conecte-se conosco


Agronegócio

“O produtor brasileiro não é transgressor do meio ambiente”, afirma ministra

Publicado

Em discurso neste sábado (27) na abertura da 85ª Expozebu, em Uberaba (MG), a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) reagiu às pressões de instituições da Europa que propuseram nesta semana condicionar a compra de produtos do agronegócio brasileiro ao cumprimento de compromissos ambientais. A ministra disse que a imagem do Brasil é muito mal vendida no exterior, pois o país tem o melhor Código Florestal do mundo e o produtor brasileiro não é transgressor do meio ambiente, ao contrário do que afirmam na Europa.

“Temos um Código Florestal que ninguém tem no mundo. E mesmo assim somos atacados de maneira errônea, como se o produtor fosse transgressor do meio ambiente. O produtor não é transgressor do meio ambiente, ele é defensor do meio ambiente, sabe a importância do meio ambiente para sua atividade, sabe que precisa preservar. Enquanto estiver no ministério, serei defensora incansável dos produtores rurais no quesito meio ambiente, pois o que o mundo nos imputa não é verdade”, disse a ministra, lembrando que o Código Florestal levou dez anos para ficar pronto e ser aprovado pelo Congresso Nacional.

Veja Também:  ARROZ/CEPEA: Produtor se retrai e cotações sobem

Ela atribuiu a má imagem do país ao crescimento da importância do agronegócio brasileiro no mundo, o que provoca medo e preocupação nos concorrentes e leva a acusações como essas. O Brasil é um dos únicos países que tem mais de 60% de seu território preservado com vegetação nativa. Por lei, todo proprietário rural precisa preservar uma parte de seu imóvel, em percentual que varia de 20% a 80% da área total, dependendo do bioma.

A ministra lembrou que o presidente Jair Bolsonaro, a quem estava representando na cerimônia, desistiu de sua ideia inicial de unir os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente exatamente para que no exterior não fosse imputado ao governo brasileiro o que não é verdade. “De maneira sábia, ele (o presidente) continuou com o Ministério do Meio Ambiente, mas trouxe uma pessoa (o ministro Ricardo Salles) que não tem viés ideológico e quer fazer com que os produtores tenham segurança jurídica para continuar produzindo no país”, elogiou Tereza Cristina.

Veja Também:  SUÍNOS/PERSPEC 2019: Exportação e custo menor podem garantir ano mais positivo

Em entrevista, a ministra disse que mais de 90% dos produtores brasileiros já estão inscritos no Cadastro Ambiental Rural (CAR), um dos instrumentos criados pelo Código Florestal, faltando incluir os 10% restantes. Agora, o Programa de Regularização Ambiental (PRA) precisa ser imediatamente implementado, com as ações mitigatórias para quem teve problemas com o CAR. O PRA compreende um conjunto de ações ou iniciativas a serem desenvolvidas por proprietários e posseiros rurais com o objetivo de adequar e promover a regularização ambiental, com vistas ao cumprimento do disposto em lei. A inclusão do imóvel rural no CAR é medida obrigatória para que o produtor possa aderir ao PRA.

Fonte: MAPA GOV

Comentários Facebook
publicidade

Agronegócio

Bolsa de Chicago atinge valores mais altos dos últimos meses para o milho nessa segunda-feira

Publicado

As principais cotações registravam valorizações entre 5,25 e 6,75 pontos por volta das 09h40 (horário de Brasília)

Portal do Agronegócio

Semana começa com preços internacionais do milho futuro em alta na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registravam valorizações entre 5,25 e 6,75 pontos por volta das 09h40 (horário de Brasília). O vencimento julho/19 valia US$ 3,90, o setembro/19 valeu US$ 3,96 e o dezembro/19 foi negociado por US$ 4,03 nessa segunda-feira (20).

Segundo análise de Bryce Knorr da Farm Futures, os futuros de milho miraram as altas de dois meses durante a noite. Dezembro ficou acima de US $ 4, enquanto julho atravessou a média móvel de 200 dias.

O mercado segue apreensivo quanto ao plantio do milho americano, “o relatório do Progresso das Colheitas desta tarde será acompanhado de perto pelos comerciantes. O lento progresso do plantio poderia estar tirando mais de um bilhão de bushels do potencial de rendimento devido a menores rendimentos e área plantada e maior abandono”, diz Knorr.

Veja Também:  ARROZ/CEPEA: Cotações iniciam abril em alta no RS

Milho: Em Chicago, mercado encerra sessão desta 6ª com valorizações

A sessão desta sexta-feira (17) foi marcada por ganhos nos preços do milho praticados na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais posições da commodity enceraram o dia do lado positivo da tabela com valorizações entre 4,25 a 3,50 pontos. O vencimento julho/19 era cotado a US$ 3,83 por bushel, enquanto o setembro/19 operava a US$ 3,90 por bushel.

Segundo análise de Bryce Knorr da Farm Futures, com uma safra de milho nos Estados Unidos plantada tardiamente e um clima mais úmido. O cereal encontrou base para subir mais 1% nesta na sexta-feira, atingindo os níveis mais altos desde janeiro.

“Está prevista para a região central dos EUA mais precipitações pela frente, na qual os os maiores volumes de chuvas vão ser nas grandes áreas do Kansas, Missouri, Dakota do Sul, Iowa, Minnesota e Wisconsin”, disse Knorr.

Mercado Interno

No mercado doméstico, a sexta-feira também foi de valorizações pontuais movimentações nos preços do cereal. Conforme levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, em Porto Paranaguá (PR), a saca futura do milho subiu 6,45% e fechou o dia a R$ 33,00.

Veja Também:  UVA/CEPEA: Alta pluviosidade prejudica cultivo paulista

Em Ubiratã (PR), a valorização foi de 4,08%, com a saca de milho a R$ 25,50. Na região de Londrina (PR), o ganho foi de 2,00%, com a saca a R$ 25,50. Em Castro (PR), a alta foi de 3,13% com a saca a R$ 33,00.

Já na região de São Gabriel do Oeste (MS), a saca terminou o dia cotada a R$ 22,00 com uma alta de 2,33%. Na região de Palma Sola (PR), o ganho foi de 1,75% e a saca está ao redor de R$ 29,00. Em Assis (SP), a saca fechou o dia ao redor de R$ 28,50 com uma valorização de 1,79%.

De acordo com a Agrifatto Consultoria, o clima também preocupa por aqui, com um outono mais úmido do que a média dos últimos anos, a ocorrência de chuvas neste momento pode diminuir a qualidade do cereal, além de interferir nas operações de colheita.

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Etanol: hidratado valoriza 4,41% e anidro sobe 0,23% na semana

Publicado

No período de 13 a 17 de maio, o etanol hidratado se valorizou, pelos índices do Cepea/Esalq, da USP, em São Paulo

Portal do Agronegócio

Na última semana, o litro do biocombustível foi cotado em R$ 1,6820, valorização de 4,41% quando comparado aos preços praticados na semana anterior (6 a 10 de maio), quando foi cotado a R$ 1,6109/litro.

O anidro, usado na mistura com a gasolina, também fechou em alta no mesmo período. O litro foi comercializado a R$ 1,9460, alta de 0,23% em relação à semana anterior, quando o mesmo litro foi vendido a R$ 1,9416, também pelo índice Cepea/Esalq, da USP, em São Paulo.

Etanol diário

Pelo índice Esalq/BM&F o etanol hidratado fechou em queda na sexta-feira (17), interrompendo uma série de cinco dias de valorização. O metro cúbico do biocombustível foi vendido a R$ 1.778,50, queda de 0,36% no comparativo com o dia anterior.

Comentários Facebook
Veja Também:  O Boletim do Leite do Cepea de fevereiro está disponível em nosso site!
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana