conecte-se conosco


Mulher

Endometriose pode causar cansaço extremo e impactar qualidade de vida

Publicados

em

Pacientes com endometriose têm duas vezes mais chances de serem suscetíveis à fadiga e ao cansaço
Andrea Piacquadio/Pexels

Pacientes com endometriose têm duas vezes mais chances de serem suscetíveis à fadiga e ao cansaço

endometriose é caracterizada como uma inflamação que impacta as células do endométrio, que são as paredes que revestem as paredes uterinas, e faz com que elas cresçam para fora do útero, o que pode comprometer outros órgãos. A doença é crônica e pode ter diversos efeitos nocivos, como fortes cólicas, dores crônicas e até infertilidade. No entanto, o cansaço também pode comprometer significativamente quem tem a doença.

Pessoas que sofrem de endometriose têm duas vezes mais chances de serem suscetíveis à fadiga e ao cansaço, segundo pesquisa realizada pelo Hospital Universitário de Zurique, na Suíça.

Entre no canal do  iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre universo feminino!

“A doença traz como consequência a diminuição da vida social, a queda no desempenho das atividades sociais e a falta de disposição. Isso atrapalha a rotina e cria obstáculos na busca pelo diagnóstico”, explica Marcos Tcherniakovsky, o ginecologista e diretor de comunicação da Sociedade Brasileira de Endometriose (SBE).

O médico complementa que essa dificuldade na busca do diagnóstico pode causar uma piora no quadro, já que pode levar, em média, de sete a oito meses para a endometriose ser descoberta.

Como a endometriose pode intensificar o cansaço?

A ginecologista Taís Calomeny explica que a endometriose é uma doença inflamatória estrogênio-dependente (ou seja, depende do estrogênio para se desenvolver) que cria um desequilíbrio de agentes oxidantes.

“Temos no organismo os radicais livres e alguns agentes oxidantes, que se equilibram. Várias estruturas do corpo produzem radicais livres e inflamação e os agentes oxidantes são produto de várias alterações e processos fisológicos”, explica a médica.

O problema acontece quando existe um aumento da produção de radicais livres e não existe uma proporção de agentes oxidantes para neutralizá-los, que é o que ocorre no caso da endometriose. A inflamação crônica aumenta o desequilíbrio, chamado de estresse oxidativo. Isso atrapalha a produção de algumas substâncias nas mitocôndrias, que são células responsáveis pela criação de energia.

Veja Também:  Dia do Orgasmo: prazer feminino ainda é tabu, afirma Marcela McGowan

“Então, essa deficiência na produção de substâncias nas mitocôndrias gera essa sensação de fadiga e cansaço, muito observada nas pacientes com endometriose”, aponta Calomeny. Nesses casos, o importante é realizar a diminuição do estresse oxidativo, voltando a equilibrar os radicais livres com os agentes oxidantes.

Siga também o perfil geral do Portal iG no Telegram !

Dores intensas podem cansar o corpo

Os desconfortos da endometriose, como dor pélvica intensa, cólicas e inchaços abdominais, também podem fazer com que a pessoa se sinta prejudicada e, consequentemente, mais cansada. “Em casos mais avançados ou dependendo da relação da mulher com o diagnóstico, ela automaticamente se sente incapacitada de realizar determinadas situações”, pontua Tcherniakovsky.

Esses quadros específicos podem levar ao impacto da saúde mental e deixa a paciente suscetível ao desenvolvimento de transtornos como depressão, ansiedade e irritabilidade. O ginecologista afirma que esses problemas comprometem a continuidade de atividades profissionais e pessoais.

“Há dados que mostram que uma mulher com quadro de endometriose grave só produz propriamente no trabalho de 10 a 20 horas semanais, nos casos de carga horária de 40 a 50 horas por semana. Além disso, ela não produz por uma hora por dia. Se permanecer assim, ela passa, basicamente, um mês sem trabalhar por ano”, ilustra o médico.

A dor psicológica também implica nesse processo: “A questão da fertilidade, por exemplo, pode causar uma dor muito grande, porque no final das contas a decisão de ter filhos acaba não sendo só daquela pessoa. Existem ainda os problemas de autoestima, já que a endometriose mexe com a libido e com a forte dor na hora da relação sexual. Isso gera ansiedade e sentimentos de culpa, pois deixam de sentir vontade ou passam a ter medo de sentir dor. A paciente deixa de ter prazer com uma coisa que deveria ser prazerosa”, explica Calomeny.

“Esse tipo de ansiedade e nervosismo pode acabar mudando a própria imunidade daquela pessoa. Ela se sente muito mais suscetível a ter qualquer outra doença em que a imunidade atua. Quanto mais pra baixo a pessoa estiver e quanto mais a parte psicológica estiver abalada, talvez mais a endometriose ganhe um espaço naquele corpo”, complementa Tcherniakovsky.

Veja Também:  Março Lilás: O que você precisa saber sobre o câncer de colo de útero

A própria dor constante gera as alterações psicológicas que podem levar ao estresse oxidativo, resultando no cansaço e levando à piora do quadro. Portanto, a fadiga se torna uma possível consequência da endometriose.

Como diferenciar transtornos psicológicos do cansaço consequente da endometriose?

Calomeny aponta que é na conversa entre médico e paciente que é possível discernir se aquele cansaço está realmente ligado à inflamação derivada da endometriose ou se está relacionada a outro tipo de transtorno. “Existem questionários específicos que podemos aplicar nas pacientes para compreender isso”, aponta a médica. Esses questionários podem ser respondidos antes mesmo da instituição de linhas de tratamento para observar o acompanhamento da evolução da melhor maneira.

Como otimizar o tratamento?

Para tratar a endometriose em si, é possível pensar em diversas linhas de tratamento. Tcherniakovsky explica que o método mais usado é o uso de medicações para bloquear a menstruação, como anticoncepcionais e DIU hormonal ou implante de hormônio. Analgésicos e anti-inflamatórios também podem ser administrados.

Se o tratamento clínico não for suficiente, pode ser necessário passar por videolaparoscopia ou videolaparoscopia convencional, cirurgias consideradas simples. “Outra situação para a recorrer à cirurgia é a infertilidade, pois a cirurgia pode melhorar isso. Caso haja piora do quadro ou outros órgãos sejam comprometidos, como intestino, bexiga, apêndice ou diafragma, também deve ser realizado um procedimento”, aponta o médico.

No entanto, Calomeny aponta que também é importante que exista um acompanhamento multidisciplinar para reduzir os desconfortos ao longo do tratamento. Psicólogos, fisioterapeutas, nutricionistas e psiquiatras são outros especialistas que podem ter impacto positivo no tratamento da endometriose e na redução do estresse inflamatório.

No caso do cansaço, a suplementação pode auxiliar os agentes oxidantes a entrarem em equilíbrio, reduzindo a fadiga. “É necessário também que haja mudança no estilo de vida, uma dieta inflamatória para não prejudicar a questão do estresse oxidativo, meditação, suporte emocional, bom sono e o bom funcionamento do intestino”, aponta a ginecologista.

“A prática de exercício físico pode melhorar a capacidade de uma pessoa ter vontade de realizar as atividades normais pela liberação de endorfina, que é um anti-inflamatório natural muito bom e potente no corpo. Por isso, é altamente recomendado”, complementa Tcherniakovsky.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Propaganda

Mulher

Thaila Ayala diz que gravidez foi um de seus piores momento da vida

Publicados

em

Thaila Ayala  tem se dedicado a mostrar uma gravidez real e sem romantização
Reprodução/Instagram

Thaila Ayala tem se dedicado a mostrar uma gravidez real e sem romantização

Desde a sua gravidez, a atriz Thaila Ayala decidiu compartilhar e debater sobre os inúmeros desafios da maternidade. No perfil do Instagram “Mil e Uma TrETAS”, criado pela artista em conjunto com a amiga Julia Faria, ela traz assuntos voltados para maternidade real que, para ela, não são tratados com a devida atenção. No mais recente post do perfil, Thaila relata como a gestação foi uma dos piores momentos de sua vida. 

Entre no canal do iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre beleza, moda, comportamento, sexo e muito mais!

“Eu tive uma gravidez nada fácil, embora muitos dissessem ser o melhor momento de uma mulher. Definitivamente foi um dos piores momento da minha vida, tive todos os sintomas, dores, dificuldades e culpa, muita culpa. Sofri uma depressão terrível que, graças a minha rede de apoio, consegui passar por ela”, escreveu a mulher.

Siga também o perfil geral do Portal iG no Telegram!

Ela desabafa em como a gravidez também foi um momento muito solitário para ela e que poder contar com o apoio de sua amiga, Julia Faria, foi de extrema importância para superar aquele momento difícil. Foi isso que a motivou a criar o perfil  “Mil e Uma TrETAS”, com o objetivo de compartilhar a suas vivências e fazer com que outras mulheres se sintam acolhidas. 

“Embora hoje eu saiba que gravidez é a vivência mais única e particular que uma pessoa pode ter, ter sofrido de uma doença que é tão pouco abraçada na gravidez só deixou ainda mais solitário o que já é extremamente só. Dividir e ser acolhida, foi fundamental para o meu processo. Ouvir e ser ouvida, sem julgamentos e sim, empatia. E por essa e todas as trocas maravilhosas e fundamentais que tive com a minha Marida nesse processo, nasceu MIL E UMA TETAS. Com a ideia de ouvir, dividir e acolher”, finalizou Ayala.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Veja Também:  Programa grátis de capacitação  empreendedoras encerra inscrições hoje
Continue lendo

Mulher

Ortopedista explica se crianças podem usar sapato de salto alto

Publicados

em

Crianças devem usar sapato de salto alto? Ortopedista infantil esclarece
Bella Zhong /Pexels

Crianças devem usar sapato de salto alto? Ortopedista infantil esclarece

Os sapatos de salto fazem sucesso tanto pela estética quanto pelo ganho de alguns centímetros na altura. E crianças e adolescentes podem manifestar interesse em usá-los muito cedo. Mas a prática deve ser orientada pelos responsáveis e levar em conta alguns parâmetros que indicam o melhor uso.

Entre no canal do  iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre beleza, moda, comportamento, sexo e muito mais!

A ortopedista infantil Daniella Dantas de Oliveira explica que, ao utilizar um sapato de salto, o centro de gravidade de uma pessoa muda, e o corpo precisa fazer alterações mecânicas para compensar essa mudança. No caso dos adultos, há estudos que indicam que um salto de oito centímetros desloca o peso do corpo em até 80% para a parte da frente do pé, o que pode causar uma sobrecarga nos joelhos, dores crônicas nos pés e até uma hiperlordose, uma deformação na coluna.

Essa sobrecarga também ocorre em crianças que desenvolvem desenvolvem o hábito de andar na ponta dos pés. Outro caso comum se dá nas sapatilhas de ponta de balé, que deslocam o peso do corpo para a região. Os ortopediatras recomendam atenção aos responsáveis pelas crianças que praticam esse exercício.

Já no caso dos adolescentes, é preciso analisar alguns parâmetros do crescimento da cartilagem e dos ossos. Para as meninas, o fechamento deste crescimento acontece perto da primeira menstruação, mas as idades variam em média entre 13 e 16 anos.

“O salto de até três centímetros, com uso esporádico, não diário, poderia ser algo não prejudicial, já que temos pouca mudança do eixo gravitacional e, dessa forma, poucas adaptações. Também deve-se respeitar a fisiologia da criança, ou seja, respeitar que a estrutura óssea é mais frágil que a do adulto e ainda está em formação”, explica a ortopedista.

Veja Também:  Ela tem 44 anos – mas parece ter 20 – e detalha a rotina de cuidados com a pele

Siga também o perfil geral do Portal iG no Telegram !

Daniella também reforça a importância de levar em consideração o uso do salto alto pelas crianças e adolescentes e buscar entender de onde vem esse desejo.

“No mundo em que vivemos, de redes sociais e digital influencers, esse tema deveria ser trabalhado com pais, professores, pedagogos, psicopedagogos, psicólogos, pediatras e ortopedistas infantis para que se chegue a um equilíbrio, sempre priorizando o bem estar físico e mental da criança.”

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana