conecte-se conosco


Agronegócio

ARROZ/PERSPEC 2019: Com baixa rentabilidade, área e oferta devem cair e preços, se sustentar

Publicados

em

Clique aqui e confira o release completo em word.

 

Cepea, 17/01/2019 – O ano de 2018 não foi nada favorável para a cadeia produtiva do arroz. Mesmo com a queda de 2,1% na produção, com certa estabilidade na disponibilidade interna e redução de 5% nos estoques finais, os preços médios do ano passado ficaram menores que os de 2017, tanto em termos nominais quanto em termos reais (-7,5%). Segundo pesquisadores do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, este cenário de baixa nas cotações, mesmo com menores oferta e estoque, não eram observados desde 2010, período que exigiu intervenção governamental e aquecimento das exportações no ano seguinte.

 

A queda intensa especialmente no último trimestre de 2018 foi o que pressionou as cotações nesse ano, visto à dificuldade de elevação no consumo e, consequentemente, de beneficiamento de casca. 

 

No campo, a conta não fechou. Dados do Cepea apontaram que produtores até conseguiram arcar com os custos operacionais, mais ao se computar os custos totais, a receita não era suficiente para pagamentos de todos os valores econômicos envolvidos. Desta forma, produtores reduziram novamente a área com arroz em todas as regiões brasileiras.

 

Segundo dados da Conab, a área desta temporada deve ficar 6,9% inferior à do ano anterior, a 1,84 milhão de hectares. No Sul, que representa mais de 64% da área brasileira, a queda deve ser de 5,4% – no Rio Grande do Sul, especificamente, de 6%. Houve aumento no custo de produção para a temporada 2018/19, reflexo da desvalorização do Real frente ao dólar, que encareceu os insumos, e visto que parte da área foi preterida pela soja, com melhor rentabilidade.

Veja Também:  CAFÉ/CEPEA: Valores continuam caindo no BR, mantendo vendedores longe do spot

 

Por enquanto, é esperada produtividade em linha com a de 2018, a 6,14 t/ha, mas inferior aos recordes da temporada 2016/17. Assim, a oferta brasileira em 2018/19 deve ficar 6,6% inferior à temporada passada, a 11,27 milhões de toneladas de arroz em casca. A Conab estima que as importações entre mar/19 e fev/20 sejam de 1,2 milhão de toneladas. 

 

Para se obter a disponibilidade interna, adiciona-se também o estoque inicial em mar/19. Entretanto, seu volume depende do estoque final da temporada 2017/18 em fev/19. Até o momento, a Conab previa exportação de 1,4 milhão de toneladas entre mar/18 e fev/19, mas este volume já foi alcançado até dez/18. Assim, tudo indica que os estoques de passagem em feve/19 sejam um dos menores da história, reduzindo a disponibilidade interna ao menor nível em três anos.

 

Do lado do consumo, não se espera recuperação da demanda interna durante 2019. Entretanto, as exportações podem ser favorecidas novamente, puxadas especialmente pela taxa de câmbio e melhor dinâmica da procura por países africanos, importantes compradores de arroz do Brasil. Em 2018 os principais compradores de arroz do Brasil foram Venezuela, Senegal, Gambia, Peru, Nicarágua e Serra Leoa.

 

Para a taxa de câmbio, avaliando as negociações de contratos futuros na B3 entre 17 de dezembro de 2018 e 4 de janeiro de 2019, observa-se uma tendência de apreciação do Real em relação ao dólar ao longo dos dias. Entretanto, analisando as cotações médias do período para cada um dos meses de 2019, é visto taxa esperada entre R$ 3,86 (fev/19) e R$ 3,95 (dez/19). A expectativa de mercado, divulgada pelo Boletim Focus, é de taxa de câmbio de R$ 3,80 no final de 2019.

Veja Também:  SUÍNOS/CEPEA: Cotação do vivo no mercado independente é menor que no integrado

 

No agregado, portanto, pelo segundo ano consecutivo espera-se redução de produção, de disponibilidade interna e de estoque final (em fev/20) – vale ressaltar que desde 2001, duas variações negativas nessas variáveis só tinham sido observadas nas safras 2005/06 e 2006/07, mas com recuperação de preços. Assim, a expectativa é que as cotações internas de arroz se sustentem durante 2019. Entretanto, vale se atentar à sazonalidade normalmente esperada, de queda das cotações em período de safra e/ou de vencimento das dívidas de custeio.

 

Dados do USDA apontam que a produção mundial 2018/19 poderá ficar em 491,139 milhões de toneladas de arroz beneficiado, 0,79% menor que a da safra anterior, devido à colheita chinesa. Entretanto, o consumo está previsto para atingir 489,560 milhões de toneladas de arroz beneficiado, 1,4% maior que o período anterior, puxado especialmente pelo crescimento na Índia e Nigéria. O destaque está para o estoque mundial, com volume recorde de 163,2 milhões de toneladas de arroz beneficiado, 1% maior que o da safra 2017/18, mas com 70% desse volume em posse da China. A comercialização também poderá ser recorde, indo para 48,3 milhões de toneladas de arroz beneficiado, com maiores compras por vários países africanos, como Nigéria, Benin, Burkina – mas envolve apenas 9,9% do consumo mundial.

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações podem ser obtidas por meio da Comunicação do Cepea: (19) 3429 8836 / 8837 e [email protected]

Comentários Facebook
Propaganda

Agronegócio

Fungicida carbendazim é proibido pela Anvisa

Publicados

em

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta segunda-feira (08), por unanimidade, a proibição, em todo o país, do uso do fungicida carbendazim em produtos agrotóxicos. 

 Por ser largamente utilizado por agricultores brasileiros nas plantações de feijão, arroz, soja e de outros produtos agrícolas, a fim de evitar danos ao meio ambiente, devido à queima ou ao descarte inadequado, a eliminação do produto será realizada de forma gradual. Por outro lado, a importação, tanto do produto técnico como do formulado, será proibida de imediato, a partir da publicação da Resolução da Diretoria Colegiada (RDC). 

Para a produção, na versão formulada, a proibição começará a valer dentro do prazo de três meses, já para a comercialização, a proibição terá início no prazo de seis meses, contados a partir da publicação, que deverá ocorrer nos próximos dias. 

A Anvisa dará prazo de 12 meses para o início da proibição da exportação desses produtos

A determinação de suspensão do carbendazim já havia sido feita de forma cautelar no dia 21 de junho, durante reunião extraordinária da diretoria colegiada da Anvisa. Entre os argumentos para a proibição do produto está a suspeita de  de mutagenicidade, carcinogenicidade, toxicidade para o desenvolvimento e toxicidade reprodutiva.

Veja Também:  CAFÉ/CEPEA: Valores continuam caindo no BR, mantendo vendedores longe do spot

Apesar de estar entre os 20 agrotóxicos mais utilizados no Brasil, o carbendazim é proibido em países da Europa, na Austrália e nos Estados Unidos há muitos anos.

Fonte: AgroPlus

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Brasil negocia primeiro embarque de milho para a China

Publicados

em

Conforme fontes do governo, há a possibilidade de o Brasil embarcar o primeiro lote de milho para a China ainda neste ano. Inicialmente, a expectativa era de que o produto enviado para a China seria o da safra 2022/2023, porém os chineses precisam do milho antes. 

No entanto, para que isso ocorra, o Brasil precisará atender os requisitos de ordem técnica exigidos pela China. Conforme um interlocutor que acompanhou a negociação, o que definirá se o milho embarcado será o desta safra ou da próxima é o cumprimento dos requisitos.

Em virtude da sua necessidade pelos grãos, a China concordou com a antecipação dos embarques da safra 2022/2023 para o milho produzido em 2021/2022, abrindo mão do monitoramento de eventuais pragas, que possam ter acometido as lavouras do cereal. Em reunião para apresentar os protocolos de exportação à China, nesta sexta-feira (05), o governo sinalizou que os primeiros embarques de milho poderiam ser realizados ainda neste ano e que o governo chinês já teria emitido licenças para as empresas brasileiras exportarem milho. 

Veja Também:  Cervejas ganham instrução normativa que define regras de qualidade

Diante disso, as empresas brasileiras têm até o dia 19 deste mês para manifestar interesse em exportar o cereal para a China junto ao ministério da Agricultura, que fará a avaliação das unidades e então concederá a habilitação.

Segundo o informe do governo da China, esta safra não precisará cumprir todas as exigências de controle das 18 pragas quarentenárias indicadas no protocolo, porém, para a próxima,o cumprimento já será obrigatório. 

 A antecipação da China pelos embarques de milho ocorre devido a preocupação, cada vez maior, em garantir o abastecimento para a produção de carne suína, de aves e de ovos. 

Fonte: AgroPlus

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana