conecte-se conosco


Saúde

Enfermeiros citam mortes de 5 colegas em MT e exigem lockdown em Tangará e outros municípios

Publicados

em

Tangará em Foco –  Alexandre Rolim

O Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso (Coren-MT) publicou nesta sexta-feira, 19, uma nota com pedido às prefeituras das cidades classificadas como de “alto risco de contágio” pelo novo Coronavírus para que decretem fechamento total, o chamado lockdown (fechamento total), como medida contra a propagação da Covid-19.

Entre essas cidades está Tangará da Serra, que foi classificada pela SES com índice muito alto de infecção.

O Conselho considerou a notificação que a Secretaria de Estado de Saúde anunciou que fará a estes municípios e também a ação proposta pelo Ministério Público Estadual solicitando o fechamento, ambas divulgadas nas últimas horas.

A nota do Coren-MT cita os percentuais de ocupação das UTIs e os índices de contágio entre profissionais de enfermagem no Estado. Segundo o Observatório da Enfermagem (http://observatoriodaenfermagem.cofen.gov.br/), a doença já atinge 302 profissionais da enfermagem em Mato Grosso, com cinco óbitos registrados.

“As denúncias acerca das precárias condições de trabalho e cuidado de enfermagem são constantes, o que ganha proporções inimagináveis frente à situação de contaminação e adoecimento crescentes”, diz um trecho do documento.

Leia a nota na íntegra:

Veja Também:  Dois casos da variante Delta são identificados na cidade do Rio

NOTA ÀS PREFEITURAS DE MATO GROSSO E À SOCIEDADE MATO-GROSSENSE

Nas últimas semanas, o Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso (Coren-MT) tem acompanhado, com preocupação, o acelerado avanço da transmissão do novo Coronavírus, o conseqüente adoecimento na forma grave da Covid-19 e os óbitos, que têm atingido faixas etárias variadas, com ou sem comorbidades.

Frente ao novo cenário sanitário, o Coren-MT tem intensificado suas ações de fiscalização em duplo sentido: 1) garantir a continuidade e manutenção do cuidado de enfermagem à sociedade, primando por sua qualificação permanente; 2) proteger os trabalhadores de enfermagem frente ao risco de contágio durante o processo de cuidar.

Por seu canal de ouvidoria, as denúncias acerca das precárias condições de trabalho e cuidado de enfermagem são constantes, o que ganha proporções inimagináveis frente à situação de contaminação e adoecimento crescentes.

Diante desta realidade, considerando a notificação anunciada pela Secretaria Estadual de Saúde aos municípios que se encontram com “alto risco de contágio” do novo Coronavírus, alertando para que se adotem quarentena de 15 dias, conforme as recomendações do decreto que estabelece os níveis de risco no Estado.

Considerando também que há mais de 10 municípios nesta condição (Cuiabá, Alta Floresta, Cáceres, Nova Mutum, Nossa Senhora do Livramento, Porto Esperidião, Pontes e Lacerda, Primavera do Leste, Rondonópolis, Sorriso, Sinop, Tangará da Serra e Várzea Grande), o que demonstra o risco de colapso do sistema de saúde;

Considerando ainda a ação do Ministério Público Estadual que pede o “fechamento total” em Cuiabá e Várzea Grande, anunciada nesta quinta-feira (18);

Considerando que o Sistema de Saúde já alcançou o índice de 80% na taxa de ocupação das UTI´s e 295 óbitos e considerando o avanço da doença entre os profissionais da enfermagem em Mato Grosso, onde já são registrados cinco óbitos e 302 infectados;

O Coren-MT vem a público solicitar aos gestores dos municípios retro mencionados que adotem, em regime de urgência, a quarentena de 15 dias, o chamado lockdown, mantendo apenas serviços essenciais, além da instalação de barreiras sanitárias em seus municípios.

Cuiabá (MT), 19 de junho de 2020.

Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso

 

Veja Também:  “Precisamos salvar vidas sem arruinar vidas”, afirma Mendes

Barra News – A sua fonte diária de informação – Barra do Bugres MT

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Niterói vacina 227 adolescentes de 16 e 17 anos com comorbidades

Publicados

em


A prefeitura de Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro, vacinou ontem (22) 227 adolescentes com comorbidades ou deficiências permanentes, se tornando a primeira cidade fluminense a imunizar menores de idade contra a covid-19.

O município começou ontem a vacinar os adolescentes das faixas etárias de 16 e 17 anos, e vai continuar hoje a aplicar as doses nesse público. Adolescentes de 12 a 15 anos com comorbidades e deficiências permanentes também receberão a vacina, em um cronograma que será divulgado de acordo com as próximas remessas de doses que chegarem a Niterói.

A previsão da prefeitura é que 2 mil adolescentes sejam vacinados nessa fase da campanha. O imunizante aplicado é o da Pfizer/BioNTech, o único, até o momento, com autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária  (Anvisa) para uso em adolescentes.

A vacinação desse grupo está ocorrendo em dois postos da cidade: a Policlínica Carlos Antônio Silva, em São Lourenço, e o drive thru do Campus do Gragoatá da Universidade Federal Fluminense (UFF), em São Domingos.

Niterói já imunizou com a primeira dose 80% dos adultos e prevê iniciar a vacinação dos adolescentes sem comorbidades quando completar o calendário dos maiores de 18. Nesta sexta-feira, a cidade vacina pessoas com 31 anos.

Veja Também:  Terça-feira (20): Mato Grosso registra 137.287 casos e 3.744 óbitos por Covid-19

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Longas filas marcam vacinação contra covid-19 no Distrito Federal

Publicados

em


O início da vacinação contra covid-19 para pessoas a partir de 37 anos foi marcado por longas filas na manhã de hoje (23), no Distrito Federal. Em busca da primeira dose, os moradores da capital federal madrugaram na porta dos postos. Ontem (22), o governo do Distrito Federal anunciou um mutirão para essa faixa etária e a disponibilização de 100 mil doses.

No posto de saúde da 612 Sul, as filas começaram cedo e, no início da manhã, levava-se cerca de duas horas para receber o imunizante.

“Estamos muito felizes por temos sido vacinados. Graças a Deus chegou a hora. Demorou, mas chegou a hora. Viva o SUS”, disse o advogado recém vacinado Alexandre Machado, de 40 anos, acompanhado da esposa, após encarar uma fila que, no início da manhã, estava em 500 metros.

No outro extremo da fila, que foi aumentando ao longo da manhã, o servidor público Rodrigo Guimarães, 37 anos, não se deixou abater pela distância até o local de vacinação. “Está grande, mas parece que está andando bem. Vamos ver. Está atrasado [para as pessoas com faixa etária de 37 anos receberem a vacina], mas melhor agora do que nunca”, disse.

Veja Também:  Dois casos da variante Delta são identificados na cidade do Rio

A rapidez com que a fila andava foi confirmada pela enfermeira Rúbia Abdel, 39 anos, que chegou às 7h e foi vacinada por volta das 9h. “Achei a fila ágil, pelo tempo que a gente chegou. Não ficamos muito tempo na fila.”

Após algumas tentativas de agendar, sem sucesso, sua vacina, a técnica em nutrição Raquel da Silva, 43 anos, disse estar “esperançosa” de, enfim, conseguir se imunizar contra a covid-19. “Tenho pressão alta, fui no médico e fiz laudo. Mas não aceitaram por ser um medicamento só [o utilizado no tratamento]. Como sou técnica em nutrição, tentei com minha carteirinha, mas não aceitaram. Esperei então [chegar a hora da] minha idade, para tomar. Tomara que dê certo”.

Agendamento

Até a semana passada, o esquema de imunização no Distrito Federal era feito por agendamento, pela internet. Depois de inúmeras críticas relativas à instabilidade do site e à falta de vagas, o governo resolveu adotar um novo procedimento. A partir de hoje, basta ir a um posto de saúde com um documento de identificação que comprove a idade para que o cidadão seja vacinado. Confira a lista com os postos de saúde abertos para vacinação contra covid-19 no DF.

Veja Também:  Qual a diferença entre pandemia, epidemia e infecção endêmica?

Governo do Distrito Federal

Contatada pela Agência Brasil, a Secretaria de Saúde do DF informou ter adotado “todos as medidas para evitar ou reduzir as filas no processo de vacinação”. Para tanto, o número de postos de atendimentos foram ampliados de 53 para 96 e cerca de 500 profissionais trabalham em tempo integral para organizar as filas, preencher cartões e realizar a aplicação da vacina.

“Mesmo assim, era previsto a formação de filas, principalmente nos horários iniciais, devido à ansiedade da população para conseguir a vacina”, informou a secretaria ao pedir, à população, que observe as medidas de segurança, como o uso de máscara, a manutenção do distanciamento entre pessoas e o uso do álcool em gel para higienização.

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

"2021" QUAIS SÃO AS SUAS EXPECTATIVAS PARA ESTE ANO QUE SE INICIA

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana