conecte-se conosco


Saúde

Covid-19: Brasil tem 601,5 mil mortes e 21,59 milhões de casos

Publicados

em


O número de pessoas que perdeu a vida para a pandemia de covid-19 chegou a 601.574. Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde registraram 176 novas mortes por covid-19.

Ainda há 3.134 óbitos em investigação. Essa situação ocorre quando o paciente faleceu, mas a investigação sobre a causa da morte ainda carece de exames e procedimentos posteriores.

Já a quantidade de pessoas infectadas desde o início da pandemia, no início de 2020, chegou a 21.597.949. Entre ontem e hoje, foram confirmados por secretarias municipais e estaduais de saúde 7.852 novos diagnósticos positivos para a doença.

Ainda conforme as autoridades de saúde, há 256.108 casos em acompanhamento, de pessoas que tiveram o quadro de covid-19 confirmado.

Os dados estão no balanço diário do Ministério da Saúde, divulgado na noite desta quarta-feira (13). A atualização sistematiza as informações sobre casos e mortes levantadas pelas secretarias municipais e estaduais de saúde.

Até o momento, 20.740.267 pessoas já se recuperaram da covid-19. O número corresponde a 96% das pessoas que foram infectadas pelo novo coronavírus desde o princípio da pandemia.

Veja Também:  Máscara obrigatória: governo de MT lança programa para tentar conter o coronavírus

Os números em geral são menores aos domingos e segundas-feiras em razão da redução de equipes para a alimentação dos dados. Isso ocorre também em dias posteriores a feriados, como é o caso desta quarta-feira (13).

Estados

Segundo o balanço do Ministério da Saúde, no topo do ranking de estados com mais mortes por covid-19 registradas até o momento estão São Paulo (150.835), Rio de Janeiro (67.207), Minas Gerais (55.036), Paraná (39.603) e Rio Grande do Sul (35.070).

Já os estados com menos óbitos resultantes da covid-19 são Acre (1.841), Amapá (1.986), Roraima (2.006), Tocantins (3.820) e Sergipe (6.020).

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde mostra a evolução dos números da pandemia no Brasil. Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde mostra a evolução dos números da pandemia no Brasil.

Ministério da Saúde

Vacinação

O Brasil chegou hoje à marca de 100 milhões de pessoas com ciclo vacinal contra a covid-19 concluído.

No total, até o início desta quarta-feira (13) o sistema do Ministério da Saúde marcava a aplicação de 249,7 milhões de doses no Brasil. Já foram distribuídas 310,4 milhões de doses a estados e municípios.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Coronavac tem intervalo reduzido para 15 dias na capital paulista

Publicados

em


A partir de hoje (21) o intervalo entre a primeira e a segunda dose da vacina contra covid-19 Coronavac será reduzido de 28 para 15 dias na cidade de São Paulo. O objetivo é completar o esquema vacinal da população. Até o momento, 91,2% dos moradores da capital paulista já tomaram as duas doses da vacina ou a dose única.

Também tem início hoje a aplicação da dose adicional da Coronavac para os profissionais da Guarda Civil Metropolitana (GCM), sepultadores residentes na cidade e fiscais das subprefeituras, que tenham tomado a segunda ou dose única do imunizante há mais de seis meses.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, a vacinação contra a covid-19 na capital paulista ocorre tanto para a primeira dose (D1) quanto para a segunda (D2), além da dose adicional para idosos acima de 60 anos de idade e trabalhadores da Saúde com mais de 18 anos que tomaram a última dose do esquema vacinal (D2 ou dose única) há pelo menos seis meses, exceto grávidas e puérperas.

Veja Também:  MT tem cerca de 500 respiradores para atender pacientes graves de coronavírus, diz secretário

A vacinação também segue liberada para pessoas com mais de 18 anos que tenham alto grau de imunossupressão. Para este grupo, com mais de 18 mil cidadãos, é preciso ter tomado a última dose do esquema vacinal (segunda dose ou dose única) há pelo menos 28 dias.

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Covid-19: Rio alcança nível de internações de março de 2020

Publicados

em


A cidade do Rio de Janeiro está com os menores índices de casos, óbitos e hospitalizações por covid-19 desde o início da pandemia, em março de 2020, e não há fila de espera por leitos.

Segundo dados do 42º Boletim Epidemiológico, divulgado hoje (22) pela Secretaria Municipal de Saúde, o nível de internações está próximo ao da semana de 22 a 28 de março de 2020, com 196 pessoas.

Os atendimentos na rede de urgência e emergência por síndrome gripal e síndrome respiratória aguda grave (SRAG) mantêm a tendência de queda sustentada e estão com as menores taxas desde o início da pandemia. O Rio somou até o momento 488.202 casos de covid-19, com 34.734 óbitos.

Pela quinta semana seguida, o mapa de risco da cidade para transmissão da covid-19 está com todas as 33 regiões na classificação amarela, de risco moderado.

Eventos

A prefeitura autorizou, até o momento, a realização de 29 eventos-teste na cidade. O acompanhamento do público presente por duas semanas, feito pelo Instituto Municipal de Vigilância Sanitária (Ivisa), já foi finalizado em dez deles. O acesso às promoções, como jogos de futebol e festas particulares, só era permitido com o comprovante da vacinação e o teste negativo para covid-19.

Veja Também:  Idosos de 89 a 84 anos recebem dose de reforço nesta semana no Rio

Na partida Fluminense x Avaí, no Maracanã, em 6 de outubro, apenas uma das 3.097 pessoas testadas deu positivo e não pôde entrar para ver o jogo. O monitoramento de 14 dias apontou sete casos suspeitos e um confirmado de infecção por coronavírus, todos com sintomas leves.

Entre as três festas acompanhadas, as duas comemorações de 15 anos no Copacabana Palace, uma no dia 1º de outubro e outra no dia 2, tiveram dois e três casos suspeitos, respectivamente, mas nenhum confirmado para covid-19. Uma festa no Alto da Boa Vista no dia 2 teve três casos suspeitos com síndrome gripal e um confirmado para covid-19.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA ATÉ O MOMENTO A GESTÃO DR. DIVINO PREFEITO DE BARRA DO BUGRES ESTÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana