conecte-se conosco


Agronegócio

União Europeia: tendências de suprimento dos três principais fornecedores de carne de frango

Publicado

União Europeia: tendências de suprimento dos três principais fornecedores de carne de frangoEm 2019, os três devem ampliar suas exportações para o bloco. Mas o Brasil – que já foi líder absoluto, continua como segundo fornecedor.

Nas projeções atualizadas do USDA, em 2019 a União Europeia deve importar cerca de 780 mil toneladas de carne de frango, os três principais fornecedores sendo responsáveis por mais de 90% desse volume. Porém, a participação brasileira – dez anos atrás correspondente a mais de 70% do total importado pela UE (680 mil toneladas em 2009) – deve, neste ano, ficar reduzida a pouco mais de um terço das 780 mil toneladas previstas.

A queda observada nestes 10 anos não é fato recente, começou na década passada, quando o planeta ainda sofria os efeitos da grande crise econômica mundial eclodida em 2008. No entanto, entre 2013 e 2016 as exportações brasileiras de carne de frango para a União Europeia permaneceram em relativo equilíbrio.

De toda forma, entre 2009 e 2016 o volume exportado recuou a uma média pouco superior a 2% ao ano – índice que, no ano seguinte , chegou a ser considerado “palatável”, pois então (2017) as exportações com destino à UE recuaram mais de 18%. Efeito, óbvio, da mal divulgada Operação Carne Fraca.

Veja Também:  Rumo registra novo recorde na operação de fertilizantes

O pior é que índice de redução muito similar se repetiu no ano seguinte, como reflexo da desabilitação, por parte da União Europeia, de 20 abatedouros brasileiros autorizados a exportar para o bloco. Neste caso, uma decorrência da segunda fase (2018) da Operação Carne Fraca.

Com isso, no biênio 2017-2018 o volume de carne de frango exportado pelo Brasil para a UE recuou perto de 36% e ensejou a ascensão da Tailândia ao posto de principal fornecedor de carne de frango dos países da zona do euro.

Não se pode dizer que tal ocorrência foi inesperada. Desde o final da década passada, superado o trauma da Influenza Aviária que quase dizimou a avicultura local, as exportações da Tailândia para a UE cresceram de forma praticamente contínua, enquanto a participação brasileira recuava ou se estabilizava. Mas a ocupação do primeiro posto era algo previsto para 2023 ou 2024. A deflagração da Carne Fraca apenas antecipou esse processo.

Até quatro ou cinco anos atrás Brasil e Tailândia, juntos, detinham a maior parte das importações europeias. Surge então, como novo player do mercado internacional, a Ucrânia – com exportações pouco representativas no início, mas já superiores a 100 mil toneladas anuais no corrente biênio.

Veja Também:  BATATA/CEPEA: Preços sobem 14% em março

De acordo com o USDA, essa expansão é devida à assinatura, em 2014, de um tratado de livre comércio entre Ucrânia e União Europeia. Por outro lado, o rápido crescimento do volume importado é atribuído a uma brecha que possibilita à Ucrânia exportar peito de frango com osso para a UE com taxa “zero”, ou seja, sem nenhuma tributação. O produto é direcionado, normalmente, para a Holanda e a Eslováquia, onde é reprocessado.

Explica-se, pois, porque o Brasil viu reduzir-se, por exemplo, suas exportações de carne salgada: parte de seu espaço anterior está agora ocupado pela Ucrânia. O detalhe, neste caso, é que a brecha existente acaba em 2020. Então, as exportações ucranianas destinadas à UE estarão sujeitas às taxações europeias normais. Quem sabe seja a oportunidade de o Brasil retomar o terreno perdido.

Fonte: AviSite

Comentários Facebook
publicidade

Agronegócio

Associação dos Criadores de Gado elege nova diretoria

Publicado

A votação foi realizada na capital e nas oito regionais da Acrimat. No pleito realizado nesta sexta (18) foi definido a nova gestão para o triênio 2020-2023

Ascom/Acrimat

Os mais de três mil afiliados da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) elegeram, nesta sexta (18.10), a nova gestão para o triênio 2020-2023. O médico radiologista Oswaldo Pereira Ribeiro Junior, natural de Bauru (SP), assume a presidência da Associação em 01 de janeiro de 2020. Com registro de chapa única, a eleição referendou os novos cargos de diretoria executiva, conselho fiscal, conselho de representantes e suplentes, num total de quarenta pecuaristas de todo Estado.

Atual presidente da Acrimat, Marco Túlio Duarte Soares destaca que a nova diretoria foi criada em consenso, e que diversos associados foram ouvidos e consultados para que a composição final fosse aprovada. “Isso demonstra que estamos alinhados com o interesse dos nossos associados, que estamos aqui para atender suas demandas, que estamos focados em continuar a executar um trabalho que tem dado certo”.

Veja Também:  ETANOL/CEPEA: 1ª semana da safra 2019/20 tem início com preços em alta

O presidente eleito, Oswaldo Ribeiro, parabeniza a nova diretoria e ressalta que nesta gestão vai aprimorar e intensificar o trabalho já realizado pela Acrimat nos últimos anos. “Tenho certeza que cada integrante da nova diretoria fará o seu melhor pelo setor, e desde já parabenizo todos pela eleição e vontade de atuar em prol dos produtores”.

Oswaldo Ribeiro destaca ainda a necessidade da associação de continuar investindo em conhecimento, para se adaptar as constantes mudanças promovidas pelo mercado. “A Acrimat sempre se preocupou em levar conhecimento para seus associados, e produtos como a Acrimat em Ação é prova disso. Novas técnicas de criação, novos modelos de confinamento, alimentos mais apropriados para o gado; temos a preocupação de deixar nosso associado a par das novas tecnologias, que o colocarão em posição de destaque na hora de vender seu produto ao mercado, e que darão uma qualidade melhor ao seu produto final: a carne”.

Com a nova diretoria, a Acrimat continua a manter em seu quadro representantes do interior, mostrando a unidade característica da entidade. “A manutenção na vice-presidência dos pecuaristas Amarildo Merotti, de Cáceres e, Fernando Amado Conte, de Juara aponta para uma política representativa, e é de suma importância mostrar a união de um grupo que representa o maior rebanho do país”, diz Oswaldo Ribeiro.

Veja Também:  Rumo registra novo recorde na operação de fertilizantes

ACRIMAT

Criada sob a demanda de pecuaristas da Baixada Cuiabana para o fortalecimento do setor, a Acrimat foi fundada em 17 de setembro de 1970.  Em 2008 a associação estendeu sua ação para todo território mato-grossense, já que o Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Bovinocultura de Corte – estudo realizado pela Universidade de Viçosa em parceria com a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), revelou a necessidade da criação de uma instituição que representasse os pecuaristas nas lutas pelo fortalecimento da atividade.

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

MPT ajuíza ação contra fazenda de Diamantino por risco a trabalhadores que aplicam agrotóxicos

Publicado

O Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso (MPT-MT) ajuizou na última quinta-feira, 18, uma ação civil pública com pedido de liminar em face da empesa Sandri Produção Agrícola (Fazenda Bom Jesus), localizada na zona rural do município de Diamantino. Caso a Justiça do Trabalho atenda os pedidos feitos pelo MPT, a empresa deverá regularizar as condições do meio ambiente de trabalho, especialmente nas atividades que envolvem o manuseio de agrotóxicos por trabalhadores.
O MPT apura as irregularidades desde 2017. Naquele ano, o Setor de Perícias realizou inspeção “in loco” e, no laudo elaborado, apontou diversas irregularidades. Em outra fiscalização realizada em outubro deste ano, pelo menos quatro delas ainda persistiam.
Entre os problemas apontados estão a ausência de descontaminação e higienização das vestimentas e dos equipamentos de proteção dos trabalhadores que aplicam agrotóxicos, serviço que vem sendo realizado pelos próprios empregados, e a falta de capacitação sobre prevenção de acidentes com agrotóxicos, adjuvantes e afins.
Constatou-se, ainda, o descumprimento do Programa de Gestão de Segurança e Saúde do Meio Ambiente de Trabalho Rural – PGSSMATR, e ausência de comprovação do treinamento exigido aos operadores de máquinas e equipamentos, violando a legislação trabalhista e as Normas Regulamentares do Ministério da Economia.
O procurador do MPT Bruno Choairy aponta que o propósito da ação é dar efetividade à finalidade de proteção ao meio ambiente de trabalho. “Os artigos 155 e 200 da CLT outorgaram ao Ministério do Trabalho e Emprego [atual Ministério da Economia] a elaboração de Normas Regulamentadoras, as quais dispõem de um plexo de deveres do empregador quanto à garantia da saúde e segurança no trabalho. Tais normas regulamentadoras consubstanciam o mínimo a ser observado nas relações de trabalho, sendo que sua transgressão implica violação, por tabela, ao direito constitucional da integridade do meio ambiente, no qual está inserido o meio ambiente laboral”.
Choairy pontua que a conduta relatada caracteriza ofensa ao dever do empregador de, além de fornecer os EPI’s e demais itens necessários à aplicação dos agrotóxicos, proceder à higienização do material ao final de cada jornada. Para o MPT, as irregularidades referentes à aplicação de agrotóxicos são graves, pois ampliam consideravelmente a possibilidade de contaminação do empregado.
“Deve-se considerar os efeitos cumulativos que exposições prolongadas ao agrotóxico acarretam à saúde humana. Assim, ainda que a ausência de devida descontaminação não cause incidentes agudos aos trabalhadores, ela pode provocar, no futuro, danos irreversíveis à saúde, como o aparecimento de doenças crônicas de difícil diagnóstico, mas que estão ligadas a essa exposição prolongada ao veneno”.
Ele acrescenta que é fator agravante dos riscos aos quais estão submetidos os trabalhadores a utilização desses produtos em sistemas abertos (meio ambiente), o que já dificulta, por si só, medidas efetivas de controle. “Portanto, nesse contexto de sérios riscos à saúde humana, deve-se exigir o cumprimento integral, efetivo e duradouro de todas as medidas de proteção integrantes da legislação, inclusive laboral, por qualquer empregador que aplicar veneno”.
Contra o glifosato, ação conjunta
A utilização de agrotóxicos tem sido motivo de preocupação do Ministério Público. Em Mato Grosso, o MPT, o Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público Estadual (MP-MT) têm atuado conjuntamente, seja extrajudicialmente, por meio do Fórum Mato-Grossense de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos, ou judicialmente.
Em agosto, os MP’s ajuizaram uma ação civil pública em face da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (Aprosoja), da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato) e da Associação Mato-Grossense do Algodão (Ampa) para proibir a utilização de quaisquer agrotóxicos que contenham o princípio ativo glifosato. A ação procura resguardar a saúde da coletividade de trabalhadores rurais expostos aos agrotóxicos, com efeitos que se desdobram para assegurar, também, o meio ambiente natural e a saúde coletiva.
A ação foi ajuizada sob a modalidade coletiva passiva, em que entidades representativas são colocadas no polo passivo para defender os interesses da coletividade demandada, que, no caso, é composta pelos produtores rurais do estado.
A iniciativa é defendida pelas instituições como medida de precaução e se baseia em farto material científico, como estudos desenvolvidos pela International Agency for Research on Câncer (IARC), ligada à Organização Mundial de Saúde (OMS), segundo a qual o glifosato é provável carcinogênico (causador de câncer).
Reunião em Sinop
O Fórum Mato-Grossense de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos realiza, no dia 22 de outubro, em Sinop, uma reunião itinerante para levar a discussão sobre os riscos e prejuízos da utilização dos agrotóxicos até a população do médio-norte. O evento é aberto ao público.

Comentários Facebook
Veja Também:  TOMATE/CEPEA: Clima seco reduz oferta e preços sobem
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana