conecte-se conosco


Mulher

Vídeo de criança cadeirante pulando em cama elástica emociona; assista

Publicado

Uma criança cadeirante pode enfrentar uma série de dificuldades de mobilidade, no entanto, isso não significa que ela não consegue se divertir tanto quanto uma criança sem deficiência. Um vídeo de um garotinho norte-americano pulando pela primeira vez em uma cama elástica prova isso.

Leia também: O poder dos melhores amigos na inclusão de crianças com deficiência


Em vídeo publicado no Facebook, criança cadeirante aparece pulando em cama elástica e emociona nas redes sociais
Reprodução/Facebook

Em vídeo publicado no Facebook, criança cadeirante aparece pulando em cama elástica e emociona nas redes sociais

A criança cadeirante
que protagoniza o vídeo é o pequeno Wyatt Burggraff, de quatro anos. A gravação foi compartilhada na página da academia TNT, frequentada pelo menino, e mostra ele se divertindo na cama elástica, acompanhado por um instrutor, em cima da cadeira de rodas.

No vídeo, o garoto aparece feliz e se divertindo pela oportunidade de pular na cama elástica
. “Sempre que levamos uma criança na cadeira de rodas para o trampolim a reação é a mesma. Elas pedem por mais”, fala Tim Frie, representante da TNT à “ABC”.

Veja Também:  Mulher invade casamento do ex-namorado vestida de noiva e pede mais uma chance

Leia também: “Foi algo inexplicável”, diz mãe ao ver filho com deficiência andando de skate

Veja o vídeo:

Wyatt nasceu com a espinha bífida, um defeito congênito em que a medula espinhal de um bebê não de desenvolve de forma adequada. Por conta disso, ele precisa fazer o uso da cadeira de rodas
para se locomover.

“Eles encorajam o Wyatt dizendo que ele é forte, corajoso e valente. Quando Wyatt passa por problemas médicos, usamos essas experiências para assegurá-lo de que ele é capaz de enfrentar coisas difíceis. A cada dia eles mostram que meu filho pode vencer barreiras que jamais imaginei”, diz a mãe do garoto à “ABC”.

Leia também: “Representatividade importa”, diz cadeirante que participou do clipe de Kevinho

Repercussão do vídeo da criança cadeirante


O vídeo de Wyatt Burggraff, a criança cadeirante, foi compartilhado no Facebook pela academia TNT, frequentada por ele
Reprodução/Facebook

O vídeo de Wyatt Burggraff, a criança cadeirante, foi compartilhado no Facebook pela academia TNT, frequentada por ele

A publicação tornou-se um viral nas redes sociais. No Facebook, foram mais de 6,8 milhões de visualizações, 100 mil compartilhamentos e 19 mil reações. Nos comentários, que somam mais de 2,3 mil, as pessoas mostram-se emocionadas e felizes pela oportunidade do menino se divertir.

Veja Também:  Gesto de amor! Estudantes criam carro para ajudar na mobilidade de criança

Após a repercussão, a academia responsável fez uma nova publicação comentando o quanto o vídeo da criança cadeirante
 foi capaz de inspirar outras pessoas e pedindo para que a mensagem continuasse sendo compartilhada até chegar a outras crianças.

Comentários Facebook
publicidade

Mulher

Os desafios da mulher no ambiente corporativo

Publicado

Apesar do dia 8 de março ser lembrado como o Dia Internacional da Mulher, há pouco para se comemorar. Por exemplo, mesmo no século 21 e diante da Economia 4.0, o machismo ainda é forte no ambiente corporativo, tornando o mundo dos negócios ainda um desafio para as mulheres que buscam seu lugar ao sol.

Muitas pesquisas mostram as dificuldades do sexo feminino em diferentes frentes do mercado de trabalho. Estudo realizado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) aponta que as mulheres estão no topo da taxa de desemprego. Além disso, trabalham mais horas que os homens e somente 48% delas possuem trabalhos formais. Os homens são 72%.

Segundo o estudo realizado pelo Instituto Ethos, a quantidade de mulheres ocupando a presidência de alguma companhia ainda é baixo, somente 7%. Já a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aponta que apenas 11% das empresas com capital aberto inscritas possuem mulheres em cargos do conselho de administração. 

Esses dados são reflexo da realidade que muitas mulheres enfrentam. Mas para brilhar no ambiente corporativo, é preciso não desanimar. Foi o que fez a Danielle Cohen, Engenheira de Produção, desenvolvedora e Head de tecnologia e cofundadora da startup Pingui. 

Para ela, ainda é difícil algumas pessoas a encararem com profissionalismo como mulher e líder técnica. Danielle conta que, na maioria das vezes, quando vai em alguma reunião, sempre é vista como alguém que atua no setor comercial, comunicação ou no RH. “Tudo, menos da parte técnica”.

– Por exemplo, num hackathon que participei, sendo uma das 50 escolhidas, ouvi comentários do tipo: ‘mas, você? Sério mesmo?’. Não só fui escolhida, como também fui a ganhadora da competição – relembra.

Cohen disse que já passou por momentos, em reuniões de negócios, que quando estão falando de tecnologia, nem é olhada. Às vezes, nem ouvida. “Começo a ganhar mais notoriedade quando falo sobre programação, discuto uma parte mais técnica”. 

Para superar o machismo, Danielle conta que gosta sempre de se olhar como igual a todo mundo. Diz que não fica se rebaixando ou achando que os outros são melhores. Em caso de reuniões com pessoas mais velhas, ela tenta falar bastante da parte técnica e mostrar que conhece bem o assunto. “Assim vou ganhando autoridade”. 

Segundo a profissional, é importante que as mulheres se ajudem, por isso, Danielle tenta fazer a parte dela. Como organizadora do GBG (Google Business Group) junto de outras duas mulheres, ela comenta que tem conseguido levar a tecnologia e a inovação para o universo feminino. “Já houve casos de pessoas me agradecerem pela ajuda e dizer que foi essencial na carreira. Isso é muito gratificante”.  

– As mulheres não devem ter vergonha de mostrar o que sabem fazer, muito menos se diminuir. Em relação ao machismo, a melhor coisa é não levar em consideração frases preconceituosas ou olhares de inferioridade. Sempre mostrem que vocês sabem e conseguem fazer tudo tão bem quanto qualquer um. Aliás, hoje em dia, há muitas coisas que são exclusivas para mulheres. Então, podemos aproveitar essas oportunidades para melhorarmos cada vez mais – ressalta. 

Outra pessoa que enfrentou situações difíceis, mas que não se deixou desanimar foi a administradora Amanda Eloi. Para ela, uma das maiores dificuldades não foi realizar o trabalho em si, mas lidar com pessoas preconceituosas e arrogantes.

Atualmente, Amanda é coordenadora adjunta da comissão Especial de Empreendedorismo do Conselho Regional de Administração (CRA-RJ), consultora de Projetos da WAAH!, Fundadora e Coordenadora do Ciclo Empreendedor Universitário.

Para Eloi, o preconceito existente em alguns homens são fruto da falta de compreensão de que capacidade não depende de gênero e/ou classe social. Para a profissional, essa forma de pensar vem do fato da sociedade ainda ter uma visão limitada do quanto a mulher pode ser bem-sucedida no mundo dos negócios. “Isso impede que muitas alcancem determinados cargos dentro de suas empresas, por não terem a oportunidade de desenvolver determinadas habilidades”.

Ela conta que, apesar dos problemas, foi vencendo esses obstáculos a partir das experiências que adquiriu no trabalho. “Depois de ganhar autoconfiança, também busquei orientações de amigos e profissionais do mercado para lidar com determinadas situações”.

Para Amanda, a melhor maneira de lidar com o machismo foi acreditar no próprio potencial, continuar desenvolvendo projetos e ajudar pessoas a evoluir profissionalmente. “Dessa forma, fico focada no reflexo do meu trabalho, que envolve alavancar negócios e impactar mais vidas”. 

– Por isso, sempre digo para que as mulheres confiem no seu potencial, busquem mais conhecimento e estejam ao lado de pessoas brilhantes, que, além de acreditar em você, possam valorizá-las como Mulher e Ser Humano – conclui.

Joyce Nogueira
Assessora de Imprensa

Veja Também:  Menina com condição rara precisa fazer lipoaspiração para diminuir mãos gigantes

Comentários Facebook
Continue lendo

Mulher

Carla ‘Bora’ é agredida pelo namorado em Cuiabá

Publicado

Betell Fontes – Folha 360

Carla 'Bora' é agredida pelo namorado em Cuiabá

Foto: Instagram

A digital influencer Carla ‘Bora’ Reis foi agredida pelo seu namorado, na madrugada desta sexta-feira (24), em Cuiabá. Ela usou sua pagina no Instagram que possui mais de 530 mil seguidores para relatar o ocorrido.

Carla Bora ficou conhecida na internet por causa da voz grossa e pelo bordão “Bora? Bora tomar uma?. Após estourar na mídia, foi contratada pela RedeTV, onde participou do programa Encrenca.

A influencer relatou que já fez denúncia da agressão para as autoridades e utilizou as redes sociais para alertar outras mulheres. Em seguida ela mostrou uma suposta mensagem de seu namorado lhe pedindo desculpa e prometendo um noivado para reatar o relacionamento.

Carla conta que é difícil sair de um relacionamento, ainda mais quando se ama a pessoa, mas lembra que é preciso amar a si mesma em primeiro lugar.

Comentários Facebook
Veja Também:  4 dicas para garantir o toque glam no look de festival
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

O QUE VOCÊ ESTÁ ACHANDO DA GESTÃO DO GOVERNADOR MAURO MENDES ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana