conecte-se conosco


Carros e Motos

Cotado para o Brasil, Mustang Mach-E rende processos contra a Ford

Publicados

em

Modelo parte de US$ 44 mil nos Estados Unidos. Uma vez no Brasil, concorrerá com modelos acima dos R$ 500 mil
Divulgação

Modelo parte de US$ 44 mil nos Estados Unidos. Uma vez no Brasil, concorrerá com modelos acima dos R$ 500 mil

O Mustang Mach-E é visto pela Ford como um modelo importante, afinal, marcou o início da nova era eletrificada da fabricante de Detroit. A polêmica mais recente é referente à três donos de Mustang Mach-E que estão movendo um processo judicial contra a Ford.

De acordo com o jornal ‘Detroit Free Press’, os três donos de Mustangs Mach-E entraram com um processo contra a Ford por conta de um contator da bateria de alta voltagem, que super aquece e faz o veículo ficar imobilizado.

Os consumidores alegam que a Ford não possui solução para o problema:

“O contator principal da bateria de alta voltagem é fabricado de forma uniforme e pode super aquecer, causando assim perda de potência ou até mesmo a imobilização do veículo durante sua operação.”

Veja Também:  F-150 Lightning será a primeira picape elétrica Pace Car da Nascar

O Mach-E já foi alvo de um recall da Ford no mês passado, e afetou 49 mil veículos com o mesmo problema. Na ocasião, a fabricante de Detroit realizou uma atualização no software do veículo, e declarou que o problema ocorria em casos de recargas de corrente contínua ou situações de aceleração total por muito tempo.

A Ford diz que as atualizações resolvem o problema, mas os três clientes pedem a substituição do componente, e alegam que as atualizações fazem o tempo de recarga e aceleração do veículo se tornarem muito mais lentos.

Por sua vez, a Ford afirma que não tem conhecimento de nenhum acidente relacionado com o recall, e até o momento, não foi notificada sobre a ação judicial .

A fabricante afirma que o recall é realizado para proteger o contator e que uma substituição do componente será realizada caso haja necessidade.

O Mustang Mach-E possui bons números de vendas nos Estados Unidos e teve as encomendas suspensas, devido ao alto número de pedidos segundo a Ford. O modelo já foi visto rodando no Brasil, em São Paulo e na Bahia, hoje a Ford possui um centro de desenvolvimento e testes em Tatuí (SP) que é responsável por novas tecnologias e também testar e adaptar eventuais modelos para o Brasil. A versão vista por aqui é a GT Performance , que é equipada com dois motores elétricos que combinam para 486 cv e 87,6 kgfm de torque, vai de 0 a 100 km/h em cerca de 3,5 segundos, com autonomia de 380 km.

Veja Também:  Chevrolet Tracker vendido no Brasil também passará a vir da Argentina

Fonte: IG CARROS

Comentários Facebook
Propaganda

Carros e Motos

Conhecemos o Ford Mustang Mach-E e andamos em um Bronco 100% autônomo

Publicados

em

Ford Mustang Mach-E foi apresentado para a imprensa no centro de testes da marca em Tatuí, no interior de SP
Guilherme Menezes/iG

Ford Mustang Mach-E foi apresentado para a imprensa no centro de testes da marca em Tatuí, no interior de SP

Depois de ter sido visto em testes, na pista de desenvolvimento da Ford em Tatuí (SP), o Ford Mustang Mach-E que virá ao Brasil é revelado. Pudemos conhecer pessoalmente o SUV elétrico que representará a marca americana na nova fase da mobilidade.

A versão que nós foi apresentada é a GT, que tem 487 cv e 87,6 kgfm de torque imediatos. Com isso, pode acelerar de 0 a 100 km/h em 3,5 segundos, o que é mais rápido do que o Mustang Mach 1 , a combustão. A autonomia é de 420 km no ciclo EPA (usado nos EUA).

Há uma enorme central multimídia com 15 polegadas e alta resolução. Nela, é possível ver todo o funcionamento do carro e determinar todas as funções de entretenimento e desempenho. Há também, apps de conectividade, como o Ford Pass.

Veja Também:  Chevrolet Tracker vendido no Brasil também passará a vir da Argentina

O acabamento é feito com tecido reciclado, mas há materiais diversos, muitos deles sensíveis ao toque e com texturização. Também notamos iluminação ambiente , que pode ser de várias cores (conforme a preferência dos passageiros) e espaço interno bem satisfatório.

Outro ponto alto da nossa visita à pista de testes do Centro de Desenvolvimento Tecnológico da Ford foi andarmos em um SUV Bronco . Mas não era qualquer um, e sim, um carro (que poderia ser qualquer outro) equipado com todo o aparelhamento necessário para que virasse um veículo 100% autônomo .

No caso, estava repleto de robôs , computadores, antenas e outros dispositivos. Quando somados, custam R$ 2,2 milhões, sem contar o valor do veículo que os recebeu.

Por meio de dados via satélite , essas partes que, juntas, compõem esse “robô”, têm capacidade de utilizar sensores para “enxergar” o que está no caminho. Assim, é capaz de tomar decisões para que a condução ocorra de forma possível.

O resultado é observado na capacidade do carro acelerar e desacelerar, contornar curvas mesmo em velocidades mais elevadas, além de realizar exercícios de contorno entre cones enfileirados.

Veja Também:  Carros elétricos podem receber mais incentivos fiscais no Brasil

Como se não bastasse, mesmo ao detectar um objeto (que poderia ser um ciclista, um carro ou até mesmo um pedestre ) que surge na via de repente, o sistema calcula a forma mais eficiente de mitigação, em uma fração de segundos.

Ou seja, se, para a inteligência , frear é o mais eficaz, ele o faz. Ou se a alternativa mais segura seria se esquivar, é essa a decisão que tomará.

Apesar desse Ford Bronco ter virado um carro totalmente autônomo, não pode ser chamado como tal, uma vez que não se trata de um veículo homologado para essa tecnologia.

Trata-se de um carro de testes que servirá para colocar o Brasil no mesmo nível de aptidão para o desenvolvimento dessa tecnologia, em relação a outros centros da Ford no mundo, segundo apuramos com a equipe de engenharia.

Ainda segundo eles, o próximo passo vai ser realizar testes mais definitivos, como aqueles nos EUA, onde o carro autônomo já estava circulando pelas ruas, por exemplo.

Fonte: IG CARROS

Comentários Facebook
Continue lendo

Carros e Motos

Honda Forza 350: aceleramos o estiloso scooter da linha 2023

Publicados

em

O Honda Forza 350 pode enfrentar uma viagem com conforto e segurança
Divulgação

O Honda Forza 350 pode enfrentar uma viagem com conforto e segurança

Esses simpáticos e queridos pequenos veículos sempre arrancaram algum sorriso das pessoas que os viam pelas ruas. Não foi sempre assim, há muito tempo eles até chegaram a ser discriminados, para, aos poucos, irem conquistando mais e mais pessoas. Nos últimos anos, no entanto, emplacaram.

Os scooteres , no entanto, já não são todos pequenos, mas continuam simpáticos e queridos. Depois de se tornarem o veículo ideal para centros urbanos, foram crescendo, evoluindo e tomando também as estradas.

Existe uma boa lista de scooteres de médio porte, e até alguns realmente grandes e potentes, mas que, apesar de terem ótimo desempenho , perdem, um pouco, a versatilidade que é inerente desse tipo de veículo.

Bastante falado e esperado, chega agora o scooter Forza 350 , da Honda . Apresentado há três anos no Salão da Motocicleta, em versão com motor de 300 cm 3 , o Honda Forza está disponível no Brasil em uma versão mais atual, com motor de 350 cm 3 , tomando o lugar do Honda SH 300i , já fora do catálogo da marca. E já experimentamos o novo scooter.

O Honda Forza 350 tem um bom porte de scooter de média cilindrada
Divulgação

O Honda Forza 350 tem um bom porte de scooter de média cilindrada

Em um breve test ride na estrada, já deu pra saber que o novo scooter Honda Forza 350 vai ser um bom companheiro de viagens. Curtas ou longas? Dependerá do piloto. Com certeza o Forza topa qualquer parada.

Veja Também:  Andamos na neve com os novos Volvo XC60 e XC90 Plug-in Hybrid

O motor do Forza é um monocilindro OHC de quatro tempos e refrigerado a água com cilindrada exata de 330 cm 3 , com potência de 29,2 cv e torque de 3,24 kgfm. A transmissão é automática, continuamente variável do tipo CVT , ou seja, não tem marchas escalonadas e basta acelerar para que o scooter se movimente.

Não é um scooter exageradamente grande, certamente será bastante ágil quando for avaliado no trânsito urbano, mas tem porte suficiente para uma pilotagem bem agradável e segura na estrada.

Como a grande maioria dos scooteres médios, não tem o compromisso de altas velocidades, mas chegou, nesta avaliação, aos 150 km/h de velocímetro. O ideal para seu tamanho, no entanto, é manter velocidade de cruzeiro em torno dos 120 km/h, o que já o coloca fora de alcance da maioria dos caminhões predadores que eventualmente cruzamos pela estrada

.Em baixa velocidade, no entanto, o Honda Forza 350 é rápido e ágil, nem parece que pesa 176 kg, sem combustível e sem piloto. A altura do banco não é das mais baixas, são 780 mm até chão, e o Forza é meio “gordinho”, mas mesmo assim não há grandes dificuldades em manobrá-lo parado.

Painel com relógios analógicos e display digital
Divulgação

Painel com relógios analógicos e display digital

Entre as conveniências que os scooteres geralmente oferecem aos motociclistas que querem se locomover com conforto e praticidade, destacam-se no Honda Forza o grande espaço embaixo do banco, capaz de guardar dois capacetes fechados, e ainda sobra alguns espaços para pequenos objetos. Um prático separador acompanha o scooter, que pode ser colocado em algumas partes do interior do porta-objetos.

Veja Também:  Anfavea e BNDES comentam sobre o financiamento 'Finame Baixo Carbono'

No escudo frontal, há ainda um outro porta-objetos que comporta uma garrafa grande, sendo que em seu interior existe um ponto de força de 5 volts USB-C , para carregar um telefone celular. Outra conveniência é o para-brisa, que tem regulagem elétrica de altura.

O painel de instrumentos é visualmente muito bacana, pois tem dois grandes e belos relógios analógicos (de funcionamento eletrônico) e um mostrador central digital com informações adicionais, tais como hodômetros, consumo e autonomia, temperatura ambiente e tensão da bateria.

Na parte de apoio eletrônico, o Honda Forza 350 tem controle de tração HSTC, visando evitar que o scooter perca a tração administrando o torque enviado à roda traseira.

Cabem dois capacetes embaixo do banco
Divulgação

Cabem dois capacetes embaixo do banco

Esse sistema pode ser desligado por um comando no punho. A iluminação é feita inteiramente por leds e há o sistema ESS, que aciona o pisca-alerta sempre que é feita uma frenagem de emergência. O melhor desse scooter já é algo corriqueiro em seu segmento, a chave presencial, que pode ser mantida no bolso do piloto por todo o tempo.

Pilotando, o scooter Forza 350 passa uma sensação de conrole e conforto, sendo que a altura do banco permite uma posição de pilotagem bem agradável.

O assoalho não é plano, pois acomoda, ao centro, o tanque de combustível de 11,7 litros, mas ainda assim há duas posições para os pés do piloto , na horizontal, recuados, e mais à frente, em uma parte inclinada e mais alta do apoio. Para o garupa há pedaleiras retráteis.

O Honda Forza 350 é produzido na Tailândia e seu preço sugerido é de R$ 47.000. O primeiro lote a chegar é pequeno e só trouxe o novo scooter na cor cinza.

Fonte: IG CARROS

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana