conecte-se conosco


Saúde

Covid-19: 2 milhões de pessoas no Rio de Janeiro não se vacinaram

Publicados

em

No estado do Rio de Janeiro, cerca de 2 milhões de pessoas que fazem parte do público alvo da campanha de vacinação contra a covid-19, ou seja, a partir dos 5 anos de idade, não tomaram nenhuma dose do imunizante. Outras 1,5 milhão receberam a primeira dose e não retornaram aos postos para completar o esquema básico.

Quanto ao reforço, um total de 6 milhões de pessoas aptas não garantiram o prolongamento da imunização, ou seja, metade das 12 milhões com 18 anos ou mais que completaram o esquema básico de duas doses ou dose única.

Os dados foram divulgados hoje (23) pela Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES). O secretário, Alexandre Chieppe, lembra que apenas a imunização completa evita as formas graves da doença e os óbitos.

“A principal forma de evitarmos internações e óbitos pela covid-19 é a vacinação. Estudos mostram que, desde o início da campanha, houve uma redução significativa das formas graves da covid-19. Por isso, fazemos um apelo para que a população procure os postos de saúde para receber o imunizante o quanto antes”.

O levantamento reuniu dados lançados no Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI) até esta terça-feira (21).

Veja Também:  Estado do Rio tem risco muito baixo para covid-19, diz secretaria

Internações

A secretaria ressalta que 59% das internações por covid-19 são de pessoas que não completaram o esquema vacinal, segundo os dados do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs).

“O monitoramento mostrou que no período analisado 56 pessoas estavam hospitalizadas, sendo 36 em unidades de terapia intensiva (UTI) e 20 em enfermaria. Do total, apenas 41% estavam como o esquema vacinal completo e uma dose de reforço”, diz a nota da secretaria.

A análise do perfil dos internados com covid-19 nas unidades da rede estadual de saúde foi feita entre os dias 9 e 10 de junho. A SES destaca também que a idade e as comorbidades contribuem para a evolução da doença para as formas graves.

“Das pessoas entrevistadas pelo Cievs, a maior parte era de idosos, sendo a mediana de idade de 69 anos. Além disso, 16% dos internados apresentavam alguma comorbidade”, explica a secretaria.

O levantamento envolveu pacientes internados no Hospital Estadual Dr. Ricardo Cruz (HERCruz), Hospital Regional do Médio Paraíba Dra. Zilda Arns Neumann (HERZA) e no Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE), unidades de referência no estado para o tratamento da doença.

Veja Também:  SES é notificada sobre quarta morte por Covid-19 em MT

Reforço

A dose de reforço contra a covid-19 foi estendida aos adolescentes de 12 a 17 anos no dia 30 de maio e, nesta semana, começou a aplicação da segunda dose de reforço no público a partir dos 40 anos.

Os idosos começaram a receber o reforço extra no dia 24 de março, que teve início pela faixa acima de 80 anos e desceu gradativamente. Também devem receber a quarta dose os trabalhadores da saúde e imunossuprimidos. O intervalo mínimo entre um reforço e outro é de 4 meses.

No Rio de Janeiro, já foram aplicadas mais de 34 milhões de doses em todo o estado, sendo que 80% da população acima dos 5 anos completou o esquema básico.

A Secretaria de Saúde orienta as secretarias municipais a adotar medidas para ampliar a cobertura, como fazer busca ativa por pessoas não vacinadas e campanhas em locais de grande circulação, fora das unidades básicas de saúde.

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Ministro da Saúde nega interferência do filho em liberação de recursos

Publicados

em

Por

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, classificou como “uma narrativa que não se sustenta” as suspeitas levantadas contra seu filho, Antônio Cristóvão Neto, 23 anos.

Segundo o jornal O Globo, Queiroguinha, como Neto é conhecido, esteve ao menos 30 vezes no Palácio do Planalto e no Ministério da Saúde desde fevereiro deste ano, quando se lançou pré-candidato a deputado federal pela Paraíba. Em alguns momentos, ele teria levado consigo prefeitos e políticos paraibanos. Ainda de acordo com O Globo, o filho do ministro se valeria de seu acesso ao gabinete do pai para intermediar pedidos de recursos financeiros encaminhados por municípios da Paraíba para, assim, angariar apoio político a sua candidatura.

“Isto é piada. Todos os recursos que saem do ministério são avaliados pela equipe técnica. Duvido que eles [secretários e gestores de contratos] coloquem seus CPFs para liberar recursos de maneira imprópria”, disse Queiroga ao participar de audiência pública na Câmara dos Deputados.

“Qual o problema de um filho visitar o pai no seu local de trabalho?”, questionou o ministro, ao responder às perguntas de parlamentares das comissões de Fiscalização Financeira e Controle (CFFC); de Defesa do Consumidor (CDC); de Seguridade Social e Família (CSSF); de Trabalho, Administração e Serviço Público (CTASP) e de Defesa dos Direitos da Mulher (Cmulher).

“Ajo dentro da lei. Tenho a consciência tranquila. O Ministério Público Federal pode investigar. Não há nenhum centavo de recurso público liberado sem avaliação técnica. Meu filho é filiado a um partido político, o Partido Liberal [PL]. Estamos em uma época de pré-campanha. E, tal como os senhores, ele tem o direito de assumir compromissos em nome de sua população. [Que o] julgue a população da Paraíba. Mas em nome do governo [federal] ele não fala”, acrescentou Queiroga.

Veja Também:  Covid-19: Brasil registra 40,6 mil casos e 139 mortes em 24 horas

Vacinação

Durante a audiência, Queiroga reconheceu uma desaceleração no ritmo com que as pessoas têm retornado aos postos para tomar as doses de reforço contra a covid-19, além de desigualdades regionais e etárias envolvendo a imunização. “A velocidade da vacinação, de fato, diminuiu. São vários os fatores. O primeiro deles é a melhora do cenário epidemiológico. À medida em que conseguimos vacinas suficientes para imunizar a população, esta passou a aderir menos à vacinação”, comentou.

O ministro mencionou ainda dificuldades logísticas para fazer com que os imunizantes cheguem a todo o país ao responder a perguntas sobre doses estocadas perto do fim da validade. “O prazo de vencimento das vacinas é realmente curto e, por isso, é necessário agilidade na aplicação. Este seria o mundo ideal. No mundo real, contudo, as coisas não funcionam bem assim. No caso da AstraZeneca, por exemplo, o prazo de validade é seis meses. Às vezes, ela chega já um mês após ter sido produzida. E precisa ser distribuídas para estados e municípios. Por isso, a Fiocruz ampliou [o prazo de validade] para nove meses. Outro ponto que contribui para termos vacinas retidas é o sommelier de vacinas, pessoa que chega nas unidades básicas de saúde e quer escolher [entre os produtos de diferentes fabricantes]. Com isso, acabou havendo uma subutilização de algumas vacinas.”

Veja Também:  Segunda (11): Mato Grosso registra 191.106 casos e 4.694 óbitos por Covid-19

Aborto

Queiroga também defendeu que, caso haja uma revisão da legislação atual que autoriza a interrupção da gestação em casos de estupro, risco à vida da mãe e anencefalia do feto, isso aconteça por meio de referendo popular.

“O governo defende a vida desde a concepção. Isto não é segredo para ninguém. O presidente Bolsonaro anunciou e foi eleito com esta agenda. A defesa da vida da mãe e do filho, das duas vidas, desde a concepção. Somos contra o aborto. Respeitamos as exceções da lei, que é de 1940″, disse. “Qualquer mudança só pode acontecer com o aval desta Casa [Câmara dos Deputados], que é o local onde a legislação brasileira deve ser decidida. Eu, como ministro, médico e cidadão defendo que uma mudança deste tipo, que tem relação direta com o direito à vida – uma cláusula pétrea da Constituição – só pode ser decidida com referendo popular.”

Edição: Paula Laboissière

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Covid-19: Brasil registra 122 mortes e 45,5 mil casos em 24 horas

Publicados

em

Por

O Brasil registrou, desde o início da pandemia de covid-19, 672.033 mortes pela doença, informa o boletim epidemiológico divulgado nesta segunda-feira (4) pelo Ministério da Saúde. O número total de casos confirmados da doença está em 32.535.923.

Em 24 horas, foram registrados 45.501 casos. No mesmo período, foram confirmadas 122 mortes de vítimas do vírus.

Ainda segundo o boletim, 30.967.114 pessoas se recuperaram da doença e 896.776 casos estão em acompanhamento. No levantamento de hoje, não consta atualização dos dados de Mato Grosso do Sul.

Os números em geral são menores aos domingos, segundas-feiras ou nos dias seguintes aos feriados pot causa da redução de equipes que alimentam os dados sobre a doença. Às terças-feiras e dois dias depois dos feriados, em geral, há mais registros diários pelo acúmulo de dados atualizado.

Boletim Epidemiológico Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico – 04/07/2022/Divulgação/ Ministério da Saúde

Estados

De acordo com os dados disponíveis, São Paulo lidera o número de casos, com 5,74 milhões, seguido por Minas Gerais (3,65 milhões) e Paraná (2,63 milhões).

Veja Também:  Anvisa libera uso da cloroquina em pacientes com Covid-19 e MT receberá 3500 comprimidos

O menor número de casos é registrado no Acre (127,1 mil). Em seguida, aparecem Amapá (161,8 mil) e Roraima (161,9 mil).

O estado de São Paulo é o que apresenta o maior número de mortes pela doença (171.072), seguido pelo Rio de Janeiro (74.183) e por Minas Gerais (62.197).

O Acre é o que registra o menor número de mortes (2.005), seguido por Amapá (2.141) e Roraima (2.153).

Vacinação

Até hoje, foram aplicadas 450,1 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, sendo 177,4 milhões com a primeira dose e 157,7 milhões com a segunda dose. A dose única foi aplicada em 4,9 milhões de pessoas e 95 milhões já receberam a dose de reforço.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana