“Esse é um projeto importantíssimo, tendo em vista que a cultura da violência contra a mulher é algo muitas vezes enraizado. Isso faz com que o próprio indivíduo, desde muito cedo, acredite que tem o poder de definir o que é e o que não é violência. A educação pode mudar esse cenário”, defendeu Emanuel Pinheiro Neto.

A proposta foi elaborada a quatro mãos com estudantes do 7º ano de Mato Grosso e coordenada pelo Juiz Jamilson Haddad. O projeto, caso sancionado, criará a Semana de Combate à Violência Contra a Mulher.

Alunos 7º ano do Colégio Notre Dame de Lourdes e equipe, Juiz Jamilson Haddad e Dep. Emanuel Pinheiro Neto

O Brasil ocupa hoje o 5º lugar no ranking de feminicídio e violência contra a mulher. Por outro lado, também é a nação considerada mais avançada em legislação de proteção e defesa da mulher. É com base nessa contradição, que o parlamentar defende que a educação é uma das únicas maneiras de conscientizar e mudar posturas violentas.

“A educação é talvez uma das maneiras mais eficazes que temos de entrar na casa dos brasileiros. Informando, ensinando e mostrando que a violência contra a mulher está presente na realidade brasileira, ainda que muitos neguem. Acontece de diversas formas e atinge diferentes classes sociais, credos e grupos econômicos”.

MANDATO EM DEFESA DA MULHER

Emanuel Pinheiro Neto é membro da Comissão de Defesa da Mulher e desde o início do mandato, tem destinado parte das emendas para a causa, como a envio de R$1,5 milhões para construção da Casa da Mulher Brasileira, na capital Cuiabá.

“A Casa da Mulher Brasileira é um dos programas mais importantes do governo e felizmente conseguimos ajudar a capital a tirar o projeto do papel. Em breve, as mulheres, filhos e até os pets dessas famílias que passaram por violência poderão ser acolhidos, assistidos e ganhar uma nova oportunidade de vida na unidade de Cuiabá”, concluiu.

O projeto que muda a grade curricular dos alunos segue para aprovação no Senado Federal.

 

Veja Também:  Em 12 meses, 163 motoristas foram presos por embriaguez ao volante

Fonte: Assessoria