conecte-se conosco


Economia

Dólar fecha em alta. Bolsa tem dia de estabilidade

Publicados

em

O dólar reverteu perdas de mais cedo e fechou em alta frente ao real nesta quarta-feira (22), acompanhando piora nos mercados internacionais devido a declarações do presidente do Federal Reserve (o banco central americano), Jerome Powell.

A divisa norte-americana à vista subiu 0,50%, a 5,1791 reais na venda, depois de ter chegado a cair 0,50%, a 5,1274 reais, em certo ponto das negociações.

O foco do dia esteve em comentários de Powell ao Congresso dos EUA, em que ele afirmou que o Federal Reserve está “fortemente comprometido” em reduzir a inflação -a mais intensa em 40 anos- e reconheceu os riscos que juros mais altos podem representar para a atividade da maior economia do mundo.

No cenário doméstico, alguns participantes do mercado apontaram o noticiário envolvendo a Petrobras e riscos fiscais como fator de amparo para o dólar, que costuma

No acumulado do ano, o dólar tem queda de 7% frente ao real.

Já a Bolsa de Valores fechou praticamente estável nesta quarta-feira, após quase perder o patamar dos 98 mil pontos no pior momento do dia.

Veja Também:  Eletrobras teve lucro de R$ 5,7 bilhões em 2021

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa recuou 0,09%, a 99.595,45 pontos, de acordo com dados preliminares. Mais cedo, renovou mínima desde novembro de 2020, a 98.050,02 pontos. O volume financeiro no pregão somava 21,7 bilhões de reais.

*Com informações da Agência Reuters

Edição: Claudia Felczak

Comentários Facebook
Propaganda

Economia

FGV: confiança do comércio sobe 4,6 pontos em junho

Publicados

em

Por

O Índice de Confiança do Comércio (Icom) subiu 4,6 pontos em junho e alcançou 97,9 pontos. É o maior nível desde agosto do ano passado, quando o índice ficou em 100,9 pontos. Em médias móveis trimestrais, o Icom avançou 3,7 pontos, o que representa o quarto resultado positivo em sequência. Os dados foram divulgados hoje (29) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre).

De acordo com o economista do FGV Ibre Rodolpho Tobler, a melhora no mês ocorreu nos dois horizontes temporais, mas foi maior no Índice de Situação Atual (ISA-COM), que mede a percepção com o volume de vendas no momento.

“O ISA-COM acumula alta de mais de 30 pontos nos últimos quatro meses, recuperando o que foi perdido na desaceleração ocorrida entre o final de 2021 e início de 2022. Para os próximos meses, ainda é necessária certa cautela, o grande desafio passa a ser a continuidade desse cenário favorável mesmo com o fim da liberação de recursos extraordinários, ambiente macroeconômico ainda desfavorável e confiança do consumidor em patamar baixo”.

Veja Também:  Entrega de declarações do Imposto de Renda 2022 ultrapassa 22 milhões

Segundo o FGV Ibre, em junho a alta ocorreu nos seis principais segmentos da pesquisa, influenciado pelo avanço do ISA-COM, com aumento de 7,4 pontos, e também do Índice de Expectativas (IE-COM), que avançou 1,8 ponto, para 87,5 pontos. O ISA-COM subiu pelo quarto mês consecutivo e atingiu 108,5 pontos, o maior valor desde julho de 2021, quando ficou em 108,7 pontos.

Dessa forma, a confiança do comércio encerra o segundo trimestre do ano em alta, puxada pelas percepções sobre o momento presente. O instituto ressalta que o ISA-COM passou por uma queda contínua do final de 2021 até o início de 2022, mas na passagem do primeiro para o segundo trimestre acumulou uma sequência de altas, conseguindo recuperar o patamar do meio do ano passado.
 

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Economia

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Inflação pelo IGP-M sobe para 0,59% em junho

Publicados

em

Por

O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) registrou inflação de 0,59% em junho deste ano, percentual  maior que o de maio: 0,52%. Segundo informou hoje (29), a Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio de Janeiro, com o resultado o indicador acumula 8,16% em 2022. Em 12 meses, o IGP-M é de 10,70%, abaixo dos 35,75% acumulados em junho de 2021.

A alta do IGP-M de maio para junho foi puxada pelos preços no varejo e pelo custo da construção.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede o varejo, subiu de 0,35% em maio para 0,71% em junho. Já o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) passou de 1,49% para 2,81% no período.

E o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que mede o atacado, teve queda ao passar de 0,45% em maio para 0,30% em junho. 

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Economia

Comentários Facebook
Veja Também:  Entrega de declarações do Imposto de Renda 2022 ultrapassa 22 milhões
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana