conecte-se conosco


Agronegócio

CEPEA: Escolaridade é o fator que mais influenciou positivamente o salário da mulher no agro

Publicados

em

Clique aqui e baixe o release completo em word!

Cepea, 07/03/2019 – Escolaridade foi o principal atributo a influenciar positivamente os rendimentos das mulheres que atuam no agronegócio. Este é um dos resultados apontados no terceiro e último volume do estudo “Mulheres no Agronegócio”, elaborado pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP (confira aqui as duas primeiras edições). De acordo com a pesquisa do Cepea, o aumento do nível de escolaridade das mulheres ocupadas no setor de 2004 a 2015 respondeu por cerca de 22% do aumento real observado nos rendimentos médios nesse mesmo período, que foi de 57%.

 

Apesar desse avanço, nota-se que o rendimento médio das mulheres que atuam no agronegócio ainda esteve por volta de 27% inferior ao de homens ocupados no mesmo setor, também quando considerado de 2004 a 2015. Já a diferença entre os rendimentos da força feminina que trabalha no agronegócio e da que está ocupada fora deste setor esteve em torno de 36-37%, com vantagem para as que atuam nos demais segmentos da economia. No período analisado, esses diferenciais mantiveram certa estabilidade.

 

Quais fatores que influenciaram os diferenciais nos rendimentos?

Entre as mulheres ocupadas no agronegócio, a diferença no rendimento médio está relacionada principalmente, à escolaridade, à idade e à região de atuação. No caso do primeiro item, o estudo identificou que, em 2014/15, o rendimento médio de mulheres ocupadas no agro e com 13 anos ou mais de estudo era 154,8% superior àquele recebido por mulheres sem instrução. No caso do fator regional, verifica-se que trabalhadoras do Sul do País obtiveram maior remuneração média mensal do que ocupadas em outras localidades, sobretudo no biênio 2014/15. Neste ponto, pesquisadores do Cepea indicam que há evidências de que este comportamento pode estar relacionado aos fatores históricos que balizaram a organização agrícola de forma diferente nos vários estados.

Veja Também:  SUÍNOS/CEPEA: Setor nacional está apreensivo com o conflito no leste europeu

 

Ao comparar os rendimentos médios observados entre homens e mulheres empregados no agronegócio, a pesquisa mostrou uma diferença, em termos absolutos, de R$ 149,04 em favor da mão de obra masculina em 2004/05 (ou de 27,39%) e de R$ 227,25 em 2014/15 (ou de 26,84%). Isso indica que, apesar de a mão de obra feminina apresentar, em média, atributos que justificariam a existência de um rendimento médio superior àqueles pagos aos homens do setor (tais como instrução, classificações na ocupação e regiões de domicílio), esta acaba por receber um salário inferior. Estes resultados trazem evidências da existência de uma prática adotada pelo mercado de trabalho em precificar atributos observáveis de maneira diferente, em virtude de o trabalhador ser do sexo masculino ou feminino, em favor do primeiro grupo.

 

Já quanto à diferença apresentada entre as mulheres no agro versus mulheres em outros setores, se deve principalmente ao fato de a força feminina que atua no agronegócio apresentar, em média, menor grau de instrução e também por ocupar atividades que pagam salários relativamente mais baixos. Além disso, muitas mulheres que atuam no agronegócio estão em regiões em que a média salarial é mais baixa (frente à de trabalhadoras de outros setores).

Veja Também:  Comodoro será o primeiro município da região Oeste a receber o Circuito Aprosoja

 

VOLUMES 1 E 2 – Nos volumes 1 e 2 do estudo, o Cepea reuniu dados recentes e evidências empíricas que demonstraram uma evolução positiva da participação da mulher na população ocupada no agronegócio (frente ao total de ocupados no setor), fato que esteve atrelado, principalmente, ao crescimento dos empregos de maior qualificação e para mulheres acima de 30 anos – indicando a ampliação de oportunidades e surgimento de melhores postos para trabalhadoras do agro. Por outro lado, verificou-se que os grupos que foram mais desfavorecidos no crescimento da ocupação feminina no setor foram aqueles formados por mulheres de baixa instrução, perfil tipicamente mais vulnerável e com maior dificuldade de realocação no mercado de trabalho.

 

E as mudanças recentes do mercado de trabalho do agronegócio, com destaque para as transformações no papel da mulher no setor, têm se refletido na produtividade do trabalho e nos salários ou rendimentos médios, como demonstrado no volume 3 do estudo.

Clique aqui e acesse os três volumes do estudo!

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações sobre o relatório Mulheres no Agronegócio aqui e por meio da Comunicação Cepea, com o prof. Geraldo Barros e a pesquisadora Nicole Rennó: (19) 3429-8836 / 8837 e [email protected]

Comentários Facebook
Propaganda

Agronegócio

FRANGO/CEPEA: Preço da carne cai e eleva competitividade frente à suína

Publicados

em

Por

Cepea, 1º/7/2022 – Os preços da carne de frango seguiram enfraquecidos em junho, ao passo que os valores da suína subiram. Diante disso, a competitividade da proteína avícola frente à concorrente cresceu pelo segundo mês consecutivo. Em junho (até o dia 29), o frango inteiro resfriado foi comercializado no atacado da Grande São Paulo à média de R$ 7,44/kg, queda de 1,1% sobre a de maio. Segundo colaboradores do Cepea, apesar das vendas externas aquecidas, o baixo consumo interno pressionou as cotações da maioria dos produtos da avicultura de corte. Já para a carne suína, o período de inverno e festas tradicionais têm aquecido as vendas, ao passo que a oferta de animais em peso ideal de abate está menor, contexto que vem resultando em elevação dos preços. Em junho, a carcaça especial suína foi cotada, em média, a R$ 9,35/kg, avanço mensal de 1,1%. Diante disso, a carcaça suína esteve 1,91 Real/kg mais cara que o frango inteiro na parcial de junho, diferença 10,8% maior que a observada em maio, o que reduziu a competitividade da carne de frango frente à substituta. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Veja Também:  AÇÚCAR/CEPEA: Após duas semanas em alta, preço do cristal volta a cair no spot paulista

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

CITROS/CEPEA: Colheita de tangerina poncã se aproxima do fim em SP

Publicados

em

Por

Cepea, 1º/7/2022 – A colheita de tangerina poncã se iniciou em fevereiro no estado de São Paulo, mas a intensificação da oferta ocorreu apenas em meados de março. Agora, a comercialização da variedade se aproxima do fim no estado. Segundo colaboradores do Cepea, as últimas frutas paulistas devem ser colhidas até o encerramento de julho, com a oferta local se desacelerando na segunda quinzena do mês. Em agosto, ainda deve haver tangerinas de Minas Gerais no mercado, o que pode restringir valorizações da fruta em SP. Segundo colaboradores do Cepea, tanto em SP quanto em MG, a produção de tangerina poncã foi bem distribuída ao longo dos meses, sem grandes concentrações de produção. Contudo, diante das restrições econômicas do País e da queda das temperaturas em maio e junho, o consumo não foi alavancado neste ano. Assim como para a laranja, produtores se mostram preocupados com o aumento dos custos de produção da tangerina poncã, diante da forte valorização dos insumos. Um alento é que os preços também subiram: em junho, a média de comercialização foi de R$ 33,43/cx de 27 kg, na árvore, alta nominal de 18,3% em comparação com a de junho de 2021. Já frente a maio/22, houve queda de 12,4%. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Veja Também:  Carne de ave se destaca como opção cada vez mais saudável, aponta especialista

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana