conecte-se conosco


Agronegócio

“O produtor brasileiro não é transgressor do meio ambiente”, afirma ministra

Publicado

Em discurso neste sábado (27) na abertura da 85ª Expozebu, em Uberaba (MG), a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) reagiu às pressões de instituições da Europa que propuseram nesta semana condicionar a compra de produtos do agronegócio brasileiro ao cumprimento de compromissos ambientais. A ministra disse que a imagem do Brasil é muito mal vendida no exterior, pois o país tem o melhor Código Florestal do mundo e o produtor brasileiro não é transgressor do meio ambiente, ao contrário do que afirmam na Europa.

“Temos um Código Florestal que ninguém tem no mundo. E mesmo assim somos atacados de maneira errônea, como se o produtor fosse transgressor do meio ambiente. O produtor não é transgressor do meio ambiente, ele é defensor do meio ambiente, sabe a importância do meio ambiente para sua atividade, sabe que precisa preservar. Enquanto estiver no ministério, serei defensora incansável dos produtores rurais no quesito meio ambiente, pois o que o mundo nos imputa não é verdade”, disse a ministra, lembrando que o Código Florestal levou dez anos para ficar pronto e ser aprovado pelo Congresso Nacional.

Veja Também:  BOI/CEPEA: Preço da arroba do boi volta a superar o da carne

Ela atribuiu a má imagem do país ao crescimento da importância do agronegócio brasileiro no mundo, o que provoca medo e preocupação nos concorrentes e leva a acusações como essas. O Brasil é um dos únicos países que tem mais de 60% de seu território preservado com vegetação nativa. Por lei, todo proprietário rural precisa preservar uma parte de seu imóvel, em percentual que varia de 20% a 80% da área total, dependendo do bioma.

A ministra lembrou que o presidente Jair Bolsonaro, a quem estava representando na cerimônia, desistiu de sua ideia inicial de unir os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente exatamente para que no exterior não fosse imputado ao governo brasileiro o que não é verdade. “De maneira sábia, ele (o presidente) continuou com o Ministério do Meio Ambiente, mas trouxe uma pessoa (o ministro Ricardo Salles) que não tem viés ideológico e quer fazer com que os produtores tenham segurança jurídica para continuar produzindo no país”, elogiou Tereza Cristina.

Veja Também:  Frango vivo abre 2ª quinzena de junho com nova alta de preço

Em entrevista, a ministra disse que mais de 90% dos produtores brasileiros já estão inscritos no Cadastro Ambiental Rural (CAR), um dos instrumentos criados pelo Código Florestal, faltando incluir os 10% restantes. Agora, o Programa de Regularização Ambiental (PRA) precisa ser imediatamente implementado, com as ações mitigatórias para quem teve problemas com o CAR. O PRA compreende um conjunto de ações ou iniciativas a serem desenvolvidas por proprietários e posseiros rurais com o objetivo de adequar e promover a regularização ambiental, com vistas ao cumprimento do disposto em lei. A inclusão do imóvel rural no CAR é medida obrigatória para que o produtor possa aderir ao PRA.

Fonte: MAPA GOV

Comentários Facebook
publicidade

Agronegócio

Soja: preço médio sobe até 29% no 1º semestre e garante resultado positivo para produtor

Publicado

O levantamento foi realizado pela Consultoria Datagro

Soja: preço médio sobe até 29% no 1º semestre e garante resultado positivo para produtor

Os produtores brasileiros de soja tiveram resultado positivo no primeiro semestre deste ano, com preços médios para o produto entre 27% e 29% superiores em relação ao mesmo período de 2019, considerando quatro das principais praças de negociação do País. O levantamento foi realizado pela Consultoria Datagro.

O coordenador da Datagro Grãos, Flávio Roberto de França Junior, informa em comunicado que “na análise até este momento, as cotações garantem resultados positivos de renda para grande parte dos produtores. Exceção aos que tiveram perdas mais pronunciadas com o clima, onde podemos destacar Santa Catarina e, especialmente, o Rio Grande do Sul. Como os preços foram avançando de forma gradativa e quase linear, o fluxo de comercialização também veio acompanhando esse ritmo, com os produtores acertadamente aproveitando cada pico de preços observado.”

A maior diferença no semestre foi registrada em Rondonópolis (MT), com média de R$ 87,23 por saca de 60 kg ante R$ 67,68 a saca no primeiro semestre de 2019, um avanço de 29%. Em Dourados (MS), o salto semestral foi de 27%, para R$ 85,96 a saca, ante R$ 67,52 a saca no mesmo período de 2019. No mesmo momento, a soja na Bolsa de Chicago (CBOT) teve média de US$ 8,71 o bushel, com queda de 2% sobre o semestre anterior, e o dólar subiu 28% no Brasil, a R$ 4,92.

Veja Também:  Frango vivo abre 2ª quinzena de junho com nova alta de preço

A Datagro Grãos ressalta, ainda, que nas análises de lucratividade, que é a relação bruta entre a receita média obtida e o custo de produção, o setor também conseguiu manter cenário positivo pelo décimo quarto ano consecutivo, inclusive com resultados superiores aos do ano anterior, já que não há chances de reversão até o fim do ano com vendas acima de 90%. Apesar de aumento nos custos de produção em alguns Estados, a maioria das praças teve avanço na produtividade média em relação à safra passada. No Paraná, por exemplo, a lucratividade bruta parcial atingiu 51% sobre 33% em 2019.

Nas análises de rentabilidade financeira, que consideram a soja como opção de investimento, a Datagro também verificou resultados bastante positivos no primeiro semestre do ano para o produtor brasileiro, superando com folga o fraco resultado do mesmo período do ano anterior. Entre janeiro e junho de 2020, a soja no mercado físico teve rentabilidade média de 19,47%, já descontada a inflação, sobre -1,09% em 2019. No comparativo com outros investimentos, a oleaginosa ficou atrás apenas do ouro da B3 ( 52,45%), do dólar comercial ( 35,17%) e do dólar turismo ( 34,92%).

 

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Vendas de máquinas agrícolas no país caem no semestre, mas projeção é de alta no ano

Publicado

As vendas de máquinas agrícolas e tratores no Brasil fecharam o primeiro semestre com queda de 1,3% na comparação com o mesmo período do ano passado, para 19.642 unidades, em meio a impactos da pandemia de Covid-19, informou nesta segunda-feira a associação nacional dos fabricantes de veículos Anfavea.

Mas a associação está confiante de que terá um segundo semestre melhor nas vendas de máquinas agrícolas e elevou as projeções para uma alta de 3% em 2020 —ante aumento de 0,5% na previsão de janeiro—, com o agronegócio sendo menos afetado pela crise do coronavírus, diante do impulso do câmbio nos preços das commodities.

No que diz respeito às chamadas máquinas rodoviárias, a Anafavea reduziu as estimativas para 2020, de uma alta de 22% prevista em janeiro, para queda de 24%, devido à menor demanda para construção de estradas, com a indústria fabricante de tratores sofrendo neste ano.

Veja Também:  Frango vivo abre 2ª quinzena de junho com nova alta de preço

Em junho, as vendas totais, de máquinas agrícolas e rodoviárias, somaram 3.910 unidades, alta de 0,9% ante maio e uma queda de 9,6% na comparação com o mesmo período do ano passado.

As vendas de tratores de rodas somaram 2.614 unidades, queda de 15% ante maio e de 23,4% na comparação com junho do ano passado, o que resultou uma baixa de 5% no primeiro semestre.

Já as vendas de colheitadeiras de grãos atingiram 734 unidades em junho, alta de 130,8% versus maio e de 39,3% na comparação com junho do ano passado. No semestre, o setor ainda vê recuo de 9%.

Contudo, após um primeiro semestre de negócios mais mornos em meio a incertezas relacionadas à crise do coronavírus, o setor de máquinas agrícolas espera uma movimentação maior dos agricultores nos seus últimos meses do ano, quando é semeada a safra de soja, a principal do país, conforme executivos ouvidos pela Reuters anteriormente.

Montadoras de máquinas agrícolas estão até mesmo reajustando preços para repassar o aumento de gastos com peças importadas encarecidas pela alta do dólar, e devem ter a seu favor a boa rentabilidade de produtores de grãos do Brasil, um dos poucos setores que, também pelo câmbio, obteve margens positivas neste momento de crise histórica.

Veja Também:  Aprosoja realiza primeiro Estradeiro de 2019

Já a comercialização de colhedoras de cana somou 52 unidades, aumento de 225% ante maio e de 160% na comparação com junho do ano passado. No semestre, as fábricas apontaram aumento de 24,2%, mesmo diante das dificuldades relatadas pelas usinas no mercado de etanol, enquanto as exportações de açúcar estão elevadas.

Fonte: Reuters

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

O QUE VOCÊ ESTÁ ACHANDO DA GESTÃO DO GOVERNADOR MAURO MENDES ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana