conecte-se conosco


Agronegócio

Preços agropecuários mantém trajetória ascendente, mas reajustes são menores na primeira quinzena de abril

Publicado

Preços agropecuários mantém trajetória ascendente, mas reajustes são menores na primeira quinzena de abril

Portal do Agronegócio

O índice que mede a variação dos preços recebidos pelos agricultores paulistas (IqPR) registrou desaceleração em seus reajustes ao subir 1,62%, na segunda quadrissemana do mês de abril de 2019, informa o Instituto de Economia Agrícola (IEA), instituição de pesquisa da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. A maioria dos produtos que compõem o índice se manteve em alta, os destaques são: tomate para mesa (29,75%), bananAssessoria de Comunicação Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Pauloa nanica (18,86%), carne de frango (11,92%), laranja para indústria (6,35%) e carne suína (6,02%).

Perdas oriundas das chuvas de fevereiro acometeram os tomates para a mesa e reduziram ainda mais a oferta do produto, o que gerou uma elevação de quase 30% nos preços médios recebidos pelos produtores de meados de março a meados de abril, explicam Danton Leonel de Camargo Bini e Eder Pinatti, pesquisadores do IEA.

Veja Também:  TRIGO/CEPEA: Agentes se preparam para próxima safra; cotações seguem firmes

A redução da oferta da banana nanica provocada pelo adiantamento da colheita ao calor e as chuvas de fevereiro, levaram a uma ascensão dos valores recebidos pelos bananicultores no Vale do Ribeira. No que se refere às carnes de frango, os aumentos dos embarques para exportação reduziram a oferta do produto no mercado interno, o que reajustou os preços recebidos pelos produtores.

Entre os produtos que sofreram redução de preços, destacam-se o feijão (29,35%), a batata (18,64%) e o milho (5,86%). Após a quebra de produção da 1ª safra e a redução das áreas dedicadas à cultura, o período entre o final de março e o começo de abril apresentou um maior volume de feijão carioca negociado a preços mais baixos, no comparativo com fevereiro.

As altas precipitações, na segunda metade de fevereiro, retardaram o ritmo da colheita e encareceram os preços da batata na roça. Um novo fluxo de oferta se expandiu com a pequena estiagem no final de março e regiões produtivas como Avaré iniciaram abril vendendo a saca de 50 kg a menos de R$ 100,00. Dados do relatório do Departamento da Agricultura dos Estados Unidos (USDA), apontam sobre-elevação das estimativas dos estoques de milho no mundo, o que interferiu nas cotações do produto, o que pode arrefecer os ânimos dos produtores brasileiros.

Veja Também:  Nota de pesar – Ueze Elias Zahran

Para ler o artigo na íntegra e consultar as tabelas e gráficos, além de consultar os valores do índice com e sem cana-de-açúcar, principal produto agrícola do Estado de São Paulo, clique aqui.

Data de Publicação: 03/05/2019 às 19:00hs
Fonte: Assessoria de Comunicação Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo

Comentários Facebook
publicidade

Agronegócio

Subsídio e incentivo agroquímico passa R$ 14 bi no Brasil

Publicado

Dados divulgados em audiência pública sobre Isenção Fiscal de Agrotóxicos, realizada em Brasília

Portal do Agronegócio

Subsídio e incentivo agroquímico passa R$ 14 bi no Brasil

No Brasil, os pesticidas têm redução de 60% da base de cálculo do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) e isenção total do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), mostra reportagem do Portal Agropages. Mas não são só estas as formas de incentivo direto e indireto ao uso de agroquímicos, de acordo com dados divulgados em audiência pública sobre Isenção Fiscal de Agrotóxicos, realizada em Brasília.

Estimativas apontam que o país concedeu ao menos R$ 2,07 bilhões com a isenção fiscal concedida aos pesticidas. De acordo com o advogado defensor público Marcelo Carneiro Novaes, apenas no ano de 2016, mais de R$ 14 bilhões foram transferidos em subsídios tributários para a indústria de defensivos no Brasil, o que dá R$ 70 por habitante do País.

Desse total, R$ 8,3 bilhões seriam de benefícios fiscais de não cobrança de impostos como ICMS, IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), imposto de importação e outros. Houve ainda R$ 6 bilhões de subsídios tributários indiretos, pois a lei determina que o defensivo agrícola é um insumo, o que pode ser abatidos integralmente da renda tributável do produtor rural, pessoa física ou jurídica.

Veja Também:  CAFÉ/CEPEA: Negócios seguem lentos no Brasil, mas embarques têm bom ritmo

Novaes afirma ainda que há incentivos de crédito, por exemplo, como a taxa de juros do Plano Safra, pois os agroquímicos representam cerca de 17% dos custos da produção agrícola brasileira. E também incentivos financeiros, como anistia, repactuação de dívidas e os contratos de Barter.

“As empresas financiam a compra, com juros abusivos para o médio e pequeno produtor. Estimo que, se cobrarem a taxa de 15%, há uma transferência de renda do produtor agrícola para as empresas da ordem de R$ 4,5 bi no ano. É uma estimativa. Se as indústrias financiarem R$ 30 bilhões, e se forem lançados apenas três títulos de crédito, a perda de arrecadação seria de R$ 1 bilhão. Isso é uma estimativa conservadora”, afirma o defensor público.

“Não sou contra subsídios, mas sou contra a desoneração que nivela o agrotóxico mais perigoso com aquele menos tóxico e menos lesivo ao meio ambiente. Produtos desiguais merecem tratamento desigual. O Brasil exporta bilhões de dólares de commodities agrícolas que utilizam 80% de todo o agrotóxico que polui água, meio ambiente, usa pulverização aérea. Em 2017, foram US$ 96 bilhões, com arrecadação de R$ 5 mil. A participação da agropecuária e serviços relacionados (excetuando a indústria alimentícia) não passa de 0.3% do total de receitas”, sustenta.

Veja Também:  Por meio das agtechs, agronegócio brasileiro passa por reformulações

A cobrança de taxas sobre os agrotóxicos foi defendida por algumas entidades ativistas pelo meio ambiente e saúde. Uma das formas de cálculo seria a sua periculosidade: quanto mais tóxica a substância, maior deveria ser o imposto.

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Em constante crescimento, mercado de equinos movimenta R$ 16,5 bi ao ano no Brasil

Publicado

Animais atraem investidores e apaixonados, além de aquecer a economia do país

Portal do Agronegócio

Em constante crescimento, mercado de equinos movimenta R$ 16,5 bi ao ano no Brasil

Com 5,9 milhões de animais , o Brasil tem hoje o terceiro maior rebanho de equinos do mundo, perdendo apenas para China e México. Responsáveis pelo desenvolvimento dos principais ciclos econômicos do país, desde o Pau-Brasil, passando pelo açúcar e os metais preciosos, esses animais continuam movimentando a economia no século XXI, seja na lida, no lazer ou nas competições.

Mesmo com a automação promovida pela tecnologia, inclusive no campo, a indústria do cavalo continua empregando hoje seis vezes o que emprega a indústria automobilística no país. A atividade movimenta anualmente R$ 16,5 bilhões e gera cerca de 3 milhões de postos de trabalho. Os dados são do Estudo do Complexo do Agronegócio Cavalo, realizado pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/Universidade de São Paulo (Esalq/SP).

Entre os destaques desse nicho econômico, estão os animais da raça Mangalarga Marchador, que no ano passado apresentou um crescimento de 15% no número de negócios e criadores. Fruto do cruzamento de cavalos Álter, de origem portuguesa, com éguas selecionadas para sela, o sucesso da raça se deve à versatilidade que o animal apresenta: o atual plantel de 620 mil cabeças se divide entre animais utilizados no trabalho, lazer e esporte.

Veja Também:  Por meio das agtechs, agronegócio brasileiro passa por reformulações

A diretoria da ABCCMM garante que o cenário é otimista. Hoje a entidade congrega 17.500 mil associados divididos em 81 núcleos nacionais e internacionais. Números que não param de crescer, são centenas de novos criadores do Mangalarga Marchador todo mês. Em 2018 foram 393 leilões, quase um para cada dia do ano, e movimentou um total de aproximadamente R$ 127 milhões.

Belo Horizonte recebe 38ª Exposição Nacional do Cavalo Mangalarga Marchador

Para os criadores e apaixonados pela raça, a ABCCMM realiza de 16 a 27 de julho a 38ª Exposição Nacional do Cavalo Mangalarga Marchador, no Parque Bolivar de Andrade (Parque da Gameleira).

Os 12 dias de evento vão além de leilões, competições e palestras técnicas. Com o sucesso das últimas edições, a exposição vem crescendo e incorporando programação para toda a família. Esta edição contará com circuito gastronômicos com deliciosas opções, choperia, lounges para descanso e confraternização, fraldário e drogaria.

Para a criançada, haverá Espaço Kids com brinquedos, jogos interativos, games, além de uma minifazenda com diversos animais.

Veja Também:  AÇÚCAR/CEPEA: Indicador recua 7,75% entre 17/18 e 18/19

Comentários Facebook
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana