conecte-se conosco


Agronegócio

Produção de etanol de milho pode atingir 15 bilhões de litros

Publicado

O crescimento dessa indústria dependerá da oferta doméstica de milho, que já excede as necessidades dos setores de ração e alimentos e possibilita uma exportação de mais de 30 milhões de toneladas por ano

Portal do Agronegócio

Diante da expansão da produção de milho no Brasil nos últimos anos e das áreas em que a “safrinha” ainda pode se expandir, o país tem potencial para produzir 15 bilhões de litros de etanol a partir do milho, afirmou Antonio Purcino, chefe geral da Embrapa Milho e Sorgo, em debate ontem no Ethanol Summit, em São Paulo. Na safra 2018/19, a produção de etanol de milho foi de 790 mil litros.

O crescimento dessa indústria dependerá da oferta doméstica de milho, que já excede as necessidades dos setores de ração e alimentos e possibilita uma exportação de mais de 30 milhões de toneladas por ano, ressaltou Purcino.

A estimativa leva em consideração que o milho “safrinha”, com a produtividade atual, pode avançar ainda por 6,5 milhões de hectares, principalmente em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná. Essa expansão seria factível em um cenário de preços do milho de R$ 20 por saca. Se o preço se mantiver acima desse patamar, o cultivo da “safrinha” pode avançar por 10,7 milhões de hectares, projetou. Essas áreas estariam espalhadas por Mato Grosso, Paraná, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Rondônia e Distrito Federal.

Veja Também:  Aprosoja lança campanha informativa sobre a Lei do Alimento Mais Seguro

Ele observou que tem ocorrido uma expansão “inesperada” do milho no sul do Piauí e no sul do Maranhão, mas afirmou que os preços na região ainda são elevados – o que pressionaria o custo de produção do biocombustível.

Segundo Purcino, esse potencial de aumento da oferta de etanol de milho pode ser incentivado pelo RenovaBio – política cujas metas vão entrar em vigor no ano que vem – e pelo avanço do biocombustível em outros países. Nessa frente, a expectativa maior é com a China, que também começará no ano que vem a misturar 10% de etanol na gasolina. A partir de 2020, a China deve demandar 18 bilhões de litros de etanol por ano para atender ao mandato.

Mas apenas a existência de demanda por etanol e de oferta de milho no país não garantem decisões de investimento na indústria.

Ontem, o Grupo São Martinho anunciou que firmou um protocolo de intenção para investir R$ 350 milhões em uma usina de etanol anexa à sua unidade de cana em Quirinópolis (GO). A decisão para realizar o aporte pode vir após a empresa encontrar uma tecnologia viável e uma cadeia de fornecimento de milho na região que garanta uma produção competitiva, afirmou Fabio Venturelli, presidente da companhia, ao Valor. “Já somos os mais competitivos em cana, também temos que ser os mais competitivos em milho.”

Veja Também:  BOI/CEPEA: Abates aumentam 3,5% frente a 2017; volume é o maior desde 2014

O aporte se torna mais viável com o compromisso do governo de Goiás de incluir o empreendimento no incentivo fiscal PRODUZIR, que financia parte do ICMS das empresas. “É um ponto absolutamente relevante para uma decisão de investimento”, afirmou Venturelli.

Se o projeto for adiante, a São Martinho competirá por milho com a usina flex (à base de cana e de milho) da SJC Bioenergia, joint venture entre o Grupo USJ e a Cargill, também em Quirinópolis.

Atualmente, a companhia já paga um prêmio sobre o preço do milho para exportação. “Temos que pagar esse prêmio para reter a carga que passa pela região e vai para o porto”, disse Maria Carolina Ometto, presidente do Grupo USJ, ao Valor, após participar do debate ontem no Ethanol Summit.

Para Henrique Ubrig, presidente do conselho da FS Bioenergia – joint venture entre o Summit Agricultural Group e a Tapajós Participações -, o “preço de equilíbrio” do milho para a indústria de etanol está entre R$ 20 e R$ 25 a saca. Preços menores não devem mais prevalecer, avaliou. Por outro lado, uma alta mais expressiva, para R$ 30 a saca, pode provocar “uma resposta na oferta” no ano seguinte, defendeu.

Fonte: SCA

Comentários Facebook
publicidade

Agronegócio

Preparação para o período da seca deve começar no verão

Publicado

Preparação para o período da seca deve começar no verãoTodos os anos, milhares de pecuaristas sentem os prejuízos da seca. O pasto, principal fonte de alimentação e engorda do gado, fica escasso e sem vida. Porém, com planejamento, o produtor rural pode ter diversas alternativas e manter a estratégia de ganho de arrobas crescente. A Boi Saúde – Pecuária Inteligente orienta dicas simples para que todas as propriedades, não importa o porte, desde pequenas até grandes fazendas, possam manter uma boa produtividade nessa época crítica para a pecuária brasileira.

“O ideal é iniciar o planejamento logo nas primeiras chuvas, quando o pasto começar a brotar de novo. Por estar com boa nutrição, se bem preservado, pode salvar o produtor na busca de alternativas de alimentação para o gado. O manejo do dia a dia não sofrerá muitos impactos, mas os resultados compensam”, explica José Carlos Ribeiro, consultor da Boi Saúde – Pecuária Inteligente.

Veja Também:  HF BRASIL/CEPEA: Pequenos mercados prometem ganhar mais espaço no BR

Dicas para enfrentar o período da seca sem prejuízos

Vedação do pasto: vedar o pasto é uma boa maneira de garantir forrageira com bom teor nutricional o ano todo. O momento adequado para a atividade é o mês de abril. A justificativa é a qualidade nutricional desse capim que será vedado. Caso tenha uma extensão de pasto suficiente para separá-la em duas partes para vedação em épocas diferentes, o resultado pode ser melhor ainda.

Silagem de forrageira: aproveite o pasto abundante e prepare silagem para oferecer na seca. Basta armazenar corretamente e ter atenção na fermentação. Ainda, o produtor pode fazer estoques de silagem com ingredientes como cana de açúcar, milho, sorgo e muitos outros;

Compra de insumos e suplementos: aproveite agora no verão e faça um planejamento da quantidade de suplementos que irá precisar para enfrentar a seca. Quando algum produto estiver com promoção ou preço abaixo da tabela, não deixe de comprá-lo. Economia também é a base do sucesso da pecuária. E não deixe a ureia fora da sua lista de compras;

Veja Também:  Taxação de energia solar desestimula investimentos no agro, diz SRB

Inicie o oferecimento de sal agora: não espere a seca chegar. Iniciar o oferecimento de sal mineral e proteinado no cocho fortalece o organismo do animal desde já. Dessa forma, quando a falta de pasto começar na sua propriedade, a queda de peso será evitada, pois o bovino estará com as arrobas adequadas para enfrentar o período.

Fonte: Boi Saúde – Pecuária Inteligente

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Importações de soja da China em dezembro saltam 67% na comparação anual

Publicado

Importações de soja da China em dezembro saltam 67% na comparação anualA China, principal mercado global para a soja, importou 9,54 milhões de toneladas da oleaginosa em dezembro, ante 5,72 milhões de toneladas no mesmo mês do ano anterior, segundo dados da Administração Geral de Alfândegas.

Os embarques tiveram alta de 15% frente às 8,28 milhões de toneladas em novembro.

“Os números foram bem elevados, uma vez que cargas atrasadas foram liberadas na alfândega, incluindo embarques dos EUA”, disse a analista da consultoria Shanghai JC Intelligente Co, Monica Tu.

“Compradores chineses também agendaram compras de muitos grãos da América do Sul, que chegaram em massa”, afirmou.

No ano de 2019, as importações de soja somaram 88,51 milhões de toneladas, pouco acima das 88,03 milhões de toneladas de 2018, quando tarifas mais altas impactaram os embarques dos Estados Unidos.

Veja Também:  Taxação de energia solar desestimula investimentos no agro, diz SRB

Compradores chineses agendaram cargas dos EUA em diversas ocasiões após terem recebido isenções temporárias de tarifas nos últimos meses, em meio a um alívio nas tensões comerciais entre EUA e China.

Importadores também elevaram compras do Brasil devido aos bons preços e às incertezas comerciais.

Fonte: Reuters

Comentários Facebook
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana