conecte-se conosco


Política MT

Deputado Dr. Gimenez se licencia para tratamento de saúde

Publicados

em


Foto: MARCOS LOPES / ALMT

O deputado estadual Dr. Gimenez (PV) apresentou requerimento de 121 dias de licença para tratamento de saúde, na última sessão da Assembleia Legislativa, conforme o Regimento Interno da ALMT. O objetivo do afastamento é realizar uma bateria de exames cardiológicos (e outros mais), e acompanhar e avaliar a evolução do quadro. 

Dr. Gimenez tem 70 anos, é o deputado mais velho do Parlamento, e desde que se submeteu a um cateterismo cardíaco, seguido de angioplastia para colocação de dois stents, não terminou o tratamento e agora, após dois anos, necessita reavaliação. Todo acompanhamento está sendo feito pelo cardiologista Dr. Carlos Augusto Carretoni. 

“Quero tranquilizar a todos, pois é uma ação preventiva para fins de fazer o check-up necessário. Desde que fiz a angioplastia, há 2 anos, venho me sentindo muito bem, porém a reavaliação se faz necessária. Não fiz até o momento porque estávamos vivendo um período crítico de pandemia, mas agora, já vacinado com a 2ª dose contra a covid-19, e estou mais seguro para retomar o tratamento”, explicou o parlamentar. 

Veja Também:  ALMT discute fechamento de escolas estaduais em Várzea Grande

Seguindo o Regimento Interno da Casa de Leis, o requerimento solicitando o afastamento foi apresentado na quinta-feira (09). Já na próxima sessão, nesta quarta-feira (15), o segundo suplente pelo PV, Túlio Fontes, deverá assumir a cadeira do deputado Dr. Gimenez, até que este esteja plenamente recuperado e tenha alta médica de seu cardiologista. 

“Meu objetivo é fazer a reavaliação corretamente e, assim que estiver 100% recuperado, retornarei para as atividades parlamentares. Algumas pausas são necessárias, porque é o que eu sempre digo como médico trabalhando em prol da saúde há mais de 40 anos: a saúde é o nosso bem maior”. 

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Propaganda

Política MT

ALMT discute fechamento de escolas estaduais em Várzea Grande

Publicados

em


Foto: ANGELO VARELA / ALMT

O fechamento de escolas estaduais no município de Várzea Grande foi tema de discussão realizada na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) na tarde desta segunda-feira (20). Apresentado pelo deputado estadual Lúdio Cabral (PT), o requerimento para realização da sessão foi aprovado por unanimidade em sessão plenária e incluía a convocação do secretário de estado de educação, Alan Porto, porém ele não compareceu.

Conforme documento enviado pelo secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, Alan Porto não pôde comparecer porque participaria de uma solenidade de assinatura de contrato para construção da ferrovia estadual, realizada no município de Nova Mutum.

Em seu lugar, o gestor enviou representantes da Secretaria de Estado de Educação (Seduc). No entanto, segundo Lúdio Cabral, por se tratar de uma convocação apenas o convocado poderia ter espaço para fala. 

“O secretário está desrespeitando uma convocação obrigatória do Parlamento estadual. É um desrespeito do governador, que é chefe do Poder Executivo, com o Poder Legislativo de Mato Grosso. Iremos adotar os procedimentos necessários e puni-los devidamente por esse descompromisso e irresponsabilidade”, declarou o parlamentar.

Durante a reunião, foram ouvidos representantes de escolas estaduais de Várzea Grande e de outros municípios do estado, como Cáceres e São José dos Quatro Marcos. Todos afirmaram terem sido “pegos de surpresa” com a decisão do governo do estado de fechar unidades educacionais ou remanejar parte dos alunos e reivindicaram a manutenção das atividades.

Veja Também:  Projeto de Janaina visa capacitar agentes de saúde a identificar violência doméstica

José Cícero da Mota, diretor da Escola Estadual Licínio Monteiro da Silva, em Várzea Grande, criticou a medida anunciada pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc) e a falta de diálogo com a comunidade escolar. A unidade conta com 1.634 estudantes e atende alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA), estudantes portadores de deficiências, além do ensino regular, do nível médio e fundamental.

“A Seduc nunca nos encaminhou um único e-mail informando que a escola estaria no processo de redimensionamento. Percebe-se que a única preocupação é se livrar de escolas ‘problemáticas’. É uma indignidade o que estão fazendo com o Licínio Monteiro”, afirmou o gestor, que deu início a uma greve de fome até que a situação da unidade seja revista.

Professor da Escola Estadual Demétrio de Souza, Paulino César de Carvalho destacou sua preocupação diante da informação de que os alunos do final do segundo e terceiros ciclos e da Educação de Jovens e Adultos (EJA) serão remanejados para a E.E. Professor José Mendes Martins. “A escola é viável, falta apenas arrumar a sua infraestrutura, que não é adequada. A comunidade insiste que a escola permaneça”, frisou.

Adailton Aragão, diretor da José Mendes Martins, por sua vez, afirmou que a escola não tem capacidade para receber mais estudantes. “A escola não está preparada para receber essa demanda. Temos 14 salas e mais de mil alunos, os banheiros não têm portas. Como vamos colocar mais 700 alunos nessa escola?”, questionou.

Veja Também:  CPI adia para segunda-feira (20) apresentações de requerimentos de convocações de Antônio Galvan e Rafael Galvan

A professora da Escola Estadual Meninos do Futuro, localizada na unidade do Sistema SocioeducativoPomeri, ressaltou a importância da educação na vida dos adolescentes internos e reivindicou a permanência da escola. “A educação é a única oportunidade que eles têm”, disse.

Juscelino Dias de Moura, presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público (Sintep-MT) de Várzea Grande, lembrou que no ano passado já foram fechadas duas escolas no município que, juntas, contavam com cerca de 1.300 alunos e classificou como “criminosa e antidemocrática” a atitude do governo do estado de fechar mais unidades sem dialogar com a comunidade escolar. “É uma decisão que visa puramente o lado econômico. Educação não é gasto, é investimento”, salientou.

Para o deputado Lúdio Cabral, a falta de diálogo demonstra a real intenção do governo. “O que era uma ameaça anunciada no ano passado de fechamento de 300 escolas está se materializando. É um projeto de desmonte, de fechamento mesmo. Se houvesse argumento válido, iriam para as escolas debater de forma aberta. Mauro Mendes será lembrado como pior governador de todos os tempos na gestão educacional”, avaliou.

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

CST dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate a Endemias realiza reunião nesta segunda

Publicados

em


Foto: Ronaldo Mazza

A Câmara Setorial Temática (CST) dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e Agentes de Combate a Endemias (ACE) realizou reunião na tarde desta segunda-feira (20) com objetivo de ouvir o representante do Conselho Nacional de Técnicos em Agentes Comunitários de Saúde (Contacs), Sergio Gutemberg. 

O secretário nacional de comunicação do conselho, Sergio Gutemberg, participou do encontro de forma remota e elogiou as ações do Parlamento estadual em defesa das categorias. Entre as iniciativas está a oferta do curso gratuito de formação profissional Técnico em Agente Comunitário de Saúde, com ênfase em Combate a Endemias. A capacitação é feita por meio da Escola do Legislativo, com execução do Instituto Brasil Adentro (IBA) e parceria do governo do estado e atende mais de 1200 ACSs e  ACEs, que possuem ensino médio completo e atuam no estado. 

“A ALMT está de parabéns e cria um marco na história ao oferecer um curso técnico de alta qualidade. Acompanho de perto esse curso, que é o melhor do país. O instituto responsável é muito bem preparado e qualificado. Mato Grosso é um estado pioneiro ao oferecer uma formação técnica pública”, avaliou Sergio Gutemberg. 

Veja Também:  CPI adia para segunda-feira (20) apresentações de requerimentos de convocações de Antônio Galvan e Rafael Galvan

Para o relator da CST, Carlos Eduardo Santos, o reconhecimento do curso pelo Contacs foi alcançado tirando dúvidas em relação à validade da formação que, segundo ele, já foi reconhecida pelo Ministério da Educação e Ministério da Saúde. “Nós já solicitamos à Mesa Diretora a continuação desse projeto para o ano que vem, com abertura de inscrições no fim do ano e início das aulas em fevereiro, como foi neste ano. Vimos que há uma demanda reprimida de três mil agentes que não conseguiram se inscrever [por falta de vagas] e por isso acredito que o curso deve ser oferecido novamente, uma vez aprovada a prestação de contas”, adiantou.

O presidente do Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate as Endemias do estado (Sintrace/MT), Wilson Cutas, lembrou ainda que a ALMT criou frente parlamentar em defesa das categorias, além da CST. 

O representante do Conselho Nacional de Técnicos em Agentes de Saúde, Sergio Gutemberg, também disse na reunião que as categorias de ACSs e ACEs devem ser incluídas na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), em que são especificadas e identificadas todas as ocupações do mercado de trabalho do país. “Há nota técnica favorável à criação das duas categorias. Até novembro, o Ministério do Trabalho deve ter os estudos prontos”, afirmou Gutemberg. Além de terem a atuação profissional reconhecido pelo governo federal, os agentes com curso técnico também poderão ter ganhos salariais, de acordo com Carlos Eduardo Santos. 

Veja Também:  ALMT vai ampliar programa de inclusão social por meio do trabalho

O relator da CST ainda defende a criação de um conselho regional de Técnicos em Agentes Comunitários de Saúde em Mato Grosso. “Não adianta termos só o nacional e não termos essa representatividade aqui para passar para esse futuro técnico que vai ter uma contribuição, uma anuidade e a legalidade de representação dele”, argumentou.

A próxima reunião da CST deve ser marcada em outubro e a previsão de entrega do relatório final é para maio de 2022. 

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA ATÉ O MOMENTO A GESTÃO DR. DIVINO PREFEITO DE BARRA DO BUGRES ESTÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana