conecte-se conosco


Barra do Bugres e Região

Pai é condenado a 20 anos de prisão por morte de recém-nascido em Cuiabá

Publicado

Marcelo da Silva Corrêa, de 28 anos, será julgado no Tribunal do Júri — Foto: TVCA/Reprodução

Marcelo da Silva Corrêa, de 28 anos, será julgado no Tribunal do Júri — Foto: TVCA/Reprodução

Um homem foi condenado a 20 anos de prisão, em regime fechado, por ter matado o filho, que tinha 34 dias de vida. Ele foi condenado pelo tribunal do júri nessa quarta-feira (27) pelo crime que cometeu em 2013.

Conforme a ação, Marcelo da Silva Corrêa e a mulher, uma adolescente de 13 anos, discutiram no dia do crime. O bebê teve o braço fraturado após um puxão do pai e foi arremessado no chão pela mãe. O crime aconteceu no Distrito da Guia, em Cuiabá.

Na véspera do crime, a criança estava com febre, com o pé infeccionado e inchado, mas Marcelo preferiu pedir ajuda para a irmã, no sentido de ministrar remédios caseiros, em vez de levar o bebê novamente ao hospital, temendo perder a guarda do filho se verificados outros indicativos de maus tratos e descuido dos pais.

No dia seguinte, à noite, ele e a mãe do bebê tiveram uma grave discussão em casa, que chegou a atrair a presença de alguns familiares e de uma vizinha.

Acalmados os ânimos, Marcelo foi à escola e retornou depois de algumas horas, ocasião em que ele e a mãe retomaram a discussão e passaram a disputar o filho. Naquele momento, o pai tentou retirar a criança do colo da mãe, de forma que puxou a vítima pelo braço com tanta violência que lhe causou fratura.

Para calcular a pena, a juíza considerou a previsão legal do crime de homicídio qualificado – de 12 a 30 anos de reclusão –, assim como a culpabilidade exacerbada do réu, fixando a pena-base em 14 anos. Desta pena, foram acrescidas circunstâncias agravantes do cometimento do crime, tais como o uso de recurso que dificultou a defesa da vítima, deixar de prestar imediato socorro, o fato de a vítima ser filha do réu e ainda menor de 14 anos, totalizando a pena de 20 anos de reclusão.

Por G1 MT

Comentários Facebook
publicidade

Barra do Bugres e Região

Veículo roubado em Tangará da Serra é recuperado pelo Gefron na fronteira com a Bolívia

Publicado

Carro havia sido roubado no dia 16 em Tangará da Serra (Imagem: Gefron/MT)

Cristiano Pires de Andrade de 35 anos foi preso pelo Grupo Especial de Fronteiras (Gefron-MT), durante patrulhamento nas imediações da cidade de Porto Esperidião. O suspeito dirigia um veículo roubado no dia 13 deste mês, em Tangará da Serra (MT).

De acordo com informações do Gefron, uma viatura realizava rondas pela região, quando avistou um veículo Renault Duster de cor prata e placa. Ao tentar realizar a abordagem, o condutor tentou empreender fuga da guarnição.

Após um acompanhamento, os policiais abordaram o condutor. Após checagem via base do GEFRON foi constatado que o carro havia sido roubado na cidade de Tangara da Serra (MT).

Em entrevista com o suspeito, informou que receberia o valor de R$ 1.500,00 para levar o veículo até o país vizinho, Bolívia. (Fonte: Agora MT)

Comentários Facebook
Veja Também:  Campo Novo divulga edital de concurso com 39 vagas e salários de 3 mil e 200 reais
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Estado discutirá construção de cadeia feminina nessa semana em Tangará da Serra

Publicado

Cadeia feminina está desativada 

Está agendada para a próxima sexta-feira, dia 22 de novembro, uma reunião em Tangará da Serra que contará com a participação do secretário adjunto de Administração Penitenciária do Estado, Emanoel Alves Flores, onde será discutido o futuro da cadeia feminina do município. A reunião, que foi pleiteada pelo vereador Professor Sabastian Ramos, acontecerá no período da manhã, na Câmara Municipal.

“Agradeço ao Governo do Estado por atender nossa solicitação”, relatou o parlamentar ao Diário da Serra, ao lembrar da desativação da cadeia feminina, que aconteceu na última semana. “Essa desativação sugere a possibilidade de construção de um prédio novo para abrigar as detentas, ficando os servidores com um local melhor para trabalhar (…) O principal elemento (da antiga estrutura) era insalubridade, que era evidente não só para as detentas, mas também para os servidores que ali trabalhavam. Um fator importante nesse assunto foi a questão da cobrança da população para tirar a cadeia do centro. Era uma cobrança antiga da sociedade para a unidade sair do centro.  O problema está parcialmente resolvido, uma vez que a remoção foi feita”, disse Ramos.

Veja Também:  Adolescentes montam grupo em rede social e ameaçam realizar "massacre" em escola estadual

Conforme o Diário da Serra já veiculou em edições anteriores, a expectativa é que um novo prédio da cadeia feminina seja construído nas proximidades do Centro de Detenção Provisória (CDP), formando assim um Complexo Penitenciário naquela região.

Rodrigo Soares / Redação DS

Comentários Facebook
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana