conecte-se conosco


Mato Grosso

Após mais de uma década, Governo retoma transplante de rins em Mato Grosso

Publicado

O serviço, que estava paralisado há uma mais de 10 anos, volta a funcionar esta semana. A gestão do Governador Mauro Mendes, junto à primeira-dama Virginia Mendes, madrinha da causa, se empenhou em todas as tratativas para a retomada desse importante procedimento disponível para os pacientes de Mato Grosso
Carlos Celestino | Secom-MT

Governador Mauro Mendes e primeira-dama Virginia Mendes e Secretário Gilberto Figueiredo visitam equipe médica do Hospital Santa Rosa – Foto por: Marcos Vergueiro/Secom-MT

Governador Mauro Mendes e primeira-dama Virginia Mendes e Secretário Gilberto Figueiredo visitam equipe médica do Hospital Santa Rosa

Pacientes que realizam tratamento renal e precisam receber uma doação de rim poderão fazer todo o processo de transplante em Mato Grosso. A oferta do serviço, paralisado há 10 anos, foi restabelecida nesta terça-feira (14), após a realização do primeiro procedimento cirúrgico que transplantou o órgão entre duas irmãs.

A cirurgia, que durou aproximadamente sete horas, sem nenhum tipo de complicação, foi realizada pela equipe do Centro Cirúrgico do Hospital Santa Rosa, unidade credenciada pelo Ministério da Saúde para realizar a operação de transplante renal no Estado.

O governador Mauro Mendes, acompanhado da primeira-dama Virginia Mendes, comemorou o resultado do retorno deste importante serviço de saúde no Estado. Ele destacou que os pacientes que aguardam pelo procedimento poderão realizar a cirurgia que será ofertada pelo Sistema Único de Saúde (SUS).
“Hoje é um dia muito especial para a saúde pública do Estado de Mato Grosso, pois temos a alegria de anunciar que foi feito o primeiro transplante de rim aqui no Estado de Mato Grosso. Após 10 anos, depois que nós perdemos a habilitação para fazer transplante renal aqui nos hospitais do Estado, estamos reativando o serviço. Mato Grosso era um dos poucos estados brasileiros que não realizava essa cirurgia. Depois de muito trabalho da equipe da Secretária Estadual de Saúde, do Hospital Santa Rosa – que foi habilitado para realizar os procedimentos 100% pelo SUS – os pacientes poderão fazer a cirurgia sem precisar pagar nenhum centavo por esse procedimento”, ressaltou o governador.

Além disso, o chefe do Poder Executivo disse que a reativação do serviço irá proporcionar um “alivio” aos pacientes, pois com essa oferta de transplante renal, todos poderão realizar a cirurgia sem precisar sair de Mato Grosso.

“São quase mil pacientes em nosso Estado que têm indicação clínica para transplante. Esses pacientes poderão procurar nossa Secretaria para realizar os procedimentos e, nos próximos meses, se Deus quiser, essas pessoas terão suas dores e sofrimentos aliviados pela possibilidade da realização desse procedimento feito em Mato Grosso”, disse Mauro Mendes.

O governador disse ainda que todos os envolvidos nesta causa que possibilitou a reativação do transplante “estão de parabéns” e que essa excelente conquista é uma ótima maneira de iniciar o ano de 2020.

Além do trabalho do governador, o resultado dessa grande conquista faz parte do esforço e dedicação da primeira-dama Virginia Mendes, sensível à causa justamente por ter um rim transplantado há quase seis anos. Madrinha oficial do transplante renal, a primeira-dama trouxe celeridade à desempenho do processo.

Virginia acompanhou todas as etapas, fortaleceu a causa e pediu para que toda a equipe de profissionais da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT), sob a gestão de Gilberto Figueiredo, dedicasse empenho em todas as tratativas formais junto ao Ministério da Saúde para o retorno dos serviços.

“Estou muito feliz! Primeiramente agradeço a Deus. Agradeço também o nosso governador por estar proporcionado tudo isso e agradeço a toda a equipe médica, pois foi um procedimento realizado com muito sucesso. Eu sou transplantada, eu só tenho a agradecer”, disse Virginia Mendes.

Na oportunidade, a primeira-dama aproveitou para sensibilizar as pessoas sobre essa importante causa. Ela explicou que pessoas vivas, em caso de compatibilidade, podem realizar a doação de rim.

Veja Também:  Municípios do Consórcio Alto do Rio Paraguai participam de capacitação no GeoCidades

“Aproveito a oportunidade para falar às pessoas que não tenham medo do transplante, vocês podem ser doadores em vida Como exemplo, está aqui meu esposo, minha alma gêmea, minha vida, que me salvou e é um doador vivo. Então, às pessoas não precisam ter medo da doação, somos testemunhas que isso pode ser feito para salvar vidas. Além de mim, temos o caso dessas duas irmãs que realizaram este lindo gesto de puro amor na doação de rim entre vivos”, completou.

Emocionada e muito feliz com essa conquista da saúde no Estado, a primeira-dama disse: “gostaria apenas de agradecer a todos, equipe médica e ao secretário de Saúde Gilberto Figueiredo por todo este belo resultado, estou muito emocionada com essa bela vitória”.

O programa de transplante renal iniciou suas atividades em 1999. Porém, a última cirurgia de transplante de rim realizada em Mato Grosso ocorreu em maio de 2009. O reflexo da desativação desse procedimento foi o acumulo de pacientes na fila de espera e que precisaram ser encaminhados para outros Estados para realizar o procedimento. De acordo com os dados da Central de Transplante da SES-MT, atualmente, 1.800 pacientes estão realizando hemodiálise. A estimativa é de que 50% dessas pessoas tenham indicação para o transplante renal.

Diante desse percentual, o secretário estadual de saúde, Gilberto Figueiredo, comemorou a reativação dos procedimentos de transplante renal no Estado e destacou que esse “é um momento histórico para o Estado de Mato Grosso, uma grande conquista não apenas para SES-MT, mas principalmente para quem necessita deste serviço interrompido há 10 anos”.

Além disso, antes do processo cirúrgico, o gestor visitou as irmãs Glacelise Bettini da Silva Medrado, de 42 anos, receptora do órgão e Carmem Regina da Silva Medrado, de 47 anos, doadora. Na ocasião, o gestor destacou que, com o retorno da oferta desse serviço, os pacientes podem realizar o tratamento em domicílio.

“Este é o primeiro transplante, um procedimento de alta complexidade no qual os pacientes precisam deixar nosso Estado, um difícil processo, mas que agora passa a ser realizado novamente aqui. Esta é apenas a primeira de uma série de outras duplas de pacientes que já foram avaliadas para fazer o transplante”, revelou o secretário de estadual de saúde, Gilberto Figueiredo.

O gestor destacou também que o Governador Mauro Mendes, que realizou a cirurgia de doação do seu rim para sua esposa, e a primeira-dama Virginia Mendes, sempre tive uma atenção especial e totalmente direcionada para reativação da cirurgia de transplante renal.

“Eles – governador e primeira-dama – se empenharam muito, sempre tiveram um carinho especial, desde o início, pois entendem a importância da reativação do processo. A primeira-dama torce para que tudo isso seja um grande sucesso e estava angustiada para que tudo fosse restabelecido o quanto antes. Por isso, assim como a gente, eles estão comemorando este grande momento que marca a retomada do transplante de rim em Mato Grosso”, adiantou Gilberto.

Economia na saúde

A reativação do procedimento cirúrgico de transplante renal irá gerar uma economia no orçamento do Governo de aproximadamente R$ 10 milhões por ano. De acordo com a secretária adjunta de Regulação, Controle e Avaliação da SES-MT, Fabiana Bardi, o Estado ficava responsável pelo custeio do tratamento e desembolsava valores exorbitantes para atender e garantir a prestação de saúde aos pacientes por meio Tratamento Fora de Domicilio (TFD).

“Nós últimos anos, o Estado vem gastando com o (TFD), principal órgão de encaminhamento desses pacientes para outras cidades, algo em torno de R$ 22 milhões. Deste total gasto, 50% era exclusivo para atender pacientes da nefrologia. Com a retomada do transplante dentro do Estado, é estimada uma economia de aproximadamente 10 milhões”, explicou a Fabiana Bardi.

Veja Também:  Policiais militares salvam bebê esquecido dentro de carro pelo pai

Outro importante benefício é a agilidade do processo para a realização da cirurgia aos pacientes de Mato Grosso. Antes da reativação do procedimento, todos eles dependiam da disponibilidade do agendamento em perspectiva nacional, gerando um maior tempo de espera. Agora, o tempo de espera é reduzido e a SES-MT garante aos pacientes toda a assistência com medicação, consultas e vigilância do processo.

História das pacientes

A paciente Glacelise Bettini da Silva Medrado, de 42 anos, receptora do órgão, explicou que, em meados de 2015, percebeu que algo não estava certo com a sua saúde. O primeiro sinal manifestado no organismo percebido por ela foi a cor da sua urina que teve uma alteração. Após a realização dos exames, o resultado apontou que o rim não estava funcionando de forma adequada.

Já com o diagnóstico de insuficiência renal, Glacelise chegou a realizar o procedimento para implantação da fístula e realizar o tratamento do rim por meio da hemodiálise. Porém, a paciente explicou que pediu ao médico outras alternativas de tratamento para resolver o seu caso de saúde.

“Eu falei ao doutor que não queria fazer a hemodiálise, fiquei desesperada, e pedi qualquer outro recurso. Ele disse que eu poderia fazer o transplante e perguntou se teria alguém para fazer a doação do órgão”, explicou.

Glacelise indicou a irmã, Carmem Regina da Silva Medrado, de 47 anos, para ser a doadora. Porém, antes informar ao médico de quem seria a doadora, ela não tinha pedido autorização e nem sabia se ela aceitaria passar pela cirurgia para doar o rim e salvar sua vida.

Carmem, a doadora, disse que ao receber o pedido de ajuda para salvar a vida da irmã aceitou imediatamente. “Foi de boa, não pensei duas vezes. Na hora falei sim e perguntei o que eu precisava fazer. Vamos realizar tudo que for preciso”, disse há época.

No quarto de internação a emoção contagiou às irmãs, confiantes de que tudo daria certo na cirurgia, elas se abraçaram e declaram que ser pacientes desta primeira cirurgia que marca o reinicio “é maravilhoso, pois depois vamos ser testemunhas que passamos pelo processo e vencemos todas as etapas”.

Serviço de Transplante

O Governo de Mato Grosso possui ativo, desde 2000, o programa de transplante de córnea. Os procedimentos para realização desta cirurgia são realizados em duas unidades de saúde credenciadas: O Hospital de Olhos de Cuiabá e Instituto da Visão – Visionare, todos ofertando os serviços pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

O processo de doação pode ser realizado de dois modos: o doador vivo e o doador cadáver. O vivo pode ser qualquer pessoa saudável que concorde com a doação e que seja compatível com o receptor. Além disso, a pessoa viva pode doar um dos rins, parte do fígado, parte da medula óssea e parte do pulmão. De acordo com Lei n°10.211/2001, para casos de doação de transplante intervivos, parentes até o quarto grau e cônjuges podem ser doadores. Não-parentes somente com autorização judicial.

Doadores cadáveres são aqueles que tiveram o diagnóstico de morte encefálica, geralmente são vítimas de traumatismo craniano ou AVC (derrame cerebral). O diagnóstico de morte encefálica é regulamentado pelo Conselho Federal de Medicina, que exige a realização de exames que comprovem a morte. Para atestar a legitimação da morte, os exames precisam ser analisados por um médico intensivista e um reurologista para confirmação da morte. Após toda parte de atestado da morte, é necessário a permissão, documentada, de autorização da família.

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Sesp e SES terão 30 dias para alinhar com Prefeituras adesão à Política de Saúde do Sistema Penitenciário

Publicado

Durante reunião, foram apresentados os principais pontos da PNAISP, que destina recursos financeiros aos municípios que disponibilizarem equipe de saúde para atenderem os estabelecimentos penais

Nara Assis | Sesp-MT

Representantes de 15 Prefeituras e demais autoridades discutiram sobre a PNAISP – Foto por: Maros Vergueiro/Secom-MT

Representantes de 15 Prefeituras e demais autoridades discutiram sobre a PNAISP

As Secretarias de Estado de Segurança (Sesp-MT) e de Saúde (SES-MT) terão 30 dias para analisar questões técnicas relacionadas à Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade (PNAISP) que possam ser adaptadas e afunilar o diálogo com prefeitos mato-grossenses. O encaminhamento é resultado da reunião realizada nesta terça-feira (13.01), entre o governador do Estado, Mauro Mendes, outros representantes do Executivo, autoridades do Poder Judiciário e 15 prefeitos.

Na ocasião, foram apresentados os principais pontos da PNAISP, instituída em 2014, com o objetivo de destinar recursos financeiros aos municípios que disponibilizarem equipe de saúde para atenderem os estabelecimentos penais. Representantes das Prefeituras de Água Boa, Cáceres, Campo Novo do Parecis, Cuiabá, Juara, Juína, Peixoto de Azevedo, Pontes e Lacerda, Primavera do Leste, Rondonópolis, Sinop, Sorriso, Tangará da Serra, Várzea Grande e Alta Floresta participaram do encontro.

Atualmente, cinco Prefeituras aderiram à proposta em Mato Grosso: Diamantino, Rondonópolis, Várzea Grande, Rosário Oeste e Barra do Garças. Para um universo de 12.045 reeducandos, distribuídos em 53 unidades penais, este número representa uma adesão pequena. O atendimento à saúde dentro das cadeias e penitenciárias garante não só o bem-estar dos recuperandos, familiares e agentes penitenciários, como também a segurança, já que reduz significativamente a necessidade de escolta para movimentação daqueles que precisam ser atendidos.

O governador Mauro Mendes ressaltou que a atenção básica de saúde é responsabilidade dos municípios. “Este é um problema de abrangência estadual, mas para resolver precisamos respeitar as responsabilidades federativas, o que estamos fazendo é sensibilizar os gestores sobre a importância de oferecer o melhor atendimento possível, seja ao cidadão comum ou à pessoa privada de liberdade”.

Veja Também:  Polícia Civil prende cinco por latrocínio de motorista de aplicativo

De acordo com o secretário de Estado de Segurança, Alexandre Bustamante, a adesão à PNAISP é fundamental para assegurar a saúde dos reeducandos e de toda a população. “Nós não estamos pedindo para os municípios aumentarem a carga de atendimento, pois a União disponibiliza os recursos financeiros necessários para a contratação desta equipe. Precisamos que os gestores se sensibilizem quanto a isso, porque todos têm direito, e cuidar da saúde de quem está preso também é cuidar dos servidores do Sistema Penitenciário e dos familiares que estão em contato frequente com eles”.

O desembargador Orlando Perri, que é supervisor do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Penitenciário (GMF), endossou. “Estamos fazendo esse trabalho de conscientização há algum tempo, mas se a adesão não ocorrer de forma voluntária, os órgãos responsáveis terão que tomar alguma medida judicial, inclusive isso já foi sinalizado pela Defensoria Pública”. Para o coordenador do GMF e juiz da Vara de Execuções Penais de Cuiabá, Geraldo Fidélis, o assunto tem que ser tratado com muita seriedade e precisa da integração de todos os órgãos.

Os gestores dos municípios destacaram a necessidade de esclarecer alguns pontos antes de assinarem o convênio, a exemplo da secretária de Saúde de Juara, Leda Maria de Souza Villaça. “É algo que envolve questões administrativas de gestão de pessoas também, então é preciso ter muita clareza, porque iremos depender do repasse do Governo Federal. Mas me coloco à disposição para a construção desse caminho, que deve levar em conta as especificidades de cada município”.

Veja Também:  Municípios do Consórcio Alto do Rio Paraguai participam de capacitação no GeoCidades

Também participaram da reunião o vice-governador do Estado, Otaviano Pivetta, representantes da Secretaria Adjunta de Administração Penitenciária (SAAP) da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Mato Grosso (OAB-MT), Ministério Público Estadual (MPE) e Defensoria Pública.

Critérios da Política Nacional

A PNAISP foi instituída por meio da Portaria Interministerial nº 01, de 02 de janeiro de 2014. A norma disciplina os objetivos, as diretrizes, bem como as responsabilidades do Ministério da Saúde, do Ministério da Justiça, dos estados e do Distrito Federal, representados pelas Secretarias de Saúde, de Justiça ou congêneres e dos municípios. Já a Portaria GM/MS nº 482/2014 disciplina os tipos de equipes, os profissionais que a compõem e o financiamento, enquanto a Portaria nº 305/2014 estabelece normas para cadastramento das equipes no Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES).

A transferência de recursos financeiros está condicionada à habilitação de equipes de Atenção Básica Prisional (EABp) previamente cadastradas no SCNES. A EABp apresenta composição multiprofissional e com responsabilidade de articular e prestar atenção integral à saúde das pessoas privadas de liberdade, devendo realizar suas atividades nas unidades prisionais ou nas unidades básicas de saúde a que estiver vinculada. O número de pessoas custodiadas e o perfil epidemiológico dessas pessoas determinarão as modalidades de equipe, bem como as respectivas cargas horárias. As equipes podem se organizar em cinco modalidades, o que definirá o repasse dos recursos financeiros.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

PM ampliará cursos de capacitação e aprimoramento técnico para tropa

Publicado

A formação continuada do policial é uma prioridade para garantir ações eficazes de segurança pública

Greyce Lima | Secom – MT

A tropa da Polícia Militar de Mato Grosso passou por mais de 2.100 cursos, treinamentos e capacitações ao longo do ano de 2019 – Foto por: Arquivo /PMMT

A tropa da Polícia Militar de Mato Grosso passou por mais de 2.100 cursos, treinamentos e capacitações ao longo do ano de 2019

A  tropa da Polícia Militar de Mato Grosso passou por mais de 2.100 cursos, treinamentos e capacitações ao longo do ano de 2019. As qualificações foram ofertadas pela Diretoria de Ensino, Instrução e Pesquisa (Deip) da PM.

A formação continuada do policial é uma das prioridades da gestão, para garantir ações eficazes de segurança pública, seja salvando vidas, auxiliando a população na garantia de seus direitos fundamentais ou combatendo ostensivamente a criminalidade nos 141 municípios do estado.

Capacitações como curso básico de tiro em arma curta raiada, a 5º edição do curso de policiamento montado da Cavalaria da PM, de patrulhamento rural, ações táticas especiais, formação de especialistas em batedor  e também de técnicas de controle e submissão tiveram grande procura por parte dos policiais com interesse em se especializar e aprimorar ainda mais suas habilidades profissionais à frente da PM.

Veja Também:  Mega da Virada deve pagar mais de R$ 300 milhões neste ano

O diretor da Deip, tenente-coronel André William, Dorileo destaca que a instituição teve excelentes resultados no ensino, já que atualmente é considerada uma referência em capacitação e aperfeiçoamento policial.

 “Em 2020 estamos com a expectativa de promover ainda mais 58 cursos e estágios para efetivo. Os nossos policiais buscam estarem atualizados e preparados para atenderem a população. Estamos trabalhando para atualizar a lei de ensino institucional. E também temos como prioridade para este ano a expansão das Escolas Tiradentes nos polos regionais. As sete unidades das Escolas Militares Tiradentes tem 2.940 alunos matriculados e para 2020 temos a expectativa de ampliar esse número para 3.250”, explica o tenente-coronel Dorileo.

Em Novembro, a Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Praças da PM (Esfap) formou 119 novos soldados depois de 10 meses de formação em período integral. O curso de 1.650 horas de aulas teóricas e praticas foi dividido em 42 disciplinas.

No primeiro semestre de 2019, a Academia de Policia Militar Costa Verde também formou 115 policiais no Curso de Habilitação de Oficiais Administrativos (Choa). E dentre várias formações e capacitações ofereceu o Curso de Gerenciamento de Crise prestigiado por 15 profissionais entre oficiais da PM e outras agentes de segurança de instituições como Policia Judiciária Civil, Guarda Municipal e Politec.

Veja Também:  Governo apresenta projeto de lei para revisão de incentivos fiscais a empresas em MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Esportes

Mais Lidas da Semana