conecte-se conosco


Agronegócio

CENOURA/CEPEA: Com maior produtividade, oferta elevada segue pressionando valores

Publicados

em

Cepea, 21/7/2022 – As cotações da cenoura recuaram novamente na primeira quinzena de julho nas principais regiões produtoras: São Gotardo (MG) e Cristalina (GO). A “suja” foi comercializada na média de R$ 29,05/caixa de 29 kg no período, recuo de 15% frente à média do mês anterior. Segundo pesquisadores do Hortifruti/Cepea, a constante queda dos preços pode ser explicada pelo aumento da oferta, diante da maior produtividade da safra de inverno. O clima favoreceu o desenvolvimento das raízes em MG, e não há problemas com doenças. Já em GO, o frio atrapalhou o desenvolvimento das cenouras, prolongando o tempo de maturação, o que gerou uma curta janela de colheita, mas sem prejudicar expressivamente a disponibilidade. Outro fator que tem pressionado as cotações é a redução da procura, uma vez que a produção em outras regiões do País também se recuperou, influenciada pelo clima. Mesmo com os custos elevados e os preços em queda, a rentabilidade ao produtor segue positiva, apesar de estar bastante inferior à da primeira metade do ano. A expectativa é de que a oferta continue elevada nas próximas semanas, tanto pelo aumento da produção quanto pelo incremento das áreas de plantio de inverno, que têm maior produtividade. Fonte: Cepea/Hortifruti – www.hfbrasil.org.br

Veja Também:  Mercado de etanol mostra estabilidade em janeiro

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Propaganda

Agronegócio

Preços do açúcar caem no início de agosto

Publicados

em

Os preços do açúcar no mercado spot paulista começaram o mês de agosto com baixa. Com a safra 2022/2023 em andamento, algumas usinas do estado de São Paulo negociaram o cristal tipo Icumsa 180 a valores menores, devido à maior disponibilidade de oferta a pronta entrega.

Já para o tipo Icumsa 150 a oferta se manteve restrita e os preços seguiram firmes.

Dos dias 1º a 05 de agosto, a média do produto foi de R$ 129,75/saca de 50 kg, com queda de 0,78% em relação à da semana anterior. Apesar desse recuo, o mercado doméstico manteve vantagem sobre as exportações.

Fonte: AgroPlus

Comentários Facebook
Veja Também:  ARROZ/CEPEA: Negócios para exportação elevam liquidez no RS
Continue lendo

Agronegócio

IPCA registra deflação de 0,68% em julho

Publicados

em

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerando a inflação oficial do país, registrou queda de 0,68% em julho, após subir 0,67% em junho. Conforme os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) essa foi a primeira deflação mensal desde maio de 2020, com a menor taxa registrada desde o início da série histórica, em janeiro de 1980. 

O resultado levou o índice acumulado nos últimos 12 meses  a uma taxa de 10,07%, contra os 11,89% registrados no mês anterior, mas ainda superando com folga o teto da meta oficial para a inflação deste ano (-3,5%), com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos. As projeções eram de recuo de 0,65% no IPCA de julho.

A deflação em julho do IPCA teve como base, principalmente, o recuo dos preços dos combustíveis e energia. As variações negativas destes itens refletem a queda nos preços praticados nas refinarias da Petrobras e também a redução das alíquotas de ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre os setores de combustíveis, gás, energia, comunicações e transporte coletivo, aplicada a partir da lei sancionada no final de junho. 

Veja Também:  OVOS/CEPEA: Após quase um mês de estabilidade, preços registram alta

Com isso, os preços da gasolina caíram 15,48% e os do etanol recuaram 11,38%. Já o custo da energia residencial teve queda de 5,78% e o valor de gás de botijão recuou 0,36%. 

Além disso, dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, dois apresentaram deflação em julho, sendo eles o de Transporte e Habitação, com recuos nos preços  de 4,51% e 1,05%, respectivamente. Enquanto isso, outros sete grupos tiveram alta de preços, tendo a Alimentação e Bebidas registrado o maior aumento do mês, fechando em 1,30%, frente aos 0,80% em junho. A maior pressão veio do leite longa vida, que subiu 25,46%, e pelos derivados do leite como queijo, manteiga e leite condensado, que sofreram alta de 5,28%, 5,75% e 6,66%, respectivamente. 

Essa alta do produto teve forte influência do período de entressafra, que se estende mais ou menos de março até setembro/outubro, onde as pastagens estão mais secas, reduzindo a oferta de leite no mercado, além do fato dos custos de produção estarem elevados. 

Veja Também:  Mercado de etanol mostra estabilidade em janeiro

A alta do leite contribuiu especialmente para o resultado da alimentação no domicílio, que acelerou de 0,63% em junho para 1,47% em julho. 

Fonte: AgroPlus

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana