conecte-se conosco


Agronegócio

Sojicultores começam plantar safra em Mato Grosso com custo operacional de R$ 3,4 mil/hectare

Publicado

Com a proximidade da semeadura, o planejamento para a nova safra vem exigindo maior atenção do sojicultor

Portal do Agronegócio

Sojicultores começam plantar safra em Mato Grosso com custo operacional de R$ 3,4 mil/hectare

Com a proximidade da semeadura, o planejamento para a nova safra vem exigindo maior atenção do sojicultor. Sendo assim, o Imea (Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária) divulgou o novo custo de produção de soja no Estado para a safra 2019/20, referente ao mês de julho. “Com os novos dados, o custo variável passa a ser R$ 3.146,11/hectare, enquanto o custo operacional ficou em R$ 3.492,99/hectare. Ambos apresentaram uma leve queda de 0,15% ante o mês anterior. De modo geral, a desvalorização de 2,07% do dólar nesse período justificou a sutil queda nos preços dos fertilizantes e defensivos agrícolas”, analisa.

“Somada a isso, a perda de força nas cotações da oleaginosa durante julho reduziu os custos estimados de arrendamento. Com os custos em patamares ainda elevados, a comercialização de insumos apresentou leve avanço mensal e atingiu quase 90% do total esperado, valor um pouco menor que o da safra anterior”.

Veja Também:  Preços do açúcar recuam em Nova York e Londres

O indicador Imea –MT fechou a última semana cotado a uma média de R$ 68,93/saca, avanço de 2,13%. A demanda aquecida e o dólar em alta sustentaram a elevação dos preços.

O preço paridade exportação do contrato mar/20 encerrou com elevação de 1,63%, com média de R$ 67,31/sc.Este cenário foi consequência da alta das cotações atrelada à valorização do dólar.

Fonte: Só Notícias

Comentários Facebook
publicidade

Agronegócio

Produtores querem fim do FETHAB e 100% do valor aplicado em estradas precárias

Publicado

Rural

RD News

Produtores rurais esperam que até 2022, o Fethab do milho e o adicional chamado Fethab 2 sobre a soja sejam extintos. A contribuição criada no ano passado sobre o milho pelo governador Mauro Mendes (DEM), com aprovação da Assembleia, tinha perspectiva de arrecadar mais de R$ 150 milhões até dezembro. Já o aumento da tarifa sobre a soja visou arrecadar cerca de R$ 900 milhões sobre a soja.

O presidente da Aprosoja, Antônio Galvan pondera que o impacto para os produtores de milho só não foi prejudicial porque o preço do cereal valorizou ao longo do ano. “Na prática, continuamos contrários ao Fethab Milho. É uma tributação e não uma contribuição. O que está acontecendo com o milho hoje é uma exceção. Eu mesmo tinha definido em não plantar milho ano passado, pelos valores que estava naquele momento. Não era rentável. Há poucos anos que o milho é rentável em Mato Grosso”, relata o presidente, que neste ano pretende aumentar a área plantada em razão da melhor rentabilidade.

Veja Também:  CITROS/CEPEA: Apesar de demanda enfraquecida, oferta limitada sustenta cotações

Segundo Galvan, alguns fatores contribuíram para a virada do preço do milho no último ano, tais como o período de estiagem que comprometeu a produção na Índia e a quebra de safra em mais de 35 milhões de toneladas dos Estados Unidos. Já em Mato Grosso, também aumentou o consumo interno do grão, em razão do início da atividade de usinas de etanol de milho em Sinop e em Lucas do Rio Verde.

“O mercado demandou, então hoje com o preço que está o milho dá rentabilidade. Mas se o mercado tivesse continuado com aquela realidade, não teria como plantar milho. Agora, diante da demanda não dá para fugir da tua atividade”.

Em 2019, como protesto ao Fethab Milho, os produtores chegaram a marchar em protesto na Assembleia e no Palácio Paiaguás, para pedir a extinção da taxação. O governo não atendeu a demanda. “Continuamos críticos. Não aceitamos e não vamos aceitar que não seja aplicado 100% do Fethab em infraestrutura. Esperamos que em 2022 encerre a cobrança do Fethab Milho e o adicional da soja”.

Veja Também:  Cultivares de soja altamente competitivas ampliam opções para agricultor brasileiro

Por ocasião da criação do Fethab do Milho, o preço da saca de milho era comercializada em Mato Grosso na média de R$ 21, chegando a R$ 40, em período de maior comercialização. Hoje o preço se situa em R$ 33.

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Crise entre EUA e Irã deve ser acompanhada com cautela, diz Tereza Cristina

Publicado

COMÉRCIO EXTERIOR: Crise entre EUA e Irã deve ser acompanhada com cautela, diz Tereza Cristina“Está muito cedo ainda, é um momento tenso para o mundo todo, mas isso ainda não nos afetou”, afirmou a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina. O Brasil é o maior exportador de milho para o Irã: as vendas somam cerca de US$ 1 bilhão, correspondente à metade da balança comercial entre os dois países.

Apreensão – A ministra reconhece que há uma apreensão, em virtude do cenário internacional, entre os agricultores brasileiros, que exportam ainda soja e farelo, carne bovina, açúcar, entre os principais produtos. “Nós não podemos misturar mercado e agricultura com a parte de defesa nacional”, disse Tereza Cristina, que esteve na quinta-feira (09/01) em Patos de Minas, cidade mineira grande produtora de milho, para participar da inauguração da Estrada da Serrinha, que recebeu cerca de R$ 6 milhões de recursos repassados pelo ministério.

Bom senso – “Por enquanto nós não temos ainda nenhum motivo para dizer que houve algum tipo de retaliação”, ponderou. Ela disse ainda esperar que o bom senso impere entre EUA e Irã e que os dois países se entendam, garantindo a paz mundial. “Os países árabes, não só o Irã, precisam de segurança alimentar e o Brasil é um dos países que podem dar essa segurança”, destacou. “O Brasil é um grande celeiro, a gente espera que isso se acomode o mais rápido possível e que a agricultura brasileira possa continuar a produzir e a contribuir para o abastecimento interno e mundial”, disse.

Veja Também:  MPT ajuíza ação contra fazenda de Diamantino por risco a trabalhadores que aplicam agrotóxicos

Exportações – Tereza Cristina lembrou ainda que o Irã é sim grande importador de milho e de soja, mas o Brasil continua a abrir outros mercados. “Nós não podemos colocar todos nossos ovos numa só cesta”, comparou. “Esperamos poder continuar exportando para o Irã, para Arábia Saudita, para os Emirados Árabes, para o Kuwait, e para novos mercados na Ásia, além da China, com grande população e altas taxas de crescimento”, enumerou. “São países que têm um potencial de importação porque precisam de alimentos. O que o Ministério da Agricultura faz é esse equilíbrio: abrir novos mercados, não colocando todos os ovos numa cesta só”, enfatizou.

Fonte: Mapa

Comentários Facebook
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana