conecte-se conosco


Economia

12,7 milhões de desempregados? Corte os juros, BC!

Publicados

em

Olá, gravateiros e gravateiras. É estarrecedora a notícia de que o desemprego subiu para 12%, em média, no trimestre encerrado em janeiro, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). São 12,7 milhões de desempregados, sem contar aqueles que desistiram de buscar uma vaga (4,7 milhões de pessoas desalentadas) e aqueles subutilizados (27,5 milhões de pessoas). Enquanto isso, o Banco Central (BC) congelou a taxa básica de juros (Selic) em 6,5% ao ano. Está errado!

Leia também: Desemprego sobe para 12% em janeiro e já atinge 12,7 milhões de brasileiros

Em primeiro lugar, quero enfatizar que o presidente do BC, Ilan Goldfajn, que está deixando o cargo, e sua equipe fizeram um excelente trabalho. Lutaram contra uma inflação acima de 10%, entregando-a em 4%. Pegaram uma Selic em 14,25%, derrubando-a para 6,5%. O justo elogio, no entanto, não me impede de criticar as últimas decisões dos diretores do Comitê de Política Monetária (Copom), que mantiveram a Selic em 6,5% apesar do claro cenário de estagnação econômica. Ignoraram a existência de milhões de desempregados
no Brasil.

Quando criticado, o BC sempre se defende com o argumento de que a sua missão é buscar o centro da meta de inflação. Verdade. Aqui, no Brasil, a autoridade monetária não tem o chamado duplo mandato (inflação/emprego), como nos Estados Unidos. Ainda assim, o BC vem sendo muito conservador, pois entregou uma inflação abaixo do piso da meta em 2017 (IPCA em 2,9% ante piso da meta de 3,0%) e abaixo do centro da meta em 2018 (IPCA em 3,7% ante um centro da meta de 4,5%). E, se os analistas estiverem certos, o IPCA será de 3,85% em 2019, novamente abaixo do centro da meta de 4,25%. Esses números, por si sós, já mostram que o BC errou ao congelar a Selic em 6,5% desde março de 2018.

Veja Também:  IBGE prevê safra de 271,9 milhões de toneladas para 2022

Leia também: O drama do desemprego e as soluções práticas

Além disso, o Brasil vem apresentando “pibinhos” (crescimento em torno de 1%) nos últimos dois anos, após a maior recessão de sua história. A consequência óbvia é o nível de desemprego absurdo, o que ajuda a explicar por que a inflação permanece sob controle, inclusive no setor de serviços.

Entendo perfeitamente que o BC, conforme enfatiza em seus comunicados, esteja preocupado com a situação fiscal do País. Todos nós, brasileiros, estamos preocupados. Sabemos que um eventual fracasso na votação da Reforma da Previdência Social será terrível para o Brasil. Um dos impactos negativos será no câmbio, com potencial contaminação inflacionária. Porém, dado que o tempo do Congresso Nacional nunca é o mesmo da sociedade, não é admissível que o BC fique de braços cruzados esperando o ajuste fiscal para, enfim, reduzir os juros. Afinal de contas, a missão do BC não é a meta de inflação?

Leia também: Marca histórica dos 100 mil pontos na Bolsa depende da Previdência

Veja Também:  Faturamento da indústria de máquinas e equipamentos sobe 21,6% em 2021

Espero que a nova gestão do BC, sob o comando do economista Roberto Campos Neto, tenha o mínimo de sensibilidade para testar níveis menores de juros. Não estou pregando nenhuma irresponsabilidade monetária. Apenas um olhar mais atento aos 12,7 milhões de desempregados
. Cortar gradativamente a Selic não vai gerar empregos de forma milagrosa, mas sinalizará ao mercado que o foco é o crescimento econômico com inflação sob controle. Outra missão é criar as condições para que os juros caiam na ponta final, beneficiando consumidores, empresários e empreendedores. Sugiro, a seguir, um vídeo que trata justamente da caixa preta dos juros.


Comentários Facebook
Propaganda

Economia

Prefeitura de Arenápolis anuncia novo cardiologista na cidade

Publicados

em

Por

O prefeito municipal de Arenápolis (230 km de Cuiabá), Eder Marquis, anunciou a chegada à cidade, de um novo cardiologista, Dr. Bandeiras, que passa a atender à população, numa das especialidades mais requisitadas do momento. “As doenças do coração estão relacionadas entre as que mais matam. Os aumentos, principalmente durante a pandemia de Covid-19, foram de mais de 180% em nosso Estado, então é preciso muita atenção”, explicou Marquis.

Por conta disso, o prefeito lembrou que sua administração vem realizando um trabalho especial, de atenção à saúde como um todo, mas principalmente relacionado à estas doenças. “Por este motivo, a chegada do Dr. Bandeira na nossa cidade é motivo de comemoração. Dr. Bandeiras é um renomado cardiologista e com certeza contribuirá muito nos atendimentos. Desejamos boa sorte a ele, parabenizamos a população que está tendo a cada dia uma saúde de melhor qualidade, com os melhores profissionais. Nosso carinho a nossa equipe que se esforça cada vez mais a favor da nossa comunidade e a nossa gestão que trabalha dia e noite para que isso aconteça”, completou o prefeito

Veja Também:  Decreto altera regras e obrigações para atividade de mineração

Fonte: Assessoria de Imprensa

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Brasil deve ter a maior temporada de cruzeiros dos últimos 10 anos

Publicados

em

Por

A temporada de cruzeiros 2022/2023 deverá ser a maior dos últimos dez anos, segundo estimativa da Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (Clia Brasil, sigla para Cruise Lines International Association). No período de 29 de outubro de 2022 a 20 de abril de 2023, oito navios devem navegar por 160 roteiros, ofertando 674 mil leitos.

Além dos oito navios de cabotagem, que navegam entre portos marítimos sem perder a costa de vista, 35 de longo curso vão viajar em águas nacionais. A entidade avalia que a demanda reprimida deve se reverter em vendas.

As oito embarcações partirão dos portos de Itajaí (SC), Maceió (AL), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA) e Santos (SP), percorrendo 160 roteiros e 486 escalas em 17 destinos, incluindo Buenos Aires, Montevidéu e Punta del Este. 

Ofertas de leitos

Juntos, os navios Costa Firenze, Costa Fortuna, Costa Favolosa, MSC Armonia, MSC Musica, MSC Fantasia, MSC Seashore e MSC Seaview vão ofertar 647 mil leitos, o que permite ultrapassar a quantidade de viajantes embarcados na temporada antes da pandemia de covid-19.

Veja Também:  Equipe econômica critica, mas diz crer em aprovação final da PEC do Orçamento

Os navios de longo curso saem de destinos internacionais e têm parada no Brasil para depois seguir o itinerário. Para a Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos, isso coloca “o país de volta na rota de importantes companhias marítimas de todo o mundo”. 

De 7 de outubro de 2022 a 17 de maio de 2023, 35 navios de longo curso farão 309 paradas em 45 destinos em 15 estados, incluindo Amazonas, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul. A expectativa é que o movimento gere impacto econômico para a economia nacional.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Economia

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana