conecte-se conosco


Economia

Acionistas da Embraer aprovam acordo com Boeing

Publicados

em


Assembleia entre membros da Embraer e Boeing é uma das últimas etapas antes da decisão do acordo entre as duas empresas
Divulgação/Embraer

Assembleia entre membros da Embraer e Boeing é uma das últimas etapas antes da decisão do acordo entre as duas empresas



Acionistas da Embraer aprovaram, na manhã desta terça-feira (26), o acordo entre Embraer e Boeing. Acionistas das duas empresas de aviação se reuniram para em uma Assembleia Geral Extraordinária, uma das últimas etapas do processo de parceria, para acertar os últimos detalhes da união.

Leia também: “Governo não pensa em interromper” fusão entre Embraer e Boeing, diz ministro

De acordo com empresa brasileira, 96,8% dos votos registrados foram favoráveis ao acordo entre Embraer e Boeing
, que cria uma  joint venture
 – negócio formado a entre duas empresas. A aprovação dessa parceria, entretanto, ainda depende do aval de autoridades regulatórias.

Segundo a Embraer
, ficou decidido que a nova empresa, avaliada em US$ 5,26 bilhões, 80% da norte-americana Boeing e 20% da companhia brasileira. Em nota, Paulo Cesar de Souza e Silva, presidente e CEO da Embraer, comemorou a negociação: “Essa importante parceria posicionará as duas empresas para oferecer uma proposta de valor mais robusta a nossos clientes e investidores, além criar mais oportunidades para nossos empregados. Nosso acordo criará benefícios mútuos e aumentará a competitividade tanto da Embraer quanto da Boeing”, disse.

Veja Também:  Índice Nacional de Custo da Construção sobe 0,64% em janeiro

Durante a reunião,  também foi aprovada a criação de uma segunda  joint venture
, esta para para promover e desenvolver novos mercados para o avião multimissão KC-390. Neste acordo, a Embraer deterá 51% das ações enquanto a Boeing
ficará com os 49% restantes.

Mais cedo, a Justiça revogou a liminar que impedia a realização dessa. De acordo com a Embraer, a decisão de autorizar novamente o encontro foi tomada pelo o Tribunal Regional Federal da Terceira Região (TRF3).

Leia também: PDT cita “risco à soberania nacional” e vai à Justiça contra Embraer-Boeing

Segundo Therezinha Cazerta, presidente do TRF3, a proibição da assembleia entre Embraer e Boeing geraria, “como efeito indireto, a paralisação não só de um procedimento de negociação, mas também impede a instalação do fórum adequado ao manejo dessas questões pela própria União.” 

Na segunda-feira (25), a Embraer disse que estava tomando as providências necessárias para que a Justiça revogasse a decisão e autorizasse o encontro. A assembleia era uma das últimas etapas para decidir o acordo de fusão
entre as empresas de aviação.

Por que Embraer e Boeing decidiram se unir?


Embraer e Boeing buscam, juntas, unir forças e competir internacionalmente com grande destaque no setor de aviação
Reprodução

Embraer e Boeing buscam, juntas, unir forças e competir internacionalmente com grande destaque no setor de aviação








Enquanto a empresa norte-americana é a principal fabricante de aeronaves comerciais para voos longos, a Embraer lidera o mercado de jatos regionais, com aeronaves equipadas para voar distâncias menores.

Veja Também:  Importações de soja da China em dezembro saltam 67% na comparação anual

A Boeing é uma empresa cuja receita é cerca de 16 vezes maior do que a da Embraer. Em 2017, a brasileira teve arrecadação de US$ 5,8 bilhões, enquanto a empresa americana arrecadou US$ 93,3 bilhões.

Leia também: Embraer e Boeing anunciam acordo para fusão e esperam aprovação do governo

Embraer e Boeing 
buscam, juntas, unir o melhor de cada uma e organizar uma grande e forte empresa, que seja capaz de competir internacionalmente e se destacar no setor de aviação.

Comentários Facebook
Propaganda

Economia

Aneel realizá leilão que prevê até R$ 15,3 bilhões em investimentos

Publicados

em

Por

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vai leiloar na próxima quinta-feira (30) 13 lotes de linhas de transmissão de energia. As empresas que obtiverem a concessão ficarão responsáveis por construir, operar e manter as linhas, que somam um total de 5.425 quilômetros e uma capacidade de 6.180 mega-volt-ampères (MVA).

O leilão vai ocorrer às 10h, na sede da B3, em São Paulo. Os contratos de concessão estão previstos para ser assinados em 30 de setembro, e as empresas vencedoras terão prazos de 42 a 60 meses para iniciar a operação comercial das linhas de transmissão. A Aneel prevê que os contratos de concessão gerem R$ 15,3 bilhões em investimentos, gerando de 31.697 empregos diretos.

Os lotes dos empreendimentos estão localizados em 13 estados: Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe.

O lote de maior extensão e que deve gerar mais empregos é o de número 2, que corta os estados de Minas Gerais e São Paulo em um percurso de 1,7 mil quilômetros. O lote tem finalidade de expandir a capacidade de transmissão da região Norte de Minas Gerais e, se concretizado, deve empregar 9,8 mil pessoas.

Veja Também:  Medida Provisória aprimora regras que permitem venda direta de etanol

A disputa dos lances se dará pelo valor de Receita Anual Permitida (RAP). Quando houver mais de uma proposta pelo mesmo lote, vencerá a que propuser o menor valor anual de receita.

Os proponentes deverão depositar para a Aneel uma garantia de proposta no valor de 1% do investimento estimado, com prazo de validade igual ou superior a 120 dias após o leilão e renovável por mais 60 dias.

Para a assinatura do contrato de concessão, o proponente vencedor deverá substituir a garantia anterior por uma correspondente a 5%, 7,5% ou 10% do valor do investimento previsto, a depender do deságio oferecido no leilão.

Edição: Nádia Franco

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Correntistas do BB podem mudar limite de cartão adicional por WhatsApp

Publicados

em

Por

Os clientes do Banco do Brasil (BB) podem consultar e alterar o limite dos cartões de crédito adicionais por meio do WhatsApp. A ferramenta foi lançada nesta semana e já está disponível aos correntistas.

A personalização dos limites dos cartões adicionais só podia ser feita, até agora, pelo site da instituição financeira. Os ajustes no cartão principal estão disponíveis há alguns meses no aplicativo de mensagens.

Para verificar o limite, o correntista deve enviar uma mensagem para o número (61) 4004-0001 e enviar mensagem pedindo a consulta. A partir daí, o sistema de inteligência artificial apresenta opções, bastando selecionar consulta para o adicional e indicar o cartão que deseja consultar. O bot (robô) informa o valor total do limite e o disponível para uso.

Para alterar o limite, é necessário enviar a mensagem pedindo para ajustar o limite do cartão, escolher “Adicional” e indicar o cartão que deseja modificar. Depois, é só informar o novo valor.

Com as novidades, subiu para 21 o número de transações disponíveis para cartões de crédito e de débito do BB via WhatsApp. Entre os serviços que podem ser feitos pelo aplicativo, estão o pedido de segunda via do cartão, a contestação de compras, o envio da fatura por meio de arquivo PDF e a habilitação ou desabilitação do NFC (pagamento por aproximação).

Veja Também:  Excursão de escola pública é barrada no Shopping JK Iguatemi: local “para elite”

 

Edição: Claudia Felczak

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana