conecte-se conosco


Agronegócio

LEITE/CEPEA: Com oferta limitada, preços sobem

Publicado

Clique aqui e baixe o release completo em word.

 

Cepea, 30/01/2019 – As cotações do leite ao produtor terminaram o ano de 2018 em queda, mas já em janeiro de 2019 observa-se um cenário de inversão de tendência. Segundo pesquisadores do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, a “Média Brasil” líquida de janeiro (referente à captação de dezembro) foi de R$ 1,2836/litro, aproximadamente 4% (ou 5 centavos) acima do valor registrado no mês anterior. A alta foi mais intensa nos estados do Sul do Brasil, mas, por outro lado, no Sudeste, os preços se mantiveram praticamente estáveis. A valorização do leite no campo esteve atrelada à oferta limitada e ao aumento da competição entre empresas para assegurar matéria-prima.

 

Apesar de, no geral, 2018 ter sido um ano de elevação dos preços ao produtor, os custos de produção subiram justamente no último trimestre daquele ano, período em que a receita do pecuarista recuou – o que freou novos investimentos. Além disso, no final de 2018, as assimetrias de informações e ações especulativas diminuíram a confiança de produtores em seguir aumentando a produção, limitando a oferta já em janeiro. Além disso, há que se considerar que o excesso de chuvas no Sul e a escassez no Centro-Oeste também impactaram a atividade.

Veja Também:  ARROZ/RETRO 2018: 2018 é marcado por consumo enfraquecido e pressão sobre as cotações

 

A expectativa para fevereiro é de que os preços aumentem ainda mais, uma vez que, durante janeiro, as empresas acirraram a disputa por fornecedores e elevaram os patamares de negociação. Além disso, os mercados do leite spot (negociação entre indústrias) e do leite UHT (longa-vida), importantes direcionadores do preço no campo, também reagiram. No primeiro mês de 2019, a maior demanda das indústrias pelo leite spot impulsionou sua valorização em 37,6% na média de Minas Gerais. No caso do UHT, o preço médio recebido pelas indústrias no estado de São Paulo registrou alta acumulada de 6,5% de 2 a 29 de janeiro.

 

MUDANÇA DA METODOLOGIA – A partir de janeiro de 2019, os preços médios do leite ao produtor passaram a ser calculados pelo Cepea com base em uma nova metodologia. As principais mudanças são: coleta de dados desagregada por produtor; nova nomenclatura para preços mínimos e máximos, que passam a ser “preço médio do menor estrato de produção (maior que 200 litros de leite por dia) ” e “preço médio do maior estrato de produção (maior que 2.000 litros de leite por dia) ”; novo cálculo das médias estaduais e da “Média Brasil”, que passam a ser ponderadas pelo volume da amostra. Clique aqui e veja mais detalhes sobre essa mudança metodológica.

Veja Também:  CITROS/CEPEA: Mercado in natura segue enfraquecido em SP

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações sobre o mercado lácteo aqui e por meio da Comunicação do Cepea, com a pesquisadora Natália Grigol e Prof. Dr. Sergio De Zen: (19) 3429 8836 / 8837 e cepea@usp.br.

Comentários Facebook
publicidade

Agronegócio

Produção de açúcar cai na quinzena, mas sobe 2,2% na safra do CS, diz Unica

Publicado

Produção de açúcar cai na quinzena, mas sobe 2,2% na safra do CS, diz UnicaCom a safra caminhando para o seu final, usinas destinaram apenas 23,06% da cana para a produção de açúcar na segunda quinzena de novembro, e a fabricação do adoçante somou apenas 337 mil toneladas no período, queda de 36,7% ante a mesma época do ano passado.

Já a produção de etanol na quinzena aumentou cerca de 3%, para 770 milhões de litros, elevando o total produzido no acumulado da safra já para um recorde de 31,7 bilhões de litros (+8,56% na safra), considerando o biocombustível de cana e milho, disse a Unica.

Fonte: Reuters

Comentários Facebook
Veja Também:  Aprosoja cobra ampla discussão sobre impactos do uso de Dicamba
Continue lendo

Agronegócio

Valor das exportações na América Latina cairá 2,4% em 2019, segundo o BID

Publicado

Valor das exportações na América Latina cairá 2,4% em 2019, segundo o BIDApós o crescimento de 8,7% em 2018 e de 12,2% em 2017, a região entrará pela terceira vez em uma década em uma fase de contração comercial em 2019, segundo as projeções do BID.

De acordo com o banco, “a tendência de baixa nas exportações permanecerá nos próximos meses, devido à desaceleração da demanda mundial, à volatilidade dos mercados de produtos básicos e à incerteza sobre as tensões comerciais globais”.

O BID apontou que a contração dos envios da América Latina e do Caribe segue uma tendência do comércio mundial, que nos três primeiros trimestres de 2019 caiu 3,1% em ritmo anual.

“Embora as economias avançadas começam a mostrar um cauteloso retorno do otimismo, as emergentes continuam apresentando fatores de risco para as exportações da América Latina e o Caribe”, disse Paolo Giordano, economista principal do Setor de Integração e Comércio do BID e coordenador do estudo.

Veja Também:  LEITE/CEPEA: Liquidez é baixa, mas valor do UHT sobe; muçarela se desvaloriza

Um dos fatores da contração é a queda dos preços das matérias-primas da região. Entre janeiro e outubro, o preço do cobre caiu 8,3%, a soja retrocedeu 5,8% e o café 17,1%.

Fonte: AFP

Comentários Facebook
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana