conecte-se conosco


Agronegócio

Aprosoja-MT estima perda irreversível de 4 milhões de toneladas na safra de milho

Publicados

em

Defesa Agrícola

Aprosoja-MT estima perda irreversível de 4 milhões de toneladas na safra de milho

O volume estimado é de 36 milhões de toneladas, significando uma queda de 10% na produtividade prevista para este ano

18/05/2022

A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT) informa que a safra de milho deve ter uma perda de aproximadamente 4 milhões de toneladas, o que vai significar uma perda irreversível para os produtores. A estiagem prolongada já afetou mais de 10% da produção de todo Estado.

Conforme relatório da equipe técnica da Aprosoja-MT, a safra deste ano será de aproximadamente 36 milhões de toneladas de milho, que é abaixo do volume esperado em razão de um menor volume de chuvas. Algumas lavouras estão até 50 dias sem chuva significativa ou com um volume abaixo de 10 milímetros (mm). 

Veja Também:  Produtores de Cachaça se mobilizam para a produção e doação de mais de 70 mil litros de álcool etílico hidratado a 70% para colaborar no combate ao COVID-19

“O produtor rural é o maior prejudicado com esses números, porque toda previsão da colheita mexe com o mercado, com o custo de produção e as questões contratuais. Não podemos prever as questões climáticas, por isso a safra só se confirma após o trabalho da colheita”, afirma Fernando Cadore, presidente da entidade. 

Os dados divulgados pela Aprosoja-MT foram coletados por meio de questionário com os produtores associados de todo Estado e que já confirmaram perdas irreversíveis principalmente nas regiões oeste e sul. 

“Nosso trabalho em campo abrangeu centenas de produtores associados que nortearam nosso questionário confirmando as estimativas negativas para esta safra devido à seca”, finaliza Cadore. 

Confira os dias de seca por região:

Fonte: Rose Domingues/Rosangela Milles

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA

Comentários Facebook
Propaganda

Agronegócio

ALGODÃO/CEPEA: Valor externo cai e pressiona cotações no BR

Publicados

em

Por

Cepea, 29/6/2022 – Os preços do algodão em pluma estão em queda nos mercados externo e interno. O cenário inflacionário e as perspectivas de recessão econômica mundial e de redução na demanda global, sobretudo por parte da China, são alguns dos fatores que exerceram pressão sobre os valores internacionais e, consequentemente, domésticos. No Brasil, as cotações, que já estavam enfraquecidas, operam atualmente nos patamares observados no início deste ano. Parte dos vendedores segue mais flexível em suas pedidas, mas, ainda assim, alguns compradores ofertam valores ainda menores, limitando a liquidez. A demanda, por sua vez, está enfraquecida. Segundo pesquisadores do Cepea, muitos compradores estão atentos aos avanços da colheita e do beneficiamento, que têm elevado o número de lotes da safra nova disponibilizados no spot, e, com isso, têm expectativa de conseguirem negócios a preços inferiores. Entre 21 e 28 de junho, o Indicador CEPEA/ESALQ, com pagamento 8 dias, caiu 12,7%, fechando a R$ 6,4822/lp nessa terça-feira, 28, o menor valor desde o dia 5 de janeiro de 2022 (R$ 6,4446/lp). Na parcial de junho, a baixa é de expressivos 20,3%. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Veja Também:  Produtores de Cachaça se mobilizam para a produção e doação de mais de 70 mil litros de álcool etílico hidratado a 70% para colaborar no combate ao COVID-19

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

CAFÉ/CEPEA: Colheita avança, mas volume disponível e liquidez seguem baixos

Publicados

em

Por

Cepea, 29/6/2022 – A colheita da safra 2022/23 de arábica está ganhando ritmo, porém, a quantidade de café novo a chegar no mercado nacional segue limitada, com o volume de negócios sendo fechados no spot está abaixo do esperado para a época. Os fechamentos para entregas futuras também estão lentos, uma vez que a maior parte dos cafeicultores está cautelosa, devido às incertezas em relação ao clima no Brasil e à oferta do grão. Colaboradores do Cepea seguem reportando dificuldades na contratação de mão de obra e aumento dos gastos com colhedores. Além disso, têm crescido as reclamações de quebra de rendimento na secagem dos grãos. Esse cenário reforça as preocupações em relação aos custos de produção desta temporada, que já vinham sendo impulsionados pela elevação dos preços dos insumos e combustível. Para o robusta, a colheita avança gradualmente. Cafeicultores também continuam relatando problemas na contratação de mão de obra. Colaboradores do Cepea alegam que, nos locais onde a colheita é predominantemente manual, cafés estão secando nos pés, em decorrência da falta de trabalhadores, fator que pode influenciar no volume final da produção. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Veja Também:  Aprosoja-MT destaca importância da lei que institui identificação digital em Mato Grosso

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana