sinop (500 km ao Norte de Cuiabá).

Júlio, por sua vez, segue convicto de que será o candidato do DEM e articula a formação de uma aliança com outras siglas importantes, o que inclui conversas com o PP do ex-ministro Blairo Maggi, o PSD de Carlos Fávaro, e o PSDB, de Nilson Leitão.

Fonte: Vinicius Bruno 

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

O QUE VOCÊ ESTÁ ACHANDO DA GESTÃO DO GOVERNADOR MAURO MENDES ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana