conecte-se conosco


Agronegócio

ETANOL/CEPEA: Indicador do hidratado fica praticamente estável

Publicados

em

Cepea, 26/07/2022 – As cotações do etanol hidratado ficaram praticamente estáveis no mercado paulista na semana passada, segundo informações do Cepea. O Indicador CEPEA/ESALQ semanal do biocombustível foi de R$ 2,9344/litro de 18 a 22 de julho, valor líquido de impostos (ICMS de 9,57% e PIS/Cofins – alíquota zerada), pequena alta de 0,15% frente ao período anterior. No caso do anidro, o avanço foi de 0,71%, com o Indicador CEPEA/ESALQ fechando em R$ 3,5198/litro, valor líquido de impostos – PIS/Cofins (alíquota zerada). Pesquisadores do Cepea afirmam que o movimento firme dos preços reflete a postura retraída do vendedor em meio a um cenário de menor produção de etanol (de acordo com números da Unica até a segunda quinzena de junho) e o foco na produção de açúcar neste momento da safra. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Veja Também:  Evento em MT reúne elos da cadeia pecuária para discutir como alcançar as fronteiras produtivas
Propaganda

Agronegócio

Preços do açúcar caem no início de agosto

Publicados

em

Os preços do açúcar no mercado spot paulista começaram o mês de agosto com baixa. Com a safra 2022/2023 em andamento, algumas usinas do estado de São Paulo negociaram o cristal tipo Icumsa 180 a valores menores, devido à maior disponibilidade de oferta a pronta entrega.

Já para o tipo Icumsa 150 a oferta se manteve restrita e os preços seguiram firmes.

Dos dias 1º a 05 de agosto, a média do produto foi de R$ 129,75/saca de 50 kg, com queda de 0,78% em relação à da semana anterior. Apesar desse recuo, o mercado doméstico manteve vantagem sobre as exportações.

Fonte: AgroPlus

Comentários Facebook
Veja Também:  BOI/CEPEA: Preço do bezerro recua 6,3% na parcial de abril
Continue lendo

Agronegócio

IPCA registra deflação de 0,68% em julho

Publicados

em

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerando a inflação oficial do país, registrou queda de 0,68% em julho, após subir 0,67% em junho. Conforme os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) essa foi a primeira deflação mensal desde maio de 2020, com a menor taxa registrada desde o início da série histórica, em janeiro de 1980. 

O resultado levou o índice acumulado nos últimos 12 meses  a uma taxa de 10,07%, contra os 11,89% registrados no mês anterior, mas ainda superando com folga o teto da meta oficial para a inflação deste ano (-3,5%), com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos. As projeções eram de recuo de 0,65% no IPCA de julho.

A deflação em julho do IPCA teve como base, principalmente, o recuo dos preços dos combustíveis e energia. As variações negativas destes itens refletem a queda nos preços praticados nas refinarias da Petrobras e também a redução das alíquotas de ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre os setores de combustíveis, gás, energia, comunicações e transporte coletivo, aplicada a partir da lei sancionada no final de junho. 

Veja Também:  SOJA/CEPEA: Com final da colheita, preços recuam

Com isso, os preços da gasolina caíram 15,48% e os do etanol recuaram 11,38%. Já o custo da energia residencial teve queda de 5,78% e o valor de gás de botijão recuou 0,36%. 

Além disso, dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, dois apresentaram deflação em julho, sendo eles o de Transporte e Habitação, com recuos nos preços  de 4,51% e 1,05%, respectivamente. Enquanto isso, outros sete grupos tiveram alta de preços, tendo a Alimentação e Bebidas registrado o maior aumento do mês, fechando em 1,30%, frente aos 0,80% em junho. A maior pressão veio do leite longa vida, que subiu 25,46%, e pelos derivados do leite como queijo, manteiga e leite condensado, que sofreram alta de 5,28%, 5,75% e 6,66%, respectivamente. 

Essa alta do produto teve forte influência do período de entressafra, que se estende mais ou menos de março até setembro/outubro, onde as pastagens estão mais secas, reduzindo a oferta de leite no mercado, além do fato dos custos de produção estarem elevados. 

Veja Também:  Comissão de Política Agrícola e Logística da Aprosoja apresenta demandas à Sinfra

A alta do leite contribuiu especialmente para o resultado da alimentação no domicílio, que acelerou de 0,63% em junho para 1,47% em julho. 

Fonte: AgroPlus

Comentários Facebook
Continue lendo

QUEREMOS SABER SUA OPINIÃO

EM SEU PONTO DE VISTA A GESTÃO AZENILDA PEREIRA SERÁ?

Barra do Bugres e Região

Mato Grosso

Agronegócio

Mais Lidas da Semana