conecte-se conosco


Política Nacional

“Choro é livre e, graças a militares, País também”, diz Joice sobre golpe de 64

Publicados

em


Deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) celebrou a decisão do presidente Bolsonaro sobre o golpe de 64
Reprodução/Twitter

Deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) celebrou a decisão do presidente Bolsonaro sobre o golpe de 64

Líder do governo no Congresso Nacional, a deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) celebrou, em suas redes sociais, a decisão do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), de comemorar a data que marcou o início do golpe militar de 1964, lembrada no próximo domingo (31). “É a retomada da narrativa verdadeira de nossa história”, escreveu ela. 

“A partir deste ano, o Brasil irá comemorar o aniversário do 31 de março de 1964. A data foi incluída na ordem do dia das FFAA e cada comandante decidirá como deve ser feita. É a retomada da narrativa verdadeira de nossa história. OrgulhoBR”, publicou a deputada. Joice Hasselmann
ainda ilustrou a publicação com uma foto dela ao lado de militares. 

Veja Também:  CPI de Brumadinho inicia fase de depoimentos com ex-presidente da Vale

Em reação, deputados da oposição rebateram a publicação com outras declarações. Desde cedo, a hashtag #DitaduraNuncaMais também vem figurando como um dos assuntos mais comentados no Twitter.

Uma das declarações foi da deputada federal Sâmia Bonfim (Psol-SP), que compartilhou a imagem do jornalista Vladimir Herzog após sua morte em uma das celas do DOI-Codi, órgão de repressão do regime, sob a legenda: “Vamos falar em ‘narrativa verdadeira’? “.

“[Vamos falar] Dos crimes cometidos que foram e seguem sendo silenciados? Da tentativa de eliminar as vozes divergentes? Das ordens vindas do gabinete do presidente para matar opositores? Essa é a ‘retomada’ que a senhora defende, deputada?”, escreveu a deputada.

Outro parlamentar que respondeu Joice foi o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS), que afirmou que a decisão de Bolsonaro é “mais um vexame e uma proxa do caráter fascista” do presidente. 

Veja Também:  Lava Jato se defende e cobra ação de Dodge após semana de ataques e derrotas

“A ordem para que as Forças Armadas celebrem o golpe é mais um vexame e uma prova do caráter fascista de Jair Bolsonaro, mas é também uma tentativa de tirar o foco da sua própria incompetência e do fracasso que é o seu governo, que está derretendo antes de completar 100 dias”, escreveu Pimenta.

Na sequência, Joice Hasselmann
respondeu a quem chamou de “esquerda raivosa”, afirmando que “o choro é livre” e atribuindo a liberdade no Brasil aos militares. “A esquerda raivosa e os bonecos de ventríloquos estão em polvorosa por causa da decisão do governo Bolsonaro de autorizar as comemorações devidas ao Março de 1964. Podem berrar. O choro é livre e graças aos militares, o Brasil também!”, publicou.

Comentários Facebook
Propaganda

Política Nacional

Cabo Verde quer ampliar relacionamento econômico com o Brasil

Publicados

em


O presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos de Almeida Fonseca, disse hoje (30) que o país africano quer ampliar as relações com o Brasil e alcançar uma cooperação econômica e empresarial “mais visível” entre os dois países. Fonseca está em visita ao Brasil e se reuniu na manhã desta sexta-feira, no Palácio do Planalto, com o presidente Jair Bolsonaro.

Em declaração à imprensa, ele explicou que Cabo Verde faz parte da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental. “Constitui um mercado muito importante e, portanto, os empresários brasileiros podem não só ascender ao pequeno mercado de Cabo Verde, mas ao enorme mercado que Cabo Verde faz parte, onde há países como Nigéria, Senegal e Costa do Marfim. No conjunto são algumas centenas de milhões de consumidores”, disse.

No ano passado, o Brasil exportou US$ 24,8 milhões, em especial produtos agropecuários e derivados do petróleo, a Cabo Verde e importou US$ 20,8 mil, em produtos diversos. Entre janeiro e junho deste ano, o volume de exportações e importações alcançaram a marca dos US$ 11,2 milhões e US$ 18,6 mil, respectivamente.

Veja Também:  Lava Jato se defende e cobra ação de Dodge após semana de ataques e derrotas

Para o presidente Bolsonaro, o país é uma porta de entrada estratégica para a África Ocidental. Ele destacou ainda os acordos já estabelecidos nas áreas de defesa naval e de educação. “Estamos ultimando um acordo de mobilidade que facilitará o trânsito dos nossos povos nesses países-irmãos”, disse Bolsonaro. Neste mês, as relações entre os dois países completaram 46 anos.

O presidente brasileiro disse ainda que aceitou o convite para, oportunamente, visitar o país africano.

Edição: Lílian Beraldo

Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Cabo Verde que ampliar relacionamento econômico com o Brasil

Publicados

em


O presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos de Almeida Fonseca, disse hoje (30) que o país africano quer ampliar as relações com o Brasil e alcançar uma cooperação econômica e empresarial “mais visível” entre os dois países. Fonseca está em visita ao Brasil e se reuniu na manhã desta sexta-feira, no Palácio do Planalto, com o presidente Jair Bolsonaro.

Em declaração à imprensa, ele explicou que Cabo Verde faz parte da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental. “Constitui um mercado muito importante e, portanto, os empresários brasileiros podem não só ascender ao pequeno mercado de Cabo Verde, mas ao enorme mercado que Cabo Verde faz parte, onde há países como Nigéria, Senegal e Costa do Marfim. No conjunto são algumas centenas de milhões de consumidores”, disse.

No ano passado, o Brasil exportou US$ 24,8 milhões, em especial produtos agropecuários e derivados do petróleo, a Cabo Verde e importou US$ 20,8 mil, em produtos diversos. Entre janeiro e junho deste ano, o volume de exportações e importações alcançaram a marca dos US$ 11,2 milhões e US$ 18,6 mil, respectivamente.

Veja Também:  Bancada feminina quer prioridade para projetos em defesa das mulheres

Para o presidente Bolsonaro, o país é uma porta de entrada estratégica para a África Ocidental. Ele destacou ainda os acordos já estabelecidos nas áreas de defesa naval e de educação. “Estamos ultimando um acordo de mobilidade que facilitará o trânsito dos nossos povos nesses países-irmãos”, disse Bolsonaro. Neste mês, as relações entre os dois países completaram 46 anos.

O presidente brasileiro disse ainda que aceitou o convite para, oportunamente, visitar o país africano.

Edição: Lílian Beraldo

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

"2021" QUAIS SÃO AS SUAS EXPECTATIVAS PARA ESTE ANO QUE SE INICIA

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana