conecte-se conosco


Geral

Não era uma gripezinha

Publicado

Jornalista Rodolfo Milone comenta as 1000 mortes no Brasil

(Crédito: Amarildo)

O Brasil alcançou uma triste marca no dia de hoje(19). Com mais de mil mortes em um dia, o nosso país tem um óbito a cada 73 segundos. O que é muito triste e causa contraste com a fala do nosso presidente, que disse que tudo isso não era nada, apenas uma gripezinha.

Segundo o ministério da Saúde, foram contabilizados 1.179 óbitos pela doença causada pelo coronavírus. Esse é um recorde bem triste para a nação brasileira, passamos o número de mortes, que tinha acontecido no no dia 12, com 881 óbitos. Com isso, o Brasil tornou-se o quinto país do mundo a chegar neste patamar, após Estados Unidos, França, Reino Unido e China.

Infelizmente nós alcançamos essas tristes marcas e não estamos nem próximos do fim. No meio de tudo isso, nos ministérios vários ministros são investigados, escândalos de funcionários fantasmas, rachadinhas, caso Queiroz e Bolsonaro participando de atos criminosos contra à democracia e que defendem o AI-5.

Veja Também:  Mudanças no concurso Adasa, no Distrito Federal; confira as novidades

As coisas não estão nada bem, o país está desgovernado. Literalmente, nós estamos afundando, não nos esquecemos que o inverno está chegando e os números irão piorar. Não esqueça, ponha seu casaco e não pegue a “gripezinha”.

Rodolfo Milone, Jornalista, 29 anos, com expertise na área da saúde, tecnologia, viagem, política e educação. Tem mais de quatro anos de experiência no segmento e em assessoria de imprensa. Já atuou em frente de diversas empresas conceituadas no mercado, como Johnson, Pfizer, Plugin Bot, Criteo, CET, ABAV, Pró- Saúde e entre outras.

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
publicidade

Educação

Amazônia perto do calor máximo

Publicado

por Herton Escobar – repórter colaborador da revista Science
Foto por: Ben Hur Marimon Junior
Estudante de mestrado mede um angelim-saia em Mato Grosso

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver. A tolerância das florestas tropicais com o aquecimento global está chegando ao fim, especialmente na Amazônia. Mesmo que o desmatamento e as queimadas cessassem por completo a partir de amanhã, a elevação da temperatura média global — decorrente do acúmulo de gases do efeito estufa na atmosfera — poderá levar a um empobrecimento em massa desses biomas nas próximas décadas, segundo um estudo publicado hoje (21 de maio) na revista Science. Segundo os pesquisadores, as florestas têm um limite de tolerância térmica de até 32 graus Celsius na temperatura ambiente. Acima disso, começam a perder biomassa, como se estivessem definhando; a mortalidade de árvores aumenta, e a taxa de crescimento da vegetação como um todo diminui. Ocorre assim uma inversão de funções: em vez de retirar e estocar dióxido de carbono (CO2) da atmosfera, a floresta passa a ser fonte de emissão de gases.

Só isso já seria extremamente preocupante para a manutenção dessas florestas a médio e longo prazo; mas o cenário imediato é ainda pior. Quando esse estresse térmico se soma aos efeitos do desmatamento, das queimadas e da fragmentação florestal, o resultado é o que alguns cientistas chamam de “tempestade perfeita”; uma combinação catastrófica de fatores, que ameaça dizimar grande parte da Amazônia e de outras florestas tropicais do planeta, num futuro não muito distante.

O desmatamento acumulado nos primeiros quatro meses deste ano (1.200 km2) já é 55% maior do que no mesmo período de 2019, segundo dados de monitoramento por satélite do sistema DETER, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais.

“É a anatomia de um desastre se desenhando”, diz o pesquisador Ben Hur Marimon Junior, da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), um dos vários autores brasileiros do trabalho, ao lado de Beatriz Marimon, sua mulher e também cientista da Unemat. “Cada aumento em graus Celsius acima do limite de 32 graus libera quatro vezes mais dióxido de carbono do que seria liberado abaixo do limite”, explica Beatriz no texto de divulgação do estudo. O trabalho é assinado por 225 pesquisadores ligados a três grandes redes de monitoramento de florestas tropicais na América do Sul (Rainfor), África (AfriTron) e Ásia (T-Forces), liderados por um grupo da Universidade de Leeds, na Inglaterra. Os resultados são baseados na observação de 670 mil árvores, ao longo de vários anos, em 24 países.

Essas florestas úmidas e repletas de vida, que formam um cinturão verde ao longo da linha do Equador, são uma peça fundamental dos modelos climáticos globais. As plantas absorvem dióxido de carbono (CO2) da atmosfera, via fotossíntese, e utilizam esse carbono como matéria-prima para construir sua biomassa de galhos, troncos, folhas e raízes. Quando uma árvore morre e sua biomassa se decompõe (ou é queimada), esse carbono volta para atmosfera. Cientistas estimam que o volume de carbono estocado em todas as florestas tropicais do mundo — considerando apenas as árvores — seja equivalente a 25 anos de emissões por queima de combustíveis fósseis. Do ponto de vista climático, portanto, queimar florestas é como queimar petróleo.

Veja Também:  Senado aprova ampliação do auxílio emergencial para demais categorias

“Estamos sentindo os efeitos do aquecimento local, agravado pelo aquecimento global, que traz uma série de outras complicações”, completa Marimon. Se essa situação persistir, diz ele — e tudo indica que persistirá, pois não há sinal de recuo nas mudanças climáticas —, “é certeza que vamos começar a perder florestas”. Mesmo num cenário extremamente otimista, em que o mundo consiga limitar o aquecimento global a 2 graus acima da era pré-industrial, que é o limite considerado minimamente seguro pelos especialistas, cerca de 70% das florestas tropicais do mundo serão empurradas acima desse limiar de 32 graus nos meses mais quentes do ano, segundo os pesquisadores. Esse aumento de temperatura resultaria, pelas estimativas do estudo, na emissão de 35 bilhões de toneladas de carbono para a atmosfera no longo prazo.

Muitos fenômenos previstos pelo estudo em escala global já são visíveis no sul da Amazônia brasileira, onde a temperatura máxima, nos períodos mais quentes do ano, passa facilmente de 40 graus Celsius. Mesmo em áreas totalmente protegidas, livres de fogo e de motosserras, Marimon diz encontrar cada vez mais árvores quebradas, doentes e mortas. “Algumas árvores que a gente mede há mais de vinte anos, e que eram perfeitas, agora estão todas quebradas. Sem queimadas e sem desmatamento, só por conta da temperatura”, relata ele. Seu grupo na Unemat monitora cerca de 45 mil árvores em 68 parcelas de floresta na zona de transição entre a Amazônia e o Cerrado, dentro de um Programa de Pesquisa Ecológica de Longa Duração (PELD), financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Uma das principais reações fisiológicas das árvores nessas condições de calor extremo é fechar seus estômatos — os “poros” na superfície das folhas, por onde as plantas trocam gases com a atmosfera — para reduzir a perda de água. Consequentemente, com os estômatos fechados, elas absorvem menos gás carbônico, fazem menos fotossíntese e crescem menos. Com o tempo, isso pode debilitar a saúde das árvores, tornando-as mais suscetíveis a morrer por diversos motivos. Outro fator preocupante associado ao desmatamento e às mudanças climáticas, que costuma acompanhar a elevação da temperatura, é a diminuição das chuvas e o aumento da ocorrência de secas. O estresse hídrico, então, se junta ao estresse térmico para agravar ainda mais a situação. A estiagem também aumenta a mortalidade de árvores e torna a floresta mais suscetível a queimadas, comprometendo sua resiliência a longo prazo.

E é nesse ponto que ocorre a inversão: em vez de retirar carbono da atmosfera, a floresta passa a ser uma fonte de emissão. “O carbono vai para a atmosfera e não volta mais, porque a capacidade de crescimento da floresta foi reduzida. Isso é muito crítico”, diz o pesquisador Luiz Aragão, chefe da Divisão de Sensoriamento Remoto do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), também coautor do trabalho na Science. A Amazônia é especialmente suscetível a esse cenário, segundo ele, porque já é uma floresta naturalmente mais quente do que as da África e da Ásia, com temperatura média em torno de 27 graus.

Veja Também:  Fecomércio-MT elabora manual de orientação para o comércio durante período de pandemia

A melhor estratégia para minimizar esses impactos do aquecimento, segundo os pesquisadores, é eliminar os outros fatores de pressão sobre as florestas tropicais, acabando com o desmatamento e recuperando o máximo possível da cobertura vegetal e da biodiversidade que já foram perdidas. Quanto mais extensas, mais intactas e mais conectadas estiverem as florestas, maior será sua resiliência — ou seja, sua capacidade de resistir e se adaptar às mudanças climáticas que estão em curso. “A estratégia de mitigação é manter a floresta em pé para manter o ciclo hidrológico funcionando”, diz Aragão, lembrando que a água é o elemento mais básico de sobrevivência em qualquer situação. Vários estudos já demonstraram que o desmatamento aumenta a temperatura e reduz a precipitação em escala regional, exacerbando ainda mais os efeitos das mudanças climáticas globais.

“Temos que interromper imediatamente o desmatamento e investir pesado em reflorestamento, caso contrário vamos ter um colapso das florestas; o que vai desencadear um monte de outros problemas”, diz o pesquisador Paulo Moutinho, do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam).

A tendência para este ano no Brasil, porém, é o oposto disso, segundo um estudo divulgado pelo Ipam no fim de abril. A área desmatada nos primeiros três meses deste ano já foi 51% maior do que no mesmo período de 2019, e há muitas áreas remanescentes de desmatamento do ano passado, que foram derrubadas mas que não chegaram a ser queimadas — graças à intervenção, ainda que tardia, do governo federal, que enviou as Forças Armadas para a região em agosto, após o escândalo internacional causado pelo aumento das queimadas e pela negação do problema pelo Palácio do Planalto. “O Exército interrompeu as queimadas, mas o desmatamento continuou a todo vapor”, afirma Moutinho. “Tudo que não queimou no ano passado vai queimar agora, se não fizerem algo para impedir isso.”

Além do problema ambiental e climático, há o impacto na saúde pública. As queimadas geram quantidades imensas de fumaça, carregada de material particulado, que invadem as cidades da região, causando vários problemas respiratórios nas populações locais. Com os hospitais já sobrecarregados pela pandemia do novo coronavírus, haverá um risco ainda maior de colapso dos sistemas públicos de saúde. “É um cenário assustador de sinergia entre as pandemias de Covid-19 e de desmatamento”, afirma Moutinho.

 

 

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Geral

O inverno e os pets: combinação perigosa

Publicado

Veterinária dá dicas de como proteger os animais de estimação nesses dias mais frios

Com o frio se aproximando em quase todas as cidades brasileiras, surge mais uma preocupação: como proteger os animais de estimação? Muitas pessoas pensam que, por terem pelos, os pets não sofrem com temperaturas baixas, mas a especialista Luana Sartori, veterinária responsável pela Monello Select, da Nutrire, alerta que cães e gatos podem ficar doentes se não forem aquecidos em dias com vento, chuva e frio.

Animais podem pegar gripe? 

Sim, eles também ficam resfriados e os sintomas são bem parecidos com os da gripe nos humanos. “Espirros, falta de apetite, secreção ocular e nasal, e febre podem ocorrer. Além disso, quando estão gripados, os animais ficam apáticos, sem vontade de brincar ou interagir com seus tutores”, explica Luana. Muito embora eles possam ficar gripados em qualquer estação, o inverno é sempre mais perigoso, principalmente para os animais que dormem nos pátios das casas. Filhotes e idosos também sofrem mais com o frio e estão bem mais suscetíveis às doenças respiratórias.

Como saber se meu pet está com frio?

Vários sinais podem indicar que o seu melhor amigo está com frio. “O pet busca lugares quentes, como os cantinhos da casa, por exemplo. Eles costumam ficar enroladinhos no próprio corpo, os focinhos e orelhas ficam gelados”, indica. Os gatos procuram as cobertas para se aquecer. Luana alerta que felinos com acesso à rua estão mais propícios ao frio. “O principal fator de risco para a saúde e segurança dos gatos é rua”, acrescenta.

Veja Também:  Moda sem gênero: como aderir a essa tendência

Devo colocar roupas em cães e gatos?

A resposta é: depende. Cachorros são mais tolerantes, mas os gatos realmente não gostam de roupinhas, com algumas exceções. “É preciso analisar com bom senso, pois o que pode ser bonitinho para as pessoas, pode ser desconfortável ao extremo para o pet”, diz. Luana revela que cachorros mais velhos e filhotes se adaptam melhor ao uso de roupas. “Para os animais idosos ou com pelo curto, que sentem mais frio, as roupinhas são uma boa opção”, explica.

No mercado há vários tipos de tecidos que ajudam a combater o frio, mas alguns pets podem ser alergicos, esse cuidado é essencial que você tenha ao escolher o tipo de roupa, converse com o veterinário antes. “Não esqueça que animais de rua sofrem muito mais com as temperaturas baixas. Se você quiser ajudar a aquecer um bichinho sem dono, encontre uma entidade protetora perto de você e doe o que puder”, pede a especialista.

Meu cachorro dorme no pátio, e agora?

A primeira coisa é garantir uma casinha com cobertura e cobertor para o pet, nunca em espaço aberto. Se o pet está acostumado a dormir na rua, garanta que ele esteja longe da chuva e do vento direto. “Proteja a cama do cão colocando revestimento de borracha ou estrado evitando o contato direto com o chão”, diz.

Devo diminuir a frequência do banho?

Se for possível, sim. Além disso, banhos devem ser com água morna e a secagem é muito importante. Não deixe o pet molhado e nem saia com ele após o banho. Espere, no mínimo, 30 minutos. “Nesses tempos de quarentena, os passeios devem cessar. Se o animal precisa sair para as necessidades fisiológicas, evite locais com aglomeração de pessoas. No retorno do passeio, lave as patinhas com água e sabão”, explica. Nos gatos, aumente a frequência da escovação. “Com o frio eles se lambem mais e, consequentemente, engolem mais pelos que podem prejudicar o estômago. A indicação é que o tutor escove o pet três vezes por semana”, conclui a veterinária.

Veja Também:  Plano de saúde coletivo não pode ser cancelado durante tratamento

Animais podem pegar o novo Coronavírus?

Até o momento não há indicações de que isso possa acontecer. A gripe felina se chama Rinotraqueíte Felina e pode ser provocada pelo vírus Herpesvírus felino tipo 1 ou FeHV-1. “Por ser caracterizada pelos sintomas respiratórios, é também conhecida como Complexo Respiratório Viral Felino (CRVF) e acomete o trato respiratório superior”, explica. Seu período de incubação é curto, sendo que no inverno os casos se multiplicam e se manifestam com muita intensidade.

Já nos cães, a gripe é pelo vírus influenza A e a Traqueobronquite Infecciosa Canina é fruto da infecção por parainfluenza, bordetella e adenovirus. Cães e gatos também podem pegar resfriados mais comuns, onde os sintomas também são mais leves”, conclui a veterinária. A indicação da OMS é de que humanos com sintomas do Covid-19 devem ficar longe de seus animais de estimação, evitando o contato o máximo possível. Embora não haja evidências científicas de contágio, o cuidado é sempre bem vindo.

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

O QUE VOCÊ ESTÁ ACHANDO DA GESTÃO DO GOVERNADOR MAURO MENDES ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana