conecte-se conosco


Mato Grosso

Ciopaer fará transporte de pacientes de urgência e emergência em MT

Publicado

Serão duas aeronaves equipadas para o atendimento em todo o Estado

Hérica Teixeira | Sesp-MT

– Foto por: Christiano Antonucci/Secom-MT

Duas aeronaves equipadas com UTI foram incorporadas à frota do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), unidade da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT). Um dos aviões, modelo Chayenne II XL, já começa a operar em fevereiro. Com o incremento, o Governo de Mato Grosso deve economizar inicialmente cerca de R$ 5 milhões ao ano com transporte de pacientes de urgência e emergência. Hoje este serviço é feito, exclusivamente, por uma empresa terceirizada.

O segundo avião passará por manutenção e instalação dos equipamentos médicos e, posteriormente, já estará apto para o transporte de pacientes do interior do Estado para a Capital.

Para a aquisição e adequação dos aviões, o Ciopaer criou uma Comissão de Implantação de Serviço Aeromédico, que definiu modelo, equipamento e atuação que melhor atende à demanda do Estado. Dentro da Comissão há também o processo de treinamento dos tripulantes, médicos e enfermeiros, que foram disponibilizados pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT).

A aeronave adquirida nos Estados Unidos da América (EUA) tem capacidade para dois tripulantes, seis passageiros e autonomia de seis horas e 30 minutos de voo. A aquisição da primeira aeronave e a adequação de outra unidade custaram R$ 3,8 milhões e o valor foi viabilizado pelo Ministério Público Estadual (MPE) e o Poder Judiciário, por meio de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC).

Veja Também:  Batalhão de Trânsito prende um por adulteração de sinal e dois por roubo

“O trabalho da comissão se baseou em ter os mesmos modelos e equipamentos que são fornecidos no setor privado. O objetivo é gerar economia para o Estado e garantir a capacidade de levar este tipo de política pública para o interior do Estado. Após a apresentação de um projeto foi montada uma comissão, que analisou o avião mais eficiente, com boa manutenção e boa disponibilidade de horas de voo e que faça o serviço com baixo custo operacional”, afirma o presidente da Comissão, tenente-coronel BM, Flávio Glêdson Vieira Bezerra.

O secretário de Estado de Saúde, Gilberto Gomes de Figueiredo, enfatiza que a parceria entre a SES e a Sesp vai proporcionar uma redução de custo em torno de 30 a 40%, contudo, a Secretaria de Saúde vai continuar utilizando uma parcela dos serviços da rede privada. Por mês, a SES utiliza, em média, 70 voos para transporte de pacientes. O Ciopaer vai conseguir suprir 23 deslocamentos.

“Mesmo com o incremento, o Estado não tem capacidade técnica de absorver toda a necessidade porque rodamos mais de 70 mil quilômetros por mês. Mas a recente parceria vai proporcionar ao Estado a ampliação dessa capacidade de atendimento e, ao mesmo tempo, busca reduzir os custos que nós temos na área de transporte aéreo para poder investir mais na saúde”, frisa.

Veja Também:  PF usa cães farejadores em 2ª fase de operação para prender 10 traficantes

Ciopaer

Com a aquisição recente, a corporação dispõe de seis aeronaves e três helicópteros para atuar em operações aéreas em todo o Estado. Além da sede, que fica no Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, o Ciopaer tem uma base descentralizada no município de Sorriso (398 km ao Norte de Cuiabá).

O Ciopaer atua em conjunto com as unidades das forças de segurança: Polícia Militar, Polícia Judiciária Civil e Corpo de Bombeiros Militar e com outras Secretarias Estaduais, a exemplo da Saúde (SES) e de Meio Ambiente (Sema).

As atividades do Ciopaer foram regulamentadas pelo Governo do Estado, em 17 de novembro de 2006, com o objetivo de centralizar em um único órgão o controle, operação e manutenção de aeronaves rotativas e de asas fixas empenhadas em atividades policiais. Ao todo, 90 servidores fazem parte do efetivo da unidade.

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Sesp e SES terão 30 dias para alinhar com Prefeituras adesão à Política de Saúde do Sistema Penitenciário

Publicado

Durante reunião, foram apresentados os principais pontos da PNAISP, que destina recursos financeiros aos municípios que disponibilizarem equipe de saúde para atenderem os estabelecimentos penais

Nara Assis | Sesp-MT

Representantes de 15 Prefeituras e demais autoridades discutiram sobre a PNAISP – Foto por: Maros Vergueiro/Secom-MT

Representantes de 15 Prefeituras e demais autoridades discutiram sobre a PNAISP

As Secretarias de Estado de Segurança (Sesp-MT) e de Saúde (SES-MT) terão 30 dias para analisar questões técnicas relacionadas à Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade (PNAISP) que possam ser adaptadas e afunilar o diálogo com prefeitos mato-grossenses. O encaminhamento é resultado da reunião realizada nesta terça-feira (13.01), entre o governador do Estado, Mauro Mendes, outros representantes do Executivo, autoridades do Poder Judiciário e 15 prefeitos.

Na ocasião, foram apresentados os principais pontos da PNAISP, instituída em 2014, com o objetivo de destinar recursos financeiros aos municípios que disponibilizarem equipe de saúde para atenderem os estabelecimentos penais. Representantes das Prefeituras de Água Boa, Cáceres, Campo Novo do Parecis, Cuiabá, Juara, Juína, Peixoto de Azevedo, Pontes e Lacerda, Primavera do Leste, Rondonópolis, Sinop, Sorriso, Tangará da Serra, Várzea Grande e Alta Floresta participaram do encontro.

Atualmente, cinco Prefeituras aderiram à proposta em Mato Grosso: Diamantino, Rondonópolis, Várzea Grande, Rosário Oeste e Barra do Garças. Para um universo de 12.045 reeducandos, distribuídos em 53 unidades penais, este número representa uma adesão pequena. O atendimento à saúde dentro das cadeias e penitenciárias garante não só o bem-estar dos recuperandos, familiares e agentes penitenciários, como também a segurança, já que reduz significativamente a necessidade de escolta para movimentação daqueles que precisam ser atendidos.

O governador Mauro Mendes ressaltou que a atenção básica de saúde é responsabilidade dos municípios. “Este é um problema de abrangência estadual, mas para resolver precisamos respeitar as responsabilidades federativas, o que estamos fazendo é sensibilizar os gestores sobre a importância de oferecer o melhor atendimento possível, seja ao cidadão comum ou à pessoa privada de liberdade”.

Veja Também:  Municípios do Consórcio Alto do Rio Paraguai participam de capacitação no GeoCidades

De acordo com o secretário de Estado de Segurança, Alexandre Bustamante, a adesão à PNAISP é fundamental para assegurar a saúde dos reeducandos e de toda a população. “Nós não estamos pedindo para os municípios aumentarem a carga de atendimento, pois a União disponibiliza os recursos financeiros necessários para a contratação desta equipe. Precisamos que os gestores se sensibilizem quanto a isso, porque todos têm direito, e cuidar da saúde de quem está preso também é cuidar dos servidores do Sistema Penitenciário e dos familiares que estão em contato frequente com eles”.

O desembargador Orlando Perri, que é supervisor do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Penitenciário (GMF), endossou. “Estamos fazendo esse trabalho de conscientização há algum tempo, mas se a adesão não ocorrer de forma voluntária, os órgãos responsáveis terão que tomar alguma medida judicial, inclusive isso já foi sinalizado pela Defensoria Pública”. Para o coordenador do GMF e juiz da Vara de Execuções Penais de Cuiabá, Geraldo Fidélis, o assunto tem que ser tratado com muita seriedade e precisa da integração de todos os órgãos.

Os gestores dos municípios destacaram a necessidade de esclarecer alguns pontos antes de assinarem o convênio, a exemplo da secretária de Saúde de Juara, Leda Maria de Souza Villaça. “É algo que envolve questões administrativas de gestão de pessoas também, então é preciso ter muita clareza, porque iremos depender do repasse do Governo Federal. Mas me coloco à disposição para a construção desse caminho, que deve levar em conta as especificidades de cada município”.

Veja Também:  PM orienta sobre cuidados no trânsito durante carnaval

Também participaram da reunião o vice-governador do Estado, Otaviano Pivetta, representantes da Secretaria Adjunta de Administração Penitenciária (SAAP) da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Mato Grosso (OAB-MT), Ministério Público Estadual (MPE) e Defensoria Pública.

Critérios da Política Nacional

A PNAISP foi instituída por meio da Portaria Interministerial nº 01, de 02 de janeiro de 2014. A norma disciplina os objetivos, as diretrizes, bem como as responsabilidades do Ministério da Saúde, do Ministério da Justiça, dos estados e do Distrito Federal, representados pelas Secretarias de Saúde, de Justiça ou congêneres e dos municípios. Já a Portaria GM/MS nº 482/2014 disciplina os tipos de equipes, os profissionais que a compõem e o financiamento, enquanto a Portaria nº 305/2014 estabelece normas para cadastramento das equipes no Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES).

A transferência de recursos financeiros está condicionada à habilitação de equipes de Atenção Básica Prisional (EABp) previamente cadastradas no SCNES. A EABp apresenta composição multiprofissional e com responsabilidade de articular e prestar atenção integral à saúde das pessoas privadas de liberdade, devendo realizar suas atividades nas unidades prisionais ou nas unidades básicas de saúde a que estiver vinculada. O número de pessoas custodiadas e o perfil epidemiológico dessas pessoas determinarão as modalidades de equipe, bem como as respectivas cargas horárias. As equipes podem se organizar em cinco modalidades, o que definirá o repasse dos recursos financeiros.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

PM ampliará cursos de capacitação e aprimoramento técnico para tropa

Publicado

A formação continuada do policial é uma prioridade para garantir ações eficazes de segurança pública

Greyce Lima | Secom – MT

A tropa da Polícia Militar de Mato Grosso passou por mais de 2.100 cursos, treinamentos e capacitações ao longo do ano de 2019 – Foto por: Arquivo /PMMT

A tropa da Polícia Militar de Mato Grosso passou por mais de 2.100 cursos, treinamentos e capacitações ao longo do ano de 2019

A  tropa da Polícia Militar de Mato Grosso passou por mais de 2.100 cursos, treinamentos e capacitações ao longo do ano de 2019. As qualificações foram ofertadas pela Diretoria de Ensino, Instrução e Pesquisa (Deip) da PM.

A formação continuada do policial é uma das prioridades da gestão, para garantir ações eficazes de segurança pública, seja salvando vidas, auxiliando a população na garantia de seus direitos fundamentais ou combatendo ostensivamente a criminalidade nos 141 municípios do estado.

Capacitações como curso básico de tiro em arma curta raiada, a 5º edição do curso de policiamento montado da Cavalaria da PM, de patrulhamento rural, ações táticas especiais, formação de especialistas em batedor  e também de técnicas de controle e submissão tiveram grande procura por parte dos policiais com interesse em se especializar e aprimorar ainda mais suas habilidades profissionais à frente da PM.

Veja Também:  Sefaz e Procon prometem monitoramento para impedir aumento abusivo de preços em 2020

O diretor da Deip, tenente-coronel André William, Dorileo destaca que a instituição teve excelentes resultados no ensino, já que atualmente é considerada uma referência em capacitação e aperfeiçoamento policial.

 “Em 2020 estamos com a expectativa de promover ainda mais 58 cursos e estágios para efetivo. Os nossos policiais buscam estarem atualizados e preparados para atenderem a população. Estamos trabalhando para atualizar a lei de ensino institucional. E também temos como prioridade para este ano a expansão das Escolas Tiradentes nos polos regionais. As sete unidades das Escolas Militares Tiradentes tem 2.940 alunos matriculados e para 2020 temos a expectativa de ampliar esse número para 3.250”, explica o tenente-coronel Dorileo.

Em Novembro, a Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Praças da PM (Esfap) formou 119 novos soldados depois de 10 meses de formação em período integral. O curso de 1.650 horas de aulas teóricas e praticas foi dividido em 42 disciplinas.

No primeiro semestre de 2019, a Academia de Policia Militar Costa Verde também formou 115 policiais no Curso de Habilitação de Oficiais Administrativos (Choa). E dentre várias formações e capacitações ofereceu o Curso de Gerenciamento de Crise prestigiado por 15 profissionais entre oficiais da PM e outras agentes de segurança de instituições como Policia Judiciária Civil, Guarda Municipal e Politec.

Veja Também:  Medida provisória dá nova esperança para agilizar regularização fundiária, afirma governador

Comentários Facebook
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana