conecte-se conosco


Saúde

Unemat participa de pesquisa para criação de vacina oral contra o coronavírus

Publicado

Professora de Alta Floresta participa de Rede de Pesquisa nacional para criação de vacina

Danielle Tavares | Unemat

Uma professora da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) integra rede de pesquisa que estuda aspectos clínicos e microbiológicos do novo coronavírus. O projeto é amplo e tem três objetivos principais. O primeiro deles é a produção de uma vacina oral, segura e viável, para prevenção da Covid-19, utilizando bactérias benéficas aos seres humanos. Os outros objetivos visam estudar o conjunto de microrganismos do trato respiratório de pessoas infectadas, além de identificar os diferentes tipos virais circulantes na região de Juiz de Fora (MG).

Em Mato Grosso, o projeto tem a participação da professora vinculada ao câmpus da Unemat de Alta Floresta, Julliane Dutra Medeiros, doutora em Genética, com pós-doutorado em Microbiologia. Sua atuação no projeto será nas análises de dados com a utilização de ferramentas computacionais (área conhecida como bioinformática). A pesquisadora ajudará na análise do material genético do novo coronavírus na busca por candidatos para a vacina, além da análise do DNA das bactérias presentes no trato respiratório.

A professora lembrou que, neste momento de pandemia, é muito importante unir forças e mostrar para a sociedade o papel da ciência nacional de qualidade. “Esse projeto é muito importante para a ciência brasileira porque é uma iniciativa 100% nacional, com atuação de pesquisadores de diversas instituições públicas de vários estados. A estratégia metodológica que a gente pretende utilizar é diferente das atuais vacinas que estão em fases mais avançadas mas, mesmo assim, ela tem um potencial bem importante”, disse Julliane.

Veja Também:  Sindicatos da construção doam equipamentos

Vacina Oral

O coordenador do projeto e professor do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Juiz de Fora, Cláudio Galuppo Diniz, explica que, inicialmente, bactérias benéficas aos seres humanos serão modificadas em laboratório por meio de métodos de engenharia genética. Depois, pela via oral, a vacina deverá apresentar ao corpo humano as estruturas do novo coronavírus. O sucesso será observado quando, após essa introdução, o corpo desenvolver imunidade à Covid-19.

“Mesmo vacinas em pesquisas mais adiantadas usando essas outras estratégias não alcançaram sucesso até o momento, e não temos garantia que funcionarão. Logo, precisamos de muita gente nessa corrida científica e tecnológica, testando diferentes estratégias vacinais porque, em algum momento, um grupo de pesquisadores vai acertar e toda a sociedade ganha”, afirmou Diniz em entrevista recente. (Veja entrevista completa do prof. Cláudio Galuppo Diniz, publicada no site da UFJF).

Outras frentes científicas

Além do desenvolvimento da vacina oral, o grupo trabalha em mais duas frentes científicas. Uma delas dedica-se à comparação da estrutura da microbiota do trato respiratório superior de pacientes diagnosticados com a Covid-19, não apenas para a compreensão sobre a evolução da doença, mas também para a criação de estratégias terapêuticas que resultem em melhores prognósticos em casos graves da doença.

Veja Também:  Lei de Lúdio Cabral que empodera Conferência de Saúde e fortalece SUS entra em vigor

A outra frente pesquisa novas variáveis de coronavírus circulantes em escala local, em busca da compreensão de aspectos epidemiológicos e biológicos virais na região da Zona da Mata de Minas Gerais.

Rede de Pesquisa

O projeto é coordenado pelo Prof. Dr. Cláudio Galuppo Diniz (UFJF), e conta com os pesquisadores Vânia Silva, Alessandra Machado, Aripuanã Watanabe e Vanessa Dias, do Centro de Estudos em Microbiologia (Cemic/UFJF), além de pesquisadores vinculados à Universidade do Estado de Mato Grosso (Julliane Dutra Medeiros), Embrapa Gado de Leite (Marta Martins) e Universidade de São Paulo (Charlys da Costa). A pesquisa tem financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) e Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais.

Comentários Facebook
publicidade

Saúde

Mato Grosso registra 55.156 casos confirmados e 1.927 óbitos por covid-19

Publicado

O Bom da Notícia

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde desta segunda-feira (03), 55.156 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 1.927 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado e 25 mortes nas últimas 24 horas.

Foram registradas 1.716 novas confirmações de coronavírus no Estado. Dos 55.156 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 18.709 estão em monitoramento e 34.520 estão recuperados.

Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 291 internações em UTIs públicas e 309 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 78,57% para UTIs adulto e em 34,95% para enfermarias adulto.

Dentre os dez municípios com maior número de casos de Covid-19, estão Cuiabá (12.096), Várzea Grande (4.320), Rondonópolis (3.370), Lucas do Rio Verde (2.953), Tangará da Serra (2.341), Sorriso (2.286), Sinop (2.131), Primavera do Leste (1.847), Nova Mutum (1.493) e Pontes e Lacerda (957).

A lista detalhada com todas as cidades que já registraram casos da Covid-19 em Mato Grosso pode ser acessada no Boletim anexado ao final desta matéria.

Veja Também:  Governo entrega 210 novos leitos definitivos em tempo recorde

O documento ainda aponta que um total de 53.156 amostras já foram avaliadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 4.618 amostras em análise laboratorial.

Mais informações estão detalhadas na Nota Informativa divulgada diariamente pela SES disponível neste link, a partir das 17h.

Cenário nacional

Nesta segunda-feira (03), o Governo Federal confirmou 2.750.318  casos da Covid-19 no Brasil e 94.665  óbitos oriundos da doença. No levantamento do dia anterior, o país contabilizava 94.104 óbitos e 2.733.677 casos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus.

Recomendações

Atualmente, não existe vacina para prevenir a infecção pelo novo coronavírus. A melhor maneira de prevenir a infecção é evitar ser exposto ao vírus. Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca do novo coronavírus. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde.

O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo coronavírus. Entre as medidas estão:

Veja Também:  Secretaria de Saúde esclarece ações sobre Coronavírus

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;
– Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;
– Evitar contato próximo com pessoas doentes;
– Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;
– Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

 

 

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Lúdio aponta erros nos números da covid divulgados pelo governo de Mato Grosso

Publicado

Deputado e médico sanitarista afirmou que dados oficiais estão cada vez mais precários e dificultam análise da pandemia


O deputado estadual e médico sanitarista Lúdio Cabral (PT) encontrou erros nos números divulgados pelo governo sobre a covid-19 em Mato Grosso. Ao analisar os últimos boletins epidemiológicos divulgados pelo estado, Lúdio constatou que a média móvel de casos oficiais confirmados de covid é o dobro da que foi apresentada pelo governo.“O boletim epidemiológico do dia 30 de julho traz uma média móvel de 7 dias com 650 casos novos de covid por dia. Mas na realidade, essa média móvel é de 1.360 casos novos por dia. E isso porque estamos considerando somente o número de casos oficialmente confirmados pelo estado. Todo o trabalho que tenho feito, desde o início da pandemia, é com base nos números oficiais. E os números oficiais estão cada vez mais precários para analisar”, afirmou Lúdio.

O deputado vai questionar o estado oficialmente sobre esses números, com um requerimento na próxima sessão plenária, na terça-feira (4). Lúdio citou ainda diferença entre os casos de covid contabilizados pelos municípios e pelo estado, além de divergências na fila de testes RT-PCR, pois o estado divulgou que há 2.783 testes em análise, enquanto os municípios informaram ao Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems) estarem aguardando resultado de 11.831 testes.

Veja Também:  Mato Grosso recebe 115 mil máscaras para servidores do sistema penitenciário

Para Lúdio, todas essas diferenças entre os números apresentados pelo estado e pelos municípios, bem como os erros e as mudanças na alimentação do banco de dados podem sinalizar uma tentativa do governo estadual de maquiar os dados da pandemia em Mato Grosso.

“O que explica esses erros, esse atrasos, esse retardo na liberação dos testes, esse apagão no sistema de alimentação dos dados? É absolutamente possível interpretar que o Estado produziu todos esses movimentos para tentar sair do noticiário nacional. Porque até a semana passada, Mato Grosso estava todos os dias no noticiário nacional com um cenário dramático. Eu espero sinceramente que seja apenas erro do governo. Mas sendo falha ou sendo um movimento proposital, não dá para aceitar essa situação”, afirmou Lúdio.

Laíse Lucatelli
Assessoria de imprensa

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

O QUE VOCÊ ESTÁ ACHANDO DA GESTÃO DO GOVERNADOR MAURO MENDES ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana