conecte-se conosco


Política Nacional

Caso Queiroz e ministra Damares inspiram fantasias em bloco de rua no Carnaval

Publicados

em


Bloco de Carnaval no Rio de Janeiro tem referências a caso Queiroz, Damares e Michelle Bolsonaro
Reprodução/Twitter

Bloco de Carnaval no Rio de Janeiro tem referências a caso Queiroz, Damares e Michelle Bolsonaro

As investigações envolvendo as  movimentações financeiras realizadas pelo ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL), Fabrício Queiroz
, viraram fantasias entre os foliões nos blocos de Carnaval. Além do caso Queiroz, as declarações polêmicas da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, e a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, também foram personagens da festa de rua em Santa Teresa, no Rio de Janeiro.

Em imagem compartilhada pelo ex-deputado do PSOL Chico Alencar, é possível ver referências aos processos do caso Queiroz
, às supostas candidatas laranjas usadas pelo PSL durante a campanha eleitoral e às declarações feitas por Damares
em que dizia que “viu Jesus se aproximando do pé de goiabas” e que “menino veste azul e menina veste rosa!”.

Junto com a foto, Alencar ainda ironizou os casos envolvendo o governo Bolsonaro: “Com tanta notícia triste, ainda não me animei a ir (a pé!) ao Carmelitas, no meu bairro de Santa Teresa, Rio. Mas já soube que o ‘véu’ de ‘padres’ e ‘padras’, ‘freiras’ e ‘freiros’ da bateria é rosa e azul, tudo misturado, indiscriminado. Carnavalizemos as idiotices do poder!”.

Veja Também:  Proposta muda CLT e impede parcelamento de férias

A postagem foi compartilhada pelos internautas e dividiu opiniões entre aqueles que acharam as fantasias bem-humoradas e as denominaram de “dossiês da família Bolsonaro” e aqueles que criticaram a escolha e relembraram fantasias envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a Operação Lava Jato, que condenou o petista já em dois processos.

Leia também: Defesa de Lula cria “teoria da conspiração” ao contestar sentença, diz Lava Jato

Caso Queiroz


Fabrício Queiroz foi assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro durante seu trabalho na Alerj
Reprodução

Fabrício Queiroz foi assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro durante seu trabalho na Alerj

As investigações começaram quando o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificou transferências bancárias e depósitos feitos por oitos funcionários que prestavam serviço a Flávio Bolsonaro
na Assembleia Legislativa (Alerj).

Os valores suspeitos identificados giravam em torno de R$ 1,2 milhão – entre os quais, uma compensação de um cheque de R$ 24 mil pago à primeira-dama. O ex-assessor parlamentar não explicou, porém, porque recebeu os depósitos de outros assessores e ex-funcionários do gabinete de Flávio Bolsonaro em sua conta e nem a origem do dinheiro. Limitou-se a dizer que vai esclarecer o assunto ao Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ).

Veja Também:  Projeto permite adaptação de outorgas de TV por assinatura para TV aberta

No dia 16 de janeiro, Flávio Bolsonaro pediu a suspensão das investigações sobre o caso Queiroz
, porém, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, que é o relator do caso, negou o requerimento
.

Comentários Facebook
Propaganda

Política Nacional

Investigação da Operação Acesso Pago é enviada ao STF

Publicados

em

Por

O juiz Renato Borelli, da 15ª Vara Federal do Distrito Federal, decidiu enviar a investigação da Operação Acesso Pago para o Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com decisão proferida ontem (23) pelo magistrado, há a presença de “ocupante de cargo com prerrogativa de foro” e o caso não poderá continuar na primeira instância da Justiça. 

Com a decisão, a ministra Cármen Lúcia deverá analisar se a investigação prosseguirá no Supremo ou haverá o fatiamento do inquérito entre a Corte e a vara federal. 

Antes de chegar à primeira instância, a investigação começou a tramitar no Supremo, mas foi enviada ao juiz Borelli após o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro deixar o cargo. 

A operação foi deflagrada na quarta-feira (22) para apurar o suposto trafico de influência e corrupção na liberação de recursos públicos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), órgão vinculado ao Ministério da Educação (MEC).

Na operação, além de Milton Ribeiro, foram presos os pastores Arilton Moura e Gilmar Santos e mais dois suspeitos. Ontem, todos foram soltos por determinação do desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), que concedeu um habeas corpus a pedido da defesa. 

Veja Também:  Ministro de Minas e Energia volta a defender privatização da Petrobras

Defesa 

Em nota, a defesa de Milton Ribeiro declarou que recebeu com surpresa a decisão que enviou a investigação para o STF e afirmou que a medida poderá tornar as decisões da investigação nulas. 

“O advogado Daniel Bialski, que patrocina a defesa do ex-ministro Milton Ribeiro, esclarece que recebeu com surpresa a decisão judicial de remessa dos autos da investigação contra seu cliente novamente para o Supremo Tribunal Federal. 

Observando o áudio citado na decisão, causa espécie que se esteja fazendo menção a gravações/mensagens envolvendo autoridade com foro privilegiado, ocorridas antes da deflagração da operação. Se assim o era, não haveria competência do juiz de primeiro grau para analisar o pedido feito pela autoridade policial e, consequentemente, decretar a prisão preventiva.

A defesa ainda analisará tudo e o todo que foi anexado aos autos, se lhe for franqueada vista da íntegra da documentação. Todavia, se realmente esse fato se comprovar, atos e decisões tomadas são nulos por absoluta incompetência e somente reforça a avaliação de que estamos diante de ativismo judicial e, quiçá, abuso de autoridade, o que precisará também ser objeto de acurada análise”, diz o comunicado. 

Veja Também:  Sergio Moro desiste de candidatura à Presidência

Edição: Claudia Felczak

Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Bezerra apresenta na segunda proposta para compensar aumento do diesel

Publicados

em

Por

O Senado corre contra o tempo para conseguir aprovar, antes do recesso parlamentar de julho, uma proposta que diminua os impactos para a população do aumento dos combustíveis.

Nesta sexta-feira (24), o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), relator da proposta de emenda à Constituição 16/22 que tem esse objetivo, disse que pretende apresentar seu relatório aos colegas já na tarde da próxima segunda-feira (27). A intenção é tentar votar o texto na Casa na semana que vem e enviá-lo à Câmara dos Deputados.

Nova proposta

Sem o apoio dos governadores de estado, em entrevista à imprensa na manhã de hoje, Bezerra disse que o Senado vai abandonar a proposta inicial da PEC de compensar a redução do ICMS sobre o diesel. O emedebista acrescentou ainda que, para “evitar brigas” com os chefes dos executivos estaduais, zerar o ICMS do gás de cozinha também não está mais em discussão.

O relatório que será apresentado na semana que vem trará quatro novas medidas. Todas elas com validade apenas até de 31 de dezembro de 2022. Uma das propostas prevê a ampliação do Auxílio Gás. A ideia é que a iniciativa, que vai custar ao governo R$ 1,5 bilhão, permita que os beneficiados recebam o valor equivalente ao valor de um botijão de gás a cada dois meses. A justificativa da medida é minimizar o impacto do preço de GLP às famílias mais pobres.

Veja Também:  Presidente promove encontro com deputados em apoio a Daniel Silveira

A segunda é a concessão de um voucher no valor de R$ 1 mil para transportadores autônomos de carga. Estimada em R$ 5,4 bilhões a ajuda vai atender cerca de 900 mil caminhoneiros que têm sofrido com elevação do preço do diesel. Eles devem receber cinco parcelas da ajuda. Bezerra adiantou que, embora outras categorias como taxistas e motoristas de aplicativo também reclamem um auxílio semelhante, é consenso entre os parlamentares de que o foco, neste momento, deve ser no transporte de carga e no transporte público “que têm efeitos mais imediatos em diversas cadeias de produção”.

Em relação ao transporte público de passageiros, o texto que será apresentado trará compensação às empresas pela gratuidade para idosos, prevista no Estatuto do Idoso. Nesse caso, o custo seria de R$ 2,5 bilhões. A intenção é aliviar o sistema também prejudicado pela elevação do preço do diesel.

A última medida que estará no texto de Bezerra Coelho é a elevação em R$ 200, em caráter emergencial, do Auxílio Brasil. Nesse caso, até o fim deste ano, o custo será de R$ 21,6 bilhões. A justificativa para o aumento do auxílio, segundo o senador, é a exacerbação do quadro inflacionário brasileiro e a inflação de dois dígitos que tem consumido a renda dos mais pobres.

Legislação eleitoral

Com exceção do voucher aos caminheiros que, segundo o relator, as consultorias jurídicas do Senado e do governo ainda estão debruçadas para viabilizar e evitar problemas com a legislação eleitoral, os demais benefícios já existem e, segundo ele, não estariam sujeitos a questionamento jurídico. No caso dos caminheiros, a estratégia é tentar um reconhecimento de um estado de emergência, tendo em vista que o transporte de cargas no Brasil é feito quase todo pelo modelo rodoviário.

Veja Também:  Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 130 milhões

Impacto total

Com um impacto total de R$ 34,8 bilhões, ou seja, R$ 5 bilhões a mais que o montante previsto originalmente de R$ 29,6 bilhões, Bezerra disse que esse é um pacote, de iniciativa do Senado, que está sendo discutido com o governo. Sem deixar claro se a equipe econômica está de acordo com os novos valores, o senador disse que há um cuidado para que o impacto não fique muito diferente do já previsto pelo governo.

Lastro

Perguntado se o relatório vai detalhar de onde virão os recursos para custear os benefícios, Bezerra disse que os senadores vão propor a abertura de créditos extraordinários.

Segundo ele, caberá ao governo federal analisar se eles serão necessários uma vez que o Congresso vai flexibilizar o texto de gastos públicos em R$ 34,8 bilhões. O relator acrescentou que, assim como os estados, a União está com “uma arrecadação extraordinária” este ano. Para ele, o governo vai ter lastro para custear as medidas, sem aumentar a dívida pública.

Edição: Lílian Beraldo

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana