conecte-se conosco


Mato Grosso

“Mato Grosso é campeão em câncer infantojuvenil e má formação fetal por causa dos agrotóxicos”, alerta pesquisador da UFMT

Publicado

O médico, professor e pesquisador do Núcleo de Estudos Ambientais e Saúde do Trabalhador (Neast) da Universidade Federal de Mato Grosso, Wanderlei Pignati, participou de uma Audiência Pública realizada no Auditório da OAB, em Cuiabá no último dia 12 de junho, para debater a utilização de agrotóxicos nas lavouras de Mato Grosso. O pesquisador alerta para os altos índices de câncer infantojuvenil e má formação fetal em gestantes que residem próximo às áreas onde os produtos são pulverizados. Um seminário deve ser realizados nos próximos dias para continuar o debate.

Pignati está à frente de diversas pesquisas que relacionam problemas graves de saúde em regiões onde se utiliza agrotóxicos em grandes quantidades. De acordo com o pesquisador, a contaminação se da através da água, dos alimentos, do solo, ar, chuva, flora, fauna e demais seres vivos que habitam no ambiente.

Em suas pesquisas, Pignati constatou a presença de agrotóxicos no leite materno e resíduos de glifosato nos bebedouros de escolas em cidades onde a agricultura produz alimentos em grande escala.

Os problemas agudos como Gatro-intestinais, dérmicos, hepáticos, renais, neurológicos, pulmonares, deficiências no sistema imunológico, quadros clínicos psiquiátricos foram identificados em crianças menores de cinco anos de idade no período de 2004 a 2009 no município de Lucas do Rio Verde (334 Km de Cuiabá), local onde a pulverização de agrotóxicos nas lavouras é constante por ser um dos maiores polos de agricultura no Estado.

Foi registrado um crescimento no número de internação ambulatorial para a utilização de nebulização no período de outubro a janeiro, onde a pulverização é maior para a safra da soja e em fevereiro, onde a pulverização era intensa devido a safra de milho e algodão.

Ainda de acordo com o estudo, crianças pequenas que residem nessas áreas, que permanecem no chão ou solo e colocam as mãos e objetos na boca com maior frequência, podem estar mais sujeitas à exposição. Além disso, os pais expostos de forma ocupacional podem trazer agrotóxicos para casa através das roupas e equipamentos, aumentando o risco de adoecimento por câncer dos filhos e das mães durante a gestação.

A pesquisadora integrante do grupo de pesquisa de Pignati, Débora Calheiros, trabalha principalmente com a questão da contaminação de peixes e da água. Segundo ela, o estudo epidemiológico deve ser levado a sério pois o risco já está comprovado através dos inumes estudos que relacionam as doenças com os agrotóxicos. “A questão principal que devemos pensar é que onde tem maior produção em estudos epidemiológicos com dados do Ministério da Saúde, é onde tem maior incidência de câncer infantojuvenil, de má formação e de outros problemas de saúde.

Veja Também:  Polícia Civil prende sete de associação criminosa envolvida no latrocínio de investigadora

Então é uma questão simples, isso tem que ser avaliado e tem que ser estudado com responsabilidade por todos, é um absurdo que ninguém está colocando isso em jogo. A saúde das pessoas e das suas famílias que moram em Sorriso, em Diamantino, Tangará e Lucas do Rio Verde estão em risco. A gente ta tomando veneno na água potável”, afirma.

O deputado estadual Lúdio Cabral (PT), esteve presente na audiência e reafirmou que o assunto precisa ser debatido até que uma solução possa ser encontrada. “Os estudos científicos de saúde pública precisam ser respeitados. Porque não da pra negar a existência de problemas que são reais, como é real a associação dos agrotóxicos e o aumento da prevalência de doenças. Nós temos que a partir disso para pensar de que forma nós temos que enfrentar esse problema”, diz.

“Quando os estudos epidemiológicos começaram a apresentar a associação entre cigarro e câncer de pulmão, a primeira reação foi a da negação e o questionamento do estudo cientifico. Nós não temos que esperar daqui 20, 30 anos, quando não se tiver mais o que fazer, para aí sim pensar em como reduzir os impactos dos agrotóxicos no meio ambiente e na saúde humana. Isso não significa se colocar contrario ao agronegócio, contrario a produção de alimentos, produção de soja e de algodão. Significa dizer que há um problema real que precisa ser enfrentado por vários caminhos e é esses caminhos que nós temos que discutir de forma exaustiva”, afirma o parlamentar.

Lúdio ressalta que o interesse maior é da população e não das empresas que  produzem alimentos em grande escala. “A industria do veneno não está preocupada com ninguém, ela só está preocupada em ganhar e por isso ela vai investir no que der lucro pra ela. Reduzir o consumo de agrotóxico e fazer um controle biológico é um caminho que o Estado deve pensar para estimular essa linha de atuação. Se a questão é que as pessoas precisam de alimentos então vamos pensar em uma outra forma de produzir.

Lúdio é autor de dois projetos de lei que versam sobre o uso de agrotóxicos em Mato Grosso que pretende proibir a pulverização do produto e a isenção fiscal dessas substâncias no Estado. Em abril desse ano, o Ministério da Saúde divulgou que 30 cidades de MT, incluindo Cuiabá, têm água contaminada por um “coquetel de agrotóxicos”. Os outros 111 municípios não foram submetidos aos testes por falta de recursos financeiros das Prefeituras.

Veja Também:  PM prende seis por tráfico de drogas em bairros de Cuiabá

O presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de mato Grosso (Aprosoja/MT), Antônio Galvan, discorda que a culpa dos altos índices de doenças seja do agronegócio. “Essa situação da água contaminada, será que ela está contaminada só com agrotóxico? Então porque usar agro, vamos usar só tóxico, esse tóxico vem da onde? Eu sei que qualquer água entra em uma cidade limpa e ela sai do outro lado extremamente poluída. O problema hoje da contaminação está dentro da cidade, é produzida pelo centro urbano”, diz.

Galvan ainda afirma que o mercado de alimentos orgânicos é instável e que não há possibilidade de produção em grande escala. “Eu conheço gente que desistiu de plantar orgânico em Tangará da Serra por causa de mão de obra, o funcionário não fazia a prática na hora exata e o orgânico não aceita nada de errado. Se o clima não te ajudar você perde a lavoura. Usamos os defensivos porque é a única alternativa que temos, se não existisse o defensivo estaríamos desmatando muito mais terras”, afirma.

Segundo ele todas as culturas devem ser somadas na tentativa de diminuir o uso de produto químico em qualquer lugar. “Eu não vou me sustentar e não vou fazer um produto orgânico porque eu coloco em risco tudo o que eu tenho. Hoje os alimentos orgânicos são um nicho de mercado, se todo mundo começar a fazer onde que você vai colocar o produto? Nós vamos conseguir produzir orgânico para o mundo? Então é isso que nós temos que olhar, eu não sou contra quem quer fazer orgânico ou qualquer produção alternativa, mas tem muita gente vendendo gato por lebre. Vocês sabem que hoje o brasileiro é maquiavélico pra tudo”, finaliza.

A OAB informou que em breve fará um seminário para que o assunto seja debatido novamente.

Agrotóxicos

A palavra ‘agrotóxico’ passou a ser utilizada para denominar os venenos agrícolas no Brasil colocando em evidência a toxicidade desses produtos ao meio ambiente e à saúde humana. O termo é definido pela Lei Federal n.º 7.802 de 11 de julho de 1989, regulamentada pelo Decreto 98.816 e, posteriormente, pelo Decreto n.º 4.074, de 4 de janeiro de 2002.

Os agrotóxicos são utilizados durante a produção, armazenamento, transporte, distribuição e transformação de produtos agrícolas e seus derivados. Entre os agrotóxicos também estão os desfolhantes, dessecantes e as substâncias reguladoras do crescimento vegetal ou fitorreguladores.

Fonte Olha Direto

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Confira resultado do Vestibular 2019/2 da Unemat

Publicado

Selecionados para as mais de 3 mil vagas devem fazer registro acadêmico na próxima segunda-feira, no campus de oferta do curso

UOL – Silvia Tancredi 

A Universidade do Estado do Mato Grosso (Unemat) publicou na tarde de hoje, 26 de julho, a relação de aprovados no Vestibular 2019/2. Acesse:

Resultado Vestibular 2019/2 Unemat

Conforme o cronograma, os selecionados devem fazer as matrículas entre os próximos dias 29 e 31, no campus de oferta do curso. A documentação que deve ser entregue pode ser consultada neste Edital.

A expectativa é que sejam feitas mais oito convocações, sendo a próxima no dia 2 de agosto.

Vestibular

Os mais de 17 mil inscritos fizeram as provas no dia 9 de junho nas cidades de Água Boa, Alta Floresta, Alto Araguaia, Barra do Bugres, Brasnorte, Cáceres, Campos de Júlio, Colíder, Comodoro, Cuiabá, Diamantino, Juara, Nova Mutum, Nova Xavantina, Pontes e Lacerda, Rondonópolis, Sinop e Tangará da Serra.

As provas foram compostas por uma redação e questões objetivas de Ciências da Natureza, Matemática, Ciências Humanas e Linguagens e Códigos.

Veja Também:  PM oferece curso sobre saúde física, mental e financeira a policiais

O vestibular 2019/2 da Unemat ofertou 3.020 vagas em 62 cursos de graduação ministrados em 12 cidades do Mato Grosso. Direito, em Cáceres, foi o curso mais procurado, com 46 candidatos por vaga (c/v).

Também foram disponibilizadas vagas para estudantes da ação afirmativa (escola pública, Pardos e Pretos e Indígenas).

Para mais detalhes, acesse o Edital do Vestibular 2019/2 da Unemat.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Justiça decreta indisponibilidade de bens de prefeito de Comodoro

Publicado

A 2ª Vara Cível de Comodoro (a 644km de Cuiabá) deferiu liminar e decretou a indisponibilidade dos bens do prefeito Jeferson Ferreira Gomes e dos demais réus de uma ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso para a apuração da prática de supostos atos de improbidade administrativa, relativos a fraudes em licitações. Conforme a decisão, foi decretada a indisponibilidade de bens dos requeridos até o limite do valor atribuído à causa, que é de R$ 403 mil. Já o pleito para afastamento cautelar do requerido agente público envolvido do exercício do cargo, sem prejuízo da remuneração, foi indeferido.

A ação de improbidade administrativa com pedido de liminar tem como requeridos, além do prefeito, a empresa M. Gisselda Spader Eireli ME e seus sócios Maria Gisselda Spader e Luccas Spader. Segundo a inicial, Jeferson Ferreira Gomes “causou, dolosamente, danos ao erário, ferindo de morte os princípios que regem a administração pública, notadamente os da moralidade e da legalidade, tudo isso em prol da empresa e seus respectivos sócios, que se enriqueceram ilicitamente”.

A empresa requerida foi vencedora de quatro licitações durante a gestão do alcaide, todas fraudadas, pois “montadas” e direcionadas, tendo como objeto a realização de serviços desnecessários e superfaturados, que deveriam ser prestados pelo próprio Município, pois “se tratam de práticas rotineiras e de natureza acessória, sem maiores conhecimentos técnicos ou de expertise acentuada/complexa”. Assim, pediu a procedência da ação, para condenar os requeridos pela prática de atos de improbidade administrativa.

REINCIDÊNCIA – Conforme apurado em outras ações judiciais e em procedimentos administrativos do MPMT, o atual prefeito de Comodoro, Jeferson Ferreira Gomes, é recorrente em atos de improbidade administrativa. “São diversas as práticas levadas a efeito pelo gestor no intuito de malversar o dinheiro público em prol de seus interesses particulares, inclusive através de procedimentos licitatórios fraudulentos, devidamente ‘montados’ e direcionados com o escopo de desviar recursos do erário”, consta na inicial.

De acordo com os promotores de Justiça Felipe Augusto Ribeiro de Oliveira e Luiz Eduardo Martins Jacob Filho, há três cenários ímprobos que foram descobertos e judicializados recentemente, fora as demais investigações ainda em andamento. Em uma das ações se “denuncia a reiterada e nefasta prática de nepotismo no âmbito da administração pública municipal, cuja sentença condenatória já fora proferida em data recente”.

Outra se refere à “prática de atos de improbidade administrativa que ocasionaram enriquecimento ilícito, prejuízo ao erário e malferimento aos princípios da administração pública, consistente na deflagração e conclusão de procedimento de inexigibilidade de licitação para contratação de assessoria jurídica em evidente desvio de finalidade”. Essa causa também já foi julgada procedente e o requerido condenado à perda do cargo público, dentre outras sanções.

E a terceira se trata de “publicação anormal e deficitária de edital de chamamento de candidatos aprovados em concurso público visando propósitos particulares e escusos, bem como incorrido em fato supostamente criminoso (falsidade ideológica) para tentar se safar da responsabilidade vindoura”. Nessa ação, que é recente, o prefeito chegou a ser afastado liminarmente do cargo.

Comentários Facebook
Veja Também:  Corpo de Bombeiros orienta sobre cuidados ao frequentar rios, lagos e cachoeiras
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana