conecte-se conosco


Agronegócio

CITROS/PERSPEC 2019: Estoque baixo deve sustentar demanda por suco em 2019/20

Publicados

em

Clique aqui e confira o release completo em word. 

Cepea, 16/01/2019 – As primeiras impressões quanto à safra 2019/20 de laranja no estado de São Paulo e no Triângulo Mineiro são de preços novamente positivos aos produtores, mesmo em um cenário de maior produção. Isto porque, segundo pesquisadores do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, ainda que a oferta da fruta se eleve na próxima temporada, o retorno dos estoques a níveis críticos nas indústrias paulistas (reflexo da menor produção em 2018/19) deve sustentar a demanda pela matéria-prima.

 

Segundo projeção de agosto/18 da CitrusBR (Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos), os estoques finais previstos para 30 de junho de 2019, de 146,7 mil toneladas de suco em equivalente concentrado, seriam suficientes para atender a, no máximo, dois meses de embarque. Este cenário, portanto, poderia sustentar os valores internos da fruta em 2019, mesmo com uma produção elevada em 2019/20 – tendo em vista que os estoques de passagem de junho/18 (referentes à 2017/18), embora positivos, não foram caracterizados como excessivos. 

 

De fato, as primeiras propostas das grandes indústrias para aquisição das laranjas de 2019/20 se iniciaram com antecedência por mais um ano (em outubro/18). Os valores oferecidos estiveram em tono de R$ 22,00/cx de 40,8 kg, colhida e posta na indústria, podendo contar com adicional de participação no preço de venda do suco no mercado internacional. Em 2018/19, vale lembrar, as primeiras propostas eram realizadas em torno de R$ 20,00/cx.

Veja Também:  Aprosoja-MT lança eventos técnicos voltados para a cultura do milho

 

Embora cautelosos em um primeiro momento, aguardando melhor dimensionamento da safra, citricultores acataram as negociações em meados de novembro, temendo que os valores propostos recuassem nos meses seguintes. As compras antecipadas têm sido uma estratégia das grandes indústrias desde 2016 (quando se iniciaram em outubro, mesmo com a safra 2017/18 tendo sido uma das maiores da história). 

 

PRODUÇÃO – Produtores estão confiantes de que a safra 2019/20 seja positiva, fundamentados no clima favorável ao desenvolvimento das plantas durante as floradas e fixação dos chumbinhos. Ocorridas entre agosto e setembro na maioria dos pomares, as floradas principais foram abundantes.

 

Em meados de dezembro, a intensa amplitude térmica causou abortamento de parte dos chumbinhos de segundas ou terceiras floradas em algumas regiões, principalmente de variedades tardias, mais sensíveis ao clima. Porém, citricultores acreditam que as perdas não devem ser significativas para o resultado da próxima safra. Ainda assim, alguns produtores são cautelosos em considerar a possibilidade de uma “supersafra”, apostando apenas em recuperação do volume em 2019/20, enquanto outros estimam aumento de até 40% em relação à de 2018/19.

 

INTERNACIONAL – Na Flórida, o cenário também é favorável em termos de produção. Para 2018/19, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) estima aumento de 71,5%, devido ao clima favorável ao desenvolvimento das laranjas locais e aos métodos mais adequados para a convivência com o greening.

Veja Também:  Os quatro problemas na agricultura que afetam diretamente o financiamento agrícola

 

Ainda que a maior oferta norte-americana se confirme, os indicativos são de que a demanda dos EUA por suco de laranja brasileiro continue aquecida. Isso porque, mesmo que o greening esteja mais controlado na Flórida, ainda se trata de um problema de longo prazo. Além disso, a previsão positiva não deve resultar em forte elevação dos volumes de suco nos estoques das indústrias norte-americanas.

 

TAHITI – As previsões também são positivas quanto ao volume de tahiti a ser produzido no estado de São Paulo durante o pico de safra, previsto para o primeiro trimestre de 2019. Segundo agentes, a produção pode superar a de 2018, já que as chuvas foram mais constantes e bem distribuídas no segundo semestre de 2018. 

 

Mesmo com maior oferta, a demanda industrial pode ajudar na sustentação dos preços aos produtores, controlando a disponibilidade no segmento in natura. Outro fator que deve contribuir para preços firmes da tahiti, mesmo durante seu pico de safra, é o bom desempenho das exportações, que podem continuar positivas, em decorrência da boa demanda pela fruta, principalmente na Europa, onde a fruta segue ganhando participação.

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações podem ser obtidas por meio da Comunicação do Cepea: (19) 3429 8836 / 8837 e [email protected]

Comentários Facebook
Propaganda

Agronegócio

Agricultores iniciam colheita de pluma de algodão em Mato Grosso

Publicados

em

Por

Os agricultores começaram a colher algodão em pluma, uma das culturas cultivadas em Mato Grosso. Nesta safra, a área plantada aumentou para 1,18 milhão de hectares e, em 2021, foram plantados 960 mil hectares.

A produção deve ser de 278 arrobas de algodão em caroço por hectare, apenas um arroba a mais em relação à temporada do último ano.

No entanto, como a área é grande, o volume de algodão colhido deve crescer e ficar próximo de 5 milhões de toneladas, cerca de um milhão a mais que no ano passado.

Na primeira safra, plantada em dezembro, os resultados são bons, enquanto a segunda safra, plantada em janeiro logo após a colheita da soja, não teve o mesmo efeito. O algodão foi cultivado durante o que foi considerado uma boa estação, mas o clima não colaborou com os produtores.

Em uma fazenda em Novo São Joaquim, a 487 quilômetros de Cuiabá, o resultado foi diferente nesta temporada. Segundo o gerente local, Jackson Ferreira, o algodão colhido ocupa 3.000 hectares, 15% a mais que na safra passada.

Veja Também:  Associados à Aprosoja asseguram recursos para manutenção de entidades filantrópicas

No início do ciclo, o clima afetou o crescimento da safra e a taxa média de produção foi de 5% em relação ao ano anterior.

“No ano passado choveu muito durante a janela de plantio e não executamos dentro do ideal. Já neste ano a chuva foi muito boa e conseguimos plantar dentro da janela. Durante o ciclo da cultura a chuva foi bem distribuída, mas a safrinha recebeu bem menos volume. Isso vai afetar um pouco na produtividade do algodão. Esperávamos colher 250 arrobas, mas vai chegar no máximo 230 arrobas”, disse Jackson.

Em uma fazenda em Campo Verde, a 139 quilômetros de Cuiabá, a colheita já começou. Segundo o agricultor Rodolfo Bertani Lopes da Costa, foram plantados mais de 1.500 hectares, sendo 580 em dezembro e o restante no mês seguinte.

“Esse ano choveu antes. Eu terminei o plantio do algodão safrinha em 20 de janeiro. Então foi dentro da janela e, com o preço do algodão, resolvemos aumentar as áreas de sarfinha. Só que tivemos um corte de chuva antecipado e isso ocasionou perda e a perspectiva de produção foi reduzida. A gente esperava produzir 120 arrobas de pluma e agora a produção vai ser por volta de 80 arrobas de pluma por hectare. Este ano estamos trabalhando com 40% de algodão safra e 60% de safrinha”, concluiu.

Veja Também:  Milho: Preços voltam a subir na B3 nesta 4ª feira com relação oferta x demanda ajustada

Fonte: Agroplus.tv  

Fonte: AgroPlus

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Exportações de grãos da Ucrânia caem 40% em maio

Publicados

em

Por

As exportações de grãos da Ucrânia tiveram uma queda de 40% na primeira quinzena de junho, se comparada ao mesmo período de 2021, com 613 mil toneladas.

O país embarcava até 6 milhões de toneladas de grãos por mês, antes da invasão russa, que teve início no final do mês de fevereiro, desde então, os volumes diminuíram para cerca de 1 milhão de toneladas.

Isso porque a Ucrânia costumava exportar a maior parte dos seus produtores por portos marítimos e agora foi forçada a fazer o transporte de grãos por meio de trens pela fronteira ocidental.

Fonte: Agroplus.tv

Fonte: AgroPlus

Comentários Facebook
Veja Também:  Milho: Preços voltam a subir na B3 nesta 4ª feira com relação oferta x demanda ajustada
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana