conecte-se conosco


Economia

Bolsonaro e Guedes dão posse a Roberto Campos Neto, novo presidente do BC

Publicados

em


Bolsonaro e Paulo Guedes deram posse a Roberto Campos Neto, novo presidente do Banco Central
Marcos Corrêa/PR

Bolsonaro e Paulo Guedes deram posse a Roberto Campos Neto, novo presidente do Banco Central

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), deu posse a Roberto Campos Neto, novo presidente do Banco Central (BC), que foi sabatinado e aprovado pelo Senado Federal nesta terça-feira (26)
. Também participou do evento nesta quinta-feira (28) o ministro da Economia, Paulo Guedes, quem indicou o nome ao posto.

Fechada à imprensa, a assinatura do termo de posse ocorreu no Palácio do Planalto, em Brasília. Roberto Campos Neto, como presidente do Banco Central
, tem status de ministro, e substituirá Ilan Goldfajn, líder da instituição durante o governo do ex-presidente Michel Temer (MDB). Segundo o BC, a transmissão do cargo será realizada após o feriado de carnaval.

Antes de ser aprovado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e pelo plenário, o economista foi sabatinado por senadores. Na oportunidade, ele defendeu a redução do tamanho do Estado brasileiro, a autonomia do Banco Central
e avaliou o sistema bancário do País, comparando-o com o de outros países e concluindo que, no Brasil, não há mais concentração do que em outras economias desenvolvidas.

Aprovado por unanimidade no CAE, Campos Neto também teve 55 votos favoráveis no plenário, sendo somente seis contrários e apenas uma abstenção. Liberal economicamente, falou em seu discurso inicial ao Senado que é “hora de fazer mais com menos recursos”.

Veja Também:  EUA enfim suspendem voos com modelo de aeronave que caiu na Etiópia

“É necessário eficiência, transparência, prestação de contas e mensuração de impacto quanto ao uso de recursos públicos. E, talvez mais importante que isso, é necessário que o Estado abra espaço para a atividade privada, saindo de cena, ou reduzindo drasticamente sua atuação, em diversas áreas”, disse.

Leia também: PIB brasileiro cresce 1,1% em 2018 e revela recuperação lenta; entenda

O Banco Central tem como algumas de suas atribuições fiscalizar e autorizar o funcionamento de instituições financeiras, estabelecer as condições para o exercício de quaisquer cargos de direção nas instituições financeiras no País, vigiar a interferência de outras empresas nos mercados financeiros e de capitais e cuidar da política cambial, por meio de intervenções no mercado. Campos Neto é defensor de um estado reduzido, e, portanto, pouco interventor.

Quem é o novo presidente do Banco Central


Campos Neto, presidente do Banco Central, é economista e formado na Califórnia
Pedro França/Agência Senado – 26.2.19

Campos Neto, presidente do Banco Central, é economista e formado na Califórnia

Neto do também economista Roberto Campos, que foi um dos grandes expoentes do pensamento liberal no Brasil e ocupou, entre outros cargos, o Ministério do Planejamento e Coordenação Econômica no governo de Castelo Branco, durante a ditadura militar, o novo mandatário do BC cita o avô e fala em entender a nova realidade econômica brasileira, mas preservando o caráter liberal de sua família, que o acompanha.

Veja Também:  “Se a gente quisesse estar atrapalhando o governo, era fácil”, afirma Maia

Roberto Campos Neto
foi indicado para a presidência do BC por Paulo Guedes
 em novembro do ano passado, após a vitória de Bolsonaro no pleito presidencial. Antes mesmo de ter seu nome aprovado, ele já havia participado da posse de Bolsonaro, em 1º de janeiro, e das reuniões com ministros do conselho de governo.

Formado em Economia pela Universidade da Califórnia, com especialização em Economia com ênfase em Finanças, também pela Universidade da Califórnia, em Los Angeles, Campos Neto tem 49 anos e trabalhou no Banco Bozano Simonsen de 1996 a 1999, onde ocupou os cargos de Operador de Derivativos de Juros e Câmbio (1996), Operador de Dívida Externa (1997), Operador da área de Bolsa de Valores (1998) e Executivo da Área de Renda Fixa Internacional (1999).

O novo presidente do Banco Central
 construiu sua carreira como operador financeiro e estava no Santander Brasil antes de aceitar o convite de assumir a instituição.

Comentários Facebook
Propaganda

Economia

Sicredi entrega R$ 4,9 bilhões de Valor Agregado à Sociedade em 2020

Publicados

em

Cifra inclui Resultados, economia com taxas e projetos locais em todo o País. Atuação das cooperativas visa o desenvolvimento local e a melhoria da qualidade de vida dos associados

Com 119 anos de história no Brasil, o Sicredi – primeira instituição financeira cooperativa do País – tem como missão promover o desenvolvimento local e melhorar a qualidade de vida das pessoas, uma consequência das soluções financeiras oferecidas aos associados e das ações sociais junto às comunidades. Esses dois pontos passaram a ser mensurados e em 2020 o Sicredi entregou nada menos que R$ 4,9 bilhões de Valor Agregado à Sociedade brasileira, o que demonstra e comprova o seu real interesse pelas comunidades.

Em grande parte das regiões Centro-Oeste e Norte, especificamente nos estados de Mato Grosso, Pará, Rondônia, Acre e Amazonas, o montante agregado chegou a R$ 1,163 bilhão. Esse valor é a soma dos Resultados (lucro das cooperativas) – de R$ 643,9 milhões, parte deles distribuídos aos associados – e da remuneração sobre o capital; da economia com taxas obtidas pelos associados nas operações realizadas na instituição financeira se comparada à taxa média de mercado, de R$ 533 milhões; e dos projetos locais (patrocínios, Fundo Social e Programa A União Faz a Vida) desenvolvidos nos municípios, de R$ 10,2 milhões.

“Está no nosso DNA ajudar as pessoas e os negócios a prosperarem. Seja na cidade ou no campo, estamos ao lado dos nossos associados para o seu desenvolvimento. Nossa atuação vai além das nossas agências. Realizamos diversos projetos junto à comunidade para que as pessoas conheçam a força da cooperação, seja em ações nas escolas, na educação financeira, no patrocínio ao esporte, ou no apoio a projetos sociais”, explica o presidente da Central Sicredi Centro Norte, João Spenthof.

Crescimento na adversidade

No último ano, marcado pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19), que transformou a maneira como as pessoas trabalham, estudam, consomem e se relacionam, o Sicredi mais uma vez mostrou como o cooperativismo de crédito atua em prol de seus cooperados, sejam eles pessoa física, empresas ou produtores rurais, e os apoiou no momento que eles mais precisaram.

A carteira de crédito rural e empresarial em parte dos estados das regiões Centro-Oeste e Norte (MT, PA, RO, AC, AM) chegou a R$ 16,2 bilhões, um crescimento surpreendente de 33,1% sobre o ano anterior. Para auxiliar os associados a enfrentarem as mudanças provocadas pela Covid-19 nos negócios, o Sicredi lançou mão de linhas emergenciais. Entre elas se destacaram o Pronampe, seguida por PEAC/FGI (Programa Emergencial de Acesso a Crédito na modalidade de garantia), FCO e FNO Emergencial, além do PESE – Folha de Pagamento. “Estivemos atentos a todos os movimentos do mercado e buscamos as soluções, oferecendo-as aos associados conforme suas necessidades na pandemia”, complementa o diretor executivo da Central Sicredi Centro Norte, Seneri Paludo.

“Os associados que em algum momento precisaram investir nos seus empreendimentos, seja para ajustar o modelo do negócio, para implantar um novo sistema e melhorar a gestão, ou para liquidar compromissos, encontraram no Sicredi as melhores condições”, afirma Paludo.

Ainda para o segmento empresarial, o Sicredi desenvolveu projetos como o Prospera MEI e o Sicredi Conecta. Em parceria com o Sebrae MT, o Prospera MEI tem duração de um ano – até novembro de 2021 – e vai capacitar 1.600 microempreendedores individuais para o crescimento do negócio, com treinamentos nas áreas de finanças, marketing, vendas, planejamento estratégico e de pessoas, de forma individualizada, conforme a necessidade de cada empreendimento. Por meio do Sicredi Conecta, um aplicativo para comprar e vender produtos e serviços, os associados puderam fechar negócios à distância usando o celular ou tablet. Mais de 12 mil usuários fizeram publicações para divulgar sua empresa.

A força do campo – Importante instituição financeira para o segmento rural, em 2020 o agronegócio teve o apoio do Sicredi. A concessão de crédito chegou a R$ 5,1 bilhões nos estados de MT, PA, RO, AC e AM, crescimento de 34,2% sobre 2019, o que fez do Sicredi a 2ª maior instituição financeira do Brasil em liberação de crédito rural, beneficiando pequenos, médios e grandes produtores em mais de 15,4 mil operações realizadas apenas nessa região.

Perspectivas e experiência

Para este ano, em que a pandemia ainda gera insegurança, o Sicredi se mantém presente e firme no seu propósito. Com uma atuação chamada de “fisital”, disponibiliza ao menos duas formas de atendimento aos associados. Presente fisicamente, são mais de 2 mil agências no país, sendo mais de 200 distribuídas por 154 cidades dos cinco estados das regiões Centro-Oeste e Norte, onde em 42 delas é a única instituição financeira presente.

Digitalmente, o atendimento ocorre nos canais digitais como site, aplicativo e WhatsApp (51 3358 4770), muito utilizados durante a pandemia por oferecer segurança, comodidade e conveniência aos associados para realização de diferentes operações. A pandemia também deu mais visibilidade ao Woop Sicredi, conta digital lançada em junho de 2018 como parte do processo de digitalização da instituição financeira cooperativa, em que as pessoas podem abrir uma conta, se tornar associado e usufruir de todos os benefícios do cooperativismo de crédito.

O avanço da digitalização não freia os planos do Sicredi de expansão e de chegar a mais pessoas. Em setembro do ano passado foi aberta a primeira agência no Amazonas, na capital Manaus. Este ano inaugurou agência no Amapá, em Macapá, e tem planejada a abertura de agências em de Roraima, quando consolidará sua atuação em 25 estados e no Distrito Federal.

Reconhecimento

Atualmente são mais de 5 milhões de associados em todo o País, e mais de 600 mil nos estados de MT, PA, RO, AC e AM. A instituição financeira cooperativa coleciona vários reconhecimentos, como ser uma das Melhores Empresas para Trabalhar, e outros importantes na área financeira, com ratings das principais agências de classificação de risco mundiais: Fitch (AA), Moody´s (Aa2) e Standard & Poor´s (AAA), além da classificação como “Forte” da Fitch em relação à Asset do Sicredi.

O mais recente reconhecimento foi a conquista da 7ª posição do país no ranking World’s Best Banks 2021, elaborado pela Forbes em parceria com a empresa de estatísticas Statista. No total, 500 bancos foram listados globalmente na publicação. A pesquisa, de caráter popular, levou em conta a opinião de 43 mil respondentes, de 28 países diferentes e avaliou as instituições com base satisfação geral e recomendação, a partir dos elementos confiança, termos e condições, atendimento ao cliente, serviços digitais e consultoria financeira.

 

Sobre o Sicredi

 

O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 24 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br).

 

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

Facebook | Instagram | Twitter | LinkedIn | YouTube

 

O Sicredi Centro Norte, que abrange os estados de Mato Grosso, Pará, Rondônia, cre e Amazonas, tem mais de 600 mil associados, com 202 agências em 154 municípios.

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA SICREDI CENTRO NORTE

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres – MT 

Comentários Facebook
Veja Também:  Bolsonaro assina projeto que prevê autonomia do Banco Central, meta dos 100 dias
Continue lendo

Economia

Guias de Recolhimento da União já podem ser pagas por PIX

Publicados

em

Tesouro Nacional e Serpro lançam plataforma digital que permite a compensação imediata dos pagamentos, impulsionando a transformação digital do país

PIX

A partir do dia, 16, o Governo Federal começa a adotar o PIX, o novo meio de pagamento eletrônico que permite transferências instantâneas e sem limitação de horários. A Guia de Recolhimento da União – GRU é o primeiro documento que já pode ser pago com a tecnologia, resultado de um projeto do Tesouro Nacional desenvolvido pelo Serpro, empresa de inteligência em TI do Governo Federal.

As GRUs são utilizadas para pagamento de taxas, como custas judiciais e emissão de passaportes, multas, aluguéis de imóveis públicos, pagamento de serviços educacionais – inscrições para concursos públicos e vestibular em universidades federais além de inúmeros outros serviços públicos,. Só no ano de 2019, foram pagas cerca de 37 milhões de GRUs em todo país, um ingresso de cerca de R$ 120 bilhões aos cofres públicos.

“É um avanço bastante significativo para a vida das pessoas. Um processo em construção que tende a ser ampliado. É muito importante avançar no contexto tecnológico e desburocratizar a economia”, afirmou o secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal.

Para o presidente do Serpro, Gileno Barreto, essa solução é mais uma iniciativa para impulsionar a transformação digital do Brasil e vai ao encontro dos objetivos do Governo Federal de desburocratizar os serviços para o cidadão. “É a evolução do pagamento da GRU para facilitar o acesso do cidadão a serviços de governo. O projeto será expandido futuramente também para o pagamento do Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF)”, revelou.

Benefício ao cidadão

Como a tecnologia do PIX permite o pagamento instantâneo, o cidadão que pagar pelo serviço público  usando o novo meio eletrônico pode usufrui-lo na hora. “Ao efetuar o pagamento, o cidadão já pode ter o serviço de um órgão público disponível imediatamente. Sem a nova tecnologia, é preciso aguardar até três dias para o valor ser compensar na conta da União, obrigando a pessoa a esperar esse tempo para usufruir do serviço público. Mas com o PIX, tudo é instantâneo”, destacou o gerente do Serpro do Departamento de Negócio Soluções para Gestão de Finanças, Alexandre Magno.

PagTesouro

Para permitir o pagamento da GRU via PIX, o órgão ou entidade pública federal deve fazer parte do PagTesouro. Com a solução, o governo pode verificar, em tempo real, o efetivo recolhimento da taxa e o cidadão consegue a compensação imediata dos pagamentos. “Até agora, o único meio de pagamento no PagTesouro era o de débito automático para correntistas do Banco do Brasil. Com o PIX, há uma democratização, já que passamos a permitir a quitação para 762 empresas entre bancos, fintechs, serviços de pagamentos, cooperativas de crédito e afins”, explica o consultor de negócios responsável pelo projeto no Serpro, Nelson Santos.

O PagTesouro fica integrado aos ambientes virtuais dos órgãos que fazem parte do sistema. O usuário simplesmente percebe que surgiu a opção “pagamento por PIX” no ambiente que gera a GRU. Por enquanto, essa forma de pagamento é possível apenas para as GRUs emitidas por três órgãos: Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e a Secretaria de Aquicultura e Pesca  (SAP/MAPA). “Na medida em que os contribuintes passarem a utilizar o PIX no seu cotidiano, a tendência é que o governo ofereça essa facilidade para o pagamento de todos os serviços públicos, o que deve aumentar significativamente o número de usuários do PagTesouro”, avalia Nelson Santos.

Comentários Facebook
Veja Também:  Governo de SP estuda privatização da Sabesp; Meirelles fala em “consenso”
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

"2021" QUAIS SÃO AS SUAS EXPECTATIVAS PARA ESTE ANO QUE SE INICIA

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana