conecte-se conosco


Mulher

Para viajar e ajudar a mãe, modelo leiloa a virgindade por quase R$ 10 milhões

Publicado

Para muitas mulheres, o momento de perder a virgindade deve ser especial e acontecer na companhia de uma pessoa com quem elas têm um relacionamento. Para outras, porém, basta pintar a vontade de fazer sexo – e algumas delas ainda optam por lucrar com a primeira relação sexual.

Leia também: Sem vontade de namorar, jovem decide leiloar a virgindade para bancar estudos  


Mahbuba Mammadzada teve a sua virgindade leiloada por quase R$ 10 milhões. A jovem conta o que fará com o valor
Reprodução/Instagram/mahbubamammadzada

Mahbuba Mammadzada teve a sua virgindade leiloada por quase R$ 10 milhões. A jovem conta o que fará com o valor

Esse é o caso da modelo Mahbuba Mammadzada, de 23 anos, do Azerbaijão. No ano passado, a jovem ganhou as manchetes de diversos veículos ao redor do mundo quando anunciou que iria leiloar a virgindade
. Nesta semana, entretanto, as ofertas chegaram ao fim e o prêmio chegou a quase R$ 10 milhões.

De acordo com a agência Cinderella Escorts, que fez todo o processo, o vencedor é um político de Tóquio, que não teve a sua identidade revelada. Agora, Mahbuba passará por um exame médico para se certificar que ela ainda não teve relações sexuais
antes de dormir com o ganhador em um hotel na Alemanha.

Veja Também:  Com aparência jovem, mulher de 57 anos é vista como irmã de sua filha de 34

Quando anunciou o desejo de vender sua primeira vez, a modelo, que atualmente vive na Turquia, provocou polêmica quando disse que o objetivo do ato. “Minha mãe fez tudo por mim, agora é a minha vez. Eu quero que ela fique orgulhosa de mim”, relata, conforme declara o Daily Mail
.

Para quem não a conhece, Mahbuba é uma profissional bem sucedida em seu país, mas disse que precisava do dinheiro para pagar uma casa para sua mãe, financiar seu diploma universitário no exterior e viajar pelo mundo. No início, ela esperava arrecadar, pelo menos, R$ 250 mil, mas o valor foi extremamente superior ao esperado.

Outra jovem também leilou a virgindade pelo mesmo valor


Por escolha e visando pagar a faculdade, comprar uma casa e viajar, a jovem Giselle, de 19 anos, leiloou a virgindade
Cinderela Escorts/Reprodução

Por escolha e visando pagar a faculdade, comprar uma casa e viajar, a jovem Giselle, de 19 anos, leiloou a virgindade

Em outro caso já noticiado pelo Delas

, uma jovem modelo de 19 anos chamada Giselle leiloou esse momento por US$ 3 milhões (o equivalente a quase R$ 10 milhões) – o mesmo valor de Mahbuba Mammadzada. O altíssimo lance veio de um empresário de Abu Dhabi. Porém, faltou pouco para que o leilão não fosse arrematado por um ator de Hollywood – não identificado pelo site –, cujo lance foi de, aproximadamente, R$ 9,1 milhões.

Veja Também:  Renato Franchi contas os 10 melhores destinos para visitar na Alemanha em2019

Segundo o site Cinderella Escorts, o objetivo de Giselle com o leilão
da primeira vez era ter dinheiro o suficiente para pagar a faculdade, comprar uma casa nova e fazer algumas viagens. Após o término dos lances, porém, a moça afirma que nunca pensou que o valor final chegasse perto dos R$ 10 milhões. “Eu nem imaginava que os lances ficariam tão altos, isso é um sonho realizado”, conta.

Leia também: Garotas holandesas decidem leiloar a virgindade por “motivo especial”

Assim como muitas outras jovens que decidem leiloar a própria virgindade
, ela não dá a mínima para as críticas e acredita ser uma forma de ter mais controle sobre o próprio corpo. “Se eu quero ter minha primeira vez com uma pessoa que não é meu primeiro amor, essa decisão é minha. O fato de que mulheres podem fazer o que quiserem com seus corpos e ter a coragem de viver sua sexualidade contra as críticas é uma forma de emancipação”, declara.

Comentários Facebook
publicidade

Mulher

Os desafios da mulher no ambiente corporativo

Publicado

Apesar do dia 8 de março ser lembrado como o Dia Internacional da Mulher, há pouco para se comemorar. Por exemplo, mesmo no século 21 e diante da Economia 4.0, o machismo ainda é forte no ambiente corporativo, tornando o mundo dos negócios ainda um desafio para as mulheres que buscam seu lugar ao sol.

Muitas pesquisas mostram as dificuldades do sexo feminino em diferentes frentes do mercado de trabalho. Estudo realizado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) aponta que as mulheres estão no topo da taxa de desemprego. Além disso, trabalham mais horas que os homens e somente 48% delas possuem trabalhos formais. Os homens são 72%.

Segundo o estudo realizado pelo Instituto Ethos, a quantidade de mulheres ocupando a presidência de alguma companhia ainda é baixo, somente 7%. Já a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aponta que apenas 11% das empresas com capital aberto inscritas possuem mulheres em cargos do conselho de administração. 

Esses dados são reflexo da realidade que muitas mulheres enfrentam. Mas para brilhar no ambiente corporativo, é preciso não desanimar. Foi o que fez a Danielle Cohen, Engenheira de Produção, desenvolvedora e Head de tecnologia e cofundadora da startup Pingui. 

Para ela, ainda é difícil algumas pessoas a encararem com profissionalismo como mulher e líder técnica. Danielle conta que, na maioria das vezes, quando vai em alguma reunião, sempre é vista como alguém que atua no setor comercial, comunicação ou no RH. “Tudo, menos da parte técnica”.

– Por exemplo, num hackathon que participei, sendo uma das 50 escolhidas, ouvi comentários do tipo: ‘mas, você? Sério mesmo?’. Não só fui escolhida, como também fui a ganhadora da competição – relembra.

Cohen disse que já passou por momentos, em reuniões de negócios, que quando estão falando de tecnologia, nem é olhada. Às vezes, nem ouvida. “Começo a ganhar mais notoriedade quando falo sobre programação, discuto uma parte mais técnica”. 

Para superar o machismo, Danielle conta que gosta sempre de se olhar como igual a todo mundo. Diz que não fica se rebaixando ou achando que os outros são melhores. Em caso de reuniões com pessoas mais velhas, ela tenta falar bastante da parte técnica e mostrar que conhece bem o assunto. “Assim vou ganhando autoridade”. 

Segundo a profissional, é importante que as mulheres se ajudem, por isso, Danielle tenta fazer a parte dela. Como organizadora do GBG (Google Business Group) junto de outras duas mulheres, ela comenta que tem conseguido levar a tecnologia e a inovação para o universo feminino. “Já houve casos de pessoas me agradecerem pela ajuda e dizer que foi essencial na carreira. Isso é muito gratificante”.  

– As mulheres não devem ter vergonha de mostrar o que sabem fazer, muito menos se diminuir. Em relação ao machismo, a melhor coisa é não levar em consideração frases preconceituosas ou olhares de inferioridade. Sempre mostrem que vocês sabem e conseguem fazer tudo tão bem quanto qualquer um. Aliás, hoje em dia, há muitas coisas que são exclusivas para mulheres. Então, podemos aproveitar essas oportunidades para melhorarmos cada vez mais – ressalta. 

Outra pessoa que enfrentou situações difíceis, mas que não se deixou desanimar foi a administradora Amanda Eloi. Para ela, uma das maiores dificuldades não foi realizar o trabalho em si, mas lidar com pessoas preconceituosas e arrogantes.

Atualmente, Amanda é coordenadora adjunta da comissão Especial de Empreendedorismo do Conselho Regional de Administração (CRA-RJ), consultora de Projetos da WAAH!, Fundadora e Coordenadora do Ciclo Empreendedor Universitário.

Para Eloi, o preconceito existente em alguns homens são fruto da falta de compreensão de que capacidade não depende de gênero e/ou classe social. Para a profissional, essa forma de pensar vem do fato da sociedade ainda ter uma visão limitada do quanto a mulher pode ser bem-sucedida no mundo dos negócios. “Isso impede que muitas alcancem determinados cargos dentro de suas empresas, por não terem a oportunidade de desenvolver determinadas habilidades”.

Ela conta que, apesar dos problemas, foi vencendo esses obstáculos a partir das experiências que adquiriu no trabalho. “Depois de ganhar autoconfiança, também busquei orientações de amigos e profissionais do mercado para lidar com determinadas situações”.

Para Amanda, a melhor maneira de lidar com o machismo foi acreditar no próprio potencial, continuar desenvolvendo projetos e ajudar pessoas a evoluir profissionalmente. “Dessa forma, fico focada no reflexo do meu trabalho, que envolve alavancar negócios e impactar mais vidas”. 

– Por isso, sempre digo para que as mulheres confiem no seu potencial, busquem mais conhecimento e estejam ao lado de pessoas brilhantes, que, além de acreditar em você, possam valorizá-las como Mulher e Ser Humano – conclui.

Joyce Nogueira
Assessora de Imprensa

Veja Também:  Com aparência jovem, mulher de 57 anos é vista como irmã de sua filha de 34

Comentários Facebook
Continue lendo

Mulher

Carla ‘Bora’ é agredida pelo namorado em Cuiabá

Publicado

Betell Fontes – Folha 360

Carla 'Bora' é agredida pelo namorado em Cuiabá

Foto: Instagram

A digital influencer Carla ‘Bora’ Reis foi agredida pelo seu namorado, na madrugada desta sexta-feira (24), em Cuiabá. Ela usou sua pagina no Instagram que possui mais de 530 mil seguidores para relatar o ocorrido.

Carla Bora ficou conhecida na internet por causa da voz grossa e pelo bordão “Bora? Bora tomar uma?. Após estourar na mídia, foi contratada pela RedeTV, onde participou do programa Encrenca.

A influencer relatou que já fez denúncia da agressão para as autoridades e utilizou as redes sociais para alertar outras mulheres. Em seguida ela mostrou uma suposta mensagem de seu namorado lhe pedindo desculpa e prometendo um noivado para reatar o relacionamento.

Carla conta que é difícil sair de um relacionamento, ainda mais quando se ama a pessoa, mas lembra que é preciso amar a si mesma em primeiro lugar.

Comentários Facebook
Veja Também:  Para perder peso, mulher adota medidas simples e consegue eliminar 75 kg
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

O QUE VOCÊ ESTÁ ACHANDO DA GESTÃO DO GOVERNADOR MAURO MENDES ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana