conecte-se conosco


Agronegócio

CAFÉ/CEPEA: Arábica fecha abaixo dos R$ 400/sc

Publicados

em

Cepea, 27/02/2019 – Nessa terça-feira, 26, o Indicador CEPEA/ESALQ do tipo 6, bebida dura para melhor, posto na capital paulista, fechou a R$ 396,32/saca de 60 kg, o menor fechamento diário desde 23 de julho de 2014. Na parcial de fevereiro (de 31 de janeiro a 26 de fevereiro), o Indicador recuou fortes 4,53%. Segundo pesquisadores do Cepea, de modo geral, as baixas estão atreladas à perspectiva de um novo volume satisfatório na safra 2019/20 no Brasil, mesmo em bienalidade negativa. Quanto à nova temporada, as condições dos cafezais têm sido favorecidas por chuvas registradas na maior parte das regiões de arábica e robusta no Brasil. Segundo dados do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), na parcial de fevereiro (até o dia 24), as chuvas ultrapassavam 80 mm em todas as regiões de arábica – na estação de Franca (SP), na Mogiana, o acumulado foi de 194 mm no período. Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br

Comentários Facebook
Veja Também:  CITROS/CEPEA: Com menor disponibilidade, preço da laranja pera sobe
Propaganda

Agronegócio

CITROS/CEPEA: Geada atinge pomares de SP e aumenta preocupação de agentes

Publicados

em


Cepea, 23/7/2021 – O frio intenso observado no estado de São Paulo no início desta semana atingiu os pomares do cinturão citrícola, com registros de geadas em algumas áreas. Segundo colaboradores do Cepea, este cenário aumentou as preocupações de agentes quanto à produção de laranjas na temporada atual e ao vigor das plantas para a próxima safra, visto que as árvores estão próximas do período de indução floral e já debilitadas por conta do menor regime hídrico dos últimos dois anos. Considerando-se a safra atual (2021/22), a qualidade das laranjas que estão nos pés deve diminuir – algumas das frutas que foram afetadas pelas geadas do fim de junho/início de julho já apresentam o interior seco e cristalizado. Além disso, algumas áreas tiveram quedas de frutos. Para a próxima temporada (2022/23), as árvores mais novas (em fase de brotação) devem ser as mais afetadas, assim como aquelas com maior incidência de greening. Quanto à tangerina poncã, não há previsão de impactos significativos no volume do estado de SP, já que a colheita está praticamente finalizada. Por outro lado, em Minas Gerais, onde ainda há maiores volumes para serem colhidos, pode haver impacto negativo na qualidade das frutas. No caso da lima ácida tahiti, as preocupações são ainda maiores, visto que a fruta é bastante sensível a oscilações climáticas. Além disso, há áreas de lima ácida tahiti em diferentes estágios de desenvolvimento, inclusive com pomares em flor. Segundo colaboradores do Cepea, o frio intenso derrubou alguns frutos pequenos, brotamentos e flores. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Veja Também:  ALFACE/CEPEA: Rompimento de barragem ainda afeta produção em MG
Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

FRANGO/CEPEA: Consecutivas valorizações reduzem competitividade da carne em julho

Publicados

em


Cepea, 23/7/2021 – As consecutivas elevações nos preços da carne de frango estão na contramão do movimento observado para as duas principais proteínas concorrentes, bovina e suína, que têm se desvalorizado em julho, reduzindo a competitividade da carne de frango na parcial do mês. Segundo pesquisadores do Cepea, a boa liquidez do frango no mercado doméstico tem se dado justamente pela competitividade da proteína, a mais em conta das três alternativas, se favorecendo, portanto, do poder de compra reduzido da população brasileira nos últimos meses. Mesmo com o recuo das vendas na comparação com as concorrentes, agentes do setor da avicultura de corte indicam que os negócios ainda estão aquecidos, apesar do período de segunda quinzena do mês. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Veja Também:  SUÍNOS/CEPEA: China, Hong Kong e Rússia impulsionam exportações
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

"2021" QUAIS SÃO AS SUAS EXPECTATIVAS PARA ESTE ANO QUE SE INICIA

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana