conecte-se conosco


Mulher

Ela trocou o Direito Tributário pela moda circular e fatura milhões

Publicados

em

Luanna Toniolo, CEO da Troc
Divulgação

Luanna Toniolo, CEO da Troc

Entrar na Troc é uma experiência muito, muito distante daquela que várias pessoas ainda imaginam ser um brechó, empoeirado, com roupas velhas amontoadas e cheiro de mofo. A loja é um primor, instalada na rua Oscar Freire, em São Paulo, e ninguém diz que nas araras estão roupas de segunda mão.

O projeto é a realização profissional da ex-advogada tributária Luanna Toniolo, que desistiu do Direito quando, aos 27 anos e um mestrado aprovado com bolsa na Boston University, decidiu largar tudo. “Eu sabia que minha razão de ser não estava ali”, lembra.

Quer mais conteúdos sobre moda, beleza e comportamento? Agora você pode acompanhar todos os conteúdos do i G Delas pelo Telegram

Em vez disso fez um curso de marketing em Harward e percebeu o empreendedorismo como tendência de consumo. Conheceu conceitos como economia circular, pós-consumo e decidiu transformar sua paixão por moda em negócio. “Quanta coisa você tem e não usa? As pessoas são apegadas, acumuladoras e há um consumo desenfreado”, provoca. Ao voltar para o Brasil, resolveu criar a Troc , uma startup com modelo de negócio circular para conectar pessoas que querem comprar e vender roupas e acessórios de segunda mão.



Parecia simples, a cliente separa as roupas que não quer mais para coleta, a Troc aprova, põe no site e vende, com uma parcela do lucro para cada. “Mas, como conquistar compradores? Não havia e ainda não há essa cultura de comprar roupa usada”, admite Luanna. Ela foi em frente.

Luanna Toniolo
Divulgação

Luanna transformou a paixão por moda em negócio

Sua casa virou um brechó. Foi preciso alugar uma sala comercial para receber todas as peças, fotografar e vender. Ela fez um vídeo que animou a clientela e foram vendidos todos os 6 mil itens que ela tinha em acervo. Hoje, o estoque conta com 65 mil peças, todas catalogadas. É possível identificar a proprietária de cada blusinha, saia, jeans, jaqueta ou bolsa expostos no site. As lojas físicas são novidade. A da Oscar Freire completou 4 meses, a do Shopping Pátio Battel, em Curitiba, tem 3. “A cliente pode pedir no site e provar na loja se quiser”, explica.

Veja Também:  Como a adultização pode interferir no crescimento de uma criança

Acompanhe também perfil geral do  Portal iG no Telegram!

Nos primeiros 10 meses de atuação, a empresa faturou seu primeiro milhão. Antes de completar três anos, já tinha chegado aos R$10 milhões, números que sugerem que o resale é muito mais que uma tendência. No final de 2020, a Troc foi comprada pelo Grupo Arezzo&Co. e manteve Luanna à frente do negócio. A projeção para os próximos três anos é o crescimento de vinte vezes mais.

Luanna acredita que até 2031, 18% do consumo de moda será de second hand. “O verde é o novo preto”, anima-se. Ela conta que só usa roupa de brechó e sente que é uma quebra de paradigma. Confia nessa mudança de comportamento, que tem implicações sócio-ambientais reais. Na sua história, a Troc já proporcionou a economia de mais de 500 milhões de litros de água ou ainda evitou a emissão de mais de 700 toneladas de CO2 na atmosfera. É uma mudança que veio pra ficar. 

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Propaganda

Mulher

Thaila Ayala diz que gravidez foi um de seus piores momento da vida

Publicados

em

Thaila Ayala  tem se dedicado a mostrar uma gravidez real e sem romantização
Reprodução/Instagram

Thaila Ayala tem se dedicado a mostrar uma gravidez real e sem romantização

Desde a sua gravidez, a atriz Thaila Ayala decidiu compartilhar e debater sobre os inúmeros desafios da maternidade. No perfil do Instagram “Mil e Uma TrETAS”, criado pela artista em conjunto com a amiga Julia Faria, ela traz assuntos voltados para maternidade real que, para ela, não são tratados com a devida atenção. No mais recente post do perfil, Thaila relata como a gestação foi uma dos piores momentos de sua vida. 

Entre no canal do iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre beleza, moda, comportamento, sexo e muito mais!

“Eu tive uma gravidez nada fácil, embora muitos dissessem ser o melhor momento de uma mulher. Definitivamente foi um dos piores momento da minha vida, tive todos os sintomas, dores, dificuldades e culpa, muita culpa. Sofri uma depressão terrível que, graças a minha rede de apoio, consegui passar por ela”, escreveu a mulher.

Siga também o perfil geral do Portal iG no Telegram!

Ela desabafa em como a gravidez também foi um momento muito solitário para ela e que poder contar com o apoio de sua amiga, Julia Faria, foi de extrema importância para superar aquele momento difícil. Foi isso que a motivou a criar o perfil  “Mil e Uma TrETAS”, com o objetivo de compartilhar a suas vivências e fazer com que outras mulheres se sintam acolhidas. 

“Embora hoje eu saiba que gravidez é a vivência mais única e particular que uma pessoa pode ter, ter sofrido de uma doença que é tão pouco abraçada na gravidez só deixou ainda mais solitário o que já é extremamente só. Dividir e ser acolhida, foi fundamental para o meu processo. Ouvir e ser ouvida, sem julgamentos e sim, empatia. E por essa e todas as trocas maravilhosas e fundamentais que tive com a minha Marida nesse processo, nasceu MIL E UMA TETAS. Com a ideia de ouvir, dividir e acolher”, finalizou Ayala.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Veja Também:  Na Paris Fashion Week brasileira desfila com cabelo Black Power
Continue lendo

Mulher

Ortopedista explica se crianças podem usar sapato de salto alto

Publicados

em

Crianças devem usar sapato de salto alto? Ortopedista infantil esclarece
Bella Zhong /Pexels

Crianças devem usar sapato de salto alto? Ortopedista infantil esclarece

Os sapatos de salto fazem sucesso tanto pela estética quanto pelo ganho de alguns centímetros na altura. E crianças e adolescentes podem manifestar interesse em usá-los muito cedo. Mas a prática deve ser orientada pelos responsáveis e levar em conta alguns parâmetros que indicam o melhor uso.

Entre no canal do  iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre beleza, moda, comportamento, sexo e muito mais!

A ortopedista infantil Daniella Dantas de Oliveira explica que, ao utilizar um sapato de salto, o centro de gravidade de uma pessoa muda, e o corpo precisa fazer alterações mecânicas para compensar essa mudança. No caso dos adultos, há estudos que indicam que um salto de oito centímetros desloca o peso do corpo em até 80% para a parte da frente do pé, o que pode causar uma sobrecarga nos joelhos, dores crônicas nos pés e até uma hiperlordose, uma deformação na coluna.

Essa sobrecarga também ocorre em crianças que desenvolvem desenvolvem o hábito de andar na ponta dos pés. Outro caso comum se dá nas sapatilhas de ponta de balé, que deslocam o peso do corpo para a região. Os ortopediatras recomendam atenção aos responsáveis pelas crianças que praticam esse exercício.

Já no caso dos adolescentes, é preciso analisar alguns parâmetros do crescimento da cartilagem e dos ossos. Para as meninas, o fechamento deste crescimento acontece perto da primeira menstruação, mas as idades variam em média entre 13 e 16 anos.

“O salto de até três centímetros, com uso esporádico, não diário, poderia ser algo não prejudicial, já que temos pouca mudança do eixo gravitacional e, dessa forma, poucas adaptações. Também deve-se respeitar a fisiologia da criança, ou seja, respeitar que a estrutura óssea é mais frágil que a do adulto e ainda está em formação”, explica a ortopedista.

Veja Também:  Horóscopo do dia: previsões para 18 de fevereiro de 2022

Siga também o perfil geral do Portal iG no Telegram !

Daniella também reforça a importância de levar em consideração o uso do salto alto pelas crianças e adolescentes e buscar entender de onde vem esse desejo.

“No mundo em que vivemos, de redes sociais e digital influencers, esse tema deveria ser trabalhado com pais, professores, pedagogos, psicopedagogos, psicólogos, pediatras e ortopedistas infantis para que se chegue a um equilíbrio, sempre priorizando o bem estar físico e mental da criança.”

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana