conecte-se conosco


Agronegócio

ALGODÃO/PERSPEC 2019: Rentabilidade atrativa eleva área; produção e exportação podem ser recordes

Publicados

em

Clique aqui e confira o release completo em word.

 

Cepea, 17/01/2019 – A expectativa é que a safra nacional 2018/19 de algodão em pluma alcance novamente recorde de produção, impulsionada pela elevação da área semeada. Esse crescimento, por sua vez, está associado à maior rentabilidade do algodão frente às demais culturas concorrentes em áreas e ao ambiente favorável para contratos antecipados (a serem cumpridos em 2019 e também 2020), de acordo com informações do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Nessas condições, pelo segundo ano consecutivo, o Brasil continua como o quarto maior produtor do mundo e, ultrapassando a Índia, deve se tornar o segundo principal exportador, ficando atrás apenas dos Estados Unidos.

No período de tomada de decisão sobre a temporada 2018/19, o algodão era uma das poucas culturas com expectativa de manutenção de preços atrativos. Com isso, produtores tradicionais e também aqueles com disponibilidade de crédito e possibilidade de colheita e beneficiamento terceirizados aumentaram a área e/ou passaram a cultivar algodão. 

 
Um fator que preocupa, contudo, é que a temporada 2017/18, colhida em 2018, já foi recorde, e os excedentes domésticos no ano passado chegaram a 1,6 milhão de toneladas. Considerando-se que a pluma da safra passada está em comercialização desde agosto/18 perdurando até julho/19, o excedente interno passa a ser de 1,3 milhão de toneladas. Volume que precisaria ser exportado para não gerar pressão sobre os preços domésticos. 

 

Segundo dados da Secex, os embarques de pluma foram intensos nos últimos cinco meses de 2018, somando 670,3 mil toneladas – em dezembro/18, o volume mensal foi recorde, de 214,6 mil toneladas. Caso esse bom ritmo se mantenha, os volumes totais a serem exportados até julho/19 podem atingir recordes ou superar o excedente doméstico (de 1,3 milhão de toneladas).

 

Ainda para o primeiro semestre de 2019, indústrias com necessidades imediatas (como reposição de estoques) devem retomar as compras. No entanto, a disponibilidade da pluma de maior qualidade deve ser restrita, contexto que pode resultar em disputa entre mercados interno e exportação. O que pode elevar a disponibilidade interna, por outro lado, é a realocação de contratos flex para o mercado interno. 

Veja Também:  Em dezembro, mais de 250 usinas do centro sul devem ter finalizado a safra 2019/20

 

Mesmo com redução de 4,4% na produtividade (1.633 kg/ha), a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) estima que o aumento de 23,2% na área resulte em produção de 2,364 milhões de toneladas, 17,8% maior que a da temporada anterior. 

 

Em Mato Grosso, a produção deve somar 1,568 milhão de toneladas (+21,5%), com produtividade média estimada em 1.640 kg/ha (-1,1%) e a área, em 955,9 mil hectares (+22%). Já na Bahia, ainda de acordo com a Conab, a área semeada volta a crescer após quatro anos consecutivos de queda, somando 310,1 mil hectares na temporada 2018/19 (+17,6%). A colheita está prevista em 508,6 mil toneladas, elevação de 2%. Já a produtividade média está estimada em 1.640 kg/ha (-13,2%). 

 

A Conab aponta que o consumo doméstico poderá aumentar em 7,1% se comparado ao da safra 2017/18, passando para 750 mil toneladas em 2019, a maior em três safras. Assim, para 2018/19, a Companhia projeta oferta total de pluma (estoque inicial + produção + importação) de 2,99 milhões toneladas e demanda total (consumo interno + exportação) de 2,2 milhão de toneladas. Logo, o estoque final seria de 859,9 mil toneladas.

 

A pluma da colheita de 2019 estará disponível em maior intensidade a partir de agosto, atendendo ao mercado até julho/20. Para este período, o excedente interno seria de 1,6 milhão de toneladas, um novo recorde. Novamente, este volume precisa ser exportado. 

 

O Brasil já tem bons volumes de negócios antecipados, tanto para a safra 2018/19 quanto para 2019/20. De acordo com dados da BBM tabulados pelo Cepea, ao menos 21,9% da safra brasileira 2018/19 teria sido comercializada até o dia 8 de janeiro. Deste total, 50,4% foram direcionados ao mercado interno, 22,2%, ao externo e 27,4%, para contratos flex (exportação com opção para mercado interno). 

 

Segundo dados do Cepea, os contratos para exportação para embarques durante 2019 apresentam média de US$ 0,7901/lp, o mais elevado em quatro anos. Os contratos já realizados para 2020, captados pelo Cepea, estão com média de US$ 0,7733/lp, em linha, inclusive, com os negociados para entrega em 2018, que tiveram média de US$ 0,7777/lp. 

Veja Também:  Preço do boi e vaca gorda em Mato Grosso tem nova valorização

 

Para o mercado interno, os contratos antecipados captados pelo Cepea estão na base de R$ 2,75/lp. Os negócios registrados para entrega durante 2018, por sua vez, tiveram média de R$ 2,67/lp. O maior interesse de agentes domésticos por contratos antecipados e a maior paridade de exportação no segundo semestre de 2018 sustentaram a elevação dos valores.

 

No mercado externo, dados divulgados pelo Icac (Comitê Internacional do Algodão) em janeiro/18 indicam redução no Cotlook A para a safra 2018/19 (agosto/18 a julho/19), indo para US$ 0,8645/lp, 1,8% menor que os US$ 0,88/lp na temporada 2017/18 e 2,9% inferior à previsão publicada em dezembro/18 (US$ 0,89/lp). Já na Bolsa de Nova York (ICE Futures), em dezembro/18, o contrato Mar/19 teve média de US$ 0,7741/lp; Maio/19, US$ 0,7857/lp; Jul/19, US$ 0,7946/lp; Out/19, US$ 0,7701/lp; e Dez/19, US$ 0,7640/lp.

 

Para 2019, o Brasil deve ser favorecido pela redução de oferta registrada ainda em 2018 nos principais países produtores. No agregado, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) esperava em dezembro/18 que a produção mundial 2018/19 fosse de 25,8 milhões de toneladas, retração de 4% frente à safra anterior.

 

Já o consumo poderá crescer 2%, indo para 27,3 milhões de toneladas, um recorde, liderado pela China. A menor produção e o maior consumo atrelados à baixa nos estoques chineses, devido aos leilões nestes últimos três anos, devem fazer com que o estoque mundial diminua 9% (15,9 milhões toneladas). A expectativa é de elevação nas importações do Bangladesh (+6,6%), do Vietnam (+10,2%), da China (+22,3%) e da Indonésia (+4,3%). Enquanto as exportações dos Estados Unidos podem recuar 5,3% e as da Índia em 15,1%, as do Brasil podem crescer 38,9%, chegando a 1,26 milhão de toneladas entre agosto/18 e julho/19. O comércio mundial de 2018/19 deve aumentar 1,8% frente à safra anterior, a 9,08 milhões de toneladas.

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações podem ser obtidas por meio da Comunicação do Cepea: (19) 3429 8836 / 8837 e [email protected]

Comentários Facebook
Propaganda

Agronegócio

CITROS/CEPEA: Geada atinge pomares de SP e aumenta preocupação de agentes

Publicados

em


Cepea, 23/7/2021 – O frio intenso observado no estado de São Paulo no início desta semana atingiu os pomares do cinturão citrícola, com registros de geadas em algumas áreas. Segundo colaboradores do Cepea, este cenário aumentou as preocupações de agentes quanto à produção de laranjas na temporada atual e ao vigor das plantas para a próxima safra, visto que as árvores estão próximas do período de indução floral e já debilitadas por conta do menor regime hídrico dos últimos dois anos. Considerando-se a safra atual (2021/22), a qualidade das laranjas que estão nos pés deve diminuir – algumas das frutas que foram afetadas pelas geadas do fim de junho/início de julho já apresentam o interior seco e cristalizado. Além disso, algumas áreas tiveram quedas de frutos. Para a próxima temporada (2022/23), as árvores mais novas (em fase de brotação) devem ser as mais afetadas, assim como aquelas com maior incidência de greening. Quanto à tangerina poncã, não há previsão de impactos significativos no volume do estado de SP, já que a colheita está praticamente finalizada. Por outro lado, em Minas Gerais, onde ainda há maiores volumes para serem colhidos, pode haver impacto negativo na qualidade das frutas. No caso da lima ácida tahiti, as preocupações são ainda maiores, visto que a fruta é bastante sensível a oscilações climáticas. Além disso, há áreas de lima ácida tahiti em diferentes estágios de desenvolvimento, inclusive com pomares em flor. Segundo colaboradores do Cepea, o frio intenso derrubou alguns frutos pequenos, brotamentos e flores. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Veja Também:  Suínos: mercado continua em queda, principalmente nos preços do animal vivo
Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

FRANGO/CEPEA: Consecutivas valorizações reduzem competitividade da carne em julho

Publicados

em


Cepea, 23/7/2021 – As consecutivas elevações nos preços da carne de frango estão na contramão do movimento observado para as duas principais proteínas concorrentes, bovina e suína, que têm se desvalorizado em julho, reduzindo a competitividade da carne de frango na parcial do mês. Segundo pesquisadores do Cepea, a boa liquidez do frango no mercado doméstico tem se dado justamente pela competitividade da proteína, a mais em conta das três alternativas, se favorecendo, portanto, do poder de compra reduzido da população brasileira nos últimos meses. Mesmo com o recuo das vendas na comparação com as concorrentes, agentes do setor da avicultura de corte indicam que os negócios ainda estão aquecidos, apesar do período de segunda quinzena do mês. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Veja Também:  Suíno vivo em alta no PR, SC e MT e em queda em SP, RS , MG e GO; veja os valores
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

"2021" QUAIS SÃO AS SUAS EXPECTATIVAS PARA ESTE ANO QUE SE INICIA

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana