conecte-se conosco


Agronegócio

Em maio custo de produção de suínos registra queda, enquanto frango fica mais caro

Publicados

em

De acordo com os estudos publicados pela Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa (CIAS), os custos de produção de suínos e frangos de corte agiram de forma peculiar no mês de maio.

Enquanto o Índice de Custo de Produção do Frango (ICPFrango) teve uma alta de 0,69% no mês de maio em relação a abril, fechando em 434,86 pontos, o índice de Custo de Produção de Suíno (ICPSuíno) registrou uma queda de 2,07% no mesmo período, chegando aos 419,68 pontos, o que demonstra o menor valor relatado do ano.

A alta no ICPFrango se deve principalmente pela influência do custo de aquisição dos pintinhos de um dia, que teve uma alta de 1,29% e representou 14,2% do custo total de produção. No Paraná, o custo de produção do quilo do frango de corte vivo, produzido em aviário, aumentou R$0,04 num comparativo de maio a abril, totalizando R$5,62. Vale ressaltar que de janeiro a maio, o ICPFrango acumula alta de 7,76%.

Veja Também:  CITROS/CEPEA: Preços da laranja continuam em baixa

O ICPSuíno no entanto, teve baixa devido a influência dos gastos com nutrição (-2,11%), mesmo que os transportes tenham registrado aumento nos preços (+0,23%). Em Santa Catarina, o custo geral da produção por quilo de suíno vivo produzido em sistema tipo ciclo completo teve uma queda de R$0,15 no mês, chegando aos R$7,34. Nos primeiros cinco meses do ano, o ICPSuíno tem um acúmulo em alta de 4,79%.

 

Custos de produção no mundo

No site oficial da CIAS, estão disponíveis os últimos números referentes aos custos de produção mundial de suínos. Os dados são fornecidos pela rede InterPig, na qual a Embrapa é a representante brasileira.

Santa Catarina e Paraná são os estados referenciais nos cálculos da CIAS pelo fato de serem os maiores produtores de suínos e de frangos de corte nacionais. Os custos produtivos são uma referência para o setor de produção.

Portanto, os resultados divulgados no CIAS são baseados em coeficientes de produção ajustados, que possuem apenas o preço do insumo e características de produção que variam mensalmente. Além disso, suinocultores e avicultores independentes sob acordos de fusão devem monitorar o surgimento de seus custos de produção.

Veja Também:  CNA faz balanço de missão à índia e diz que Brasil será um grande fornecedor de alimentos para o país

Fonte: Agroplus.tv

Fonte: AgroPlus

Comentários Facebook
Propaganda

Agronegócio

FRANGO/CEPEA: Preço da carne cai e eleva competitividade frente à suína

Publicados

em

Por

Cepea, 1º/7/2022 – Os preços da carne de frango seguiram enfraquecidos em junho, ao passo que os valores da suína subiram. Diante disso, a competitividade da proteína avícola frente à concorrente cresceu pelo segundo mês consecutivo. Em junho (até o dia 29), o frango inteiro resfriado foi comercializado no atacado da Grande São Paulo à média de R$ 7,44/kg, queda de 1,1% sobre a de maio. Segundo colaboradores do Cepea, apesar das vendas externas aquecidas, o baixo consumo interno pressionou as cotações da maioria dos produtos da avicultura de corte. Já para a carne suína, o período de inverno e festas tradicionais têm aquecido as vendas, ao passo que a oferta de animais em peso ideal de abate está menor, contexto que vem resultando em elevação dos preços. Em junho, a carcaça especial suína foi cotada, em média, a R$ 9,35/kg, avanço mensal de 1,1%. Diante disso, a carcaça suína esteve 1,91 Real/kg mais cara que o frango inteiro na parcial de junho, diferença 10,8% maior que a observada em maio, o que reduziu a competitividade da carne de frango frente à substituta. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Veja Também:  Soja: preço médio sobe até 29% no 1º semestre e garante resultado positivo para produtor

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

CITROS/CEPEA: Colheita de tangerina poncã se aproxima do fim em SP

Publicados

em

Por

Cepea, 1º/7/2022 – A colheita de tangerina poncã se iniciou em fevereiro no estado de São Paulo, mas a intensificação da oferta ocorreu apenas em meados de março. Agora, a comercialização da variedade se aproxima do fim no estado. Segundo colaboradores do Cepea, as últimas frutas paulistas devem ser colhidas até o encerramento de julho, com a oferta local se desacelerando na segunda quinzena do mês. Em agosto, ainda deve haver tangerinas de Minas Gerais no mercado, o que pode restringir valorizações da fruta em SP. Segundo colaboradores do Cepea, tanto em SP quanto em MG, a produção de tangerina poncã foi bem distribuída ao longo dos meses, sem grandes concentrações de produção. Contudo, diante das restrições econômicas do País e da queda das temperaturas em maio e junho, o consumo não foi alavancado neste ano. Assim como para a laranja, produtores se mostram preocupados com o aumento dos custos de produção da tangerina poncã, diante da forte valorização dos insumos. Um alento é que os preços também subiram: em junho, a média de comercialização foi de R$ 33,43/cx de 27 kg, na árvore, alta nominal de 18,3% em comparação com a de junho de 2021. Já frente a maio/22, houve queda de 12,4%. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Veja Também:  ALGODÃO/CEPEA: Média sobe pelo 3º mês seguido e renova recorde

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana